Tem­po gas­to com ce­lu­lar pre­o­cu­pa e pais

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ocres­ci­men­to do uso de tec­no­lo­gi­as di­gi­tais ge­ra pre­o­cu­pa­ções dos pró­pri­os usuá­ri­os com os ex­ces­sos do tem­po gas­to com es­ses dis­po­si­ti­vos. Pes­qui­sa re­a­li­za­da nos es­ta­dos Uni­dos apon­tou que mais da me­ta­de dos ado­les­cen­tes en­tre­vis­ta­dos (54%) con­si­de­ram pas­sar mui­to tem­po com o ce­lu­lar. o le­van­ta­men­to foi uma ini­ci­a­ti­va do cen­tro de pes­qui­sas Pew re­se­ar­ch cen­ter. fo­ram en­tre­vis­ta­dos 743 me­ni­nos e me­ni­nas de 13 a 17 anos e 1.058 pais de di­ver­sas re­giões do país.

Qua­se me­ta­de dos jo­vens ou­vi­dos (44%) dis­se che­car o te­le­fo­ne as­sim que acor­da para ve­ri­fi­car o re­ce­bi­men­to de no­vas men­sa­gens. segundo os da­dos, 28% re­la­ta­ram que agem as­sim de vez em quando. o tem­po na­ve­gan­do em re­des so­ci­ais foi ob­je­to de pre­o­cu­pa­ção de 41% dos ado­les­cen­tes con­sul­ta­dos. No ca­so de vi­de­o­ga­mes, o per­cen­tu­al caiu para 26%. Do to­tal, 58% co­men­ta­ram sen­tir que de­vem res­pon­der a uma men­sa­gem en­vi­a­da, sendo 18% fre­quen­te­men­te e 40% em al­guns mo­men­tos.

“me­ni­nos e me­ni­nas ti­ve­ram per­cep­ções di­fe­ren­tes da quan­ti­da­de de tem­po que pas­sa­ram usan­do vá­ri­as tec­no­lo­gi­as. me­ni­nas são de alguma for­ma mais pro­vá­veis do que me­ni­nos de di­zer que pas­sam mui­to tem­po em re­des so­ci­ais (47% a 35%). em con­tras­te, ga­ro­tos são qua­tro ve­zes mais pro­vá­veis de pas­sar mui­to tem­po jo­gan­do vi­de­o­ga­mes (41% a 11%)”, ana­li­sa­ram os au­to­res.

mais da me­ta­de (56%) dos en­tre­vis­ta­dos re­la­ci­o­na­ram a fal­ta de um te­le­fo­ne móvel a sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos, co­mo so­li­dão, an­si­e­da­de ou rai­va. os ín­di­ces são mai­o­res no ca­so de me­ni­nas.

em­bo­ra a ava­li­a­ção so­bre os há­bi­tos va­rie por dis­po­si­ti­vo, par­te im­por­tan­te dos en­tre­vis­ta­dos in­for­mou ado­tar me­di­das para re­du­zir a pre­sen­ça des­sas tec­no­lo­gi­as em su­as vi­das. ini­ci­a­ti­vas de re­du­ção da in­ten­si­da­de do uso fo­ram re­la­ta­das por 58% no ca­so de vi­de­o­ga­mes, 57% para as mí­di­as so­ci­ais e 52% para ce­lu­la­res.

Pais

os au­to­res da pes­qui­sa tam­bém ou­vi­ram pais e mães para sa­ber so­bre seus há­bi­tos e co­mo ve­em o com­por­ta­men­to dos filhos em re­la­ção a tec­no-

lo­gi­as di­gi­tais. o ín­di­ce de ava­li­a­ção dos en­tre­vis­ta­dos so­bre seus pró­pri­os há­bi­tos foi me­nor tan­to no uso ex­ces­si­vo de ce­lu­la­res (36%) quan­to de re­des so­ci­ais (23%). o per­cen­tu­al tam­bém foi me­nor quando per­gun­ta­dos se aces­sam o ce­lu­lar as­sim que acor­dam (20%). “os pais es­tão de alguma for­ma me­nos pre­o­cu­pa­dos com seu pró­prio uso da tec­no- lo­gia do que os filhos es­tão em re­la­ção ao de­les”, apon­tam os au­to­res.

Já ao fa­lar so­bre seus filhos, 65% ma­ni­fes­ta­ram pre­o­cu­pa­ção com o tem­po gas­to pe­los ado­les­cen­tes com dis­po­si­ti­vos di­gi­tais. Dos ho­mens e mulheres ou­vi­dos, 72% re­la­ta­ram que es­tes se dis­tra­em em uma con­ver­sa pre­sen­ci­al por es­ta­rem de olho no ce­lu­lar, sendo 30% o tem­po in­tei­ro e 42% de vez em quando. em ra­zão des­sa pre­o­cu­pa­ção, mais da me­ta­de (57%) li­mi­tam o tem­po que seus filhos po­dem pas­sar uti­li­zan­do es­ses dis­po­si­ti­vos.

Mais da me­ta­de (56%) dos en­tre­vis­ta­dos re­la­ci­o­na­ram a fal­ta de um te­le­fo­ne móvel a sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos, co­mo so­li­dão, an­si­e­da­de ou rai­va. Os ín­di­ces são mai­o­res no ca­so de me­ni­nas.

Val­ter cam­pa­na­to/agên­cia Bra­sil/agên­cia Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.