Facebook cria ‘sa­la de guer­ra’ pa­ra elei­ções

Brasil em Folhas - - Pri­mei­ra Pá­gi­na -

OFa­ce­bo­ok anun­ci­ou que seu es­for­ço pa­ra pre­ve­nir in­ter­fe­rên­ci­as elei­to­rais nas pró­xi­mas elei­ções do Bra­sil e dos es­ta­dos Uni­dos é com­pa­rá­vel a uma das mai­o­res gui­na­das es­tra­té­gi­cas da em­pre­sa: o iní­cio da pas­sa­gem do com­pu­ta­dor pa­ra o ce­lu­lar em 2011. “se­rá o mai­or es­for­ço trans­ver­sal de to­dos os de­par­ta­men­tos que es­ta em­pre­sa já viu des­de a pas­sa­gem do com­pu­ta­dor pa­ra o ce­lu­lar”, anun­ci­ou sa­midh cha­kra­bar­ti, di­re­tor de elei­ções e com­pro­mis­so cí­vi­co na re­de, du­ran­te uma te­le­con­fe­rên­cia à qual o el País as­sis­tiu.

De acor­do com um per- fil re­cen­te da re­vis­ta New Yor­ker, o fun­da­dor do facebook, mark Zuc­ker­berg ex­pul­sa­va de seu es­cri­tó­rio to­dos os fun­ci­o­ná­ri­os que ali fos­sem se su­as idei­as não le­va­vam em con­ta a tran­si­ção do com­pu­ta­dor pa­ra o ce­lu­lar. Das pa­la­vras de cha­kra­bar­ti é pos­sí­vel in­fe­rir que Zuc­ker­berg quer ou­vir fa­lar ape­nas de se­gu­ran­ça elei­to­ral.

a frase de cha­kra­bar­ti quer re­fle­tir a im­por­tân­cia que o facebook dá às elei­ções e ao ris­co à sua ima­gem. co­mo as ame­a­ças evo­lu­em e qual­quer no­vo pe­ri­go po­de sur­gir, a em­pre­sa in­sis­te em re­pe­tir a men­sa­gem de que faz to­do o pos­sí­vel pa­ra con­ti­nu­ar sen­do uma sim­ples re­de so­ci­al e não um cam­po de ba­ta­lha nas guer­ras de in­te­li­gên­cia en­tre os países. cha­kra­bar­ti tam­bém anun­ci­ou a cri­a­ção de uma war ro­om fí­si­ca em men­lo Park, se­de da em­pre­sa na ca­li­fór­nia, pa­ra “to­mar de­ci­sões em tem­po re­al” e in­te­grar os mem­bros de to­dos os de­par­ta­men­tos em um mes­mo es­pa­ço: en­ge­nha­ria, in­te­li­gên­cia, da­dos, po­lí­ti­cas pú­bli­cas, en­tre ou­tros.

Pa­ra en­ten­der a mag­ni­tu­de do de­sa­fio, cha­kra­bar­ti ex­pli­cou que “fo­ram apa­ga­das ou blo­que­a­das” 1,3 bi­lhão de con­tas fal­sas no facebook en­tre os me­ses de ou­tu­bro e mar­ço. es­se número re­pre­sen­ta­ria mais da me­ta­de do to­tal de usuá­ri­os da re­de. “a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al nos per­mi­te blo­que­ar mi­lhões de con­tas to­dos os di­as”, acres­cen­tou.

a ori­gem des­te es­for­ço es­tra­té­gi­co do facebook co­me­çou nas elei­ções pre­si­den­ci­ais dos eua de 2016, quan­do Do­nald trump foi elei­to. a em­pre­sa ad­ver­tiu que as tá­ti­cas dos “ad­ver­sá­ri­os” –em ne­nhum mo­men­to da te­le­con­fe­rên­cia sua ori­gem ou iden­ti­da­de foi apon­ta­da– mu­dam e o es­for­ço é in­ter­mi­ná­vel.

a equi­pe di­ri­gi­da por cha­kra­bar­ti pre­pa­rou ce­ná­ri­os de pos­sí­veis ata- ques pa­ra ve­ri­fi­car qual é o ní­vel de pre­pa­ra­ção da em­pre­sa. os dois exem­plos de ata­ques que cha­kra­bar­ti deu fo­ram uma cam­pa­nha pa­ra su­pri­mir o vo­to –men­sa­gens no facebook que, por exem­plo, ex­pli­cam em que se po­de vo­tar por sms ou que anun­ci­am fal­sos fe­cha­men­tos de co­lé­gi­os elei­to­rais– ou pá­gi­nas que di­vul­gam ma­te­ri­al elei­to­ral des­de o ex­te­ri­or.

o facebook tam­bém cri­ou um sis­te­ma de se­gu­ran­ça du­plo pa­ra os fun­ci­o­ná­ri­os de cam­pa­nhas po­lí­ti­cas es­ta­du­ais e fe­de­rais que usam a re­de, pa­ra evi­tar que su­as con­tas se­jam in­va­di­das.

Re­pro­du­ção mil­liyet

Mark Zuc­ker­berg, con­se­lhei­ro de­le­ga­do de Facebook.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.