PT quer evi­tar ‘on­da Bol­so­na­ro’ com Whatsapp

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

ocres­ci­men­to de Jair Bol­so­na­ro (PSL), de 28% pa­ra 32%, e a es­tag­na­ção de Fer­nan­do Had­dad (Pt) em 21% nas in­ten­ções de vo­to apon­ta­dos pe­lo Da­ta­fo­lha des­ta ter­ça-fei­ra, re­for­ça­ram o que o ibope já ha­via mos­tra­do um dia an­tes, mas fo­ram re­ce­bi­dos com sur­pre­sa pe­lo Par­ti­do dos tra­ba­lha­do­res. até mes­mo no Nor­des­te, on­de o Pt tem tra­di­ci­o­nal­men­te um elei­to­ra­do fi­el, e é úni­ca região on­de Had­dad li­de­ra, o ca­pi­tão re­for­ma­do cres­ceu qu­a­tro pon­tos (20%), che­gan­do mais per­to dos 36% do ex-pre­fei­to pau­lis­ta­no. No nú­cleo du­ro do Pt, nin­guém es­pe­ra­va por es­ses nú­me­ros, que in­ter­rom­pe­ram um sen­ti­men­to de oti­mis­mo den­tro do par­ti­do e fi­ze­ram a di­re­ção da cam­pa­nha mu­dar de ru­mo a pou­cos di­as do pri­mei­ro tur­no.

se­gun­do um ali­a­do pró­xi­mo a Had­dad, até os re­sul­ta­dos dos le­van­ta­men­tos fei­tos pe­lo ibope e pe­lo Da­ta­fo­lha se­rem co­nhe­ci­dos, ha­via a ex­pec­ta­ti­va de que o pre­si­den­ciá­vel do Pt po­de­ria che­gar no se­gun­do tur­no tec­ni­ca­men­te em­pa­ta­do com Bol­so­na­ro. Nes­ta se­ma­na, es­sa pers­pec­ti­va foi aban­do­na­da e ho­je é da­do co­mo cer­to que o pe­tis­ta avan­ça­rá em se­gun­do co­lo­ca­do. Den­tro do par­ti­do, a ex­pec­ta­ti­va é que te­to de vo­tos de Had­dad na pri­mei­ra ro­da­da se­ja de cer­ca de 25% do elei­to­ra­do.

Pa­ra ten­tar es­tan­car o cres­ci­men­to de Bol­so­na­ro e im­pul­si­o­nar Had­dad, o tom pro­po­si­ti­vo e con­ci­li­a­dor que o Pt vi­nha ado­tan­do até o mo­men­to se­rão dei­xa­dos em se­gun­do pla­no e subs­ti­tuí­dos por um tom mais agres­si­vo. até ago­ra, a es­tra­té­gia pe­tis­ta era em tor­no de co­lar a ima­gem de Had­dad, des­co­nhe­ci­do pa­ra gran­de par­te do elei­to­ra­do, à do ex-pre­si­den­te Lu­la, pre­so des­de abril acu­sa­do de cor­rup­ção. com a mudança de es­tra­té­gia, o Pt pas­sa a usar to­do seu ar­se­nal de ata­ques, até en­tão guar­da­do pa­ra o se­gun­do tur­no. Nes­ta quar­ta-fei­ra, o pre­si­den­ciá­vel pas­sou o dia em são Pau­lo gra­van­do uma no­va le­va de pro­gra­mas com o foco na des­cons­tru­ção de seu prin­ci­pal ri­val.

os no­vos pro­gra­mas vão cen­trar fo­go em Bol­so­na­ro a par­tir de três ei­xos. o pri­mei­ro, se­rá apre­sen­tar Had­dad co­mo o can­di­da­to que de­fen­de os di­rei­tos hu­ma­nos, con­tra um ad­ver­sá­rio que faz apo­lo­gia à tor­tu­ra e a tor­tu­ra­do­res. a es­tra­té­gia tam­bém fo­ca­rá em di­zer que Bol­so­na­ro ame­a­ça os di­rei­tos so­ci­ais dos tra­ba­lha­do­res, tan­to pe­a­lo seu apoio à re­for­ma tra­ba­lhis­ta quan­to pe­las de­cla­ra­ções de seu vi­ce, o ge­ne­ral da re­ser­va Ha­mil­ton Mou­rão, que cri­ti­cou o 13° sa­lá­rio.

