Ata­que aju­da­rá Bol­so­na­ro a che­gar per­to de seu te­to elei­to­ral

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

ogi­ro dra­má­ti­co da cam­pa­nha com o ata­que a fa­ca a Jair Bol­so­na­ro de­ve em­pur­rar o can­di­da­to ul­tra­di­rei­tis­ta do Psl ru­mo a seu te­to elei­to­ral, em tor­no de 26%. a aná­li­se é do ci­en­tis­ta po­lí­ti­co an­drei ro­man, di­re­tor-exe­cu­ti­vo da con­sul­to­ria atlas Po­lí­ti­co. No ou­tro la­do do es­pec­tro po­lí­ti­co, ro­man vê um po­ten­ci­al de cres­ci­men­to pa­ra ma­ri­na sil­va e pa­ra fer­nan­do Had­dad — nos dois ca­sos com es­sa ten­dên­cia se ace­le­ran­do per­to da re­ta fi­nal da cam­pa­nha. so­bre o tu­ca­no Ge­ral­do alck­min, é mais cé­ti­co: “Não adi­an­ta vo­cê ter to­do tem­po do mun­do se a sua es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção es­tá er­ra­da ou se ela sim­ples­men­te não con­se­gue su­pe­rar as mai­o­res vul­ne­ra­bi­li­da­des da per­so­na do can­di­da­to.”

o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co, que tem dou­to­ra­do em Har­vard e fun­dou a em­pre­sa com o es­ta­tís­ti­co thi­a­go cos­ta, ain­da quan­do os dois es­tu­da­vam na uni­ver­si­da­de nor­te-ame­ri­ca­na, co­or­de­na um trac­king diário do es­ta­do da cam­pa­nha e do po­si­ci­o­na­men­to dos bra­si­lei­ros a res­pei­to de te­mas que vão da le­ga­li­za­ção da ma­co­nha ao apoio ou não à ideia de que ex-pre­si­den­te luiz iná­cio lu­la da sil­va pos­sa con­cor­rer às elei­ções. o mo­ni­to­ra­men­to, fei­to por meio de en­tre­vis­tas na in­ter­net ca­li­bra­das por um al­go­rit­mo, in­clui me­di­ções só pa­ra cli­en­tes pri­va­dos, co­mo a va­ri­a­ção da in­ten­ção de vo­tos dos can­di­da­tos, e re­sul­ta­dos dis­po­ní­veis pa­ra o pú­bli­co em ge­ral. en­tre os da­dos pú­bli­cos do mo­ni­to­ra­men­to, es­tá a per­gun­ta: “Vo­cê é a fa­vor de um gol­pe mi­li­tar em vez da or­ga­ni­za­ção de elei­ções pre­si­den­ci­ais?” cer­ca de 15% do elei­to­ra­do res­pon­de “sim” a es­sa in­da­ga­ção e é por is­so que ro­man acre­di­ta que es­sa ci­fra é o pi­so de Bol­so­na­ro. ou se­ja, mes­mo com as crí­ti­cas dos ad­ver­sá­ri­os na tv, o de­pu­ta­do não de­ve re­tro­ce­der abai­xo dis­so em sua ava­li­a­ção.

Per­gun­ta. a es­ta al­tu­ra já foi di­to e re­pe­ti­do que o aten­ta­do a Bol­so­na­ro mu­da a his­tó­ria da cam­pa­nha e obri­ga os can­di­da­tos a re­pen­sar es­tra­té­gi­as. mas dá pa­ra di­zer is­so em ci­fras nas pes­qui­sas? Quan­to ele po­de cres­cer?

