Ofer­ta de em­pre­go tem­po­rá­rio na in­dús­tria

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Omer­ca­do de tra­ba­lho pa­ra va­gas tem­po­rá­ri­as vi­ve du­as si­tu­a­ções dis­tin­tas nes­te ano. en­quan­to vai cres­cer 10% no se­tor in­dus­tri­al até o Na­tal, na com­pa­ra­ção com igual pe­río­do de 2017, se­gun­do cál­cu­los da as­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra do tra­ba­lho tem­po­rá­rio (as­sert­tem), de­ve en­co­lher 1,7% no va­re­jo pe­las pro­je­ções da con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do co­mér­cio de Bens, ser­vi­ços e tu­ris­mo (cnc).

Um dos mo­ti­vos pa­ra es­se apa­ren­te con­fli­to é o re­a­que­ci­men­to de se­to­res im­por­tan­tes da in­dús­tria, es­pe­ci­al­men­te os seg­men­tos far­ma­cêu­ti­co, ali­men­tar, quí­mi­co e agroin­dus­tri­al. Por is­so, a as­sert­tem pre­vê o to­tal de 434.429 no­vos pos­tos de ati­vi­da­des tem­po­rá­ri­as en­tre se­tem­bro e de­zem­bro de 2018, con­tra os 394.935 em­pre­gos no mes­mo pe­río­do re­la­ti­vo a 2017.

“Nos mo­men­tos de in­cer­te­zas, a con­tra­ta­ção tem­po­rá­ria re­pre­sen­ta uma al­ter­na­ti­va mais viá­vel às in­dús­tri­as, que pre­ci­sam de con­di­ções pa­ra cor­res­pon­der à de­man­da aque­ci­da”, diz a pre­si­den­te da en­ti­da­de, mi­chel­le Ka­ri­ne. “Nes­ses pe­río­dos, as em­pre­sas en­con­tram di­fi­cul- da­des pa­ra in­ves­tir em despesas fi­xas di­an­te de re­cei­tas flu­tu­an­tes.” ela cal­cu­la que, em to­dos os se­to­res pro­du­ti­vos do país, se­rão ge­ra­das qua­se 435 mil va­gas.

o da­do ne­ga­ti­vo no co­mér­cio não sig­ni­fi­ca, no en­tan­to, que o se­tor vai de mal a pi­or. o eco­no­mis­ta-che­fe da cnc, fábio Ben­tes, ava­lia que a ati­vi­da­de ain­da so­fre os efei­tos da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros no fim de maio, que ge­ra­ram di­fi­cul­da­des nas ven­das e re­po­si­ção de es­to­ques. Pa­ra ele, os pe­que­nos em­pre­sá­ri­os es­tão mais re­ce­o­sos e evi­tan­do con­trair gas­tos com o re­cru­ta­men­to de tem­po­rá­ri­os nes­te mo­men­to.

ain­da há, po­rém, tem­po su­fi­ci­en­te de re­ver­ter es­se re­sul­ta­do. em­bo­ra o Na­tal se­ja a da­ta prin­ci­pal do ca­len­dá­rio pa­ra o co­mér­cio, se­gui­do pe­lo Dia das mães e a Pás­coa, o pi­co de con­tra­ta­ções nas lo­jas ocor­re no mês de no­vem­bro. o nú­me­ro pre­vis­to pa­ra es­te fim de ano fica mais re­pre­sen­ta­ti­vo se com­pa­ra­do a 2016, quan­do fo­ram ge­ra­das 355.322 opor­tu­ni­da­des. Nes­se ca­so, a al­ta é de 22%, mas ain­da lon­ge de al­can­çar o nú­me­ro cons­ta­ta­do no fim de 2014: 490.435 pes­so­as re­tor­na­ram ao mer­ca­do de tra­ba­lho, an­tes de a cri­se se in­ten­si­fi­car e dei­xar con­sequên­ci­as his­tó­ri­cas, co­mo de­sem­pre­go, es­tag­na­ção econô­mi­ca e bai­xo con­su­mo.

“Quan­do o mer­ca­do de tra­ba­lho co­me­ça a dar si­nais de al­ta, é o seg­men­to de va­gas tem­po­rá­ri­as que de­mons­tra­ra os pri­mei­ros in­dí­ci­os da re­to­ma­da”, diz mar­cos Ven­di­te, eco­no­mis­ta pe­la fun­da­ção Ge­tú­lio Va­gas (FGV). “co­mo exis­te um ho­ri­zon­te po­si­ti­vo pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho no pró­xi­mo ano, com a de­fi­ni­ção de um no­vo go­ver­no e di­an­te da ne­ces­si­da­de de se pro­mo­ver o cres­ci­men­to do PIB, as com con­tra­ta­ções de­vem vol­tar a cres­cer de for- ma ge­ne­ra­li­za­da.”

De acor­do com Ka­ri­ne, da as­sert­tem, o gran­de di­fe­ren­ci­al do tra­ba­lho tem­po­rá­rio é que se tra­ta de um mo­de­lo mais viá­vel pa­ra que a de­man­da se­ja com­pa­tí­vel, fle­xí­vel e de rá­pi­da mo­bi­li­za­ção de mão de obra. a exe­cu­ti­va des­ta­ca que es­se ti­po de ad­mis­são é uma mo­da­li­da­de que man­tém pra­zo fle­xí­vel na le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta e aten­de efi­ci­en­te­men­te às ne­ces­si­da­des tran­si­tó­ri­as.

“re­cen­te­men­te, hou­ve atu­a­li­za­ções im­por­tan­tes, co­mo am­pli­a­ção no pra­zo do con­tra­to pro­vi­só­rio, de 90 pa­ra até 180 di­as, e ago­ra é pos­sí­vel pror­ro­gá-lo por mais três me­ses, ca­so per­du­re a ne­ces­si­da­de”, des­ta­ca a exe­cu­ti­va, ci­tan­do que, além da in­dús­tria, res­pon­sá­vel pe­lo re­a­que­ci­men­to das con­tra­ta­ções tem­po­rá­ri­as, a mo­der­ni­za­ção da lei nº 6019/74, em vi­gor des­de abril de 2017, trou­xe cres­ci­men­to na geração des­se ti­po de va­gas.

Não fal­tam exem­plos pa­ra de­mons­trar o iní­cio do ci­clo de con­tra­ta­ção tem­po­rá­ria nes­te ano. No ce­a­ren­se Be­a­ch Park, por exem­plo, 82 dos 351 fun­ci­o­ná­ri­os con­tra­ta­dos pa­ra su­prir as ne­ces­si­da­des dos tu­ris­tas fo­ram efe­ti­va­dos em agos­to, um cres­ci­men­to de 5% em re­la­ção ao ano pas­sa­do.

Mer­ce­des BENZ/DIVULGAÇÃO

Até o fim do ano de­vem ser aber­tas mais de 400 mil va­gas na in­dús­tria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.