In­cer­te­zas elei­to­ral po­dem pro­vo­car sur­pre­sas

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Qu­em acha que o qua­dro elei­to­ral es­tá con­so­li­da­do é me­lhor aper­tar os cintos e se pre­pa­rar pa­ra as tur­bu­lên­ci­as. Vá­ri­os fa­to­res su­ge­rem pos­si­bi­li­da­de de mu­dan­ça no qua­dro de in­ten­ções de vo­tos re­ve­la­dos pe­las pes­qui­sas até o pri­mei­ro tur­no, em 7 de ou­tu­bro.

“Quan­do olhar­mos pa­ra es­ta elei­ção da­qui a mui­tos anos, a prin­ci­pal mar­ca se­rá a in­cer­te­za”, afir­ma Pau­lo cal­mon, di­re­tor do ins­ti­tu­to de ci­ên­cia Po­lí­ti­ca da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (ipol/unb). o ci­en­tis­ta Bru­no Wan­der­ley reis, da Uni­ver­si­da­de fe­de­ral de mi­nas Ge­rais (Ufmg), vai na mes­ma li­nha: “É uma elei­ção atí­pi­ca, que ocor­re sob o sig­no da re­vol­ta, de­vi­do à cri­se econô­mi­ca e à la­va-ja­to”.

a mu­dan­ça es­te­ve pre­sen­te em 2014, ape­sar de a dis­pu­ta da épo­ca ter me­nos can­di­da­tos de pe­so e uma po­la­ri­za­ção mais cla­ra. Há qua­tro anos, a can­di­da­ta ma­ri­na sil­va, en­tão no PSB, se­guia con­for­ta­vel­men­te em di­re­ção ao se­gun­do tur­no. ti­nha 29% da pre­fe­rên­cia do elei­tor na pes­qui­sa do ibo­pe que saiu a cam­po en­tre 20 e 22 de se­tem­bro. ini­ci­al­men­te na va­ga de vi­ce, ela foi al­ça­da à ca­be­ça da cha­pa após a mor­te de edu­ar­do cam­pos, em 13 de agos­to. a can­di­da­ta à re­e­lei­ção, Dil­ma rous­seff (Pt), apre­sen­ta­va 38%. aé­cio Ne­ves (PSDB) es­ta­va em ter­cei­ro lu­gar, bem abai- xo de ma­ri­na, com 19% (leia qua­dro). No le­van­ta­men­to do Da­ta­fo­lha re­a­li­za­do pró­xi­mo à da­ta, os nú­me­ros eram pró­xi­mos: Dil­ma ti­nha 37%; ma­ri­na, 30%; e aé­cio, 17%.

aé­cio su­biu pro­gres­si­va­men­te nos le­van­ta­men­tos se­guin­tes. só apa­re­ceu à fren­te de ma­ri­na na vés­pe­ra do plei­to, mas com ape­nas en­tre dois a três pon­tos per­cen­tu­ais à fren­te de­la, de­pen­den­do da pes­qui­sa. Nas ur­nas, fi­cou com mais de 12 pon­tos de van­ta­gem. É ver­da­de que a que­da de ma­ri­na ha­via se con­fi­gu­ra­do al­guns di­as an­tes. ela che­gou a em­pa­tar com Dil­ma na vi­ra­da de agos­to pa­ra se­tem­bro. a par­tir de en­tão, caiu pro­gres­si­va­men­te. aé­cio con­quis­tou es­ses elei­to­res, mas não de ime­di­a­to.

Pa­ra cal­mon, do ipol/unb, nem mes­mo os vo­tos con­so­li­da­dos são ga­ran­tia de que a pes­soa fi­ca­rá com o can­di­da- to até a ur­na. a per­gun­ta fei­ta pe­los ins­ti­tu­tos é se a pes­soa tem cer­te­za da es­co­lha ou se po­de al­te­rá-la. “o pro­ble­ma é que is­so é sub­je­ti­vo. o elei­tor tem aque­la opi­nião de acor­do com as in­for­ma­ções de que dis­põe, mas is­so po­de mu­dar”, as­si­na­la. os vo­tos con­so­li­da­dos são mais for­tes nos ca­sos de Jair Bol­so­na­ro (Psl), com 75% en­tre os que o apoi­am, e fer­nan­do Had­dad (Pt), com 72%. ci­ro Gomes (PSB) tem 45%; alck­min, 39%; e ma­ri­na, 38%.