res­pos­ta. a nos­sa lei­tu­ra é que vai aju­dar Bol­so­na­ro a che­gar per­to do me­lhor ce­ná­rio pos­sí­vel pro­je­ta­do pa­ra ele e pre­ju­di­ca pra­ti­ca­men­te to­dos os ou­tros can­di­da­tos. ele vai con­se­guir al­gu­ma trans­fe­rên­cia de vo­tos de qua­se to­dos. Quan­to ele po­de cres­cer? Nos­sa vi­são é que po­de che­gar em tor­no de 26%, es­se é o te­to. Di­ze­mos is­so com ba­se num re­la­tó­rio que fi­ze­mos há 15 di­as, no qual ana­li­sa­mos o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to dos can­di­da­tos e de on­de po­de­ri­am vir es­ses vo­tos. Na aná­li­se que fi­ze­mos, há po­ten­ci­al de trans­fe­rên­cia pa­ra Bol­so­na­ro de to­dos os can­di­da­tos, com ex­ce­ção de Bou­los. a par­ce­la de elei­to­res que ele po­de­ria ga­nhar vai de 8% do elei­to­ra­do do ci­ro Go­mes até 18% do elei­to­ra­do do João amoê­do. cla­ro, é pos­sí­vel que no­vos da­dos mos­trem uma al­te­ra­ção nes­te qua­dro, mas por en­quan­to es­sa aná­li­se é ba- se­a­da nos da­dos que te­mos acu­mu­la­do até ago­ra.

P. a ex­pec­ta­ti­va é que os ad­ver­sá­ri­os de­em uma tré­gua nos anún­ci­os com crí­ti­cas a Bol­so­na­ro, mas é di­fí­cil que a es­tra­té­gia se­ja aban­do­na­da com­ple­ta­men­te até o fi­nal. Vo­cê acre­di­ta que os ad­ver­sá­ri­os, es­pe­ci­al­men­te alck­min, ain­da po­dem des­cons­truir na tv o de­pu­ta­do ou ele tem uma ba­se co­e­sa o su­fi­ci­en­te que o se­gu­ra num pa­ta­mar de pos­sí­vel se­gun­do tur­no?

r. os ad­ver­sá­ri­os es­tão con­se­guin­do des­cons­truir o Bol­so­na­ro pa­ra cer­tos seg­men­tos do elei­to­ra­do e não pa­ra ou­tros. tan­to é que, ao mes­mo tem­po que a re­jei­ção de­le es­tá cres­cen­do, ele tam­bém con­ti­nua cres­cen­do em ter­mos de in­ten­ção de vo­to. a po­la­ri­za­ção em tor­no do no­me de­le fa­vo­re­ce as chan­ces de Bol­so­na­ro che­gar ao se­gun­do tur­no, mas pre­ju­di­ca as chan­ces de vi­tó­ria de­le nes­se even­tu­al se­gun­do tur­no. cla­ro, com es­se aten­ta­do, as chan­ces de­le num even­tu­al se­gun­do tur­no me­lho­ra­ram, mas mes­mo as­sim a mai­or chan­ce de ga­nhar se­rá do ad­ver­sá­rio que ele for en­fren­tar.

P. mui­tos ana­lis­tas apos­ta­vam na de­si­dra­ta­ção do Bol­so­na­ro por cau­sa da tv. Quan­to ele po­de­ria mur­char, se não ti­ves­se ha­vi­do o aten­ta­do?

r. ao meu ver, Bol­so­na­ro tem um pi­so fir­me de em tor­no de 15% do elei­to­ra­do, o que é mui­to pró­xi­mo do que ele pre­ci­sa nes­te mo­men­to pa­ra che­gar no se­gun­do tur­no. No atlas trac­king tem uma per­gun­ta es­pe­ci­al­men­te útil pa­ra me­dir o pi­so elei­to­ral do Bol­so­na­ro: “Vo­cê é a fa­vor de um gol­pe mi­li­tar em vez da or­ga­ni­za­ção de elei­ções pre­si­den­ci­ais?” em mé­dia, 15% do elei­to­ra­do bra­si­lei­ro res­pon­de “sim” pa­ra es­sa per­gun­ta.

P. o atlas Po­lí­ti­co tem fei­to pes­qui­sas diá­ri­as, com re­cru­ta­men­to de en­tre­vis­ta­dos pe­la in­ter­net. Na fo­to­gra­fia de ago­ra, que é pre­cá­ria, ain­da dá pa­ra cra­var um ce­ná­rio mais pro­vá­vel de se­gun­do tur­no?

r. se vo­cê for olhar so­men­te pe­la mé­dia das úl­ti­mas pes­qui­sas, se­jam elas do atlas ou de ou­tros ins­ti­tu­tos, Jair Bol­so­na­ro e ma­ri­na sil­va te­ri­am as me­lho­res chan­ces nes­te mo­men­to. mas, ob­vi­a­men­te, is­so não le­va­ria em con­si­de­ra­ção a prin­ci­pal va­riá­vel des­sa cam­pa­nha olhan­do pa­ra a fren­te: a ten­ta­ti­va do Pt de trans­fe­rir os vo­tos de lu­la pa­ra fer­nan­do Had­dad.

