WHAT­SAPP, uma ar­ma elei­to­ral SEM Lei

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Não tem co­mo uma em­pre­sa tra­ba­lhar com o What­sapp sem in­frin­gir uma re­gra do tse [tri­bu­nal su­pe­ri­or elei­to­ral]”, diz os­mar La­za­ri­ni, di­re­tor da agên­cia tram­po, es­pe­ci­a­li­za­da em mar­ke­ting di­gi­tal. La­za­ri­ni, cu­ja em­pre­sa par­ti­ci­pou de cin­co cam­pa­nhas nes­te ano, diz que nun­ca disparou uma mensagem em mas­sa pe­lo apli­ca­ti­vo. se­gun­do ele, o tse dei­xa­va cla­ro que o en­vio de men­sa­gens pa­ra mi­lha­res de usuá­ri­os ao mes­mo tem­po era proi­bi­do, mas as re­gras aca­ba­ram fi­can­do tão abran­gen­tes que li­be­ra­ram o dis­pa­ro de men­sa- gens pa­ra ce­lu­la­res vá­li­dos — aque­les cu­jos nú­me­ros fo­ram ad­qui­ri­dos de for­ma le­gal. Pa­re­ce ter si­do es­sa a porta usa­da por em­pre­sá­ri­os apoi­a­do­res de Jair Bol­so­na­ro pa­ra tur­bi­nar ile­gal­men­te a cam­pa­nha di­gi­tal do can­di­da­to de ex­tre­ma di­rei­ta, se­gun­do uma re­por­ta­gem da Fo­lha de s.pau­lo. De acor­do com o jor­nal, hou­ve a com­pra de pa­co­tes mas­si­vos de mensagem an­ti-pt pa­ra fa­vo­re­cer o can­di­da­to do PSL. Mes­mo se não for com­pro­va­do que a cam­pa­nha do capitão re­for­ma­do tem li­ga­ção di­re­ta com a ope­ra­ção (ele dis­se que “não con­tro­la” os apoi­a­do­res), a prá­ti- ca de apoio fi­nan­cei­ro de em­pre­sas a pos­tu­lan­tes na elei­ção é cri­me por­que es­tá ve­da­da pe­la lei elei­to­ral.

o ca­so trou­xe de vez o te­ma do What­sapp e sua in­fluên­cia na cam­pa­nha pa­ra o cen­tro do de­ba­te elei­to­ral. a re­por­ta­gem da Fo­lha e seus pos­sí­veis des­do­bra­men­tos, co­mo o even­tu­al avan­ço da ação de im­pug­na­ção con­tra Bol­so­na­ro mo­vi­da pe­lo Pt, acres­cen­tam um ca­pí­tu­lo im­por­tan­te na ne­bu­lo­sa le­gis­la­ção so­bre pro­pa­gan­da de cam­pa­nha vir­tu­al, ali­a­da à fal­ta de pre­pa­ro das au­to­ri­da­des pa­ra li­dar tan­to com as fer­ra­men­tas co­mo com as men­ti­ras dis­se­mi­na­das por elas. tra­ta-se de uma pro­ble­má­ti­ca que já ti­nha co­lo­ca­do os ho­lo­fo­tes so­bre o pa­pel do du­o­pó­lio dos gi­gan­tes de tec­no­lo­gia Fa­ce­bo­ok (do­no do What­sapp) e Go­o­gle na cam­pa­nhas no Bra­sil, mas que es­tá lon­ge de se res­trin­gir às dis­pu­tas elei­to­rais lo­cais.

