A era em que os robôs in­flu­en­ci­am hu­ma­nos

Brasil em Folhas - - Primeira Página - EL PAÍS

Ae­ra da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al já es­tá bem en­ca­mi­nha­da tam­bém nas re­des so­ci­ais. Mi­que­la Sou­sa apa­re­ce no Ins­ta­gram co­mo uma ga­ro­ta de ca­be­los es­cu­ros e sar­das. Ela tem 19 anos, de acor­do com seu re­la­to. Sua fa­mí­lia, se­gun­do con­ta, é um ho­mem cha­ma­do Tre­vor e uma mu­lher cha­ma­da Sa­ra. Ale­ga ser mú­si­ca, usa rou­pa es­por­ti­va que mar­ca ten­dên­ci­as de mo­da e es­tá en­vol­vi­da in­clu­si­ve em cau­sas so­ci­ais, por exem­plo, em apoio à co­mu­ni­da­de LGBTI ou aos sem-te­to, co­mo po­de ser vis­to em sua des­cri­ção. Qua­se to­dos os di­as, ela pu­bli­ca posts no Ins­ta­gram, on­de ex­pres­sa seus sen­ti­men­tos e mos­tra sua vi­da aos seus 1,3 mi­lhões de se­gui­do­res. Na ver­da­de, Tre­vor Mc­fre­di­es e Sa­ra De­cou são os co-fun­da­do­res da star­tup de Brud. E Mi­que­la é uma robô vir­tu­al cri­a­da por es­sa em­pre­sa. Ela não é a úni­co hu­ma­noi­de pre­sen­te nas re­des e o cres­cen­te nú­me­ro de se­gui­do­res de per­fis co­mo o seu cha­ma a aten­ção pa­ra um no­vo fenô­me­no vi­ral.

“A tec­no­lo­gia es­tá se apro­xi­man­do mais do ser hu­ma­no e is­so tam­bém é um fenô­me­no que vai se trans­por­tar pa­ra as re­des”, afir­ma Ra­fa­e­la Al­mei­da, au­to­ra do li­vro In­flu­en­cers, la nu­e­va ten­den­cia del mar­ke­ting on­li­ne. “Es­ses per­so­na­gens cha­mam a aten­ção por­que são uma no­va for­ma de se co­mu­ni­car no Ins­ta­gram di­fe­ren­te do mun­do di­gi­tal, on­de os ava­ta­res fun­ci­o­nam há mui­to tem­po”, acres­cen­ta Ana Ma­es­tre da Oki­ko Ta­lents, uma das pri­mei­ras agên­ci­as es­pa­nho­las de­di­ca­das à ges- tão de per­so­na­gens de ten­dên­cia em re­des so­ci­ais e de su­as re­la­ções com as mar­cas. En­tre os ins­ta­gra­mers não hu­ma­nos exis­ten­tes, Ma­es­tre ci­ta tam­bém Shu­du, cri­a­da pe­lo fo­tó­gra­fo Ca­me­ron-ja­mes Wilson e de­fi­ni­da em sua con­ta do Ins­ta­gram co­mo “a pri­mei­ra su­per­mo­de­lo di­gi­tal”. “A tec­no­lo­gia, a ro­bó­ti­ca e a no­vi­da­de” ge­ram mui­to fas­cí­nio, e is­so le­va a cri­ar per­so­na­gens re­ais ou fic­tí­ci­os que per­mi­tem jo­gar com is­so, se­gun­do Al­mei­da.

A con­ta de Mi­que­la exis­te há dois anos no Ins­ta­gram. Em mui­tos posts o ava­tar apa­re­ce com rou­pa de mar­cas co­mo Pra­da, Su­pre­me ou Di­e­sel. Às ve­zes apa­re­ce em com­pa­nhia de mo­de­los e ou­tros per­so­na­gens de ten­dên­cia. Até exis­te um per­fil no Spo­tify com al­gu­mas can­ções as­so­ci­a­dos a es­ta hu­ma­noi­de. Mi­que­la foi tam­bém ci­ta­da vá­ri­as ve­zes em di­fe­ren­tes mí­di­as. Em ju­nho des­te ano, a re­vis­ta Ti­me a in­cluiu na lis­ta dos 25 per­so­na­gens mais in­flu­en­tes da In­ter­net em 2018. No iní­cio nem to­dos ti­nham cla­ro que não se tra­ta­va de um ser hu­ma­no. “Quan­do co­me­cei, a per­gun­ta sem­pre era: Mi­que­la é uma pes­soa re­al?”, lê-se em um dos posts que apa­re­cem as­si­na­dos com o no­me do per­so­na­gem.

Em abril pas­sa­do, a con­ta de Mi­que­la so­freu um su­pos­to ata­que por par­te de um ava­tar cha­ma­do Ber­mu­da, se­gun­do re­la­tou a re­vis­ta The Cu­te. Es­se se­gun­do per­so­na­gem, su­pos­ta­men­te cri­a­do por uma in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al que apoia Do­nald Trump cha­ma­da Cain In­tel­li­gen­ce, apa­re­ceu em posts da con­ta de Mi­que­la nos quais a in­sul­ta­va e a pro­vo­ca­va a de­cla­rar sua iden­ti­da­de não hu­ma­na. Nos di­as se­guin­tes, apa­re­ceu uma men­sa­gem na qual Mi­que­la con­fes­sa­va que não era um ser hu­ma­no e seus cri­a­do­res eram os mem­bros da em­pre­sa Brud. De­pois des­se epi­só­dio, Mi­que­la apa­re­ceu com frequên­cia em seus posts com Ber­mu­da. Tam­bém saiu em di­fe­ren­tes oca­siões com o ava­tar de um per­so­na­gem mas­cu­li­no cha­ma­do Blaw­ko22, tam­bém cri­a­do pe­la Brud. Nes­te pe­río­do, o nú­me­ro de se­gui­do­res das três con­tas não pa­rou de cres­cer.

