Ur­na ele­trô­ni­ca, um de­ba­te so­bre se­gu­ran­ça

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ase­gu­ran­ça do sis­te­ma elei­to­ral bra­si­lei­ro, que co­lhe os vo­tos em ur­nas ele­trô­ni­cas, vem sen­do ata­ca­da pe­la can­di­da­tu­ra de Jair Bolsonaro (Psl). o can­di­da­to de ex­tre­ma di­rei­ta à Pre­si­dên­cia e sua equi­pe têm di­to que uma even­tu­al der­ro­ta nas elei­ções de outubro te­rá si­do re­sul­ta­do de uma frau­de a fa­vor do can­di­da­to do Pt, fer­nan­do Had­dad. a mais re­cen­te in­ves­ti­da foi em ví­deo, quan­do o de­pu­ta­do fe­de­ral ul­tra­con­ser­va­dor, que se re­cu­pe­ra de uma fa­ca­da no hos­pi­tal al­bert eins­tein, em são Paulo, lan­çou mão de vá­ri­as de su­as te­ses —sem apre­sen­tar pro­vas de ne­nhu­ma de­las. “a gran­de pre­o­cu­pa­ção ago­ra não é per­der no vo­to, é per­der na frau­de. es­sa pos­si­bi­li­da­de de frau­de no se­gun­do tur­no, tal­vez até no pri­mei­ro, é con­cre­ta”, dis­se. “o Pt des­co­briu um ca­mi­nho pa­ra o po­der, o vo­to ele­trô­ni­co.”

Pou­cos di­as de­pois, o fi­lho de Jair Bolsonaro, o ve­re­a­dor car­los, com­par­ti­lhou em seu twit­ter uma men­ti­ra so­bre o sis­te­ma, e ob­te­ve ex­pres­si­va dis­se­mi­na­ção. o tex­to, apre­sen­ta­do co­mo uma no­tí­cia, di­zia que o tse (tri­bu­nal su­pe­ri­or elei­to­ral) ha­via en­tre­ga­do pa­ra uma em­pre­sa ve­ne­zu­e­la­na os có­di­gos das ur­nas ele­trô­ni­cas, “in­clu­si­ve os crip­to­grá­fi­cos”, e ne­ga­do o aces­so de au­di­to­res bra­si­lei­ros ao sis­te­ma. o tse pron­ta­men­te ne­gou a in­for­ma­ção. até mes­mo o ge­ne­ral an­to­nio Ha­mil­ton mou­rão, vi­ce na cha­pa de Bolsonaro, clas­si­fi­cou de fa­ke news o bo­a­to es­pa­lha- do pe­lo ve­re­a­dor.

o de­ba­te so­bre os pa­râ­me­tros de se­gu­ran­ça do sis­te­ma ele­trô­ni­co de vo­ta­ção bra­si­lei­ro, ins­ta­la­do em 1996, ape­sar de mi­no­ri­tá­rio e não reunir no­mes de pe­so do sis­te­ma po­lí­ti­co, não é no­vo e nem reú­ne ape­nas a cam­pa­nha ul­tra­di­rei­tis­ta. mas a in­sis­tên­cia com que tem si­do mar­te­la­do pe­lo can­di­da­to, lí­der nas pes­qui­sas até ago­ra, e os ter­mos em- pre­ga­dos, ques­ti­o­nan­do di­re­ta­men­te a le­gi­ti­mi­da­de do re­sul­ta­do das ur­nas, le­van­ta dú­vi­das so­bre se o ca­pi­tão re­for­ma­do es­ta­ria dis­pos­to a re­co­nhe­cer os re­sul­ta­dos elei­to­rais do pri­mei­ro ou do se­gun­do tur­no —uma hi­pó­te­se ame­a­ça­do­ra vis­ta com ca­pa­ci­da­de de cau­sar ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pro­fun­da. Não hou­ve, ain­da, um pe­di­do ex­plí­ci­to dos ad­ver­sá­ri­os de Bolsonaro na dis­pu­ta pe­lo Pa­lá­cio do Pla­nal­to pa­ra que ele se com­pro­me­ta a res­pei­tar as ci­fras apu­ra­das em outubro. o ex­pe­di­en­te de ques­ti­o­nar o sis­te­ma foi usa­do há pou­co, nas elei­ções de 2016 dos es­ta­dos Uni­dos. Do­nald trump re­pe­tia que a vo­ta­ção se­ria frau­da­da até que ele ga­nhou, e não falou mais do te­ma.

