Em al­ta nas Pes­qui­sas, HAD­DAD Vira AL­VO De Ci­ro e Ma­ri­na em De­ba­te

Brasil em Folhas - - Primeira Página - AE

Apro­xi­mi­da­de da elei­ção - 11 di­as - e o ce­ná­rio em­bo­la­do da dis­pu­ta pre­si­den­ci­al, on­de o lí­der das pes­qui­sas não che­ga a reu­nir 30% das in­ten­ção de vo­tos e qua­se o mes­mo pa­ta­mar (28%) dos elei­to­res ain­da não têm can­di­da­to, fi­ze­ram com que os prin­ci­pais can­di­da­tos dei­xas­sem a ideia do “vo­to útil” ape­nas pa­ra as con­si­de­ra­ções finais e par­tis­sem pa­ra o ata­que fran­co con­tra os ad­ver­sá- ri­os pa­ra ga­ran­tir uma va­ga no se­gun­do tur­no.

os can­di­da­tos à Presidência pre­sen­tes no de­ba­te sbt/fo­lha/uol evi­ta­ram men­ci­o­nar o no­me do pre­si­den­ciá­vel lí­der nas pes­qui­sas, Jair Bol­so­na­ro (PSL), e cen­tra­ram o ata­que ao Pt, de Fer­nan­do Had­dad, que foi al­vo de ci­ro Go­mes (PDT), Ma­ri­na sil­va (re­de), Ge­ral­do alck­mim (PSDB) e al­va­ro Di­as (Po­de­mos).

ci­ro e Had­dad tro­ca­ram far­pas, em es­pe­ci­al no se- gun­do blo­co do de­ba­te. in­da­ga­do se da­ria car­gos ao Pt ca­so se­ja elei­to, ci­ro res­pon­deu: “se pu­der go­ver­nar sem o Pt, eu pre­fi­ro. Nes­se mo­men­to, o Pt re­pre­sen­ta uma coi­sa mui­to gra­ve por­que trans­for­mou-se nu­ma es­tru­tu­ra de po­der odi­en­ta que aca­bou cri­an­do o Bol­so­na­ro, es­sa aber­ra­ção”.

Pou­co de­pois, quas­ti­o­na­do so­bre a par­ti­ci­pa­ção do ex-pre­si­den­te Luiz iná­cio Lu­la da sil­va em seu even­tu- al go­ver­no, Had­dad des­vi­ou da per­gun­ta pa­ra tre­ba­ter a crí­ti­ca de ci­ro. “aca­bo de ver ci­ro di­zen­do que não pre­ten­de go­ver­nar com o Pt, mas pou­cos me­ses atrás me con­vi­da­va pa­ra ser vi­ce, di­zen­do que se­ria a cha­pa o ‘dre­am te­am’. Não é as­sim que se faz po­lí­ti­ca, de­mo­ni­zan­do quem não es­tá jun­to”, dis­se Had­dad.

alck­min foi per­gun­ta­do so­bre a pos­si­bi­li­da­de de união dos can­di­da­tos de cen­tro ain­da no pri­mei­ro tur­no pa­ra evi­tar a po­la­ri­za­ção en­tre Pt e Bol­so­na­ro. res­pon­deu que não ques­ti­o­na a le­gi­ti­mi­da­de dos ad­ver­sá­ri­os e re­pe­tiu a es­tra­té­gia de dis­pa­rar con­tra o Pt e Bol­so­na­ro.

“De um la­do a vol­ta do Pt, que le­vou o País a 13 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos, uma ir­res­pon­sa­bi­li­da­de nas con­tas pú­bli­cas, um pro­je­to de po­der só de ga­nhar elei­ção. o Bra­sil pa­ra eles é se­cun­dá­rio. De ou­tro la­do, evi­tar a in­sen­sa­tez

de um can­di­da­to que não tem as me­no­res con­di­ções, que re­pre­sen­ta o que há de mais atra­sa­do na po­lí­ti­ca, uma in­to­le­rân­cia num país tão plu­ral co­mo o Bra­sil”, dis­se alck­min.

No pri­mei­ro blo­co, o mais em­ble­má­ti­co foi en­tre Ma­ri­na e Had­dad, em que um res­pon­sa­bi­li­zou o ou­tro pe­lo go­ver­no do pre­si­den­te Mi­chel te­mer.

o pre­si­den­ciá­vel pe­tis­ta ques­ti­o­nou a Ma­ri­na co­mo pre­den­te re­to­mar o em­pre­go e o que fa­ria com o te­to dos Gas­tos e a ter­cei­ri­za­ção, me­di­das apro­va­das por te­mer e so­bre as quais a can­di­da­ta cos­tu­ma não res­pon­der di­re­ta­men­te. a can­di­da­ta da re­de dis­se que quer “re­cu­pe­rar a cre­di­bi­li­da­de” per­di­da em fun­ção da cor­rup­ção do Pt, PSDB e MDB.

“Quem bo­tou o te­mer lá fo­ram vo­cês. ele traiu a Dil­ma e não te­ria con­se­gui­do che­gar à Presidência se nao pos­se a opo­si­ção”, re­tru­cou Had­dad. a re­de en­trou com a ação pa­ra cas­sar a cha­pa Dil­ma-te­mer no tri­bu­nal su­pe­ri­or elei­to­ral (tse). a is­so, a can­di­da­ta dis­se que o Pt se jun­tou com te­mer “pa­ra afun­dar o Bra­sil” e lem­brou que Had­dad “foi pe­dir ben­ção” pa­ra o se­na­dor re­nan ca­lhei­ros nes­te ano, que tam­bém apoi­ou o im­pe­a­ch­ment.

Had­dad pro­ta­go­ni­zou ain­da um em­ba­te dis­cre­to com ci­ro Go­mes (PDT), tam­bém ex-mi­nis­tro de Lu­la. ele per­gun­tou pa­ra Had­dad (Pt) quais as pro­pos­tas de­le pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal. o pe­tis­ta re­lem­brou seus fei­tos en­quan­to mi­nis­tro da edu­ca­ção de Lu­la, co­mo a cri­a­ção de uni­ver­si­da­des. “Fui um dos mi­nis­tros do Lu­la que mais lu­tou pe­lo País. Pra 126 mu­ni­cí­pi­os, le­vei uni­ver­si­da­des fe­de­rais”, afir­mou, di­zen­do ain­da que re­to­ma­ria obras pa­ra­das pe­lo País. o pe­tis­ta lem­brou que o pró­prio ci­ro foi mi­nis­tro do go­ver­no Lu­la. Na tré­pli­ca, o pe­de­tis­ta dis­se que o “Bra­sil pre­ci­sa de um pre­si­den­te que de fa­to co­nhe­ça o País”.

os em­ba­tes co­me­ça­ram lo­go na pri­mei­ra per­gun­ta do pri­mei­ro blo­co, quan­do Gui­lher­me Bou­los (Psol) per­gun­tou pa­ra Ge­ral­do alck­min (PSDB): “ca­dê o di­nhei­ro da me­ren­da?”, em re­fe­rên­cia ao es­cân­da­lo do des­vio de re­cur­sos de me­ren­das nas es­co­las pú­bli­cas em são Paulo.

De­ba­te SBT - Por um lu­gar no 2º tur­no, de­ba­te pre­si­den­ciá­vel é mar­ca­do por ata­ques

Fo­tos: Lou­ri­val ri­bei­ro / Ga­bri­el car­do­so/ sbt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.