PRA­ZO

ana­lis­tas cha­mam a aten­ção pa­ra o fa­to de que mui­tas pes­so­as to­mam a de­ci­são de vo­to nos úl­ti­mos di­as da cam­pa­nha, mas a mu­dan­ça co­me­ça a des­pon­tar com al­gu­ma an­te­ce­dên­cia. Por­tan­to, qual­quer vi­ra­da pre­ci­sa se con­fi­gu­rar nos pró­xi­mos di­as. Qu­em tem mais chan­ces de cres­cer é alck­min, por to­da a es­tru­tu­ra de cam­pa­nha, in­cluin­do tem­po de te­vê, par­ti­dos po­lí­ti­cos que o apoi­am e di­nhei­ro do fun­do par­ti­dá­rio. “es­se mo­vi­men­to, po­rém, já de­ve­ria ter se ini­ci­a­do pa­ra que ti­ves­se for­ça”, diz o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co mu­ri­lo ara­gão, da con­sul­to­ria ar­ko ad­vi­ce. ele li­mi­ta as pos­si­bi­li­da­des de mu­dan­ças no qua­dro elei­to­ral a al­gum gran­de erro que ve­nha a ser co­me­ti­do por um candidato ou à revelação de al­gum gran­de es­cân­da­lo so­bre um de­les. es­ti­ma em 80% as chan­ces de Bol­so­na­ro es­tar no se­gun­do tur­no. Pa­ra Had­dad, são 60%. res­tam chan­ces pa­ra os ou­tros, por­tan­to, ain­da que bai­xas.

Pa­ra reis, da Ufmg, é pre­ci­so que a re­a­ção da cam­pa­nha tu­ca­na dê si­nais de vi­da nos pró­xi­mos di­as. “o es­pa­ço vai se fe­chan­do”, diz. “Uma vi­ra­da a fa­vor de alck­min é uma pos­si­bi­li­da­de teó­ri­ca. se­ria viá­vel, ca­so os par­ti­dos do cen­trão se em­pe­nhas­sem na cam­pa­nha em fa­vor de­le, mas não é o que es­tá se de­se­nhan­do”.

ma­ri­na tem pou­cas chan­ces de cres­cer, se­gun­do os ana­lis­tas. as pos­si­bi­li­da­des pa­ra ci­ro são um pou­co mai­o­res, mas tam­bém vis­tas com cau­te­la. “ca­so Had­dad ti­ves­se de­mo­ra­do a cres­cer, ele po­de­ria ter ocu­pa­do o es­pa­ço do Pt, mas não é o que acon­te­ceu”, des­ta­ca ara­gão, da ar­ko ad­vi­ce. cal­mon vê li­mi­ta­ção de cres­ci­men­to for­te en­tre os can­di­da­tos que têm ho­je 3% das in­ten­ções, co­mo al­va­ro Di­as (Po­de­mos), João amoê­do (No­vo) e Hen­ri­que mei­rel­les (MDB). “Nes­ses ca­sos, te­ria de ha­ver um mo­vi­men­to tectô­ni­co mui­to for­te pa­ra que fos­sem al­ça­dos ao pri­mei­ro pe­lo­tão a es­ta al­tu­ra”.

CI­RO CONTESTA NÚ­ME­ROS

ci­ro Gomes, que se­gun­do o ibo­pe tem 11% das in­ten­ções de vo­to, pu­bli­cou no twit­ter um ví­deo con­tes­tan­do o re­sul­ta­do da pes­qui­sa. se­gun­do o candidato, le­van­ta­men­tos in­ter­nos do PDT, que não po­dem ser di­vul­ga­das, “dão nú­me­ros com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes”. “eu qu­e­ro lem­brar o que acon­te­ceu na re­ta fi­nal das úl­ti­mas elei­ções, as de 2014, quan­do as pes­qui­sas da­vam um qua­dro com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do re­sul­ta­do ver­da­dei­ro que saiu de­pois”, ar­gu­men­tou o candidato.

mon­ta­gem com fo­tos Da agência Brasil

Ma­ri­na e Dil­ma li­de­ra­vam as pes­qui­sas até du­as se­ma­nas an­tes das elei­ções de 2014: dis­pa­ra­da de Aé­cio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.