os ci­en­tis­tas so­ci­ais apon­tam que o ti­po de dis­cur­so é cor­ro­si­vo por­que ino­cu­la des- con­fi­an­ça nas ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas, num am­bi­en­te de­te­ri­o­ra­do de po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca e in­fes­ta­ção de men­ti­ras e notícias não com­pro­va­das via re­des so­ci­ais, em es­pe­ci­al What­sapp. Daí a pres­sa das au­to­ri­da­des em re­tru­car as de­cla­ra­ções de Bolsonaro. “Não há ne­nhum ca­so de frau­de com­pro­va­do”, dis­se ro­sa We­ber, pre­si­den­ta do tse e mi­nis­tra do su­pre­mo tri­bu­nal fe­de­ral.

“Di­go ape­nas e tão so­men­te que ele sem­pre foi elei­to atra­vés da ur­na ele­trô­ni­ca”, afir­mou antô­nio Di­as tof­fo­li, presidente do stf. “tem gen­te que acre­di­ta em sa­ci pe­re­rê”, con­ti­nu­ou.

de aé­cio a bolsonaro

Bolsonaro, no en­tan­to, tem ao me­nos um ele­men­to que aju­da a mol­dar seu dis­cur­so. ele não se con­ver­teu ago­ra ao te­ma. Há anos o can­di­da­to de ex­tre­ma di­rei­ta se uniu às vo­zes de téc­ni­cos que exi­gem a ins­ta­la­ção de vo­to im­pres­so co­mo for­ma de ga­ran­tir mai­or se­gu­ran­ça no pro­ces­so. a dis­cus­são ga­nha­ria im­pul­so es­pe­ci­al­men­te a par­tir de 2014. após a aper­ta­da vi­tó­ria de Dil­ma rous­seff em 2014, a cam­pa­nha de aé­cio Neves (PSDB) pe­diu a au­di­to­ria do sis­te­ma apon­tan­do ir­re­gu­la­ri­da­des. Na­da com­pro­me­te­dor foi en­con­tra­do, e o tu­ca­no se­ria fla­gra­do em gra­va­ção, tem­pos de­pois, di­zen­do que ha­via pe­di­do os tes­tes “pa­ra en­cher o sa­co”.

se­ja co­mo for, na es­tei­ra da po­lê­mi­ca, a re­for­ma elei­to­ral de 2015 aca­bou apro­van­do o vo­to im­pres­so — um pro­je­to pa­tro­ci­na­do por Bolsonaro, que tam­bém con­se­guiu que seus co­le­gas de­pu­ta­dos der­ru­bas­sem o ve­to da en­tão pre­si­den­ta Dil­ma rous­seff ao pon­to. em ju­nho des­te ano, no en­tan­to, o su­pre­mo tri­bu­nal fe­de­ral (stf) en­ten­deu que ele era in­cons­ti­tu­ci­o­nal por­que po­de afe­tar o si­gi­lo do vo­to e der­ru­bou a exi­gên­cia pa­ra es­te plei­to.

mes­mo quem se frus­trou com o stf e con­cor­da que o sis­te­ma tem que ser aper­fei­ço­a­do cri­ti­ca as de­cla­ra­ções de Bolsonaro. “te­mos pro­ble­mas de se­gu­ran­ça e trans­pa­rên­cia, mas es­ses pro­ble­mas afetam to­dos os can­di­da­tos. Nun­ca hou­ve um re­sul­ta­do téc­ni­co ma­lu­co que le­vas­se à con­clu­são de que al­gu­ma vul­ne­ra­bi­li­da­de fa­vo­re­ces­se al­gu­ma cor­ren­te po­lí­ti­ca”, diz Di­e­go ara­nha, pro­fes­sor da Uni­camp que é a fa­vor do vo­to im­pres­so e que co­or­de­nou du­as equi­pes, em 2012 e 2017, con­vo­ca­das pe­lo pró­prio tse pa­ra fa­zer tes­tes de se­gu­ran­ça. “o dis­cur­so não é ba­se­a­do nos meus re­sul­ta­dos téc­ni­cos. eu tra­ba­lho nis­so des­de 2012. exis­te to­do um pro­to­co­lo que pre­vê a par­ti­ci­pa­ção de téc­ni­cos in­de­pen­den­tes. al­guns can­di­da­tos se apro­vei­tam e cap­tu­ram um dis­cur­so téc­ni­co pa­ra le­van­tar cons­pi­ra­ções”, ex­pli­cou

