Pro­gra­ma mi­li­tar usa in­se­tos pa­ra es­pa­lhar ví­rus

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Qua­tro equi­pes de ci­en­tis­tas dos eua pes­qui­sam ví­rus ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­dos pa­ra que pos­sam al­te­rar o DNA das la­vou­ras. Pa­ra pro­pa­gar o ví­rus, se­ri­am usa­das vá­ri­as es­pé­ci­es de in­se­tos tam­bém mo­di­fi­ca­das. o ob­je­ti­vo de­cla­ra­do do pro­gra­ma, fi­nan­ci­a­do pe­los mi­li­ta­res, é pro­te­ger as co­lhei­tas de uma se­ca re­pen­ti­na, ge­a­das... ou um ata­que ex­ter­no. No en­tan­to, ou­tros pes­qui­sa­do­res aler­tam ago­ra que os in­se­tos com os ví­rus mu­tan­tes po­dem se tor­nar uma ar­ma bi­o­ló­gi­ca des­con­tro­la­da.

a agên­cia de Pro­je­tos de Pes­qui­sa avan­ça­da de De­fe­sa (Dar­pa na si­gla em in­glês), que per­ten­ce ao De­par­ta­men­to de De­fe­sa dos eua, di­vul­gou sua ideia de trans­for­mar in­se­tos no­ci­vos em ali­a­dos em 2016, em­bo­ra os qua­tro pro­je­tos se­le­ci­o­na­dos pa­ra o pro­gra­ma in­sect al­li­es só te­nham si­do anun­ci­a­dos no fim do ano pas­sa­do. tu­do ne­les é ci­ên­cia e tec­no­lo­gi­as ex­tre­mas, no li­mi­te da fic­ção ci­en­tí­fi­ca.

as qua­tro pes­qui­sas ocor­rem pa­ra­le­la­men­te e to­das têm os mes­mos três ele­men­tos: um ví­rus ou bac­té­ria, um in­se­to e uma plan­ta-al­vo. Na pes­qui­sa con­du­zi­da por pes­qui­sa­do­res da uni­ver­si­da­de da Pen­sil­vâ­nia (Penn sta­te), por exem­plo, os ci­en­tis­tas que­rem usar ví­rus do gê­ne­ro Be­go­mo­vi­rus, que ata­ca plan­ta­ções co­mo a as de to­ma­te, pa­ra pro­te­ger as plan­tas do mau tem­po. a in­ten­ção é, de­pois de neu­tra­li­zar sua car­ga vi­ral, adi­ci­o­nar-lhe um de­ter­mi­na­do ge­ne ve­ge­tal que ex­pres­se uma ca­rac­te­rís­ti­ca pro­te­to­ra, co­mo mai­or re­sis­tên­cia ao frio, por exem­plo. Pa­ra pro­pa­gar o ví­rus, co­gi­tam usar uma das pi­o­res pra­gas do to­ma­te, a mos­ca bran­ca.

“Ho­je, um agri­cul­tor não po­de fa­zer mui­to pa­ra sal­var sua sa­fra se as pre­vi­sões me­te­o­ro­ló­gi­cas apon­ta­rem uma for­te se­ca pa­ra o pró­xi­mo mês”, dis­se o lí­der do pro­je­to da Penn sta­te, Way­ne cur­tis, de­pois de ter si­do um dos se­le­ci­o­na­dos pe­la Dar­pa. “em­bo­ra pos­sa­mos de­sen­vol­ver uma va­ri­e­da­de da plan­ta que aguen­te um ti­po de es­tres­se, a na­tu­re­za das no­vas do­en­ças e pra­gas ame­a­ça su­plan­tar as me­lho­ri­as pro­por­ci­o­na­das pe­la re­pro­du­ção tra­di­ci­o­nal e as mo­di­fi­ca­ções ge­né­ti­cas. Pro­cu­ra­mos de­sen­vol­ver uma tec­no­lo­gia que dê uma res­pos­ta rá­pi­da que per­mi­ta a dis­tri­bui­ção de ge­nes que pro­te­jam as plan­tas quan­do o ne­ces­si­tem, já plan­ta­das”, acres­cen­tou.

es­sa ra­pi­dez de re­a­ção é uma das gran­des no­vi­da­des do in­sect al­li­es. até ago­ra, as va­ri­e­da­des de plan­tas com uma de­ter­mi­na­da me­lho­ria pre­ci­sam de anos pa­ra se de­sen­vol­ver e, uma vez ob­ti­da, acres­cen­tá-la às se­men­tes pa­ra o pró­xi­mo plan­tio. aqui pre­ten­dem in­se­ri-la em plan­tas já adul­tas. se­ria en­tão uma trans­fe­rên­cia ho­ri­zon­tal, não ver­ti­cal. ou­tra ino­va­ção é o uso da téc­ni­ca de edi­ção ge­né­ti­ca cris­pr pa­ra mo­di­fi­car o ge­ne ve­ge­tal al­vo com a aju­da do ví­rus. em re­la­ção à ma­ni­pu­la­ção de in­se­tos, em­bo­ra não te­nham si­do di­vul­ga­dos de­ta­lhes de co­mo se­ria re­a­li­za­da, já exis­tem ex­pe- ri­men­tos que con­se­gui­ram fa­zê-la em um pro­ces­so de evo­lu­ção for­ça­da cha­ma­do ge­né­ti­ca di­ri­gi­da.

