BARROSO DIZ QUE NÃO SE DESVIOU DO CA­MI­NHO NEM PARA “A”, “T”, OU “L”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Omi­nis­tro do stf (su­pre­mo tri­bu­nal fe­de­ral) luís ro­ber­to Barroso dis­se nes­ta se­gun­da­fei­ra (27) em são Pau­lo que, no di­rei­to cri­mi­nal, não há es­pa­ço para “al­vos”. Barroso afir­mou que, por is­so, não se desviou de seu ca­mi­nho “nem quando che­gou em ‘a’ nem quando che­gou em ‘t’, nem quando che­gou em ‘l’.”

“o di­rei­to pe­nal não po­de es­co­lher al­vos. Por­tan­to, não tem réu que eu gos­te, réu que eu não gos­te”, dis­se. “te­nho a pre­ten­são sin­ce­ra de não ter des­vi­a­do do meu ca­mi­nho. Nem quando che­gou em ‘a’ nem quando che­gou em ‘t’, nem quando che­gou em ‘l’.”

ain­da de acor­do com o mi­nis­tro do stf, “a ló­gi­ca do juiz não po­de ser a ló­gi­ca do ami­go ou ini­mi­go. a ló­gi­ca do juiz é a ló­gi­ca do cer­to e do er­ra­do.”

além de in­te­grar o stf, Barroso tam­bém é mi­nis­tro do tse (tri­bu­nal su­pe­ri­or elei­to­ral), cor­te na qual é re­la­tor do pro­ces­so de re­gis­tro de can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te luiz iná­cio lu­la da sil­va (Pt). o tse tem até o dia 17 para jul­gar se a can­di­da­tu­ra es­tá ou não den­tro da lei. No su­pre­mo, o ma­gis­tra­do vo­tou con­tra o pe­di­do de ha­be­as cor­pus de lu­la na se­ma­na da pri­são do pe­tis­ta, em abril, e de­fen­deu a pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia. ain­da no stf, Barroso é re­la­tor do chamado inqué­ri­to dos por­tos, que in­ves­ti­ga su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des em um de­cre­to por­tuá­rio as­si­na­do pe­lo pre­si­den­te mi­chel te­mer (MDB). a de­fe­sa do pre­si­den­te ne­ga que ele te­nha co­me­ti­do ir­re­gu­la­ri­da­des e, no co­me­ço do ano, pe­diu o ar­qui­va­men­to da in­ves­ti­ga­ção, ne­ga­do em maio pe­lo mi­nis­tro.

Barroso não quis dar en­tre­vis­ta ao che­gar a even­to da aasp (as­so­ci­a­ção dos ad­vo­ga­dos de são Pau­lo), na se­de da as­so­ci­a­ção, on­de deu tais de­cla­ra­ções. Di­an­te de per­gun­tas de jor­na­lis­tas so­bre as im­pug­na­ções fei­tas à can­di­da­tu­ra de lu­la, o mi­nis­tro se li­mi­tou a di­zer que só co­men­ta ca­sos que já jul­gou.

em te­se, por cau­sa da con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia no ca­so do trí­plex, da ope­ra­ção la­va Ja­to, lu­la es­tá ine­le­gí­vel pe­los cri­té­ri­os da lei da fi­cha lim­pa.

Pre­so há qua­se cin­co me­ses, lu­la li­de­ra as pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to nos ce­ná­ri­os em que seu no­me é apre­sen­ta­do aos elei­to­res. sem lu­la, o lí­der é o de­pu­ta­do fe­de­ral Jair Bol­so­na­ro (Psl).

Sem “voz das ru­as”

a pa­les­tra de Barroso em são Pau­lo foi es­tri­ta­men­te de­di­ca­da ao di­rei­to pe­nal. Du- ran­te sua fa­la, o mi­nis­tro re­jei­tou a ideia de que te­nha uma vi­são “pu­ni­ti­va”, mas dis­se ter uma vi­são “de que o sis­te­ma tem que fun­ci­o­nar.”

a crí­ti­ca de uma atu­a­ção “pu­ni­ti­va” é fre­quen­te­men­te fei­ta à Pri­mei­ra tur­ma do stf, da qual Barroso faz par­te e que te­ria uma in­ter­pre­ta­ção mais ri­go­ro­sa da apli­ca­ção da lei con­tra réus. a se­gun­da tur­ma, em opo­si­ção, te­ria um perfil “ga­ran­tis­ta”, ado­tan­do en­ten­di­men­tos mais fa­vo­rá­veis aos di­rei­tos dos acu­sa­dos. Para o mi­nis­tro, ao con­trá­rio do que po­de ocor­rer em ou­tros ra­mos do di­rei­to, na es­fe­ra cri­mi­nal “não há es­pa­ço nem para a cri­a­ti­vi­da­de ju­di­ci­al, nem ati­vis­mo ju­di­ci­al, tam­pou­co para cla­mor pú­bli­co, nem para ou­vir voz das ru­as.”

Barroso afir­mou não achar que se mu­da um país com “exa­cer­ba­ção de pe­nas”, mas de­fen­deu o “pa­pel ci­vi­li­za­tó­rio” do di­rei­to pe­nal.

“Uma das coi­sas que mais me im­pres­si­o­na no Bra­sil é que nin­guém pe­de des­cul­pas. Nin­guém de­mons­tra ar­re­pen­di­men­to. to­do mun­do diz que es­tá sendo per­se­gui­do. cria-se um uni­ver­so pa­ra­le­lo de des­fa­ça­tez”, dis­se.

Li­mi­ta­ção de in­dul­to

No even­to des­ta se­gun­da-feira, Barroso tam­bém co­men­tou sua de­ci­são, to­ma­da em mar­ço, de li­mi­tar o al­can­ce do in­dul­to de­cre­ta­do pe­lo pre­si­den­te mi­chel te­mer (MDB) no fim do ano pas­sa­do.

No ca­so, Barroso am­pli­ou de um quin­to para um ter­ço da pe­na o tem­po mí­ni­mo que um pre­so de­ve cum­prir para re­ce­ber o be­ne­fí­cio. o mi­nis­tro tam­bém man­te­ve a sus­pen­são do in­dul­to para quem co­me­teu cri­mes co­mo cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro, en­tre ou­tros “cri­mes do co­la­ri­nho bran­co”. a de­ci­são te­ve ca­rá­ter li­mi­nar (tem­po­rá­rio).

segundo o mi­nis­tro, a ten­ta­ti­va de per­mi­tir in­dul­to a quem co­me­teu tais cri­mes ti­nha o “en­de­re­ço cer­to de quem se que­ria sol­tar”.

Car­los mou­ra/stf

Car­los mou­ra/stf

Mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Barroso du­ran­te ses­são do STF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.