Nos tes­tes, o pro­fes­sor con­cluiu que o soft­ware das ur­nas é vul­ne­rá­vel a ata­ques, ain­da que ava­lia que os pos­sí­veis ce­ná­ri­os de frau­de tra­ça­dos por sua equi­pe mui­to di­fi­cil­men­te ocor­re­ram ou ocor­re­rão —ele ape­nas não des­car­ta o ris­co e pro­põe me­lho­ras. Giu­sep­pe Ja­ni­no, se­cre­tá­rio de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção do tse, ex­pli­ca ao el País que os tes­tes pú­bli­cos, co­mo os que ara­nha par­ti­ci­pou, ser­vem jus­ta­men­te pa­ra que ci­da­dãos e hac­kers apon­tem fra­gi­li­da­des e re­for­cem a se­gu­ran­ça das ur­nas. “as fra­gi­li­da­des fo­ram re­pa­ra­das e a equi­pe que con­se­guiu ve­ri­fi­car a efi­ci­ên­cia das ações cor- re­ti­vas e não con­se­gui­ram pro­gre­dir nos pla­nos de ata­que”, ga­ran­te.

Ja­ni­no tam­bém enu­me­ra os vá­ri­os pro­ce­di­men­tos pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça das ur­nas. seis me­ses an­tes do plei­to, os par­ti­dos po­lí­ti­cos, a ordem dos advogados do Bra­sil (oab) e o mi­nis­té­rio Pú­bli­co são con­vo­ca­dos pa­ra acom­pa­nhar o de­sen­vol­vi­men­to dos sis­te­mas elei­to­rais —o Psl de Bolsonaro não man­dou re­pre­sen­tan­tes. De­pois des­se pe­río­do, o sis­te­ma é la­cra­do e re­ce­be as­si­na­tu­ras di­gi­tais, uma es­pé­cie de crip­to­gra­fia que ga­ran­te que o con­teú­do con­ti­do soft­ware que se­rá ins­ta­la­do nas ur­nas não se­ja al­te­ra­do. es­sas as­si­na­tu­ras são uti­li­za­das pa­ra ates­tar, na ho­ra da vo­ta­ção, que o pro­gra­ma foi de fa­to ge­ra­do pe­lo tse. a Jus­ti­ça elei­to­ral tam­bém re­a­li­za no dia da vo­ta­ção uma au­di­to­ria de fun­ci­o­na­men­to das ur­nas ele­trô­ni­cas: em even­to aber­to ao pú­bli­co e su­per­vi­si­o­na­do por par­ti­dos e au­to­ri­da­des, os tri­bu­nais re­gi­o­nais elei­to­rais sor­tei­am al­guns equi­pa­men­tos e si­mu­lam vo­ta­ções pa­ra ave­ri­guar se hou­ve di­ver­gên­cia nas escolhas re­a­li­za­das.

có­di­gos pú­bli­cos

o pro­fes­sor ara­nha afir­ma ain­da que a prin­ci­pal de­man­da de­le e de ou­tros téc­ni­cos é por mais trans­pa­rên­cia e, por is­so, a de­fe­sa de que o vo­to im­pres­so pos­sa se so­mar ao vo­to ele­trô­ni­co. tra­ta-se, pa­ra ele, de uma for­ma de re­gis­trar fi­si­ca­men­te o vo­to e que es­te pos­sa ser ve­ri­fi­ca­do por pes­so­as que não ne­ces­sa­ria- men­te são téc­ni­cas. ele co­me­mo­rou a no­tí­cia, di­vul­ga­da pe­la fo­lha de s. Paulo, de que o tri­bu­nal pla­ne­ja pa­ra as pró­xi­mas elei­ções di­vul­gar na in­ter­net os có­di­gos-fon­te que com­põem o sis­te­ma da ur­na ele­trô­ni­ca pa­ra que o pú­bli­co pos­sa ins­pe­ci­o­ná-lo.

