Onda Con­ser­va­do­ra Le­va BOL­SO­NA­RO for­ta­le­ci­do Pa­ra em­ba­te fi­nal Con­tra PT

Brasil em Folhas - - Primeira Página - EL#PAIS

oB­ra­sil fe­cha o pri­mei­ro tur­no das elei­ções de 2018 com a po­la­ri­za­ção agu­da en­tre o can­di­da­to de ex­tre­ma di­rei­ta Jair Bol­so­na­ro, em fran­ca van­ta­gem com 46,7% dos vo­tos vá­li­dos, e o pe­tis­ta Fer­nan­do Had­dad, com 28,3%, que de­fen­de o le­ga­do do ex-pre­si­den­te Lu­la. É água e óleo no Bra­sil de ho­je. Fá­cil es­pe­rar so­bres­sal­tos até o pró­xi­mo dia 27, quan­do o país vi­ve­rá o se­gun­do tur­no e de­fi­ni­rá o 41 pre­si­den­te da re­pú­bli­ca de­pois de uma das elei­ções mais emo­ci­o­nan­tes da his­tó­ria de­mo­crá­ti­ca. ci­ro Go­mes, do PDT, fi­cou em um hon­ro­so ter­cei­ro com 12,5%, à fren­te do go­ver­na­dor li­cen­ci­a­do de são Pau­lo, Ge­ral­do alck­min, que fe­chou es­ta elei­ção com 4,8% das vo­tos e per­so­ni­fi­ca a derrota fra­go­ro­sa de seu par­ti­do. Ma­ri­na silva, que pro­me­tia de­sem­pe­nho de ou­tro­ra, saiu com mir­ra­dos 2%.

Mi­li­tar re­for­ma­do e de­pu­ta­do fe­de­ral por qua­se três dé­ca­das, Bol­so­na­ro che­gou à re­ta fi­nal da cam­pa­nha ex­pe­ri­men­tan­do o sa­bor de qu­em já é vi­to­ri­o­so com mais de 49 mi­lhões de vo­tos, anun­ci­an­do uma onda con­ser­va­do­ra que de­ve pau­tar o país. Na úl­ti­ma se­ma­na, re­for­çou seus apoi­os a des­pei­to de to­da a re­sis­tên­cia a seu no­me. Nem a mar­cha #ele­não foi ca­paz de de­ter sua as­cen­são. Mais do que is­so. Nes­ta elei­ção, ex­pe­ri­men­tou o dom do to­que de Mi­das res­tri­to a pou­cos do olim­po po­lí­ti­co – Lu­la, por exem­plo. os can­di­da­tos un­gi­dos pe­lo can­di­da­to do PSL ti­ve­ram vo­ta­ção es­pan­to­sa. seu fi­lho Fla­vio foi o mais vo­ta­do pa­ra o se­na­do pe­lo rio de Janeiro, e edu­ar­do, por são Pau­lo, foi o de­pu­ta­do fe­de­ral mais vo­ta­do da his­tó­ria do país.

Bol­so­na­ro pai, par­la­men­tar do cha­ma­do bai­xo cla­ro da câ­ma­ra, pa­vi­men­ta as­sim seu ca­mi­nho pa­ra a pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca nu­ma jor­na­da avas­sa­la­do­ra e sur­pre­en­den­te, on­de até uma tra­gé­dia du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral vi­rou gol­pe de sor­te pa­ra o can­di­da­to. Um mi­li­tan­te con­trá­rio ao seu no­me se in­fil­trou en­tre a mul­ti­dão que ova­ci­o­na­va o can­di­da­to em Juiz de Fo­ra (MG) e o ata­cou com uma fa­ca no dia 6 de se­tem­bro. o aten­ta­do, que atin­giu o in­tes­ti­no de Bol­so­na­ro, qua­se lhe cus­tou a vi­da. Fi­cou in­ter­na­do por 23 di­as, boa par­te do tem­po na Uti. Mes­mo fra­gi­li­za­do, gra­vou ví­de­os pa­ra a sua cam­pa­nha de den­tro do hos­pi­tal, e man­te­ve a co­mu­ni­ca­ção uni­di­re­ci­o­nal pe­las re­des so­ci­ais com seus se­gui­do­res. ti­rou par­ti­do co­mo nun­ca da co­mu­ni­ca­ção por Whas­tapp, fon­te de in­for­ma­ção de qua­se 70% de seus elei­to­res, que ali­men­ta di­a­ri­a­men­te seus se­gui­do­res com cen­te­nas de no­tí­ci­as a fa­vor do can­di­da­to e con­tra seus ad­ver­sá­ri­os. Foi pa­ra eles que Bol­so­na­ro con­ce­deu as pri­mei­ras de­cla­ra­ções de­pois de sa­ber que es­ta­va no se­gun­do tur­no, por meio de uma Li­ve no Fa­ce­bo­ok.

