DO­NO DA HAVAN DE­SA­FIA LEI ELEI­TO­RAL PA­RA PRO­MO­VER BOL­SO­NA­RO NO FA­CE­BO­OK

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

oem­pre­sá­rio luciano Hang, pro­pri­e­tá­rio da re­de de lo­jas de de­par­ta­men­to Havan, foi às re­des so­ci­ais anun­ci­ar seu apoio ao can­di­da­to Jair mes­si­as Bol­so­na­ro (Psl). em uma trans­mis­são ao vi­vo de 48 mi­nu­tos no fa­ce­bo­ok, o em­pre­sá­rio de­fen­deu o pro­gra­ma do ex-mi­li­tar com um dis­cur­so in­fla­ma­do. “o Bol­so­na­ro é hu­mil­de, é sim­ples, é prá­ti­co, é com­pro­me­ti­do com o país (...) te­mos tu­do pa­ra dar cer­to, por que da­mos er­ra­do? Por­que vo­ta­mos er­ra­do (...) te­nha vo­cê co­ra­gem, em­pre­sá­rio ou não, ci­da­dão, do­na de ca­sa, te­nha co­ra­gem de abrir a bo­ca e pe­dir vo­to. Va­mos ga­nhar es­sas elei­ções no pri­mei­ro tur­no”. foi na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra a a pá­gi­na ofi­ci­al do can­di­da­to foi mar­ca­da na le­gen­da do ví­deo, que ao lon­go do fi­nal de se­ma­na re­ce­beu 1,2 mi­lhão de vi­su­a­li­za­ções. o em­pre­sá­rio tam­bém pu­bli­cou em sua pá­gi­na uma fo­to­gra­fia em que po­sa com o mi­li­tar da re­ser­va con­vi­dan­do seus fãs a co­nhe­ce­rem o pro­gra­ma do pos­tu­lan­te ao Pla­nal­to.

Hang se­ria mais um apoi­a­dor de Bol­so­na­ro usan­do seu di­rei­to de se ex­pres­sar po­li­ti­ca­men­te no fa­ce­bo­ok, a não ser por um de­ta­lhe: ele pa­gou pa­ra que a men­sa­gem fos­se vis­ta pe­la mai­or quan­ti­da­de pos­sí­vel de fre­quen­ta­do­res do fa­ce- bo­ok. ele fez o cha­ma­do “im­pul­si­o­na­men­to”: in­ves­tiu usan­do uma fer­ra­men- ta da pró­pria re­de so­ci­al pa­ra que o al­can­ce de sua men­sa­gem pe­din­do vo­tos pa­ra Bol­so­na­ro fos­se tur­bi­na­do. No en­tan­to, a prá­ti­ca, se­gun­do o tri­bu­nal su­pe­ri­or elei­to­ral (tse), é ile­gal. É que, pe­la re­for­ma po­lí­ti­ca apro­va­da no ano pas­sa­do, não po­de ha­ver “ter­cei­ri­za­ção” da pro­pa­gan­da. a le­gis­la­ção, que es­treia nes­te ano ro­de­a­da de dú­vi­das, diz que só os pró­pri­os can­di­da­tos, par­ti­dos e su­as co­li­ga­ções po­dem com­prar pro­pa­gan­da elei­to­ral no fa­ce­bo­ok. Pa­ra que is­so se­ja fei­to, é ne­ces­sá­rio, pri­mei­ro, que os usuá­ri­os se­jam ca­das­tra­dos pre­vi­a­men­te (tan­to no tse quan­to no fa­ce­bo­ok) pa­ra que pos­sam in­ves­tir re­cur­sos pa­ra exi­bir seus posts, de­vi­da­men­te iden­ti­fi­ca­dos co­mo pro­pa­gan­da elei­to­ral, pa­ra um nú­me­ro mai­or de pes­so­as do que nor­mal­men­te ele apa­re­ce­ria.

