Bol­so­na­ro diz que não tem con­tro­le so­bre atos vi­o­len­tos

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ocan­di­da­to do PSL à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, Jair Bol­so­na­ro, pe­diu ho­je (10) pa­ra que seus apoi­a­do­res e sim­pa­ti­zan­tes não pra­ti­quem atos de vi­o­lên­cia e agres­são. Em sua con­ta do Twit­ter, a par­tir de uma en­tre­vis­ta con­ce­di­da pe­lo can­di­da­to, ele rei­te­rou que não tem con­tro­le so­bre as pes­so­as e dis­se que é “a pro­va vi­va” da intolerância.

“Es­ta per­gun­ta não de­ve­ria ser in­ver­ti­da? Qu­em le­vou a fa­ca­da foi eu. Um ca­ra lá, que tem uma ca­mi­sa mi­nha, co­me­te um ex­ces­so, o que eu te­nho a ver com is­so? Eu la­men­to. Pe­ço ao pes­so­al que não pra­ti­que is­so, mas eu não te­nho con­tro­le so­bre mi­lhões de pes­so­as que me apoi­am. Ago­ra, a vi­o­lên­cia vem do ou­tro la­do, e eu sou uma pro­va vi­va dis­so”, dis­se o can­di­da­to.

Bol­so­na­ro ne­gou que há um cli­ma bé­li­co na cam­pa­nha, acir­ran­do âni­mos e pro­vo­can­do epi­só­di­os de vi­o­lên­cia. “Não es­tá tão bé­li­co as­sim, es­tá um cli­ma acir­ra­do, de dis­pu­ta, mas são ca­sos iso­la­dos, que a gen­te la­men­ta e es­pe­ra que não ocor­ram.”

Uma jo­vem de 19 anos, em Por­to Ale­gre, que usa­va uma ca­mi­se­ta crí­ti­ca ao can­di­da­to do PSL te­ve as cos­tas mar­ca­das a ca­ni­ve­te por um ho­mem que a agre­diu e de­se­nhou a suás­ti­ca (sím­bo­lo na­zis­ta). Há dois di­as, foi as­sas­si­na­do o mes­tre de ca­po­ei­ra Moa do Ka­ten­dê, em Sal­va­dor, tam­bém por di­ver­gên­ci­as po­lí­ti­cas.

Mu­dan­ças

Nas re­des so­ci­ais, Bol­so­na­ro res­sal­tou ter de­fen­di­do pe­nas mais se­ve­ras con­tra cri­mes pas­si­o­nais, in­de­pen­den­te­men­te da ori­en­ta­ção se­xu­al da ví­ti­ma. Em um post, pu­bli­ca­do no Twit­ter, é uma res­pos­ta às crí­ti­cas con­tra ele so­bre a for­ma co­mo tra­ta mu­lhe­res e ho­mos­se­xu­ais. “Co­mo par­la­men­tar, pro­pus pe­nas mais se­ve­ras pa­ra cri­mes pas­si­o­nais in­de­pen­den­te­men­te de se­xu­a­li­da­de. Mu­lhe­res são as mai­o­res ví­ti­mas des­tes cri­mes, que tam­bém atin­ge ho­mos­se­xu­ais. Se­gui­rei de­fen­den­do que to­dos so­mos iguais pe­ran­te a lei, e que as­sas­si­nos se­jam pu­ni­dos du­ra­men­te.”

O can­di­da­to do PT à Pre­si­dên­cia, Fer­nan­do Had­dad, dis­se ho­je que há uma a es­ca­la­da de vi­o­lên­cia que pre­do­mi­na em tor­no das di­ver­gên­ci­as po­lí­ti­cas que de­ve ser com­ba­ti­da por to­das as for­ças po­lí­ti­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.