Ha­via a ex­pec­ta­ti­va de uma co­le­ti­va do can­di­da­to no rio, con­vo­ca­da pe­lo PSL. os jor­na­lis­tas fo­ram sub­me­ti­dos a du­as re­vis­tas e ti­ve­ram to­das as bol­sas e equi­pa­men­tos lon­ga­men­te re­vis­ta­dos pa­ra en­trar no ho­tel Wind­sor da Bar­ra, on­de o en­con­tro com o pre­si­den­ciá­vel es­ta­va mar­ca­do. Mas lá es­ta­va Bol­so­na­ro anun­ci­an­do aos mi­lhões de elei­to­res que es­ta­va pron­to pa­ra ven­cer via con­ver­sa pe­lo Fa­ce­bo­ok, a des­pei­to da ex­pec­ta­ti­va do pre­si­den­te do par­ti­do, Gus­ta­vo Beb­bi­a­no, de que ele iria apa­re­cer pa­ra fa­lar com a im­pren­sa. “te­mos co­mo mu­dar destino do Bra­sil. Não po­de­mos fler­tar com so­ci­a­lis­mo ou co­mu­nis­mo”, dis­se ele, que fez uma sé­rie de pro­mes­sas aos seus se- gui­do­res no Fa­ce­bo­ok.

seus pla­nos ain­da pre­ci­sa­rão ser de­ta­lha­dos nes­ta se­gun­da eta­pa da cam­pa­nha. o aci­den­te o obri­gou a fi­car fo­ra dos de­ba­tes, o que evi­tou o con­fron­to di­re­to com seus com­pe­ti­do­res e o pou­pou do ques­ti­o­na­men­to de su­as po­si­ções mais po­lê­mi­cas, se­ja em re­la­ção a mi­no­ri­as, se­ja so­bre as su­as pro­pos­tas pa­ra a eco­no­mia, saú­de e edu-

ca­ção. aca­bou ga­nhan­do ex­po­si­ção gra­tui­ta na mí­dia a ca­da bo­le­tim mé­di­co, e apa­re­ceu mais hu­ma­ni­za­do di­an­te dos elei­to­res. Foi ga­nhan­do apoi­os pú­bli­cos de po­lí­ti­cos, em­pre­sá­ri­os e de pas­to­res evan­gé­li­cos, co­mo edir Ma­ce­do, do­no da re­cord, que lhe deu de pre­sen­te uma en­tre­vis­ta de 30 mi­nu­tos, exi­bi­da du­ran­te o úl­ti­mo de­ba­te da re­de Glo­bo. ali, apa­re­ceu em sua ca­sa, aten­di­do por um en­fer­mei­ro, e até com sua bol­sa in­tes­ti­nal que pre­ci­sou ado­tar de­pois do aten­ta­do. Uma ima­gem que sus­pen­deu a fa­ma de agres­si­vo e vi­o­len­to que seus ad­ver­sá­ri­os ten­ta­ram co­lar ne­le du­ran­te to­da a cam­pa­nha.

Pou­cos di­as an­tes da fa­ca­da em Juiz de Fo­ra, Bol­so­na­ro ha­via cho­ca­do o país ao su­ge­rir “fu­zi­lar a pe­tra­lha­da” em um co­mí­cio em rio Bran­co, ca­pi­tal do acre, e ao en­si­nar cri­an­ças a fa­zer o ges­to de uma ar­ma nas mãos. até vi­rar can­di­da­to ofi­ci­al­men­te, sou­be fa­zer fa­ma com seus co­men­tá­ri­os po­li­ti­ca­men­te in­cor­re­tos, e seu des­pre­zo pe­la es­quer­da. su­biu nas pes­qui­sas fo­men­tan­do o an­ti­pe­tis­mo, e jo­gan­do bom­bas de­ses­ta­bi­li­za­do­ras, co­mo as sus­pei­tas le­van­ta­das pa­ra as ur­nas ele­trô­ni­cas – sem pro­vas —, ou a ame­a­ça de que não re­co­nhe­ce­ria o re­sul­ta­do se não fos­se ele o vi­to­ri­o­so. Vol­tou atrás nes­ta úl­ti­ma, mas o bo­a­to so­bre as ur­nas fo­ram fer­men­ta­das nas re­des pe­los seus fi­lhos e am­pli­fi­ca­das por seus se­gui­do­res.