A Brud afir­mou no Ins­ta­gram que é um co­le­ti­vo de ar­tis­tas de Los An­ge­les es­pe­ci­a­li­za­dos na “cri­a­ção e ges­tão de ta­len­to ar­ti­fi­ci­al­men­te in­te­li­gen­te”. Em um co­mu­ni­ca­do pu­bli­ca­do de­pois do su­pos­to ata­que a Mi­que­la, a star­tup afir­mou que ti­nha si­do con­ta­ta­da pe­la Cain In­tel­li­gen­ce pa­ra cri­ar o pro­du­to de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al mais avan­ça­do do mun­do. Se­gun­do es­sa ver­são, ao des­co­brir que o ob­je­ti­vo des­ta com­pa­nhia era cri­ar um ob­je­to se­xu­al, a Brud rou­bou o pro­tó­ti­po de hu­ma­noi­de e de­sen­vol­veu Mi­que­la, um robô “vi­vaz, va­len­te e bom” pro­gra­ma­do pa­ra sen­tir em­pa­tia com os se­res hu­ma­nos. A Brud pe­diu des­cul­pas por não ter es­cla­re­ci­do an­tes to­das as dú­vi­das so­bre a na­tu­re­za de Mi­que­la. No si­te da Cain In­tel­li­gen­ce apa­re­ceu uma no­ta em que se des­car­ta­va que a com­pa­nhia ti­ves­se par­ti­ci­pa­do da cri­a­ção do per­so­na­gem.

Uma no­va fron­tei­ra do mar­ke­ting?

A teia de re­la­ções en­tre es­ses per­so­na­gens vir­tu­ais e seus cri­a­do­res tem in­gre­di­en­tes de fic­ção ci­en­tí­fi­ca. Ao cli­car no link re­la­ci­o­na­do ao si­te da Brud, se abre um do­cu­men­to do Go­o­gle, on­de apa­re­cem os no­mes dos in­te­gran­tes da star­tup e se afir­ma que Mi­que­la “é tão re­al quan­to Rihan­na”. O EL PAÍS en­vi­ou al­gu­mas per­gun­tas à Brud, mas por fim a em­pre­sa pre- fe­riu não res­pon­der. A Cain In­tel­li­gen­ce tam­bém não res­pon­deu às per­gun­tas so­bre sua ati­vi­da­de e seu pos­sí­vel vín­cu­lo com a Brud. O EL PAÍS tam­bém per­gun­tou a di­ver­sas ONGS, per­so­na­gens e mar­cas que apa­re­cem na con­ta de Mi­que­la se têm al­gu­ma li­ga­ção e acor­do co­mer­ci­al com a Brud. Por en­quan­to, so­men­te uma mar­ca res­pon­deu. A res­pos­ta foi: “Sem co­men­tá­ri­os”. O Ins­ta­gram, por sua vez, afir­mou atra­vés de um por­ta-voz que “por po­lí­ti­ca” não dá de­ta­lhes so­bre ad­mi­nis­tra­do­res e não opi­na so­bre con­tas em par­ti­cu­lar. Tam­bém afir­ma que não exis­tem po­lí­ti­cas es­pe­cí­fi­cas pa­ra per­so­na­gens cri­a­dos por com­pu­ta­dor. As nor­mas de trans­pa­rên­cia da re­de so­ci­al di­tam que o cri­a­dor de um conteúdo co­mer­ci­al de­ve eti­que­tar as mar­cas que apa­re­cem ne­le “nos ca­sos em que te­nha si­do re­gis­tra­do uma tro­ca de va­lor en­tre um cri­a­dor e um edi­tor e um par­cei­ro co­mer­ci­al”. Em mui­tas pos­ta­gens das con­tas de Mi­que­la, Blaw­ko22 e Ber­mu­da exis­tem eti­que­tas de al­gu­mas mar­cas.

“As agên­ci­as e as em­pre­sas sa­bem que is­so cha­ma a aten­ção. Por que não exi­bir um robô hu­ma­noi­de que es­tá ven­den­do pro­du­tos e ex­pli­can­do coi­sas? É mais uma ten­dên­cia den­tro de to­do o mer­ca­do que exis­te”, afir­ma a es­pe­ci­a­lis­ta Ra­fa­e­la Al­mei­da. “Pa­ra as mar­cas, o mais in­te­res­san­te des­ses per­fis é que per­mi­tem adap­tar me­lhor os con­teú­dos a su­as pró­pri­as ne­ces­si­da­des, já que é pos­sí­vel mol­dar sua pes­soa de acor­do com o in­te­res­se”, diz Ana Ma­es­tre da Oki­ko Ta­lents.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.