Do es­cân­da­lo do uso abu­si­vo de da­dos pe­la cam­brid­ge analy­ti­ca via Fa­ce­bo­ok nas elei­ções dos eua à in­ves­ti­ga­ção da in­fluên­cia rus­sa nas con­ver­sas po­lí­ti­cas por lá, ain­da não es­tá to­tal­men­te cla­ro o al­can­ce e o ta­ma­nho do impacto das pla­ta­for­mas, quer usa­das le­gal ou ile­gal­men­te, nos sis­te­mas de­mo­crá­ti­cos. em to­do o mun­do, au­to­ri­da­des ain­da de­ba­tem co­mo re­gu­lar as re­des so­ci­ais: es­bar­ram em ques­tões téc­ni­cas, no mo­de­lo de ne­gó­ci­os pra­ti­ca­men­te mo­no­pó­li­co das em­pre­sas en­vol­vi­das e no de­ba­te a res­pei­to so­bre de que for­ma o mo­ni­to­ra­men­to po­de ser fei­to sem li­mi­tar a li­ber­da­de de ex­pres­são. en­quan­to não se des­co­brem so­lu­ções fac­tí­veis, os es­cân­da­los se su­ce­dem e a nu­vem de sus­pei­tas cres­ce.

qua­tro me­ses sem reu­niões

Nes­ta cam­pa­nha bra­si­lei­ra, o pro­ble­ma se tor­na

ain­da mais com­ple­xo, da­do o pre­ten­so rí­gi­do con­tro­le da pro­pa­gan­da elei­to­ral no Bra­sil que pas­sou a con­vi­ver com as no­vas re­gras iné­di­tas pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nha nas re­des so­ci­ais e as es­pe­ci­fi­ci­da­des de um apli­ca­ti­vo co­mo o What­sapp. Pes­qui­sas já apon­ta­vam a cen­tra­li­da­de de­le, de uso in­ten­so, na cir­cu­la­ção de in­for­ma­ção. Um estudo con­jun­to da UFMG, da USP e da agên­cia Lu­pa es­ti­mou, por amos­tra­gem de gru­pos pú­bli­cos, que 4 em ca­da 50 ima­gens que cir­cu­la­vam no apli­ca­ti­vo era fal­sa. en­quan­to is­so, as au­to­ri­da­des elei­to­rais bra­si­lei­ras se li­mi­ta­vam a di­zer –co­mo fez a pre­si­den­te do tse, ro­sa We­ber, no pri­mei­ro tur­no– que ain­da es­ta­vam “en­ten­den­do” o fenô­me­no das men­ti­ras dis­tri­buí­das co­mo no­tí­ci­as. os con­tro­la­do­res do What­sapp, por sua vez, re­pe­ti­am men­sa­gens pro­to­co­la­res de que a fer­ra­men­ta ha­via re­du­zi­do a es­ca­la de dis­se­mi­na­ção de men­sa­gens.

Foi só na úl­ti­ma ter­ça­fei­ra, a 12 di­as do se­gun­do tur­no, que o tse se reu­niu com dois re­pre­sen­tan­tes do What­sapp pa­ra dis­cu­tir a uti­li­za­ção do apli­ca­ti­vo na cam­pa­nha. Um dos mem­bros do con­se­lho con­sul­ti­vo so­bre in­ter­net e elei­ções do tse que par­ti­ci­pou da reu­nião dis­se ao el País que os dois exe­cu­ti­vos, que par­ti­ci­pa­ram por vi­de­o­con­fe­rên­cia, re­co­nhe­ce­ram a gra­vi­da­de dos pro­ble­mas e ga­ran­ti­ram ter ba­ni­do cen­te­nas de mi­lha­res de con­tas du­ran­te o pri­mei­ro tur­no. a mensagem foi re­for­ça­da pe­la em­pre­sa nes­ta quin­ta-fei­ra por meio de no­ta após a pu­bli­ca­ção da re­por­ta­gem da Fo­lha e es­tá em con­so­nân­cia com a cam­pa­nha do Fa­ce­bo­ok, que cri­ou uma “sa­la de guerra” pa­ra mo­ni­to­rar as elei­ções no Bra­sil e nos es­ta­dos Uni­dos.

