Co­mér­cio: R$ 7,4 bi com Dia da Cri­an­ça

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

oDia da cri­an­ça de­ve­rá mo­vi­men­tar es­te ano em tor­no de r$ 7,4 bi­lhões, com al­ta de 1,5% nas ven­das em com­pa­ra­ção com o ano an­te­ri­or. Es­ta é a se­gun­da al­ta con­se­cu­ti­va nas ven­das do pe­río­do cons­ta­ta­da pe­la con­fe­de­ra­ção na­ci­o­nal do co­mér­cio de Bens, ser­vi­ços e Tu­ris­mo (cnc). o au­men­to se­rá, po­rém, in­fe­ri­or aos 2,6% re­gis­ta­dos em 2017, em re­la­ção ao ano an­te­ri­or. Em 2017, a mo­vi­men­ta­ção no co­mér­cio, em ter­mos re­ais (des­con­ta­da a in­fla­ção), foi de r$ 7,3 bi­lhões.

se­gun­do o che­fe da Di­vi­são Econô­mi­ca da cnc, Fa­bio Ben­tes, o rit­mo de cres­ci­men­to das ven­das do co­mér­cio co­me­çou a cair em maio, por cau­sa da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros. “Da­li em di­an­te, as ven­das co­me­ça­ram a cres­cer bem me­nos”, dis­se ho­je (9) o eco­no­mis­ta à Agên­cia Bra­sil. o que ex­pli­ca a ex­pec­ta­ti­va me­nor da en­ti­da­de pa­ra o Dia das cri­an­ças é o com­por­ta­men­to da ta­xa de câm­bio que mu­dou de pa­ta­mar, afir­mou Ben­tes.

is­so afe­tou prin­ci­pal­men­te as ven­das pa­ra o Dia da cri­an­ça, em que têm pre­sen­ça mar­can­te itens im­por­ta­dos. “com o dó­lar mais ca­ro, fi­ca mais di­fí­cil pa­ra o co­mér­cio va­re­jis­ta man­ter uma in­fla­ção tão bai­xa quan­to aque­la que vi­nha apre­sen­tan­do re­cen­te­men­te”, acres­cen­tou o eco­no­mis­ta.

Ben­tes des­ta­cou que, pe- gan­do uma ces­ta de pro­du­tos dos bens e ser­vi­ços mais de­man­da­dos nes­sa da­ta, a in­fla­ção es­tá bem bai­xa nos úl­ti­mos 12 me­ses fin­dos em se­tem­bro. “Ela é in­fe­ri­or a 3%.” no en­tan­to, res­sal­tou o eco­no­mis­ta, a in­fla­ção mais bai­xa não foi su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer com que as fa­mí­li­as se ani­mas­sem a com­prar, prin­ci­pal­men­te a pra­zo.

Lem­bran­ci­nhas

Em­bo­ra o cré­di­to tam­bém es­te­ja mais aces­sí­vel, Ben­tes des­ta­cou que exis­te uma cla­ra aver­são das fa­mí­li­as ao en­di­vi­da­men­to no mo­men­to atu­al, de­vi­do às in­cer­te­zas que cer­cam a eco­no­mia e às con­sequên­ci­as des­te am­bi­en­te so­bre o mer­ca­do de tra­ba­lho. “o Dia da cri­an­ça des­te ano de­ve ser de lem­bran­ci­nhas, mais uma vez. De­ve ser um dia fra­co, co­mo fo­ram o Dia dos na- mo­ra­dos e o Dia dos Pais.”

Pa­ra Ben­tes, o fra­co desempenho do co­mér­cio nes­sas du­as da­tas co­me­mo­ra­ti­vas con­fir­mou a ten­dên­cia de de­sa­ce­le­ra­ção das ven­das no va­re­jo de­pois de maio. Em mar­ço e abril, o va­re­jo re­gis­trou al­ta mé­dia su­pe­ri­or a 8%. En­tre maio e ju­lho, o rit­mo caiu pa­ra me­nos de 4%. “En­tão, hou­ve ali [em maio] um di­vi­sor de águas no que se re­fe­re a con­su­mo, prin­ci­pal­men­te nas ven­das a pra­zo. o Dia da cri­an­ça é mais um termô­me­tro da de­sa­ce­le­ra­ção do con­su­mo nes­te mo­men­to.”