Had­dad é ain­da mui­to pou­co co­nhe­ci­do pe­lo elei­to­ra­do lu­lis­ta. Na me­di­da em que es­ses elei­to­res en­ten­dem que lu­la não se­rá can­di­da­to e que o can­di­da­to apoi­a­do por ele é o Had­dad, é pos­sí­vel que Had­dad che­gue a ul­tra­pas­sar a ma­ri­na. en­tão os ce­ná­ri­os mais pro­vá­veis se­ri­am es­ses: ma­ri­na x Bol­so­na­ro e Had­dad x Bol­so­na­ro, com uma chan­ce mai­or pa­ra es­te se­gun­do.

P. Uma gran­de in­cóg­ni­ta é o po­der de trans­fe­rên­cia de vo­to de lu­la pa­ra Had­dad e em que ve­lo­ci­da­de is­so po­de acon­te­cer. Não é jus­to o es­tra­to mais po­bre, on­de Had­dad mais pre­ci­sa cres­cer, que mais de­mo­ra a se in­tei­rar?

r. sim, cer­ta­men­te es­se se­rá um de­sa­fio gran­de pa­ra a cam­pa­nha pe­tis­ta. se­rá mui­to di­fí­cil ver Had­dad no mes­mo pa­ta­mar de vo­ta­ção de Dilma na cam­pa­nha de 2010. Na­que­la vez, lu­la es­ta­va en­ga­ja­do ati­va­men­te em con­se­guir es­sa trans­fe­rên­cia e a es­co­lha da Dilma foi anun­ci­a­da um ano an­tes da elei­ção. mas Had­dad não pre­ci­sa che­gar no mes­mo pa­ta­mar de Dilma pa­ra che­gar no se­gun­do tur­no. Da­da a frag­men­ta­ção do ce­ná­rio de can­di­da­tos, só 15% do elei­to­ra­do ele tal­vez já con­si­ga pas­sar pa­ra o se­gun­do tur­no. Pe­lo que ve­jo em nos­sos da­dos, a chan­ce dis­so acon­te­cer é bem al­ta. ago­ra, em re­la­ção à ques­tão da ve­lo­ci­da­de e do ti­ming, is­so de­ve acon­te­cer bem tar­de: acre­di­to que Had­dad co­me­ça­rá a cres­cer de­va­gar no co­me­ço da cam­pa­nha e ace­le­rar bem per­to do fi­nal, quan­do a mas- sa crí­ti­ca do elei­to­ra­do lu­lis­ta fi­nal­men­te con­se­guir di­ge­ri-lo co­mo can­di­da­to de lu­la.

P. ma­ri­na não es­tá me­lhor po­si­ci­o­na­da pa­ra re­ce­be os vo­tos ór­fãos de lu­la, es­pe­ci­al­men­te en­tre as mu­lhe­res po­bres?

