Cai­a­do ven­ce a elei­ção pa­ra o go­ver­no em Goiás

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Oa­na­po­li­no Ro­nal­do Ra­mos Cai­a­do (De­mo­cra­tas) foi elei­to, em pri­mei­ro tur­no, go­ver­na­dor de Goiás nes­te do­min­go (7/10) com 59,73% dos vo­tos vá­li­dos, 1.773.090 vo­tos. O re­sul­ta­do das ur­nas de ho­je re­fle­te os 34 di­as de cam­pa­nha em que Cai­a­do e os in­te­gran­tes da co­li­ga­ção A Mu­dan­ça é Ago­ra per­cor­re­ram o es­ta­do e vi­ram de per­to o sen­ti­men­to da po­pu­la­ção por mu­dan­ça. Nes­se pe­río­do em car­re­a­tas, ca­mi­nha­das, reu­niões, en­tre­vis­tas e co­mí­ci­os o ago­ra go­ver­na­dor elei­to viu o po­vo do es­ta­do abra­çar sua cam­pa­nha e cla­mar por um um go­ver­no com trans­pa­rên­cia, combate à cor­rup­ção e fo­co nas ne­ces­si­da­des do ci­da­dão goi­a­no. Ele des­ta­cou que a elei­ção é ape­nas uma pri­mei­ra eta­pa e es­se tra­ba­lho se­rá con­cluí­do ao fi­nal do seu man­da­to quan­do o goi­a­no con­vi­ver com um es­ta­do re­cu­pe­ra­do.

“Ima­gi­nem a hon­ra de po­der go­ver­nar o meu es­ta­do de Goiás. Não tem na­da que te­nho tan­to lu­ta­do pa­ra po­der che­gar nu­ma ho­ra des­sa. Te­nho cer­te­za ab­so­lu­ta, is­to ape­nas é o co­me­ço de um ca­mi­nho por­que o re­sul­ta­do se­rá ava­li­a­do por to­dos os goi­a­nos no úl­ti­mo dia do meu man­da­to. Aí, eu te­rei re­a­li­za­do 100% o meu so­nho. Não é ape­nas ga­nhar uma cam­pa­nha elei­to­ral, é po­der che­gar ao fi­nal de qua­tro anos e o goi­a­no po­der di­zer: ‘va­leu a pe­na, Cai­a­do’. É dei­xar com mui­ta cla­re­za. Es­se é um pri­mei­ro pas­so, ago­ra é uma ca- mi­nha­da lon­ga. E pa­ra es­sa ca­mi­nha­da eu vou pre­ci­sar de vo­cê, goi­a­no, vo­cê goi­a­na, vo­cês que mo­ram no es­ta­do de Goiás que acre­di­tem no go­ver­no. Nin­guém go­ver­na so­zi­nho. Eu pre­ci­so de vo­cê pa­ra que nós pos­sa­mos mu­dar o es­ta­do de Goiás. Ser­vi­do­res pú­bli­cos e a po­pu­la­ção do nos­so es­ta­do”, des­ta­cou na pri­mei­ra en­tre­vis­ta co­le­ti­va após a con­fir­ma­ção de sua elei­ção ao go­ver­no.

Cai­a­do tam­bém fa­lou do mo­men­to histórico de uma elei­ção no pri­mei­ro tur­no, fa­to que não acon­te­cia des­de 1990 em Goiás. Ele res­sal­tou que seu tra­ba­lho se­rá fei­to com trans­pa­rên­cia, efi­ci­ên­cia e fo­co cen­tral no po­vo goi­a­no. “Qu­e­ro agra­de­cer o po­vo de Goiás nes­te mo­men­to che­gan­do ao go­ver­no de es­ta­do no pri­mei­ro tur­no. E é histórico já que a úl­ti­ma elei­ção ocor­reu em 1990 e res­pon­sa­bi­li­da­de nos­sa é enor­me em dei­xar cla­ro que nós que­re­mos cons­truir um go­ver­no com ações, com re­sul­ta­dos que o fo­co prin­ci­pal se­ja o ci­da­dão goi­a­no. Po­dem ter cer­te­za ab­so­lu­ta que nós co­bra­re­mos efi­ci­ên­cia, trans­pa­rên­cia, ges­tão pú­bli­ca de qua­li­da­de e um pro­ces­so de to­tal pa­ci­fi­ca­ção no es­ta­do de Goiás”, dis­se.