“o pro­gra­ma in­sect al­li­es tem pou­co a ver com a ge­né­ti­ca di­ri­gi­da, pois pro­põe usar in­se­tos pa­ra trans­mi­tir mu­ta­ções às cul­tu­ras, não aos mem­bros de sua pró­pria es­pé­cie”, lem­bra o bió­lo­go do ins­ti­tu­to max Planck de Bi­o­lo­gia evo­lu­ti­va (ale­ma­nha), De­rek ca­e­ta­no-anol­lés. “Qu­al­quer um que te­nha se pre­o­cu­pa­do com a ge­né­ti­ca di­ri­gi­da de­ve­ria es­tar mui­to mais pre­o­cu­pa­do com o in­sect al­li­es”, acres­cen­ta.

Jun­to com ou­tros bió­lo­gos eu­ro­peus, ca­e­ta­no-anol­lés pu­bli­cou um ar­ti­go na re­vis­ta sci­en­ce que aler­ta so­bre os ris­cos do pro­gra­ma da Dar­pa. o do­cu­men­to é par­te de uma ini­ci­a­ti­va mai­or que bus­ca des­man­te­lar o in­sect al­li­es an­tes que pos­sa ter su­ces­so. os au­to­res re­co­nhe­cem que es­se ti­po de tec­no­lo­gia po­de ter mui­tos usos po­si­ti­vos, mas tam­bém um uso du­plo: a guer­ra bi­o­ló­gi­ca.

“o que nos pre­o­cu­pa é que a tec­no­lo­gia do in­sect al­li­es po­de ser con­ver­ti­da fa­cil­men­te em uma ar­ma. Pi­or ain­da, po­de ser fei­ta de uma ma­nei­ra ex­tre­ma­men­te en­co­ber­ta e di­fí­cil de ras­tre­ar. os in­se­tos po­dem ser pro­je­ta­dos pa­ra in­fec­tar as cul­tu­ras de um ini­mi­go, ma­tan­do as plan­tas ou es­te­ri­li­zan­do su­as se­men­tes, e nin­guém sa­be­ria o que te­ria acon­te­ci­do até o plan­tio se­guin­te”, diz ca­e­ta­no-anol­lés.

Por­tan­to, ou­tra crí­ti­ca que es­ses bió­lo­gos fa­zem aos pla­nos da Dar­pa é a sua fi­xa­ção em que se usem pre­ci­sa­men­te in­se­tos pa­ra pro­pa­gar os ví­rus. Pa­ra os au­to­res do ar­ti­go, exis­tem tec­no­lo­gi­as de dis­per­são me­câ­ni­ca tão ou mais efi­ca­zes e mais con­tro­lá­veis que a li­be­ra­ção de mi­lha­res ou mi­lhões de in­se­tos com um ví­rus nas cos­tas. mas a prin­ci­pal de­nún­cia é que o in­sect al­li­es po­de ser a des­cul­pa pa­ra ou­tros paí­ses de­sen­vol­ve­rem seus pró­pri­os pro­gra­mas ba­se­a­dos no pro­gra­ma. co­mo diz o bió­lo­go do max Planck: “No pi­or dos ca­sos, is­so já po­de es­tar acon­te­cen­do e os eua já po­dem ter aber­to a cai­xa de Pan­do­ra que mu­da­rá a guer­ra pa­ra sem­pre, in­de­pen­den­te­men­te de o pro­gra­ma da Dar­pa fun­ci­o­nar ou não”.

a agên­cia nor­te-ame­ri­ca­na re­co­nhe­ce o ris­co de um pos­sí­vel du­plo uso da tec­no­lo­gia, al­go que, con­si­de­ra, sem­pre acom­pa­nha uma no­vi­da­de co­mo es­sa. ain­da as­sim, o di­re­tor do in­sect al­li­es, o en­to­mo­lo­gis­ta Bla­ke Bex­ti­ne, de­fen­de seu pro­gra­ma do res­to das crí­ti­cas lem­bran­do o ob­je­ti­vo pa­ra o qual foi cri­a­do: “a Dar­pa cri­ou o in­sect al­li­es pa­ra ofe­re­cer no­vas ca­pa­ci­da­des pa­ra pro­te­ger os eua, es­pe­ci­al­men­te a de res­pon­der ra­pi­da­men­te às ame­a­ças ao for­ne­ci­men­to de ali­men­tos”, diz Bex­ti­ne.

Agri­cul­tu­rers.com

Uma ins­tân­cia de mos­ca bran­ca, em uma plan­ta in­fe­ta­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.