Há um de­ba­te ain­da den­tro da cam­pa­nha do Pt so­bre dei­xar de la­do al- guns as­sun­tos que são ti­dos co­mo pre­ju­di­ci­ais pa­ra a can­di­da­tu­ra de Had­dad. Um de­les, é a de­fe­sa da con­vo­ca­ção de uma cons­ti­tuin­te, al­go que tem si­do uti­li­za­do por ad­ver­sá­ri­os pa­ra co­lar no pe­tis­ta a eti­que­ta de ra­di­cal de es­quer­da –a pro­pos­ta faz par­te do pro­gra­ma de Go­ver­no. ele tam­bém de­ve evi­tar ao má­xi­mo o es­pi­nho­so te­ma de um pos­sí­vel in­dul­to ao ex-pre­si­den­te Lu­la.

sem ne­nhum tem­po a per­der, par­te des­sa no­va es­tra­té­gia já foi co­lo­ca­da em prá­ti­ca. Nes­ta quar­ta­fei­ra, ao me­nos três ví­de­os do Pt co­me­ça­ram a ser com­par­ti­lha­dos nas re­des so­ci­ais ata­can­do seu ri­val. Um de­les, diz pa­ra o elei­tor não vo­tar “em quem sem­pre vo­tou con­tra vo­cê”, men­ci­o­nan­do o Fun­do de combate à Po­bre­za, vo­ta­ção na qual o de­pu­ta­do Bol­so­na­ro foi o úni­co con­tra, e a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, na qual ele vo­tou a fa­vor. em ou­tro, usa de­poi­men­tos de amé­lia te­les, ex-pre­sa po­lí­ti­ca, que nar­ra com de­ta­lhes as tor­tu­ras vi­vi­das na pri­são, co­man­da­das pe­lo co­ro­nel car­los al­ber­to Bri­lhan­te Us­tra, du­ran­te a di­ta­du­ra. Us­tra, mor­to em 2015, foi ho­me­na­ge­a­do por Bol­so- na­ro no dia em que o de­pu­ta­do pro­fe­riu seu vo­to a fa­vor do im­pe­a­ch­ment de Dil­ma rous­seff, em 2016. e é, até ho­je, ido­la­tra­do pe­la cam­pa­nha do pre­si­den­ciá­vel do PSL. “tor­tu­ra­dor não po­de ser he­rói”, diz a cam­pa­nha do Pt.

ZAP do Lu­la

além do ata­que, a tá­ti­ca elei­to­ral do Pt in­ves­te na de­fe­sa. Na ava­li­a­ção do co­mi­tê de Had­dad, par­te do cres­ci­men­to de Bol­so­na­ro po­de ser ex­pli­ca­do pe­la in­ten­sa cam­pa­nha que ali­a­dos do can­di­da­to do PSL vem pro­mo­ven­do via Whatsapp, prin­ci­pal­men­te

com posts de cu­nho conservador nos cos­tu­mes. is­so po­de ter ser­vi­do, di­zem, co­mo uma es­pé­cie de re­a­ção às ma­ni­fes­ta­ções do #ele­não no sá­ba­do, a par­tir de men­sa­gens que as­so­ci­am Had­dad ao movimento fe­mi­nis­ta e LGBT e têm for­te res­so­nân­cia ne­ga­ti­va no elei­to­ra­do mais po­bre e conservador.

Pa­ra Pau­lo cal­mon, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UNB), o movimento do fim de se­ma­na po­de ter aju­da­do o elei­tor de Bol­so­na­ro a “as­su­mir” seu vo­to. “Vá­ri­os elei­to­res es­ta­vam se guar­dan­do pa­ra se ma­ni­fes­tar no se- gun­do tur­no”, diz. “Mas, as­sus­ta­dos com os mo­vi­men­tos de rua, apoi­a­ram pu­bli­ca­men­te Bol­so­na­ro. além dis­so, tem uma for­ci­nha das igre­jas evan­gé­li­cas que ex­pli­cam o cres­ci­men­to de­le no Nor­des­te e nas áre­as mais po­bres”, diz. No sá­ba­do, vés­pe­ra do de­ba­te en­tre pre­si­den­ciá­veis na re­cord, o bis­po edir Ma­ce­do pu­bli­cou um post em seu Fa­ce­bo­ok em apoio a Bol­so­na­ro.

Na ten­ta­ti­va de uma con­tra­o­fen­si­va, o Pt cri­ou um ca­nal de Whatsapp pa­ra receber de­nún­ci­as de no­tí­ci­as fal­sas que cir­cu­lam pe­lo apli­ca­ti­vo, re­la­ci­o­na­das à sua cam­pa­nha. se­gun­do o par­ti­do, em 12 ho­ras, o Zap do Lu­la re­ce­beu 5.000 de­nún­ci­as de fa­ke news, bo­a­tos e ca­lú­ni­as. Den­tre os exem­plos anun­ci­a­dos pe­lo Pt, es­tão as no­tí­ci­as fal­sas de que Had­dad te­ria di­to que cri­an­ças com mais de cin­co anos se­ri­am pro­pri­e­da­de do es­ta­do, e que o ex­mi­nis­tro de­ci­di­ria com­pul­so­ri­a­men­te so­bre seu gê­ne­ro.