o con­se­lho con­sul­ti­vo do tse, com­pos­to por re­pre­sen­tan­tes da Jus­ti­ça elei­to­ral, do Go­ver­no Fe­de­ral, do exér­ci­to e da so­ci­e­da­de ci­vil, fi­cou qua­tro me­ses sem se reu­nir en­tre o dia 4 de ju­nho e a se­ma­na pas­sa­da — um hiato que ocor­reu du­ran­te a tro­ca de co­man­do do mi­nis­tro Luiz Fux pe­la mi­nis­tra ro­sa We­ber na pre­si­dên­cia da cor­te. Pa­ra es­ta sex­ta-fei­ra, o tri­bu­nal anun­cia uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va jun­to com re­pre­sen­tan­tes do Go­ver­no fe­de­ral “pa­ra tra­tar das me­di­das ins­ti­tu­ci­o­nais ado­ta­das pa­ra res­pon­der aos ques­ti­o­na­men­tos le­van­ta­dos no pri­mei­ro tur­no das elei­ções 2018”.

Na úl­ti­ma reu­nião do con­se­lho con­sul­ti­vo do tse, o What­sapp re­ce­beu uma sé­rie de su­ges­tões pa­ra ten­tar evi­tar o ris­co de que se­ja usa­do pa­ra es­pa­lhar de­sin­for­ma­ção. en­tre as pro­pos­tas es­tão re­du­zir de 20 pa­ra 5 o nú­me­ro de re­en­ca­mi­nha­men­tos de mensagem, uma me­di­da já ado­ta­da na Ín­dia, e di­mi­nuir de 9.999 pa­ra 499 o te­to de gru­pos que po­dem ser cri­a­dos por ca­da usuá­rio. Mas a me­câ­ni­ca das em­pre­sas que ofe­re­cem en­vio de men­sa­gens em mas­sa não se sub­me­te a es­ses li­mi­tes.

em no­vem­bro de 2015, ales­san­dro san­ta­na, ceo da agên­cia at­mos­fe­ra Pu­bli­ci­da­de, des­cre­veu ao si­te in­fo­mo­ney co­mo o sis­te­ma fun­ci­o­na­va: “com­pra­mos li­nhas de te­le­fo­ne co­muns e dis­pa­ra­mos atra­vés de um soft­ware. as men­sa­gens che­gam com o no­me do cli­en­te e a ta­xa de acei­ta­ção é im­pres­si­o­nan­te: 95% da men­sa­gens são aber­tas”. Pro­cu­ra­do pe­la re­por­ta­gem nes­ta quin­ta-fei­ra, san­ta­na dis­se que dei­xou de usar o sis­te­ma lo­go de­pois de con­ce­der a en­tre­vis­ta em que era apre­sen­ta­do co­mo “res­pon­sá­vel pe­la cri­a­ção do con­cei­to de What­sapp Mar­ke­ting no Bra­sil”. “Pa­ra mim, não deu cer­to. Na­que­la época, já ti­nha al­guns con­cor­ren­tes, mas não de­mos con­ti­nui­da­de”, diz. Ho­je, san­ta­na diz não acre­di­tar que os dis­pa­ros de fa­to fun­ci­o­nem. “eu acho que nin­guém dis­pa­ra na­da. Não co­nhe­ço nin­guém que re­ce­beu, acho que é mentira. an­tes de o Fa­ce­bo­ok com­prar o What­sapp, até fun­ci­o­na­va. co­me­çou a ter um blo­queio mai­or, eles têm um ní­vel de se­gu­ran­ça mui­to forte”, diz.