r. ma­ri­na es­tá mui­to bem po­si­ci­o­na­da em ter­mos de sua ima­gem pú­bli­ca, pe­la his­tó­ria de vi­da de­la, pe­la apro­xi­ma­ção no pas­sa­do com lu­la e pe­lo con­tras­te en­tre o es­ti­lo dis­cur­si­vo de­la em com­pa­ra­ção ao dos ou­tros can­di­da­tos. ma­ri­na con­se­gue se con­tra­por aos de­mais can­di­da­tos com sua au­ten­ti­ci­da­de e mo­dés­tia. mas ma­ri­na tem tam­bém cer­tas vul­ne­ra­bi­li­da­des em re­la­ção a es­se elei­to­ra­do. ma­ri­na não se po­si­ci­o­nou con­tra a pri­são de lu­la e as ima­gens de­la apoi­an­do o aé­cio Ne­ves no se­gun­do tur­no de 2014 de­vem ser ex­plo­ra­das in­ten­sa­men­te pe­lo Pt. ma­ri­na po­de­ria ter um dis­cur­so mais cla­ro em re­la­ção ao le­ga­do pe­tis­ta, em re­la­ção ao que foi bom e ao que foi ruim. ela po­de­ria de­fen­der o le­ga­do do lu­la sem ne­ces­sa­ri­a­men­te ade­rir à bandeira “lu­la li­vre”. em vez dis­so, ela vem op­tan­do por um dis­cur­so mais dis­cre­to, que não to­ca fron­tal­men­te es­sas qu­es­tões. Po­de ter si­do um er­ro es­tra­té­gi­co ou um acer­to. Por en­quan­to, ain­da é ce­do pa­ra fa­zer es­sa aná­li­se.

P. a per­gun­ta mais re­pe­ti­da das elei­ções é: a tv ain­da se­rá de­ter­mi­nan­te? alck­min te­rá tem­po pa­ra su­bir o que pre­ci­sa pa­ra ir ao se­gun­do tur­no?

r. alck­min tem mui­to mais tem­po do que pre­ci­sa, mas a ques­tão é co­mo vo­cê pre­en­che es­se tem­po. Não adi­an­ta vo­cê ter to­do tem­po do mun­do se a sua es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção es­tá er­ra­da ou se ela sim­ples­men­te não con­se­gue su­pe­rar as mai­o­res vul­ne­ra­bi­li­da­des da per­so­na do can­di­da­to. a es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção faz par­te de uma es­tra­té­gia mai­or de po­si­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co. se a sua es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção é con­tra­di­tó­ria em re­la­ção à es­tra­té­gia de po­si­ci­o­na­men­to, ob­vi­a­men­te os re­sul­ta­dos não se­rão bons. a lei­tu­ra atu­al da cam­pa­nha de alck­min é que er­ra­ram so­men­te na co­mu­ni­ca­ção e que, con­ser­tan­do is­so, irão con­se­guir fa­zer ele su­bir. eu acre­di­to que es­se di­ag­nós­ti­co es­tá er­ra­do. o pro­ble­ma de alck­min, ao meu ver, es­tá mais li­ga­do às ver­ten­tes cha­ve da es­tra­té­gia po­lí­ti­ca de po­si­ci­o­na­men­to do que com a co­mu­ni­ca­ção.

P. e on­de alck­min er­ra?

r. o elei­to­ra­do do Bol­so­na­ro é mui­to con­vic­to e não vai mu­dar pa­ra alck­min. e quem não gos­ta mes­mo do Bol­so­na­ro é a es­quer­da, que tam­bém não gos­ta do alck­min. en­tão, ba­ten­do no Bol­so­na­ro, alck­min não con­se­gue nem o elei­tor do Bol­so­na­ro (que di­fi­cil­men­te vai de­sis­tir de­le), nem o elei­tor da es­quer­da, que não pas­sa­rá a gos­tar do alck­min por con­ta dis­so. a es­tra­té­gia cer­ta do alck­min, na mi­nha opi­nião, era mos­trar que ele con­ti­nua sen­do a opo­si­ção au­tên­ti­ca ao Pt, que de fa­to Bol­so­na­ro ado­tou no pas­sa­do po­si­ções pa­ter­na­lis­tas na eco­no­mia, que Bol­so­na­ro é mui­to mais pró­xi­mo do Pt do que pa­re­ce. alck­min de­ve­ria fa­zer um dis­cur­so fo­ca­do no elei­to­ra­do de cen­tro-di­rei­ta que é an­ti-lu­lis­ta e não tem uma po­si­ção mui­to fir­me em re­la­ção ao Bol­so­na­ro ain­da.