ape­sar da ex­pres­sa proi­bi­ção, os con­teú­dos de apoio a Bol­so­na­ro pu­bli­ca­dos pe­lo pro­pri­e­tá­rio da Havan per­ma­ne­ce­ram tur­bi­na­dos com di­nhei­ro du­ran­te to­do o fi­nal de se­ma­na e o im­pac­to foi sig­ni­fi­ca­ti­vo. a men­sa­gem apa­re­ceu no mo­ni­to­ra­men­to das men­ções aos can­di­da­tos fei­to pe­lo el País jus­ta­men­te por­que seu su­ces­so e po­der vi­ral des­to­a­vam da mé­dia. a ação des­ban­cou boa par­te dos con­teú­dos que ci­ta­vam os de­mais can­di­da­tos. en­tre to­das as ci­ta­ções de pos­tu­lan­tes ao se­na­do, co­le­ta­das en­tre os di­as 8 e 20 de agos­to no fa­ce­bo­ok, as pos­ta­gens de Hang fo­ram cam­peãs de in­te­ra­ções (tu­do en­vol­ven­do o

ví­deo, de cur­ti­das a com­par­ti­lha­men­tos), ocu­pan­do a pri­mei­ra e a se­gun­da po­si­ções no ran­king (ver grá­fi­co). a fo­to­gra­fia do em­pre­sá­rio com Jair Bol­so­na­ro ob­te­ve 187.598 re­a­ções, 11 mil co­men­tá­ri­os e 29 mil com­par­ti­lha­men­tos. Já sua trans­mis­são ao vi­vo de­cla­ran­do apoio ao can­di­da­to acu­mu­lou mais de 1.324.483 de vi­su­a­li­za­ções, além de 100.176 re­a­ções, 49 mil co­men­tá­ri­os e 28 mil com­par­ti­lha­men­tos.

RE­GRAS DA RE­FOR­MA PO­LÍ­TI­CA POSTAS À PRO­VA

o ca­so de Havan é um exem­plo dos de­sa­fi­os pa­ra a fis­ca­li­za­ção da lei elei­to­ral nes­ta cam­pa­nha. es­sa é a pri­mei­ra vez que as no­vas re­gras de­ter­mi­na­das pe­la re­for­ma Po­lí­ti­ca de 2017, in­cluin­do a au­to­ri­za­ção pa­ra a com­pra de anún­ci­os em re­des so­ci­ais, são postas à pro­va. Na prá­ti­ca, co­mo a fis­ca­li­za­ção da lei é di­fí­cil, é co­mo se ela não exis­tis­se. ape­sar da proi­bi­ção, qual­quer pes­soa fí­si­ca com um car­tão de cré­di­to po­de pa­gar pa­ra pro­mo­ver sua men­sa­gem e o fa­ce­bo­ok sim­ples­men­te não vai fa­zer tri­a­gem pré­via se aque­le conteúdo fe­re ou não a le­gis­la­ção elei­to­ral. a úni­ca coi­sa que a re­de so­ci­al res­trin­ge são os con­teú­dos que in­frin­gem su­as pró­pri­as re­gras de co­mu­ni­da­de ou a pe­di­do da Jus­ti­ça elei­to­ral.

“É fun­ção do tse fis­ca­li­zar as pro­pa­gan­das elei­to­rais”, afir­ma o advogado alberto rol­lo, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to elei­to­ral. “Por is­so, não adi­an­ta de­nun­ci­ar um post po­lí­ti­co no fa­ce­bo­ok”, aler­ta. Não exis­te ne­nhum me­ca­nis­mo de au­di­to­ria da Jus­ti­ça elei­to­ral pa­ra ava­li­ar o que acon­te­ce den­tro da re­de so­ci­al. se­gun­do o tse, even­tu­ais de­nún­ci­as de­vem ser apresentadas ao mi­nis­té­rio Pú­bli­co elei­to­ral e, se hou­ver al­gu­ma fun­da­men­ta­ção, se­rão ana­li­sa­das. o mp elei­to­ral, por sua vez, afir­ma que não se ma­ni­fes­ta sem que ha­ja um pro­ce­di­men­to aber­to de in­ves­ti­ga­ção, que só po­de ser fei­to após uma de­nún­cia on­li­ne fei­ta por par­ti­dos, can­di­da­tos ou mes­mo ci­da­dãos co­muns. o que não acon­te­ceu no ca­so da pos­ta­gem de luciano Hang.