o fa­to é que o ser­vi­ço de What­sapp mar­ke­ting é far­ta­men­te anun­ci­a­do por agên­ci­as de pro­pa­gan­da na in­ter­net. “o What­sapp Mar­ke­ting é uma re­vo­lu­ção no Mar­ke­ting Di­re­to de re­la­ci­o­na­men­to com o cli­en­te fi­nal”, diz o si­te da Bulk ser­vi­ces. “Vo­cê po­de en­vi­ar ima­gens com tex­tos mais ela­bo­ra­dos e até mes­mo ví­de­os em ane­xo, ten­do um impacto mai­or na con­ver­são em su­as cam­pa­nhas de ati­va­ção. em­pre­sas de to­do por­te tem (sic) usa­do es­se ca­nal com um re­tor­no po­si­ti­vo. É um dos apli­ca­ti­vos mais uti­li­za­dos no Bra­sil e no mun­do, com 120 mi­lhões de bra­si­lei­ros ati­vos atu­al­men­te”, diz a em­pre­sa, que tam­bém ofe­re­ce “lis­tas seg­men­ta­das” por “se­xo, ida­de, car­go, es­ta­do, ci­da­de, bair­ro, ren­da, clas­se so­ci­al e mui­to mais”, e acres­cen­ta: “além dis­so, te­mos ba­se tan­to pa­ra pes­soa fí­si­ca quan­to pa­ra pes­soa ju­rí­di­ca”.

Na no­ta di­vul­ga­da nes­ta quin­ta-fei­ra, o What­sapp diz que tem “tec­no­lo­gia de pon­ta pa­ra de­tec­ção de spam que iden­ti­fi­ca con­tas com com­por­ta­men­to anor­mal ou au­to­ma­ti­za­do, pa­ra que não pos­sam ser usa­das pa­ra es­pa­lhar spam ou de­sin­for­ma­ção”. o pro­ble­ma é que não é pos­sí­vel au­di­tar a fer­ra­men­ta, na qual, se­gun­do re­por­ta­gem re­cen­te do the New York ti­mes ba­se­a­da num estudo de uma em­pre­sa is­ra­e­len- se, é pos­sí­vel até se fal­se­ar o au­tor de uma mensagem en­vi­a­da. “o cri­me com­pen­sa. o What­sapp não tem fer­ra­men­ta de ras­treio. Não adi­an­ta pas­sar uma por­ta­ria pa­ra pe­dir a en­tre­ga de da­dos pa­ra sa­ber quem co­me­çou a pas­sar a mensagem. o Fa­ce­bo­ok [do­no do What­sapp] não vai en­tre­gar. es­ses me­ca­nis­mos precisam ser cri­a­dos”, diz os­mar La­za­ri­ni, da agên­cia tram­po. se­gun­do ele, é pos­sí­vel com­prar pa­co­tes pa­ra en­vi­ar 1 mi­lhão de men­sa­gens por va­lo­res en­tre 35.000 e 85.000 re­ais.

Da­dos pes­so­ais co­mo os nú­me­ros de te­le­fo­ne e endereços de e- mail são cap­ta­dos por robôs dis­pa­ra­dos por softwa­res cri­a­dos pa­ra co­le­tar in­for­ma­ções, e sua uti­li­za­ção vai além do What­sapp. em meio ao obs­cu­ro ter­re­no vir­tu­al, os bo­a­tos pros­pe­ram. La­za­ri­ni ou­viu di­zer que um can­di­da­to ao se­na­do usou um cra­wler, um soft­ware que faz var­re­du­ras por in­for­ma­ções, pa­ra se ca­das­trar em 800 gru­pos de Fa­ce­bo­ok. “en­vi­a­mos mais de 140 pro­pos­tas de mar­ke­ting po­lí­ti­co di­gi­tal nes­te ano. con­ver­te­mos ape­nas cin­co cam­pa­nhas e, mes­mo as­sim, par­ci­ais. te­nho re­ceio de que a nos­sa bai­xa con­ver­são foi por­que dei­xa­mos ex­plí­ci­to que tra­ba­lha­mos den­tro das re­gras do tse”, diz o di­re­tor da agên­cia tram­po.

AL­LAN Whi­te/ Fo­tos Pú­bli­cas

AL­LAN Whi­te/ Fo­tos Pú­bli­cas

Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral tra­tou do apli­ca­ti­vo em reu­nião nes­ta se­ma­na, di­as an­tes do se­gun­do tur­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.