Bra­sil en­tra em Con­ta­gem re­gres­si­va

Para a CAM­PA­NHA Mais in­cer­ta De sua His­tó­ria

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

OT­ri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral en­cer­ra nes­ta quar­ta-fei­ra o pra­zo para a ins­cri­ção de can­di­da­tos às elei­ções ge­rais de ou­tu­bro. Nor­mal­men­te se­ria uma for­ma­li­da­de mais na enor­me ma­qui­na­ria elei­to­ral bra­si­lei­ra; o úl­ti­mo pas­so an­tes de de­cre­tar, na quin­ta­fei­ra, o iní­cio ofi­ci­al da cam­pa­nha à pre­si­dên­cia do Bra­sil, to­das as ca­dei­ras da Câ­ma­ra, dois ter­ços do Se­na­do e to­dos os go­ver­na­do­res e de­pu­ta­dos es­ta­du­ais. Mas não há na­da ha­bi­tu­al nes­tas elei­ções, as mais im­pre­vi­sí­veis des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. E por is­so até uma ta­re­fa bu­ro­crá­ti­ca tão cin­za vem car­re­ga­da de in­tri­gas e car­re­gan­do o sim­bo­lis­mo do fim de uma era.

A jor­na­da en­cer­ra a con­ta­gem re­gres­si­va para es­ta cam­pa­nha, an­si­a­da por mui­tos co­mo en­cer­ra­men­to do pe­río­do mais tur­bu­len­to da his­tó­ria re­cen­te do Bra­sil. O mar­co da tur­bu­lên­cia de­pen­de de quem es­te­ja­mos fa­lan­do. No ca­so do ex-pre­si­den­te e as­pi­ran­te a can­di­da­to Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, es­ta quar­ta po­de­ria ser o dia mais es­pe­ra­do des­de que ter­mi­nou seu úl­ti­mo man­da­to em 2010, con­si­de­ra­do qua­se mais deus do que ho­mem, com qua­se 90% de apro­va­ção po­pu­lar. Só ti­nha de aguar­dar dois man­da­tos, os de sua pro­te­gi­da Dil­ma Rous­seff, para se can­di­da­tar de no­vo e apro­vei­tar sua po­pu­la­ri­da­de. Ocor­re que além de seu PT ter si­do eje­ta­do do po­der pe­lo im­pe­a­ch­ment em 2016, ago­ra ele é um ho­mem pre­so por cor­rup­ção, e a ins­cri­ção da can­di- da­tu­ra, que pro­me­te ser fei­ta em um gran­de ato em Bra­sí­lia, po­de ser seu úl­ti­mo car­tu­cho que lhe res­ta na ca­deia.

O ex-pre­si­den­te, à fren­te nas pes­qui­sas há mais de dois anos e na pri­são há qua­tro me­ses sem que is­so te­nha aba­la­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te as su­as in­ten­ções de vo­to, de­ve­rá de­ci­dir se ou­sa apre­sen­tar seu no­me co­mo can­di­da­to, co­mo ga­ran­te o PT que fa­rá. Tec­ni­ca­men­te a Lei da Fi­cha Lim­pa o im­pe­de –um can­di­da­to não po­de ter si­do con­de­na­do por cor­rup­ção em se­gun­da ins­tân­cia co­mo ele. O ro­tei­ro, en­tão, de­ve ser que, uma vez can­di­da­to, o TSE o ve­te e, as­sim, to­me seu lu­gar o nú­me­ro dois na cha­pa, Fer­nan­do Had­dad.

Para além de Lu­la, o pa­no­ra­ma não fi­ca me­nos con­fu­so. Até o fim do dia, 13 pessoas es­ta­rão ins­cri­tas, in­cluin­do al­guém do PT, para ten­tar ser pre­si­den­te, mas não há ne­nhum ou­tro can­di­da­to que des­per­te as mes­mas pai­xões que o ex­man­da­tá­rio e as pes­qui­sas mos­tram que, sem ele, cres­ce o nú­me­ro de quem de­cla­ra vo­tos bran­cos e nu­los. Quem mais se apro­xi­ma dis­so é Jair Bol­so­na­ro (PSL), ex-mi­li­tar de ul­tra­di­rei­ta, que de­fen­de a di­ta­du­ra bra­si­lei­ra, a tor­tu­ra e a am­pli­a­ção do por­te de ar­mas. Is­to lhe va­leu, além de inú­me­ras com­pa­ra­ções com o pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas, Ro­dri­go Du­ter­te, 17% das in­ten­ções de vo­to, nú­me­ro for­mi­dá­vel nes­se ce­ná­rio. No en­tan­to, Bol­so­na­ro não con­se­guiu ali­an­ças en­tre os par­ti­dos tra­di­ci­o­nais e cir­cu­la prin­ci­pal­men­te nas re­des so­ci­ais, às quais mui­tos bra­si­lei­ros em­po­bre­ci­dos não têm aces­so. Mui­tos ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos va­ti­ci­nam que a cam­pa­nha só po­de en­fra­que­cê-lo. Tem pouquís­si­mo tem­po na te­le­vi­são e tam­pou­co ali­a­dos em Bra­sí­lia para se for­ta­le­cer.

