Stf Jul­ga Cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de Do en­si­no Do­mi­ci­li­ar no Bra­sil

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

O su­pre­mo tri­bu­nal fe­de­ral (STF) co­me­ça a jul­gar ho­je (30) a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de do en­si­no do­mi­ci­li­ar no Bra­sil. Des­de 2015, o te­ma aguar­da uma de­ter­mi­na­ção da cor­te. a dis­pu­ta co­lo­ca em la­dos opos­tos pais que de­se­jam edu­car seus fi­lhos em ca­sa e o Po­der Pú­bli­co que de­fen­de a obri­ga­to­ri­e­da­de da ma­trí­cu­la e a frequên­cia es­co­lar de cri­an­ças e ado­les­cen­tes. o re­la­tor do ca­so é o mi­nis­tro luís ro­ber­to Bar­ro­so.

De acor­do com as­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de edu­ca­ção Do­mi­ci­li­ar (ANED), o nú­me­ro de fa­mí­li­as que op­tam pe­la edu­ca­ção em ca­sa, prá­ti­ca co­nhe­ci­da co­mo ho­mes­cho­o­ling, tem cres­ci­do no Bra­sil. em 2018 che­gou a 7,5 mil fa­mí­li­as, mais que o do­bro das 3,2 mil fa­mí­li­as iden­ti­fi­ca­das em 2016. a es­ti­ma­ti­va é que 15 mil cri­an­ças re­ce­bam edu­ca­ção do­mi­ci­li­ar no país atu­al­men­te.

O jul­ga­men­to no su­pre­mo de­ve de­fi­nir um en­ten­di­men­to úni­co pa­ra to­dos os ca­sos des­se ti­po que tra­mi­tam na Jus­ti­ça bra­si­lei­ra, es­ta­be­le­cen­do o que o tri­bu­nal cha­ma de te­se de re­per­cus­são ge­ral.

His­tó­ri­co

o ca­so que se­rá jul­ga­do em ple­ná­rio e ser­vi­rá de pa­râ­me­tro pa­ra os de­mais foi le­va­do ao su­pre­mo pe­lo mi­cro­em­pre­sá­rio moi­sés Di­as e sua mu­lher, Ne­ri­di­a­na Di­as. em 2011, o ca­sal de­ci­diu ti­rar a fi­lha de 11 anos da es­co­la pú­bli­ca em que es­tu­da­va no mu­ni­cí­pio de ca­ne­la (rs), a apro­xi­ma­da­men­te 110 km de Por­to ale­gre, e pas­sar a edu­cá-la por con­ta pró­pria.

eles ale­ga­ram que a me­to­do­lo­gia da es­co­la mu­ni­ci­pal não era ade­qua­da por mis­tu­rar, na mes­ma sa­la, alu­nos de di­fe­ren­tes séries e ida­des, fu­gin­do do que con­si­de­ra­vam um “cri­té­rio ide­al de so­ci­a­bi­li­da­de”. o ca­sal dis­se que que­ria afas­tar sua fi­lha de uma edu­ca­ção sexual an­te­ci­pa­da por in­fluên­cia do con­ví­vio com co­le­gas mais ve­lhos.

a fa­mí­lia ar­gu­men­ta ain­da que, por ser cris­tã, acre­di­ta no cri­a­ci­o­nis­mo – cren­ça segundo a qual o ho­mem foi cri­a­do por Deus à sua se­me­lhan­ça – e por is­so “não acei­ta viá­vel ou crí­vel que os ho­mens te­nham evoluído de um macaco, co­mo in­sis­te a te­o­ria evo­lu­ci­o­nis­ta [de char­les Darwin]”, que é en­si­na­da na es­co­la.

em res­pos­ta, a fa­mí­lia re­ce­beu um co­mu­ni­ca­do da se­cre­ta­ria de edu­ca­ção de ca­ne­la or­de­nan­do a “ime­di­a­ta ma­trí­cu­la” da me­ni­na em uma es­co­la. o con­se­lho mu­ni­ci­pal de edu­ca­ção tam­bém deu pa­re­cer con­tra o en­si­no do­mi­ci­li­ar, “por não se en­con­trar re­gu- la­men­ta­do no Bra­sil”.

o ca­sal re­cor­reu à Jus­ti­ça, mas te­ve ne­ga­do um man­da­do de se­gu­ran­ça em pri­mei­ra e se­gun­da ins­tân­ci­as. em sua sen­ten­ça, o juiz fran­klin de oli­vei­ra Ne­to, ti­tu­lar da co­mar­ca de ca­ne­la, es­cre­veu que a es­co­la é “am­bi­en­te de so­ci­a­li­za­ção es­sen­ci­al” e que pri­var uma cri­an­ça do con­ta­to com as de­mais pre­ju­di­ca sua ca­pa­ci­da­de de con­ví­vio.“o mun­do não é fei­to de iguais”, es­cre­veu o juiz. “Uma cri­an­ça que ve­nha a ser pri­va­da des­se con­ta­to pos­si­vel­men­te te­rá di­fi­cul­da­des de acei­tar o que lhe é di­fe­ren­te. Não te­rá to­le­rân­cia com pen­sa­men­tos e con­du­tas dis­tin­tos dos seus”.