o es­pe­ci­a­lis­ta ga­ran­te que, em 2012, con­se­guiu que­brar o si­gi­lo do vo­to ape­nas com in­for­ma­ções pú­bli­cas dos elei­to­res. e que, em 2017, ex­plo­rou uma “sequên­cia de vul­ne­ra­bi­li­da­des pa­ra al­te­rar o soft­ware da vo­ta­ção an­tes de ser ins­ta­la­do na ur­na pa­ra in­je­tar pro­gra­mas com com­por­ta­men­to ma­li­ci­o­so”, sem nem mes­mo pre­ci­sar “me­xer fi­si­ca­men­te na ur­na” —o que o tse con­tes­ta. “as vul­ne­ra­bi­li­da­des que te­mos en­con­tra­do não são no­vi­da­des na área de se­gu­ran­ça. são fra­gi­li­da­des clás­si­cas que um pro­gra­ma­dor com ta­ma­nha res­pon­sa­bi­li­da­de de­ve­ria de­tec­tar”, ar­gu­men­ta. tu­do le­va a crer, con­tu­do, que as vul­ne­ra­bi­li­da­des de­tec­ta­das no sis­te­ma são aci­den­tais. ele tam­bém re­co­nhe­ce que o tri­bu­nal vem me­lho­ran­do à me­di­da que des­co­bre al­gu­mas fra­gi­li­da­des e que vem agin­do mais ra­pi­da­men­te do que an­tes: “Nes­te pon­to sou oti­mis­ta”. co­mo pro­fis­si­o­nal da área de se­gu­ran­ça, diz ain­da não po­der des­con­si­de­rar ou­tros ti­pos de ris­cos, co­mo o de que uma pes­soa no lo­cal de vo­ta­ção se­ja su­bor­na­da pa­ra ins­ta­lar um pro­gra­ma ma­li­ci­o­so —pa­ra que uma elei­ção pre­si­den­ci­al fos­se frau­da­da, al­go do ti­po te­ria que acon­te­cer em lar­guís­si­ma es­ca­la— ou até mes­mo que de téc­ni­cos in­ter­nos do tse se­jam cor­rom­pi­dos. con­tu­do, con­fia nos me­ca­nis­mos de se­gu­ran­ça do tri­bu­nal e rei­te­ra que mui­to di­fi­cil­men­te al­gu­ma frau­de te­nha ocor­ri­do ou ve­nha a ocor­rer.

des­con­fi­an­ça so­bre pro­ces­so elei­to­ral Mo­vi­men­ta as re­des

se, de um la­do, a can­di­da­tu­ra de Bolsonaro vem ata­can­do a se­gu­ran­ça das ur­nas ele­trô­ni­cas, do ou­tro pes­so­as li­ga­das ao Pt vem ques­ti­o­nan­do a le­gi­ti­mi­da­de do pro­ces­so elei­to­ral sem a pre­sen­ça do ex-presidente luiz iná­cio lu­la da sil­va. Na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra foi a vez da pre­si­den­ta do par­ti­do, a se­na­do­ra Glei­si Hoff­mann. ela dis­se que a au­sên­cia de lu­la de­ses­ta­bi­li­za o pro­ces­so e im­pe­de que uma par­ce­la gran­de da po­pu­la­ção exer­ça seu di­rei­to ao vo­to. “Não es­ta­mos to­tal­men­te cer­tos de que es­sa elei­ção ocor­ra em am­bi­en­te nor­mal, vai de­pen­der mui­to do de­sem­pe­nho que o Pt vai ter”.

as­sim, a des­con­fi­an­ça so­bre o pro­ces­so elei­to­ral vem mo­vi­men­tan­do as re­des so­ci­ais. se­gun­do a FGV-DAPP, en­tre os di­as 19 de agos­to e 18 de se­tem­bro, o te­ma mo­bi­li­zou 841.800 men­ções no twit­ter. “os de­ba­tes fo­ram po­la­ri­za­dos em ao me­nos du­as li­nhas: uma ques­ti­o­nan­do o pro­ces­so elei­to­ral sem a pre­sen­ça do ex-presidente lu­la co­mo can­di­da­to; ou­tra, as­so­ci­a­da a Bolsonaro, ques­ti­o­nan­do a con­fi­a­bi­li­da­de das ur­nas ele­trô­ni­cas e de to­do o pro­ces­so ao re­dor do plei­to”, dis­se o cen­tro de es­tu­dos.

Mar­ce­lo ca­mar­go agên­cia Bra­sil

Ur­nas ele­trô­ni­cas são la­cra­das pa­ra vo­ta­ção no ex­te­ri­or, em 2014

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.