P. Du­as novidades da elei­ção são, por um la­do, a for­ça da ul­tra­di­rei­ta de Bol­so­na­ro, mas tam­bém a apa­ri­ção de um fenô­me­no de di­rei­ta li­be­ral na eco­no­mia e nos cos­tu­mes, co­mo o João amoê­do (No­vo). Vo­cê pre­vê que amoê­do ain­da tem es­pa­ço pa­ra cres­cer?

r. amoê­do ado­tou uma es­tra­té­gia mui­to fo­ca­da em mí­di­as so­ci­ais, in­ves­tin­do pe­sa­da­men­te em pro­pa­gan­das pa­gas prin­ci­pal­men­te no fa­ce­bo­ok. a es­tra­té­gia pa­re­ce es­tar dan­do cer­to, prin­ci­pal­men­te en­tre ho­mens jo­vens em re­giões ur­ba­nas do sul e su­des­te. ele es­tá che­gan­do em 4% de in­ten­ção de vo­to, que po­de não pa­re­cer tão im­pres­si­o­nan­te as­sim, mas ser­ve pa­ra atra­pa­lhar bas­tan­te alck­min. Boa par­te do elei­to­ra­do do amoê­do é um elei­to­ra­do re­al­men­te li­ber­tá­rio. além de uma gran­de mai­o­ria dos elei­to­res de­le apoi­a­rem, por exem­plo, as pri­va­ti­za­ções e a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, é um elei­to­ra­do mui­to pro­gres­sis­ta em qu­es­tões co­mo li­be­ra­li­za­ção da ma­co­nha e le­ga­li­za­ção do ca­sa­men­to gay. No en­tan­to, es­se ni­cho é bas­tan­te pe­que­no co­mo per­cen­tu­al da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra. Por is­so a gen­te vê amoê­do ado­tan­do po­si­ções bem mais con­ser­va­do­ras do que a mé­dia atu­al do elei­to­ra­do de­le, pro­va­vel­men­te no in­tui­to de con­quis­tar elei­to­res de Bol­so­na­ro. o es­pa­ço de cres­ci­men­to de­le se­ria en­tão bem di­fe­ren­te do es­pa­ço que ele con­se­guiu con­quis­tar até ago­ra.

P. te­mos uma pro­fu­são de pes­qui­sas, de me­to­do­lo­gi­as di­fe­ren­tes. Vo­cê é crí­ti­co dos trac­kings te­lefô­ni­cos pu­ros. Por quê?

r. os trac­king te­lefô­ni­cos não têm fei­to, em ge­ral, um bom tra­ba­lho na ho­ra de en­ten­der quais são os gru­pos su­pra e su­bre­pre­sen­ta­dos em re­la­ção ao per­fil da po­pu­la­ção ge­ral. Quan­do vo­cê tem uma ta­xa de res­pos­ta abai­xo de 10% (co­mo na mai­o­ria das pes­qui­sas te­lefô­ni­cas), a chan­ce de es­sa ta­xa bai­xa de res­pos­ta in­tro­du­zir um viés na amos­tra é ex­tre­ma­men­te gran­de. os 10% que res­pon­dem a pes­qui­sa cer­ta­men­te têm al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas di­fe­ren­tes dos 90% que não res­pon­dem. Pa­ra co­me­çar, é mui­to na­tu­ral es­pe­rar que eles se­jam mais po­li­ti­ca­men­te en­ga­ja­dos. se vo­cê vo­ta Bol­so­na­ro, a chan­ce de vo­cê que­rer per­der 30 mi­nu­tos do seu dia res­pon­den­do uma pes­qui­sa elei­to­ral pa­ra afir­mar es­sa pre­fe­rên­cia é mui­to mai­or do que se vo­cê não se in­te­res­sa por po­lí­ti­ca ou não faz a menor ideia so­bre em quem vo­tar. is­so aca­ba su­pra­es­ti­man­do sis­te­ma­ti­ca­men­te al­guns can­di­da­tos cu­jo vo­to es­pon­tâ­neo é al­to e ex­pli­ca a dis­cor­dân­cia en­tre as pes­qui­sas te­lefô­ni­cas e as pes­qui­sas fa­ce a fa­ce. o atlas ten­ta en­ten­der es­se ti­po de fenô­me­no e usa pro­ce­di­men­tos es­pe­ci­ais de ajus­te amos­tral pa­ra eli­mi­nar os vá­ri­os ti­pos de viés.

Fo­to @fla­vi­o­bol­so­na­ro

Can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro no hos­pi­tal em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.