DE­SEM­PRE­GO PAU­TA CAN­DI­DA­TOS E SE­RÁ DE­SA­FIO AO PRÓ­XI­MO PRESIDENTE

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Se­ja quem for o presidente elei­to, a pers­pec­ti­va de ado­ção de me­di­das que re­sul­tem na di­mi­nui­ção do de­sem­pre­go se­rá um dos fa­to­res que pe­sa­rá na es­co­lha do can­di­da­to vi­to­ri­o­so. De acor­do com o ibge, o Bra­sil tem 12,7 mi­lhões de pes­so­as de­so­cu­pa­das, um con­tin­gen­te mai­or que a po­pu­la­ção da ci­da­de de são Pau­lo e de paí­ses co­mo Bo­lí­via, Bél­gi­ca ou cu­ba.

Le­van­ta­men­to fei­to pe­la agên­cia Bra­sil a par­tir de da­dos do ibge ( des­de o 2 º tri­mes­tre de 2012) mos­tra que, em seis anos, a evo­lu­ção do sal­do de pes­so­as com 14 anos ou mais ocu­pa­das foi um cres­ci­men­to de 1,88%.

Cin­co se­to­res em 12 ti­ve­ram de­sem­pe­nho ne­ga­ti­vo, sen­do que o se­tor de “agri­cul­tu­ra, pe­cuá­ria, pro­du­ção flo­res­tal, pes­ca e aqui­cul­tu­ra” so­freu que­da de 19,27% no nú­me­ro de pes­so­as ocu­pa­das. No pe­río­do, o des­ta­que po­si­ti­vo foi do se­tor de “alojamento e ali­men­ta­ção”, al­ta de qua­se 35% no nú­me­ro de pes­so­as ocu­pa­das.

Va­le no­tar que nes­te ano ape­nas qua­tro se­to­res atin­gi­ram o mai­or nú­me­ro de pes­so­as ocu­pa­das des­de de 2012: “administração pú­bli­ca, de­fe­sa, se­gu­ri­da­de so­ci­al, edu­ca­ção, saú­de hu­ma­na e ser­vi­ços so­ci­ais”; “alojamento e ali­men­ta­ção”; “trans­por­te, ar­ma­ze­na­gem e correio” e “ou­tro ser­vi­ço”.

O re­sul­ta­do tí­mi­do da me­lho­ria da de­so­cu­pa­ção, o cres­ci­men­to ain­da in­ci­pi­en­te do mer­ca­do for­mal de tra­ba­lho e o fenô­me­no de pes­so­as que de­sis­ti­ram de pro­cu­rar em­pre­go, o cha­ma­do “de­sa­len­to”, com­põem o ce­ná­rio ne­bu­lo­so que o pró­xi­mo presidente te­rá que en­fren­tar.

Téc­ni­cos es­pe­ci­a­li­za­dos co­mo Felipe Vel­la Pa­teo, res­pon­sá­vel pe­la área que pro­duz as es­ta­tís­ti­cas do ca­das­tro Ge­ral de em­pre­ga­dos e De­sem­pre­ga­dos (ca­deg) do Mi­nis­té­rio do tra­ba­lho, pon­de­ra: “Mu­dan­ças na po­lí­ti­ca sem­pre po­dem afe­tar o cres­ci­men­to econômico e con­se­quen­te­men­te a ge­ra­ção de em­pre­go. Di­fí­cil fa­zer uma pre­vi­são pa­ra além de 2018”. De ja­nei­ro a agos­to, fo­ram cri­a­das apro­xi­ma­da­men­te 568 mil va­gas com car­tei­ra as­si­na­da.

ME­DO DO DE­SEM­PRE­GO

Pa­re­ce mais cla­ra a in­fluên­cia do de­sem­pre­go na de­ci­são elei­to­ral. Pa­ra a ci­en­tis­ta po­lí­ti­ca Ma­ria do so­cor­ro Braga, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de são car­los (Ufscar), in­te­ri­or de são Pau­lo, “o de­sem­pre­go tem um gran­de im­pac­to nas pre­fe­rên­ci­as elei­to­rais, es­pe­ci­al­men­te nos se­to­res em­po­bre­ci­dos e mé­di­os que de­pen­dem do tra­ba­lho pa­ra man­ter sua sub­sis­tên­cia”.

Pes­qui­sa de opi­nião da con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da in­dús­tria (cni), fei­ta no fi­nal de ju­nho em 128 mu­ni­cí­pi­os (amos­tra de 2 mil pes- so­as en­tre­vis­ta­das), con­fir­ma a per­cep­ção so­bre a im­por­tân­cia do em­pre­go. o le­van­ta­men­to mos­tra que o me­do de per­der o tra­ba­lho afli­ge qua­se 68% dos bra­si­lei­ros. em mais de 20 anos da pes­qui­sa da cni, es­se é o mai­or ín­di­ce atin­gi­do - 18,3 pon­tos per­cen­tu­ais aci­ma da mé­dia his­tó­ri­ca de 49,6%.

A ca­pa­ci­da­de de ge­rar em­pre­go de­ve­rá ser uma das prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções do no­vo presidente após a pos­se em ja­nei­ro de 2019. con­for­me eco­no­mis­tas ou­vi­dos pe­la agên­cia Bra­sil, o au­men­to da ofer­ta do em­pre­go po­de ser res­pos­ta po­si­ti­va e tam­bém ele­men­to in­du­tor à re­to­ma­da do cres­ci­men­to econômico.