a se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta:

go­ver­nar pa­ra to­dos

“O pa­ta­mar que nós atin­gi­mos nes­sa elei­ção ga­nhan­do no pri­mei­ro tur­no mos­tra que, a par­tir de ago­ra, nós so­mos go­ver­na­dor de to­do o es­ta­do de Goiás e po­de sa­ber que, no nos­so go­ver­no, não te­rá es­pa­ço pa­ra di­vi­são. Sa­be­rei en­ten­der e co­mo sem­pre sou­ber en­ten­der e res­pei­tar po­si­ção, mas eu cha­ma­rei pa­ra o bom de­ba­te com ar­gu­men­tos, com con­teú­dos, com da­dos, com in­for­ma­ções.

tran­si­ção

“Re­ce­bi uma li­ga­ção do go­ver­na­dor mais ou me­nos às 19h on­de ama­nhã ele me dis- se que te­rá uma reu­nião com to­do se­cre­ta­ri­a­do. En­tão, eu so­li­ci­tei que nós ti­vés­se­mos o mais rá­pi­do pos­sí­vel mon­ta­do uma equi­pe de tran­si­ção pa­ra que os da­dos fos­sem re­pas­sa­dos a nós e que a nos­sa equi­pe já pos­sa ini­ci­ar um pro­ces­so de co­nhe­ci­men­to da re­a­li­da­de da si­tu­a­ção fis­cal do es­ta­do e tam­bém das áre­as que são re­le­van­tes co­mo saú­de, edu­ca­ção, se­gu­ran­ça pú­bli­ca, pro­gra­mas so­ci­ais. En­fim, to­das as pas­tas do go­ver­no pa­ra tra­ba­lhar­mos até o dia pri­mei­ro de janeiro de 2019”.

pri­o­ri­da­de

“A pri­o­ri­da­de no iní­cio do go­ver­no, pri­mei­ro é res­ga­tar a con­di­ção do es­ta­do pa­ra que o es­ta­do pos­sa con­trair em­prés­ti­mos, pa­ra que o es­ta­do pos­sa ter aval do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, pa­ra que o es­ta­do vol­te a en­trar num ce­ná­rio de re­cu­pe­rar as obras pa­ra­das, mas ao mes­mo tem­po ini­ci­ar ou­tras ne­ces­sá­ri­as pa­ra con­cluí-as, ga­ran­tir o pa­ga­men­to do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, res­ga­tar a con­di­ção do hos­pi­tais ho­je que es­tão fe­chan­do nu­ma con­di­ção crí­ti­ca em re­la­ção à Bol­sa- uni­ver­si­tá­ria, me­ren­da es­co­lar, a se­gu­ran­ça pú­bli­ca. São vá­ri­os os pon­tos que a gen­te iden­ti­fi­can­do, va­mos bus­car uma for­ma de re­ne­go­ci­ar dí­vi­das, de sal­dar dé­bi­tos ime­di­a­tos pa­ra que as fun­ções do es­ta­do vol­tem a fun­ci­o­nar 100% a par­tir do dia pri­mei­ro de janeiro”.

saú­de/os

“Não tem na­da con­tra ne­nhu­ma fer­ra­men­ta, ne­nhu­ma OS, ne­nhu­ma PPP, não tem ne­nhum pre­con­cei­to con­tra es­sas ações de Es­ta­do pa­ra am­pli­ar o aten­di­men­to da so­ci­e­da­de. O que nós pre­ci­sa­mos é ava­li­ar se aqui­lo que es­tá sen­do re­pas­sa­do tem re­tor­no de qua­li­da­de pa­ra a so­ci­e­da­de e se não tem ali ne­nhu­ma ar­ti­ma­nha pa­ra po­der fa­zer cai­xa dois e des­vio de ver­ba do es­ta­do. Is­so é que tem ser fei­to. Qu­al é o me­lhor re­sul­ta­do pa­ra a so­ci­e­da­de? Co­mo aten­der ago­ra mais do nun­ca um es­ta­do que não tem a re­gi­o­na­li­za­ção da saú­de? Pre­ci­sa­mos bus­car uma es­tru­tu­ra pa­ra o es­ta­do. va­mos aguar­dar o es­ta­do ter ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to? Te­mos que ter a ca­pa­ci­da­de de bus­car jun­to aos meus co­le­gas mé­di­cos uma par­ti­ci­pa­ção mai­or, os es­pe­ci­a­lis­tas no in­te­ri­or dan­do sus­ten­tá­cu­lo que as pes­so­as não fi­quem 700, 800 km de dis­tân­cia de um lei­to de UTI. Es­ta é uma ação que nós sa­be­mos fa­zer e que va­mos fa­zer”.

Di­vul­ga­ção

Can­di­da­to foi elei­to go­ver­na­dor de Goiás no pri­mei­ro tur­no com 59,73%

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.