UMA ELEI­ÇÃO QUE DEMOLIU TO­DOS OS PA­DRÕES DE CAM­PA­NHA NO BRA­SIL

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Éne­as Car­nei­ro se es­ta­be­le­ceu no fol­clo­re po­lí­ti­co na­ci­o­nal por con­ta dos bre­ves 15 se­gun­dos que ti­nha pa­ra pas­sar sua men­sa­gem no ho­rá­rio elei­to­ral gra­tui­to. Qua­se 30 anos de­pois da­que­la elei­ção de 1989 em que o Bra­sil co­nhe­ceu o can­di­da­to do Pro­na, um pre­si­den­ciá­vel com me­ta­de de seu tem­po de pro­pa­gan­da na te­vê pas­sou ao se­gun­do tur­no com 46,03% dos vo­tos. os oi­to se­gun­dos do de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (Psl-rj) eram 39 ve­zes mais bre­ves do que os 5 mi­nu­tos e 33 se­gun­dos de Ge­ral­do alck­min (PSBD), que ter­mi­nou o pri­mei­ro tur­no na hu­mil­de quar­ta co­lo­ca­ção, com ape­nas 4,76% dos vo­tos, ape­sar de reu­nir a mai­or co­li­ga­ção da cor­ri­da pre­si­den­ci­al, com no­ve par­ti­dos, e de ter aces­so a 185,8 mi­lhões de re­ais de fun­do elei­to­ral —o Psl, de Bol­so­na­ro, re­ce­beu 9 mi­lhões de re­ais. Es­se e ou­tros re­sul­ta­dos do pri­mei­ro tur­no des­ta elei­ção não res­pei­ta­ram os pa­drões es­ta­be­le­ci­dos du­ran­te as úl­ti­mas dé­ca­das. E tal­vez es­ses pa­drões nun­ca vol­tem a exis­tir, avi­sa o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Car­los Melo.

“a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca cri­ou o que [sér­gio] abran­ches cha­mou de Era do Imprevisto. tu­do flui, na­da per­ma­ne­ce. Mu­dan­ças mui­to rápidas, em cur­tís­si­mo es­pa­ço de tem­po e com mui­ta pro­fun­di­da­de. Não sei o que di­zer mais, se vai fi­car al­go des­ta elei­ção pa­ra a de 2022... o fu­tu­ro é mui­to in­cer­to”, diz o pro­fes­sor do Ins­per, men­ci­o­nan­do o des­ta­que al­can­ça­do por fer­ra­men­tas de co­mu­ni­ca­ção co­mo o What­sapp na cam­pa­nha. se­gun­do ele, o fenômeno é glo­bal. “a gen­te nun­ca ima­gi­nou que ca­mi­nho­nei­ros fos­sem ca­pa­zes de fa­zer uma gre­ve co­mo a que fi­ze­ram. Ima­gi­no que, se per­ma­ne­cer es­sa tec­no­lo­gia, ela de­va ser mais bem com­pre­en­di­da e in­cor­po­ra­da na pró­xi­ma elei­ção. Es­pe­ra-se que não exis­ta mais es­sa vo­la­ti­li­da­de em 2022, mas qu­em po­de afir­mar is­so?”, ques­ti­o­na Melo.

ou­tro pa­ra­dig­ma re­ver­ti­do nes­tas elei­ções foi a im­por­tân­cia de me­da­lhões his­tó­ri­cos no Con­gres­so. a Câ­ma­ra Fe­de­ral pas­sou nes­te ano pe­la mai­or re­no­va­ção des­de 1994, com 52% de mu­dan­ças, aci­ma dos 40% pro­je­ta­dos pe­lo De­par­ta­men­to In­ter­sin­di­cal de as­ses­so­ria Par­la­men­tar (Di­ap). a re­no­va­ção no se­na­do, de 87%, foi ain­da mais ex­pres­si­va. a elei­ção dei­xou de fo­ra me­da­lhões co­mo o atu­al pre­si­den­te do se­na­do, Eu­ní­cio oli­vei­ra (MDB-CE), além de Cassio Cu­nha li­ma (PSDB-PB), vi­ce-pre­si­den­te da Ca­sa, e Cris­to­vam Bu­ar­que (PPSDF) —dos no­mes his­tó­ri­cos do Con­gres­so, re­nan Ca­lhei­ros (MDB-AL) foi um dos úni­cos a se re­e­le­ger. al­guns de­les dei­xa­rão o Con­gres­so Na­ci­o­nal por con­ta das tur­bu­lên­ci­as que to­ma­ram con­ta da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra nos úl­ti­mos anos, ca­pi­ta­ne­a­das pe­la ope­ra­ção la­va Ja­to e pe­lo im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­ta Dil­ma rous­seff, que es­tá en­tre os der­ro­ta­dos na elei­ção des­te ano.

Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Jai­ro Pi­men­tel Jr., um dos gran­des de­ter­mi­nan­tes pa­ra o des­fe­cho da elei­ção foi a fal­ta de re­fe­rên­cia pa­ra o elei­tor. “Im­por­ta­ram me­nos as ques­tões re­la­ti­vas à ava­li­a­ção de go­ver­no. Era con­sen­su­al que o [pre­si­den­te Mi­chel] te- mer ti­nha um Go­ver­no ruim, se­ja pa­ra a di­rei­ta ou pa­ra a es­quer­da. Quan­do os elei­to­res per­dem a re­fe­rên­cia, tu­do po­de acon­te­cer”, diz o pes­qui­sa­dor do Cen­tro de Po­lí­ti­ca e Eco­no­mia do se­tor Pú­bli­co (Ce­pesp/fgv). Foi nes­sas con­di­ções que o par­ti­do No­vo, que dis­pu­tou sua pri­mei­ra elei­ção, con­se­guiu ele­ger oi­to de­pu­ta­dos fe­de­rais e co­lo­cou seu can­di­da­to ao Go­ver­no de Mi­nas Ge­rais, ro­meu Ze­ma, no se­gun­do tur­no. ou­tro re­sul­ta­do sur­pre­en­den­te: a re­de, cu­ja can­di­da­ta à pre­si­dên­cia, Ma­ri­na sil­va, te­ve me­nos vo­tos que Ca­bo Da­ci­o­lo (Pa­tri­o­ta), te­rá uma ban­ca­da com cin­co se­na­do­res, mas ape­nas um de­pu­ta­do fe­de­ral.

as­sim, en­quan­to o PSDB te­ve sua ban­ca­da re­du­zi­da de 49 pa­ra 29 de­pu­ta­dos, com a per­da do mai­or nú­me­ro de par­la­men­ta­res na Câ­ma­ra, e ain­da lu­ta pa­ra ele­ger pe­lo me­nos um go­ver­na­dor, o Psl sur­fou na on­da Bol­so­na­ro pa­ra sal­tar de um de­pu­ta­do elei­to em 2014 pa­ra 52 nes­te ano, o mai­or cres­ci­men­to. se­gun­do Pi­men­tel Jr., as cam­pa­nhas dos par­ti­dos, cu­ja pro­ba­bi­li­da­de de in­flu­en­ci­ar no re­sul­ta­do da elei­ção cos­tu­ma ser cal­cu­la­da em tor­no de 10%, fi­ze­ram me­nos di­fe­ren­ça nes­te ano, e is­so in­clui a te­vê — é a pri­mei­ra vez des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção que um can­di­da­to com um dos me­no­res tem­pos de pro­pa­gan­da pas­sa pa­ra o se­gun­do tur­no. “o Bra­sil e o mun­do são ou­tros nos úl­ti­mos qua­tro anos”, re­su­me Car­los Melo.

“Em 2014, qu­em se ele­geu foi a Dil­ma, e o se­gun­do co­lo­ca­do foi o aé­cio [Ne­ves]. a Dil­ma não se ele­geu se­na­do­ra nes­te ano e o aé­cio te­ve de ser can­di­da­to a de­pu­ta­do fe­de­ral pa­ra não per­der o fo­to pri­vi­le­gi­a­do. acon­te­ceu de tu­do: im­pe­a­ch­ment, la­va Ja­to, mui­ta de­nún­cia, mui­to de­sa­len­to, es­tou­rou a vi­o­lên­cia ur­ba­na. o Es­ta­do mais sim­bó­li­co do país, o rio de Ja­nei­ro, es­tá sob in­ter­ven­ção do Go­ver­no fe­de­ral por con­ta da vi­o­lên­cia”, re­su­me o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co, que se­gue: “o mai­or lí­der po­pu­lar da his­tó­ria do Bra­sil es­tá pre­so. o pre­si­den­te da re­pú­bli­ca exer­ce man­da­to por­que con­se­guiu um abri­go da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e por­que o tse [tri­bu­nal su­pe­ri­or Elei­to­ral] o pro­te­geu”. Pa­ra Melo, com­pa­rar a elei­ção atu­al com a an­te­ri­or não faz sen­ti­do, por­que to­das as con­di­ções são di­fe­ren­tes.

De­ba­tes

Pe­la ma­nhã, Bol­so­na­ro foi exa­mi­na­do por uma jun­ta mé­di­ca que re­co­men­dou que ele fique de re­pou­so por mais uns di­as. o que sig­ni­fi­ca que o can­di­da­to não vai par­ti­ci­par do de­ba­te na pró­xi­ma sex­ta- fei­ra ( 12), na re­de Ban­dei­ran­tes. de acor­do com os mé­di­cos, no dia 18, ha­ve­rá um no­vo exa­me pa­ra ve­ri­fi­car pa­ra quais ati­vi­da­des ele es­ta­rá li­be­ra­do.

em ca­sa, o can­di­da­to re­ce­be pa­ren­tes, ami­gos e cor­re­li­gi­o­ná­ri­os. Tam­bém man­tém de for­ma in­ten­sa a par­ti­ci­pa­ção nas re­des so­ci­ais. ele de­fen­deu, mais vez, as es­co­las co­or­de­na­das por mi­li­ta­res co­mo “su­ces­so de mo­de­lo” de efi­ci­ên­cia e qua­li­da­de.

se­gun­do Bol­so­na­ro, a in­ten­ção é que, uma vez elei­to, ca­da es­ta­do do país te­nha pe­lo me­nos uma es­co­la co­or­de­na­da por mi­li­ta­res. “al­can­çan­do ín­di­ces de edu­ca­ção e as­sim ser­vin­do co­mo re­fe­rên­cia. o res­pei­to ao pro­fes­sor e ensino de qua­li­da­de, es­que­ci­dos nos úl­ti­mos go­ver­nos, se­rão a nos­sa ba­se.”

Fo­to/ilus­tra­ção/uol

Fo­to/ilus­tra­ção/uol

Tem­po de pro­pa­gan­da na TV, quan­ti­da­de de re­cur­sos e pe­so de me­da­lhões fo­ram pos­tos em ques­tão.

Car­los Bol­so­na­ro/re­des so­ci­ais/agên­cia Bra­sil

O can­di­da­to ne­gou que há um cli­ma bé­li­co na cam­pa­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.