Al­go se­me­lhan­te acon­te­ce com Ma­ri­na Sil­va, a lí­der am­bi­en­ta­lis­ta evan­gé­li­ca que se can­di­da­ta pe­la ter­cei­ra vez à pre­si­dên­cia e que não es­tá mal nas pes­qui­sas (10% na úl­ti­ma re­a­li­za­da pe­lo Da­ta­fo­lha), mas que per­ten­ce a um par­ti- do mui­to pe­que­no.

alck­min, a apos­ta do es­ta­blish­ment

O cen­tro-di­rei­tis­ta Ge­ral­do Alck­min, não de­co­lou nas pes­qui­sas, mas é o pre­fe­ri­do dos mer­ca­dos e o que con­se­guiu atrair mais ali­a­dos - e, com is­so, o va­li­o­so tem­po na TV. Sua fra­que­za: é a en­car­na­ção do es­ta­blish­ment, que, co­mo os pro­ble­mas, os bra­si­lei­ros pro­cu­ram dei­xar para trás após qua­tro anos de su­ces­si­vos es­cân­da­los ex­pos­tos pe­la La­va Ja­to en­vol­ven­do a clas­se po­lí­ti­ca e que aju­da­ram a fa­zer de Mi­chel Te­mer o pre­si­den­te mais im­po­pu­lar da his­tó­ria.

Alck­min é a mai­or es­pe­ran­ça dos in­ves­ti­do­res, sem­pre dis­pos­tos a pres­si­o­nar as Bol­sas quan­do um re­sul­ta­do elei­to­ral ou mes­mo a pes­qui­sa não lhes agra­dam, para re­a­li­zar as re­for­mas econô­mi­cas li­be­rais que há anos são pro­me­ti­das para ten­tar en­ga­tar a re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca, ain­da len­ta.

Quem quer que saia da cam­pa­nha co­mo ven­ce­dor es­ta­rá à fren­te da mai­or eco­no­mia da Amé­ri­ca La­ti­na (2,2 tri­lhões de dó­la­res, cer­ca de 8,51 tri­lhões de re­ais), mas tam­bém te­rá nas mãos um gi­gan­te que aca­ba de pas­sar os pi­o­res qua­tro anos de sua his­tó­ria re­cen­te. Nes­sa es­pe­ra pe­las elei­ções, o Bra­sil se tor­nou uma po­tên­cia sem li­de­ran­ça, na qual os sa­lá­ri­os caí­ram e cres­ce­ram os ín­di­ces de vi­o­lên­cia –mais de 63.000 ho­mi­cí­di­os por ano, fa­ve­las em gu­er­ra cons­tan­te– e o nú­me­ro de pre­sos nas ca­dei­as –725.000 pessoas, ci­fra su­pe­ra­da ape­nas por dois ou­tros paí­ses. Nu­ma si­tu­a­ção tão es­drú­xu­la, não fal­ta quem ava­lie que nem a le­gi­ti­ma­ção das ur­nas se­rá ca­paz de de­vol­ver ple­na­men­te a nor­ma­li­da­de ao país. Se a som­bra de Lu­la se pro­je­ta­rá com efei­tos ain­da di­fí­ceis de pre­ver, não im­por­ta quão lon­ge Bol­so­na­ro che­gar, ele pro­va­vel­men­te já te­rá dei­xa­do sua mar­ca. Ele re­pe­te pe­ri­go­sa­men­te não con­fi­ar no sis­te­ma de vo­ta­ção, por exemplo. Além des­se man­to de sus­pei­ta, a por­cen­ta­gem de ci­da­dãos que per­de­ram o me­do de ex­pres­sar nos­tal­gia da di­ta­du­ra mi­li­tar (1964-1984) já é con­si­de­ra­do pro­ble­má­ti­co. De fa­to, nas elei­ções que co­me­çam ago­ra há uma cen­te­na de can­di­da­tos com pas­sa­do e idei­as mi­li­ta­res. Um re­cor­de até à da­ta num país em que, no La­ti­no­barô­me­tro no ano pas­sa­do, ape­nas 13% dos ci­da­dãos dis­se­ram es­ta­rem à von­ta­de com a de­mo­cra­cia exis­ten­te. El Pais

TSE

Pos­se da mi­nis­tra Ro­sa We­ber na pre­si­dên­cia do TSE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.