Di­ver­si­da­de na es­co­la

Pa­ra a ad­vo­ca­cia-ge­ral da União (AGU), as nor­mas bra­si­lei­ras es­ta­be­le­cem que a edu­ca­ção de­ve ser ofe­re­ci­da de for­ma gra­tui­ta e obri­ga­tó­ria pe­lo Po­der Pú­bli­co.

“É mui­to im­por­tan­te des­ta­car que a es­co­la pos­si­bi­li­ta um apren­di­za­do mui­to mais am­plo que aque­le que po­de­ria ser pro­por­ci­o­na­do pe­los pais, no âm­bi­to do­mi-

ci­li­ar, por mai­o­res que se­jam os es­for­ços en­vi­da­dos pe­la fa­mí­lia. is­so por­que ela pre­pa­ra o in­di­ví­duo pa­ra si­tu­a­ções com as quais ine­vi­ta­vel­men­te ha­ve­rá de con­vi­ver fo­ra do seio fa­mi­li­ar, além de qua­li­fi­cá-lo pa­ra o tra­ba­lho”, diz a AGU.

Pa­ra a ins­ti­tui­ção, ne­nhum nú­cleo fa­mi­li­ar se­rá ca­paz de pro­pi­ci­ar à cri­an­ça ou ao ado­les­cen­te o con­ví­vio com ta­ma­nha di­ver­si­da­de cul­tu­ral, co­mo é pró­prio dos am­bi­en­tes es­co­la­res. “sen­do as­sim. a es­co­la é in­dis­pen­sá­vel pa­ra o ple­no exer­cí­cio da ci­da­da­nia”, acres­cen­ta.

De acor­do com a Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da re­pú­bli­ca, a edu­ca­ção fa­mi­li­ar não en­con­tra am­pa­ro na cons­ti­tui­ção. “a uti­li­za­ção de ins­tru­men­tos e mé­to­dos de en­si­no do­mi­ci­li­ar pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes em ida­de es­co­lar, em subs­ti­tui­ção à edu­ca­ção em es­ta­be­le­ci­men­tos es­co­la­res, por op­ção dos pais ou res­pon­sá­veis, não en­con­tra fun­da­men­to pró­prio na cons­ti­tui­ção fe­de­ral”.

Há oi­to anos, o con­se­lho Na­ci­o­nal de edu­ca­ção (CNE) emi­tiu um pa­re­cer ori­en­tan­do que as cri­an­ças e os ado­les­cen­tes se­jam ma­tri­cu­la­dos em es­co­las de­vi­da­men­te au­to­ri­za­das. O CNE tam­bém en­ten­de que a le­gis­la­ção vi­gen­te en­fa­ti­za “a im­por­tân­cia da tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as, do exer­cí­cio da to­le­rân­cia re­cí­pro­ca, não sob o con­tro­le dos pais, mas no con­ví­vio das sa­las de au­la, dos cor­re­do­res es­co­la­res, dos es­pa­ços de re­creio, nas ex­cur­sões em gru­po fo­ra da es­co­la, na or­ga­ni­za­ção de ati­vi­da­des es­por­ti­vas, li­te­rá­ri­as ou de so­ci­a­bi­li­da­de, que de­man­dam mais que os ir­mãos ape­nas, pa­ra que re­pro­du­zam a so­ci­e­da­de, on­de a ci­da­da­nia se­rá exer­ci­da”.

Di­rei­to à Dig­ni­da­de

Na ava­li­a­ção das fa­mí­li­as fa­vo­rá­veis ao ho­mes­cho­o­ling, a edu­ca­ção do­mi­ci­li­ar ga­ran­te o di­rei­to à dig­ni­da­de e ao res­pei­to, as­se­gu­ran­do uma edu­ca­ção mais in­di­vi­du­a­li­za­da e, por­tan­to, mais efe­ti­va.

“mes­mo nas me­lho­res es­co­las, a edu­ca­ção ne­ces­sa­ri­a­men­te é pro­vi­da de for­ma mas­si­fi­ca­da, sem aten­tar pa­ra as ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas de ca­da cri­an­ça e sem pro­ver a elas as téc­ni­cas, os ins­tru­men­tos e as me­to­do­lo­gi­as do en­si­no­a­pren­di­za­gem mais ade­qua­das e qua­li­fi­ca­das ao tem­po pre­sen­te”, diz a Aned.

“es­ta­mos bus­can­do a au­to­no­mia edu­ca­ci­o­nal da fa­mí­lia, não so­mos an­ti­es­co­la, não es­ta­mos lu­tan­do con­tra es­co­la, ape­nas so­mos a fa­mí­lia bus­can­do uma no­va op­ção que, no nos­so en­ten­der, é me­lhor pa­ra o nos­so fi­lho”, diz o pre­si­den­te da Aned, rick Di­as.

Ele con­ta que ti­rou os fi­lhos da es­co­la há oi­to anos, qu­an­do a mais ve­lha ti­nha 12 anos e o mais no­vo, 9. Ho­je, a mais ve­lha cur­sa re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais em uma uni­ver­si­da­de par­ti­cu­lar. “Não cre­mos que o es­ta­do de­va de­fi­nir co­mo de­ve­mos edu­car nos­sos fi­lhos”.

Mar­cel­lo ca­sal Jr./agên­cia Bra­sil

Mar­cel­lo ca­sal Jr./agên­cia Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.