Dó­lar fler­ta com re­cor­de no Bra­sil e, na Ar­gen­ti­na

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

ae­co­no­mia da ar­gen­ti­na en­trou em uma es­pi­ral des­cen­den­te que nin­guém sa­be com se­gu­ran­ça on­de ter­mi­na­rá. Nes­ta quin­ta-fei­ra, um dia de­pois de o pre­si­den­te mau­ri­cio ma­cri anun­ci­ar um acor­do com o fmi que ga­ran­te os re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os pa­ra sal­dar su­as dí­vi­das com ven­ci­men­to até de­zem­bro de 2019, o pe­so ar­gen­ti­no des­pen­cou 16%. a si­tu­a­ção de tur­bu­lên­cia, que tam­bém atin­ge ou­tros emer­gen­tes co­mo a tur­quia, aca­bou con­ta­mi­nan­do os humores do mer­ca­do bra­si­lei­ro, já sob efei­to das in­cer­te­zas do ce­ná­rio elei­to­ral. o dó­lar che­gou a ba­ter 4,21 re­ais no fim da ma­nhã, pró­xi­mo do re­cor­de de 4,24 re­ais atin­gi­do em 2015, obri­gan­do o Ban­co cen­tral bra­si­lei­ro e in­ter­vir: a mo­e­da ame­ri­ca­na fe­chou va­len­do 4,14 re­ais.

Na ar­gen­ti­na, a jor­na­da tam­bém foi fre­né­ti­ca. Pa­ra com­prar um dó­lar, no início da ses­são eram ne­ces­sá­ri­os 33,90 pe­sos. me­nos de cin­co ho­ras de­pois, a mo­e­da nor­te-ame­ri­ca­na já era ne­go­ci­a­da a 41,10 pe­sos. No fi­nal da jor­na­da cam­bi­al, o Ban­co cen­tral lo­cal ven­deu 330 mi­lhões de dó­la­res de su­as re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais e con­se­guiu es­ta­bi­li­zar a co­ta­ção em tor­no de 38 pe­sos.

o Ban­co cen­tral ar­gen­ti­no de­ci­diu dis­pa­rar com mu­ni­ção pe­sa­da pa­ra neu­tra­li­zar a es­ca­la­da do dó­lar: au­men­tou em 15 pon­tos a ta­xa re­fe- ren­ci­al de ju­ros, que che­gou a 60%. es­sa é a ta­xa de ju­ros ofi­ci­al pela qual se empresta di­nhei­ro aos ban­cos. Uma al­ta, em prin­cí­pio, faz os in­ves­ti­do­res te­rem mais in­te­res­se em in­je­tar re­cur­sos em pa­péis vin­cu­la­dos ao pe­so ar­gen­ti­no (a ren­ta­bi­li­da­de que re­ce­be­rão é mai­or) e, por ou­tro la­do, en­ca­re­ce os ju­ros de quem con­trai em­prés­ti­mos pa­ra in­ves­tir em dó­la­res. o objetivo é que a di­vi­sa dei­xe de se des­va­lo­ri­zar e, as­sim, evi­tar que a in­fla­ção dis­pa­re: ju­ros mais al­tos tam­bém ten­dem a es­fri­ar a ati­vi­da­de econô­mi­ca e os preços. Há ape­nas 15 di­as, o ban­co cen­tral ar­gen­ti­no já ti­nha ele­va­do a ta­xa pa­ra 45%. a me­di­da re­ve­la a fra­gi­li­da­de do mo­de­lo.

ma­cri dis­se nes­ta quar­ta­fei­ra que o fmi an­te­ci­pa­rá to­do o di­nhei­ro ne­ces­sá­rio pa­ra que o Go­ver­no evi­te uma mo­ra­tó­ria da dí­vi­da ex­ter­na. os re­cur­sos se­rão par­te do res­ga­te de 50 bi­lhões de dó­la­res de­ci­di­do em ju­nho, mas ago­ra sem ne­ces­si­da­de de apro­var as re­vi­sões pe­rió­di­cas que os téc­ni­cos do or­ga­nis­mo fa­zem jun­to aos seus cre­do­res. o anún­cio foi re­ce­bi­do com ce­ti­cis­mo no mer­ca­do: nes­ta qu­ar­ta, o pe­so caiu 7%, e nes­ta quin­ta vol­tou a re­gis­trar for­te bai­xa. a al­ta das ta­xas é uma me­di­da de­ses­pe­ra­da pa­ra sus­ten­tar a mo­e­da, em meio a uma des­con­fi­an­ça cres­cen­te en­tre os in­ves­ti­do­res so­bre os ru­mos da eco­no­mia.

a úni­ca par­ce­la do cré­di­to do fmi de­sem­bol­sa­da até ago­ra, 15 bi­lhões de dó­la­res, che­gou em ju­nho. os 35 bi­lhões res­tan­tes es­ta­ri­am dis­po­ní­veis ao lon­go da du­ra­ção do acor­do, su­jei­tos a exa­mes tri­mes­trais do or­ga­nis­mo.