com es­sa es­tra­té­gia, o Pt en­tra tar­de em um campo pra­ti­ca­men­te do­mi­na­do por seu ri­val. Na se­ma­na pas­sa­da, re­por­ta­gem do el País mostrou que o Whatsapp é a prin­ci­pal pla­ta­for­ma pa­ra a cam­pa­nha de Bol­so­na­ro pa­ra man­ter a ba­se mo­bi­li­za­da. acompanhamento de três des­tes gru­pos mostrou que ne­les se di­fun­dem men­ti­ras ca­mu­fla­das co­mo no­tí­ci­as, ten­ta­ti­vas de con­tra­por pu­bli­ca­ções ne­ga­ti­vas da im­pren­sa e até fal­sos apoi­os de ce­le­bri­da­des à can­di­da­tu­ra do PSL. o uni­ver­so do apli­ca­ti­vo é am­pla­men­te ex­plo­ra­do pe­los elei­to­res do ca­pi­tão re­for­ma­do. se­gun­do o Da­ta­fo­lha, 61% elei­to­res de Bol­so­na­ro se in­for­mam pe­lo Whatsapp. en­tre os elei­to­res de Had­dad, es­se per­cen­tu­al fi­cou em 38%. ain­da de acor­do com o ins­ti­tu­to, 40% dos elei­to­res de Bol­so­na­ro se di­zem dis­pos­tos a dis­tri­buir ma­te­ri­al de cam­pa­nha via Whatsapp, con­tra 22% dos elei­to­res do pes­tis­ta.

“Hou­ve um au­men­to gran­de de gru­pos re­la­ci­o­na­dos a Bol­so­na­ro nas úl­ti­mas semanas”, diz Fa­brí­cio Be­ne­ve­nu­to, pro­fes­sor do de­par­ta­men­to de ci­ên­cia da com­pu­ta­ção da UFMG e cri­a­dor do pro­je­to elei­ções sem Fa­ke, que mo­ni­to­ra o uso des­se apli­ca­ti­vo. “an­tes, era mais dis­tri­buí­do en­tre ou­tros can­di­da­tos, mas ago­ra é mui­to mais próBol­so­na­ro”. seis em ca­da dez bra­si­lei­ros ad­mi­tem que já acre­di­ta­ram em bo­a­tos, o mai­or ín­di­ce nos 27 paí­ses in­cluí­dos em uma pes­qui­sa da ip­sos fei­ta en­tre 22 de ju­nho e 6 de ju­lho.

Pri­mei­ro tur­no

o gran­de te­mor do Pt, de que a elei­ção se re­sol­va já no pri­mei­ro tur­no, tem chan­ces pe­que­nas, po­rém fac­tí­veis de ocor- rer. se­gun­do o Da­ta­fo­lha des­ta ter­ça- fei­ra, Bol­so­na­ro pre­ci­sa­ria de mais 12 pon­tos per­cen­tu­ais de vo­tos pa­ra ven­cer sem uma no­va dis­pu­ta no dia 28 de ou­tu­bro. o mes­mo le­van­ta­men­to mos­tra que 13% dos elei­to­res vo­tam em bran­co, nu­lo ou es­tão in­de­ci­sos.

o que pre­o­cu­pa a cam­pa­nha pe­tis­ta é que não so­men­te Had­dad es­tag­nou, co­mo tam­bém sua re­jei­ção sal­tou, de 32% pa­ra 41%, fi­can­do pró­xi­ma a de Bol­so­na­ro, com 45%. Por ou­tro la­do, o pi­co de re­jei­ção que Had­dad ex­pe­ri­men­tou foi jus­ti­fi­ca­do em par­te pe­lo des­gas­te do Pt e tam­bém pe­los ata­ques pro­mo­vi­dos por Ge­ral­do alck­min ( PSDB). Por is­so, en­tre os co­or­de­na­do­res da cam­pa­nha do Pt, uma even­tu­al vi­tó­ria de Bol­so­na­ro no pri­mei­ro tur­no é con­si­de­ra­da co­mo “ex­tre­ma­men­te di­fí­cil” de acon­te­cer, mas já não é ti­da co­mo hipótese des­car­ta­da.

Pa­ra Pau­lo cal­mon, a pos­si­bi­li­da­de de que es­sa elei­ção se re­sol­va já no pri­mei­ro tur­no é im­pro­vá­vel. “É uma dis­pu­ta mui­to ele­tri­zan­te, mui­to po­la­ri­za­da. e his­to­ri­ca­men­te, em elei­ções po­la­ri­za­das, as pes­so­as sen­tem que seu vo­to faz di­fe­ren­ça”, diz. “a ten­dên­cia en­tão é que os elei­to­res com­pa­re­çam, fa­zen­do com que a quan­ti­da­de de vo­tos em bran­co ou nu­lo não se­ja tão gran­de”.

Co­le­ti­va de im­pren­sa de Fer­nan­do Had­dad, na ma­nhã des­ta quar­ta-fei­ra (3/10) em São Pau­lo

Ri­car­do stuc­kert

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.