Nes­ta se­gun­da eta­pa, te­rá o mes­mo tem­po de pro­pa­gan­da que Had­dad, e o can­di­da­to vai pre­ci­sar ves­tir o uni­for­me de paz e amor pa­ra blin­dar sua vo­ta­ção e evi­tar que os vo­tos dos ad­ver­sá­ri­os der­ro­ta­dos mi­grem pa­ra Had­dad.

Já o pe­tis­ta de­ve en­ca­rar uma ba­ta­lha de san­são con­tra Go­li­as, num dos con­tex­tos mais ar­ris­ca­dos e des­fa­vo­rá­veis que seu par­ti­do já ex­pe­ri­men­tou. en­trou na cam­pa­nha ofi­ci­al­men­te no dia 11 de se­tem­bro no lu­gar do ex-pre­si­den­te Lu­la, pre­so des­de abril em cu­ri­ti­ba. até en­tão, era Lu­la o can­di­da­to ofi­ci­al do Pt re­gis­tra­do no tri­bu­nal su­pe­ri­or elei­to­ral no dia 15 de agos­to. Li­de­ra­va as pes­qui­sas elei­to­rais com qua­se 40% dos vo­tos, mos­tran­do que seu elei­to­ra­do es­ta­va mais ór­fão do que nun­ca di­an­te de um qua­dro de eco­no­mia ar­ro­cha­da pa­ra ga­ran­tir o ajus­te fis­cal. No iní­cio de se­tem­bro, o tri­bu­nal bar­rou sua can­di­da­tu­ra e Had­dad as­su­miu a ca­be­ça de cha­pa com Ma­nu­e­la D’ávi­la (Pc­dob) co­mo vi­ce.

tem a seu fa­vor um Nor­des­te fiel que re­e­le­geu go­ver­na­do­res pe­tis­tas já no pri­mei­ro tur­no, co­mo é o ca­so do ce­a­rá, com ca­mi- lo san­ta­na (79,5% dos vo­tos), e da Bahia, com rui cos­ta (75,9%). a me­mó­ria do lu­lis­mo ga­ran­tiu a Had­dad uma trans­fe­rên­cia de vo­tos em três se­ma­nas que o le­vou ao se­gun­do tur­no. Pas­sou de min­gua­dos 6% pa­ra 22% na re­ta fi­nal. De­ve con­tar com o apoio de ci­ro Go­mes que lo­go após o re­sul­ta­do ofi­ci­al, dis­se que to­ma­ria su­as po­si­ções lo­go, e não trai­ria sua his­tó­ria de lu­ta pe­la de­fe­sa da de­mo­cra­cia e con­tra o fas­cis­mo. “só pos­so di­zer que ele, não”, iro­ni­zou ci­ro, em re­fe­rên­cia a Bol­so­na­ro. “Que­re­mos unir os de­mo­cra­tas do Bra­sil, os que têm aten­ção aos mais po­bres”, si­na­li­zou.

Nos pró­xi­mos vin­te di­as da cam­pa­nha o ta­bu­lei­ro no Bra­sil não co­lo­ca­rá ape­nas um can­di­da­to con­tra o ou­tro. Vai tes­tar a união dos par­ti­dos de es­quer­da, mais pro­gres­sis­tas, e a for­ça da onda con­ser­va­do­ra pu­xa­da por Bol­so­na­ro que se ali­men­tou até aqui pe­lo ódio ao Pt. ago­ra, se­rá a ho­ra da ver­da­de, on­de os dois can­di­da­tos se­rão co­bra­dos a di­zer a que vi­e­ram e se vão re­sis­tir aos li­mi­tes de­mo­crá­ti­cos que o país vêm cons­truin­do há 30 anos. am­bos têm re­jei­ção al­tís­si­ma, e se­rá um tes­te de­fi­ni­ti­vo pa­ra sa­ber qu­em te­rá ca­pa­ci­da­de de de­sar­mar a bom­ba re­ló­gio que se ins­ta­lou no país na guer­ra sur­da que a po­lí­ti­ca em­ba­lou nos úl­ti­mos anos.

Com se­gu­ran­ça re­for­çad or­ta­le­ci­do pa­ra em­ba­te fi­nal con­tra PT

Tâ­nia rê­go/agência Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.