“Não há uma so­lu­ção má­gi­ca”

a jor­na­da de quin­ta-fei­ra te­ve a qu­ar­ta de­pre­ci­a­ção con­se­cu­ti­va da mo­e­da, num ce­ná­rio ca­da vez mais com­pli­ca­do. e, des­de o co­me­ço do ano, o pe­so já per­deu 52% de seu va­lor com re­la­ção ao dó­lar. o Go­ver­no ten­ta apa­ren­tar cal­ma, em meio a ru­mo­res de mu­dan­ças na equi­pe econô­mi­ca. “cla­ra­men­te não é a so­lu­ção em que o pre­si­den­te es­tá pen­san­do. Não há uma so­lu­ção má­gi­ca. es­ta­mos en­ca­mi­nha­dos a ob­ter o equi­lí­brio fis­cal, que é o ei­xo cen­tral pa­ra re­du­zir nos­sas vul­ne­ra­bi­li­da­des. Há pro­ble­mas, mas é pre­ci­so ver o fil­me, e não a fo­to”, dis­se pela ma­nhã o che­fe do Ga­bi­ne­te de mi­nis­tros, marcos Peña.

a brus­ca al­ta do dó­lar ocor­reu en­quan­to em­pre­sá­ri­os e po­lí­ti­cos ar­gen­ti­nos se reu­ni­am no en­con­tro anu­al do con­se­lho das amé­ri­cas em Bu­e­nos ai­res. De lá, o mi­nis­tro ar­gen­ti­no do in­te­ri­or, ro­ge­lio fri­ge­rio, tam­bém fez um ape­lo por cal­ma: “Nes­te mo­men­to, nós, que te­mos res­pon­sa­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, te­mos que ter mo­de­ra­ção, se­gu­ran­ça, trans­mi­tir con­fi­an­ça, e não te­mos ne­nhum di­rei­to de ficar ner­vo­sos”. fri­ge­rio es­ten­deu o pe­di­do aos em­pre­sá­ri­os pre­sen­tes: “Vo­cês de­vem fa­zer o es­for­ço de olhar além do dia a dia do dó­lar e en­ten­der que há fu­tu­ro na ar­gen­ti­na, e que es­se fu­tu­ro é mui­to pro­mis­sor”, con­cluiu.

a opo­si­ção cri­ti­cou com du­re­za a no­va al­ta das ta­xas de ju­ros, que atin­ge ain­da mais a eco­no­mia pro­du­ti­va. “Pa­ra [os in­ves­ti­do­res] não irem em­bo­ra, vo­cê so­bre a ta­xa [de ju­ros] e eles fi­cam um pou­qui­nho. mas de­pois de um mo­men­to di­zem: com es­ta ta­xa há país viá­vel? Não, e vol­tam a se mandar. aí vol­tam a au­men­tar a ta­xa. is­to ter­mi­na em que vo­cê pre­ci­sa re­se­tar o mo­de­lo”, dis­se o de­pu­ta­do pe­ro­nis­ta Jo­sé ig­na­cio de men­di­gu­ren, ex-pre­si­den­te da União in­dus­tri­al ar­gen­ti­na. “o Go­ver­no te­ve uma po­lí­ti­ca elei­to­ral que lhe deu re­sul­ta­dos. Jo­gou com a con­fron­ta­ção, com co­lo­car cris­ti­na [Kir­ch­ner] to­dos os di­as do ou­tro la­do, e foi mui­to bem. mas não é o mes­mo ga­nhar elei­ções e go­ver­nar. Ho­je apa­re­ceu a ar­gen­ti­na re­al, aca­bou-se a ar­gen­ti­na elei­to­ral, e ele não sa­be o que fa­zer”, acres­cen­tou.

en­tre os em­pre­sá­ri­os tam­bém hou­ve crí­ti­cas. “a ta­xa de ju­ros [de 60%] é um dis­pa­ra­te”, atacou cris­ti­a­no rat­taz­zi, pre­si­den­te da fi­at da ar­gen­ti­na. rat­taz­zi pe­diu que o Go­ver­no dei­xe de usar as re­ser­vas pa­ra fre­ar a des­va­lo­ri­za­ção e se mos­trou con­fi­an­te de que o mer­ca­do en­con­tra­rá um va­lor de equi­lí­brio.

Nos cor­re­do­res da reu­nião to­dos ti­nham al­go a di­zer. a mai­o­ria man­tém o apoio a ma­cri, em­bo­ra ha­ja di­fe­ren­ças so­bre as es­tra­té­gi­as pa­ra sair da crise. No se­tor pro­du­ti­vo, acre­di­ta-se que o pro­ble­ma é po­lí­ti­co, e não fi­nan­cei­ro, e há con­sen­so so­bre a ne­ces­si­da­de de uma mu­dan­ça da equi­pe econô­mi­ca pa­ra re­cu­pe­rar a con­fi­an­ça. os re­pre­sen­tan­tes dos ban­cos, por sua vez, pe­dem tem­po pa­ra evi­tar au­men­tar a tur­bu­lên­cia po­lí­ti­ca.

a ar­gen­ti­na en­fren­ta um se­gun­do se­mes­tre com­pli­ca­do. Pre­ci­san­do de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra um dé­fi­cit que ron­da 4% do PIB, viu co­mo se fe­cha­va a tor­nei­ra do di­nhei­ro ex­ter­no de­pois da al­ta das ta­xas nos es­ta­dos Uni­dos. a al­ta dos ju­ros e o au­men­to do com­pul­só­rio ban­cá­rio pa­ra re­du­zir a li­qui­dez em pe­sos no mer­ca­do, di­mi­nuin­do as­sim a pres­são so­bre o dó­lar, foi a fer­ra­men­ta uti­li­za­da até ago­ra pe­lo Ban­co cen­tral pa­ra pro­te­ger a mo­e­da na­ci­o­nal. em um ges­to ra­ro, a en­ti­da­de in­for­mou nes­ta quin­ta que os no­vos va­lo­res das ta­xas de ju­ros se­rão man­ti­dos pe­lo me­nos até de­zem­bro “pa­ra ga­ran­tir que as con­di­ções mo­ne­tá­ri­as man­te­nham seu viés con­tra­cí­cli­co”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.