o pro­ble­ma é que o pró­prio con­cei­to de pro­pa­gan­da elei­to­ral nas re­des so­ci­ais é di­fu­so. se­gun­do o advogado rol­lo, se a pos­ta­gem ti­ver no­me e nú­me­ro do can­di­da­to, é pe­di­do de vo­to. mas, pa­ra o em­pre­sá­rio luciano Hang, su­as pos­ta­gens são ape­nas ma­ni­fes­ta­ção de in­ten­ção de vo­to e não pe­di­dos. “meu fa­ce­bo­ok e mi­nhas re­des so­ci­ais são mo­ti­va­ci­o­nais, pa­ra pas­sar um pou­co da mi­nha vi­vên­cia no dia a dia da nos­sa em­pre­sa”, dis­se ele ao el País.

Hang afir­ma não ter ali- nha­do sua es­tra­té­gia com a cam­pa­nha de Bol­so­na­ro. o em­pre­sá­rio não di­vul­ga quan­to in­ves­tiu nos im­pul­si­o­na­men­tos, mas afir­ma que quer que o mai­or nú­me­ro de pes­so­as o ve­jam – “pa­ra que pos­sa­mos mu­dar o nos­so país”. No en­tan­to, ele ga­ran­te não ter co­nhe­ci­men­to de que su­as pos­ta­gens po­dem ser en­qua­dra­das co­mo pro­pa­gan­da elei­to­ral. “fiz um ví­deo abrindo meu vo­to, em quem eu vou vo­tar. lá den­tro eu fa­lo que ca­da um tem o di­rei­to de es­co­lher seu can­di­da­to. De ne­nhu­ma for­ma pe­di vo­to pa­ra nin­guém”, diz.

em ca­sos que a Jus­ti­ça elei­to­ral ava­lie que há vi­o­la­ção da lei, tan­to o res­pon­sá­vel pe­la divulgação da pro­pa­gan­da ou pe­lo im­pul­si­o­na­men­to do conteúdo,quan­to seu be­ne­fi­ci­a­do (quan­do com­pro­va­do seu co­nhe­ci­men­to pré­vio) po­dem ter de pa­gar mul­ta en­tre 5.000 re­ais e 30 mil re­ais, ou em va­lor equi­va­len­te ao do­bro da quan­tia in­ves­ti­da, ca­so o cál­cu­lo su­pe­rar o li­mi­te má­xi­mo da mul­ta. Pro­cu­ra­da, a cam­pa­nha de Jair Bol­so­na­ro não se ma­ni­fes­tou so­bre o ca­so.

O PA­PEL DA PRO­PA­GAN­DA SEGMENTADA

o de­ba­te so­bre o que é ou não pro­pa­gan­da elei­to­ral, tur­bi­na­da e ter­cei­ri­za­da, no fa­ce­bo­ok, não é me­nor. os es­pe­ci­a­lis­tas ain­da dis­cu­tem, no Bra­sil e no ex­te­ri­or, que pe­so as re­des so­ci­ais tem na de­fi­ni­ção do vo­to e na mo­ti­va­ção pa­ra sair pa­ra vo­tar. o pu­lo do ga­to da re­de de mark Zuc­ker­berg é per­mi­tir um ti­po de pro­pa­gan­da re­fi­na­da. o fa­ce­bo­ok ofe­re­ce um ser­vi­ço de di­re­ci­o­na­men­to de con­teú­dos pa­ra pú­bli­cos seg­men­ta­dos por ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo ida­de, gê­ne­ro, es­ta­do ci­vil, fai­xa de ren­da, in­te­res­ses, com­por­ta­men­tos, tra­ços psi­co­ló­gi­cos e ti­pos de vín­cu­los fa­mi­li­a­res. os im­pul­si­o­na­men­tos ga­ran­tem que a men­sa­gem che­gue ao pú­bli­co se­le­ci­o­na­do pe­lo con­tra­tan­te, en­quan­to aque­le con­teú­dos pu­bli­ca­dos por pá­gi­nas en­ten­di­das co­mo me­nos re­le­van­tes pe­lo fa­ce­bo­ok ten­dem a ter sua vi­si­bi­li­da­de bas­tan­te li­mi­ta­da.

