STF au­to­ri­za terceirização ir­res­tri­ta

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

É cons­ti­tu­ci­o­nal ter­cei­ri­zar, ou se­ja, con­tra­tar por meio de uma em­pre­sa, fun­ci­o­ná­ri­os pa­ra to­das as ati­vi­da­des de uma com­pa­nhia no Bra­sil. a de­ci­são foi to­ma­da nes­ta quin­ta-fei­ra pe­lo ple­ná­rio do su­pre­mo tri­bu­nal fe­de­ral (stf) e ter­mi­nou com o pla­car de 7 vo­tos a 4. a mai­o­ria dos mi­nis­tros en­ten­deu que par­te da sú­mu­la 331, do tri­bu­nal su­pe­ri­or do tra­ba­lho (tst), que proi­bia a terceirização da ati­vi­da­de-fim —ou se­ja, uma es­co­la po­de­ria con­tra­tar fa­xi­nei­ros ter­cei­ri­za­dos, mas ja­mais pro­fes­so­res ter­cei­ri­za­dos— fe­ria a car­ta mag­na. os ma­gis­tra­dos do su­pre­mo tam­bém de­ci­di­ram que a sen­ten­ça te­rá re­per­cus­são ge­ral, o que sig­ni­fi­ca que, da­qui pra fren­te, to­dos os ma­gis­tra­dos te­rão de se ba­se­ar nes­se en­ten­di­men­to quan­do fo­rem jul­gar ca­sos, em an­da­men­to ou pa­ra­li­sa­dos, em que a terceirização for ques­ti­o­na­da. a es­ti­ma­ti­va é que 4.000 pro­ces­sos tra­ba­lhis­tas aguar­da­vam es­sa de­fi­ni­ção pa­ra te­rem al­gum an­da­men­to nas di­ver­sas ins­tân­ci­as ju­di­ci­ais.

a de­ci­são do stf dá for­ça pa­ra a no­va lei da ter- cei­ri­za­ção apro­va­da pe­lo con­gres­so Na­ci­o­nal e san­ci­o­na­da pe­lo pre­si­den­te mi­chel te­mer no ano pas­sa­do. es­sa ver­são da lei já pre­via a terceirização de to­das as ati­vi­da­des, mas, co­mo ha­via uma sú­mu­la do tst em sen­ti­do con­trá­rio, era co­mum se de­pa­rar com pro­ces­sos ju­di­ci­ais pa­ra con­tes­tá-la.

Na sen­ten­ça, a mai­o­ria dos mi­nis­tros do su­pre­mo acei­tou os ar­gu­men­tos dos ad­vo­ga­dos da as­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra do agro­ne­gó­cio (abag), que ha­via si­do con- de­na­da com ba­se na re­gra que li­mi­ta­va a terceirização. a quei­xa da abag era que a sú­mu­la do tst fa­zia uma “in­ter­pre­ta­ção ex­tre­ma­men­te res­tri­ti­va da terceirização”. Di­zia ain­da que a li­mi­ta­ção da terceirização de ser­vi­ços ofen­dia os prin­cí­pi­os da le­ga­li­da­de, da li­vre ini­ci­a­ti­va, da li­vre con­cor­rên­cia e os va­lo­res so­ci­ais do tra­ba­lho.

a te­se apro­va­da pe­lo stf foi a se­guin­te: “É lí­ci­ta a terceirização ou qual­quer ou­tra for­ma de di­vi­são do tra­ba­lho em pes­so­as ju­rí­di­cas dis­tin- tas, in­de­pen­den­te­men­te do ob­je­to so­ci­al das em­pre­sas en­vol­vi­das, re­ve­lan­do-se in­cons­ti­tu­ci­o­nais os in­ci­sos i, iii, iv e Vi da sú­mu­la 331 do tst”. o re­la­tor do ca­so, mi­nis­tro luís ro­ber­to Bar­ro­so, en­ten­deu que le­gis­la­ção pre­ci­sa evo­luir, as­sim co­mo a so­ci­e­da­de tem evo­luí­do. Por is­so, aca­tou a pro­pos­ta dos de­fen­so­res da en­ti­da­de ru­ra­lis­ta. “es­ta­mos vi­ven­do a re­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca. mi­lhões de pes­so­as se in­ter­co­mu­ni­cam pela in- ter­net. Vi­ve­mos sob uma no­va ide­o­lo­gia, no­va gra­má­ti­ca. Não há se­tor da eco­no­mia que não te­nha si­do afe­ta­do” afir­mou.

o vo­to de Bar­ro­so foi se­gui­do pe­los mi­nis­tros cár­men lú­cia, cel­so de mel­lo, Gil­mar men­des, ale­xan­dre de mo­ra­es, Di­as tof­fo­li e luiz fux. Na ou­tra fren­te, fi­ca­ram os mi­nis­tros mar­co au­ré­lio mel­lo, ed­son fa­chin, ro­sa We­ber e ri­car­do lewan­dovs­ki.

a lei é fre­quen­te­men­te ques­ti­o­na­da por sin­di­ca­tos e tra­ba­lha­do­res. eles en­ten­dem que ela é uma pre­ca­ri­za­ção do tra­ba­lho e be­ne­fi­cia ape­nas os pa­trões. os mi­nis­tros, po­rém, ava­li­a­ram que o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da li­vre con­cor­rên­cia im­pe­de res­trin­gir as for­mas de con­tra­ta­ção de fun­ci­o­ná­ri­os pe­las em­pre­sas. Pa­ra ten­tar ame­ni­zar par­te das crí­ti­cas, os ma­gis­tra­dos ain­da en­ten­de­ram que a em­pre­sa on­de o tra­ba­lha­dor pres­ta o ser­vi­ço tam­bém tem res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre ele. as­sim, ca­so ele so­fra um aci­den­te de tra­ba­lho, tan­to a con­tra­tan­te co­mo a con­tra­ta­da se­ri­am res­pon­sa­bi­li­za­das.

Nel­son Jr, sco/stf

O ple­ná­rio do Su­pre­mo nes­ta quin­ta-fei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.