Ele dis­se que o de­sem­pre­go não es­tá au­men­tan­do, mas di­mi­nuin­do ba­se­a­do na in­for­ma­li­da­de, com va­gas que ofe­re­cem sa­lá­ri­os mé­di­os me­no­res, e que a ta­xa de ju­ros ao con­su­mi­dor tem re­cu­a­do len­ta­men­te. na opi­nião do eco­no­mis­ta, es­sas du­as va­riá­veis po­dem aju­dar as ven­das do Dia da cri­an­ça te­rem me­lhor re­sul­ta­do que o es­pe­ra­do. “Acho que exis­te aí um efeito des­con­fi­an­ça em re­la­ção a em­prés­ti­mos e fi­nan­ci­a­men­tos, nes­te mo­men­to, por par­te das fa­mí­li­as.”

con­si­de­ran­do o Ín­di­ce de Pre­ços ao con­su­mi­dor Am­plo (ip­ca) do ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (ibge) dos úl­ti­mos 12 me­ses, a in­fla­ção fi­cou em 4,3%, con­tra al­ta de 2,4% nos itens e ser­vi­ços pre­fe­ri­dos pa­ra pre­sen­te­ar as cri­an­ças. “É a me­nor in­fla­ção des­de 2001, qu­an­do a cnc co­me­çou a fa­zer o le­van­ta­men­to, mas is­so não es­tá ani­man­do as fa­mí­li­as”, dis­se Ben­tes. no ca­so dos brin­que­dos, por exem­plo, a al­ta foi de 3,2% em 12 me­ses, aci­ma da in­fla­ção de 2,1% re­gis­tra­da pa­ra o item no ano pas­sa­do. “A per­cep­ção do con­su­mi­dor de que o mer­ca­do do tra­ba­lho não es­tá bom, de que a in­fla­ção co­me­çou a su­bir de for­ma um pou­co mais ace­le­ra­da de­pois da al­ta do dó­lar e da des­va­lo­ri­za­ção do re­al, do pon­to de vis­ta do es­tí­mu­lo a con­su­mo, a in­fla­ção pa­ra a ces­ta de pro­du­tos, em­bo­ra me­nor que em 2017, pa­ra o car­ro-che­fe da da­ta, que são os brin­que­dos, es­tá até um pou­qui­nho mai­or,”

seg­men­tos

A cnc es­ti­ma que os hi­per e su­per­mer­ca­dos, com al­ta de 3,3%, de­ve­rão ter o me­lhor desempenho en­tre os se­to­res re­la­ci­o­na­dos à da­ta. “Per­ce­be­mos, nos úl­ti­mos anos, um cer­to pro­ces­so de con­cen­tra­ção no va­re­jo. E, co­mo o va­re­jo pas­sou nos úl­ti­mos anos por uma cri­se se­ve­ra, e em 2017, al­guns se­to­res não ha­vi­am se re­cu­pe­ran­do ain­da, aque­las gran­des ca­dei­as, que po­dem ne­go­ci­ar me­lhor a al­ta do dó­lar e de tro­car de for­ne­ce­dor, es­ta­vam pon­do nas pra­te­lei­ras pro­du­tos me­nos ‘sal­ga­dos’.

Por is­so, Ben­tes dis­se acre­di­tar que, nes­te Dia da cri­an­ça, o con­su­mo ten­de a es­tar mais mo­vi­men­ta­do nas gran­des ca­dei­as do va­re­jo do que nas pe­que­nas lo­jas e nos pro­du­tos di­re­ta­men­te im­por­ta­dos. Da ces­ta de pro­du­tos mais pro­cu­ra­dos no pe­río­do, as mai­o­res que­das de pre­ços em 12 me­ses fo­ram as de cho­co­la­tes em bar­ra e bom­bons (-3,7%) e em bi­ci­cle­tas (-2,9%).

Ar­qui­vo/agên­cia Bra­sil

Dia da Cri­an­ça, mais uma vez, de­ve ser de lem­bran­ci­nhas, diz eco­no­mis­ta da CNC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.