ca­sos co­mo o de luciano Hang con­ti­nu­a­rão sem qual­quer mo­ni­to­ra­men­to. De acor­do com o fa­ce­bo­ok, não ca­be a eles de­ci­dir o que é ou não é pro­pa­gan­da elei­to­ral. “ou­tros con­ti­nu­a­rão ar­gu­men­tan­do que se­ria me­lhor que não ti­vés­se­mos es­se ti­po de anúncio no fa­ce­bo­ok. mas acre­di­ta­mos em dar voz a cam­pa­nhas le­gí­ti­mas – ao mes­mo tem­po em que aju­da­mos a ga­ran­tir que as pes­so­as pos­sam des­co­brir quem es­tá ten­tan­do in­flu­en­ci­ar seu vo­to e por quê”, in­for­ma a re­de so­ci­al.

Já os can­di­da­tos que usam os ca­nais ofi­ci­ais da re­de já po­dem, sim, ser mo­ni­to­ra­dos, mes­mo que de ma­nei­ra li­mi­ta­da. Pa­ra se ajus­tar à no­va le­gis­la­ção apro­va­da com a re­for­ma Po­lí­ti­ca de 2017 e, pos­te­ri­or­men­te, re­gu­la­men­ta­da pe­lo tse, o fa­ce­bo­ok di­vul­gou no fi­nal de ju­lho um con­jun­to de me­di­das pa­ra am­pli­ar a trans­pa­rên­cia de pá­gi­nas e anún­ci­os no fa­ce­bo­ok. em ju­nho, a em­pre­sa dis­po­ni­bi­li­zou a con­sul­tar os im­pul­si­o­na­men­tos pa­gos vei­cu­la­dos por pá­gi­nas na re­de so­ci­al. a me­di­da, en­tre­tan­to, não in­for­ma pa­ra quais pú­bli­cos os anún­ci­os fo­ram di­re­ci­o­na­dos nem o mon­tan­te in­ves­ti­do.

No iní­cio de agos­to, a re­de so­ci­al anun­ci­ou o iní­cio do ca­das­tra­men­to can­di­da­tos, seus re­pre­sen­tan­tes, par­ti­dos e co­a­li­zões po­lí­ti­cas. o ca­das­tro per­mi­te aos en­vol­vi­dos mar­car um anúncio co­mo “pro­pa­gan­da elei­to­ral” du­ran­te o pe­río­do de ofi­ci­al de cam­pa­nha. a em­pre­sa tam­bém cri­ou a fer­ra­men­ta Bi­bli­o­te­ca de anún­ci­os, que hos­pe­da­rá por se­te anos to­dos os anún­ci­os re­la­ci­o­na­dos a po­lí­ti­ca, in­cluin­do pro­pa­gan­da elei­to­ral, com in­for­ma­ções a res­pei­to do va­lor apro­xi­ma­do gas­to e o pú­bli­co de­mo­grá­fi­co im­pac­ta­do por ca­da anúncio. No en­tan­to, a bi­bli­o­te­ca tam­bém só con­tem­pla os anún­ci­os de can­di­da­tos/ par­ti­dos/ co­li­ga­ções que se ca­das­tra­rem vo­lun­ta­ri­a­men­te.

Fa­ce­bo­ok

Fa­ce­bo­ok

Jair Bol­so­na­ro e seu ca­bo elei­to­ral, Luciano Hang, do­no das lo­jas Havan

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.