“In­de­pen­den­te­men­te de quem ga­nhe, o gran­de de­sa­fio se­rá ge­rar em­pre­go”, as­si­na­la Ma­ria an­dréia La­mei­ras, da área de ma­cro­e­co­no­mia do ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa econô­mi­ca ( ipea). se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta, que edi­ta car­ta de con­jun­tu­ra so­bre mer­ca­do de tra­ba­lho, o go­ver­no tem tra­di­ci­o­nal­men­te pro­ta­go­nis­mo pa­ra pro­vo­car con­tra­ta­ções.

“Em­pre­go só vem com a vol­ta do in­ves­ti­men­to. Prin- ci­pal­men­te, in­ves­ti­men­to em cons­tru­ção e em in­fra­es­tru­tu­ra, que são bons gas­tos pa­ra me­lho­rar a com­pe­ti­ti­vi­da­de do país”, ava­lia La­mei­ras.

O di­re­tor téc­ni­co do De­par­ta­men­to in­ter­sin­di­cal de es­ta­tís­ti­ca e es­tu­dos so­ci­o­e­conô­mi­cos (Di­e­e­se), cle­men­te Ganz Lú­cio, tam­bém as­si­na­la o pa­pel que o go­ver­no po­de­rá as­su­mir pa­ra es­ti­mu­lar a eco­no­mia e ge­rar mais em­pre­gos. “É ne­ces­sá­rio o apor­te de re­cur­sos e a ado­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas de efei­to mul­ti­pli­ca­dor”, de­fen­de.

VE­LO­CI­DA­DE DA RE­CONS­TRU­ÇÃO

A con­ver­gên­cia en­tre os dois es­pe­ci­a­lis­tas so­bre o pa­pel do go­ver­no pa­ra es­ti­mu­lar a eco­no­mia e o em­pre­go es­bar­ra, po­rém, nas vi­sões an­tagô­ni­cas que ca­da um tem so­bre o grau do ajus­te fis­cal e a dis­po­ni­bi­li­da­de de di­nhei­ro no cai­xa pú­bli­co.

Na ava­li­a­ção do di­re­tor do Di­e­e­se, é ne­ces­sá­rio per­se­guir o equi­lí­brio das re­cei­tas e des­pe­sas nas nas con­tas pú­bli­cas, “mas a mé­dio pra­zo”. Pa­ra ele, a atu­a­ção do go­ver­no de­ve ser mais rá­pi­da e agu­da.

A téc­ni­ca do ipea as­si­na­la que “des­truir em­pre­gos é mais fá­cil e re­cons­truir opor­tu­ni­da­des de­mo­ra mais”. Pa­ra ela, a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to do no­vo go­ver­no de­pen­de­rá de ace­nos com o ajus­te fis­cal e com a agen­da de re­for­mas, em es­pe­ci­al da Pre­vi­dên­cia so­ci­al. “tra­du­zin­do, is­so ge­ra tran­qui­li­da­de”, ex­pli­cou.

A ava­li­a­ção de­la é de que sinais po­si­ti­vos, de que o go­ver­no atua pa­ra re­e­qui­li­brar seu or­ça­men­to e re­du­zir as dí­vi­das pú­bli­cas, ti­ra a pres­são so­bre os ju­ros e de­se­nha um ce­ná­rio que es­ti­mu­la a ini­ci­a­ti­va pri­va­da a in­ves­tir.

O eco­no­mis­ta da cni, Mar­ce­lo azevedo, acres­cen­ta que no ca­so da in­dús­tria, os em­pre­sá­ri­os vol­ta­rão a con­tra­tar quan­do hou­ver sinais de “re­to­ma­da [do cres­ci­men­to econômico] cons­tan­te e pre­vi­sí­vel”. além do equi­lí­brio fis­cal, azevedo in­clui co­mo fa­to­res que pe­sam na aber­tu­ra de va­gas na in­dús­tria o qua­dro comercial ex­ter­no, a mu­dan­ça em mar­cos re­gu­la­tó­ri­os pa­ra a in­dús­tria e a mo­der­ni­za­ção das re­gras tri­bu­tá­ri­as.

RE­FOR­MA TRA­BA­LHIS­TA

His­to­ri­ca­men­te, a con­tra­ta­ção na in­dús­tria ocor­re após di­mi­nui­ção de es­to­ques pro­du­zi­dos, eli­mi­na­ção da oci­o­si­da­de pro­du­ti­va de má­qui­nas, da for­ça de tra­ba­lho já em­pre­ga­da. Pa­ra azevedo, as mo­di­fi­ca­ções na le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta ado­ta­das em 2017 “fa­ci­li­ta­rão a re­cu­pe­ra­ção do em­pre­go de for­ma mais rá­pi­da”.

De acor­do com os re­sul­ta­dos de agos­to do ca­geg, a re­for­ma tra­ba­lhis­ta apre­sen­ta im­pac­to nas ad­mis­sões por tem­po par­ci­al ( 7.374 ad­mis­sões em agos­to), por tra­ba­lho não con­tí­nuo, in­ter­mi­ten­te, ( 5.987 ad­mis­sões) e nos acor­dos de des­li­ga­men­to de em­pre­ga­dos ( 15.010 de­mis­sões).

Marcello ca­sal Jr/agên­cia Bra­sil/agên­cia Bra­sil

O Bra­sil tem 12,7 mi­lhões de pes­so­as de­so­cu­pa­das, um con­tin­gen­te mai­or que a po­pu­la­ção da ci­da­de de São Pau­lo e de paí­ses co­mo Bo­lí­via, Bél­gi­ca ou Cu­ba

Arquivo/jo­sé cruz/agên­cia Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.