Os 10 te­mas que po­dem cair na re­da­ção do Enem

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Are­da­ção do Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio ( Enem) é uma eta­pa fun­da­men­tal da pro­va. To­dos os anos, o te­ma es­co­lhi­do pe­la ban­ca aju­da a de­fi­nir o de­sem­pe­nho dos can­di­da­tos e é res­pon­sá­vel por ava­li­ar a ca­pa­ci­da­de ar­gu­men­ta­ti­va de ca­da ves­ti­bu­lan­do. Em 2018, a pro­va de re­da­ção acon­te­ce no pri­mei­ro do­min­go de no­vem­bro e com a da­ta se apro­xi­man­do, os es­tu­dan­tes precisam fi­car aten­tos aos te­mas que po­dem cair nes­ta edi­ção da pro­va.

Confira:

1) Bullying nas es­co­las Bra­si­lei­ras

“É uma dis­cus­são al­ta­men­te re­le­van­te pa­ra o con­tex­to es­co­lar. De­pois dos ca­sos re­cen­tes que acon­te­ce­ram no país, pa­re­ce um gri­to in­con­ti­do den­tro das es­co­las e um as­sun­to pou­co dis­cu­ti­do.” O professor de re­da­ção do sis­te­ma de en­si­no ph, Thi­a­go Bra­ga, res­sal­ta a im­por­tân­cia de abor­dar na re­da­ção as cau­sas de quem pra­ti­ca o bullying, e tra­zer exem­plos con­cre­tos co­mo o ca­so do me­ni­no de Goiás que ati­rou nos co­le­gas, um as­sun­to de re­le­vân­cia na­ci­o­nal e cro­no­lo­gi­ca­men­te pró­xi­mo.

2) obe­si­da­de no Bra­sil

“É um te­ma pos­sí­vel por­que nos úl­ti­mos dez anos acon­te­ceu um cres­ci­men­to ab­sur­do no nú­me­ro da obe­si­da­de no país. É um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca que po­de acar­re­tar no au­men­to de do­en­ças co­mo diabetes e hi­per­ten­são. Es­sa dis­cus­são é bas­tan­te im­por­tan­te pa­ra o con­tex­to so­ci­al bra­si­lei­ro”, ad­ver­te o professor.

3) li­mi­tes do hu­mor no Bra­sil

Pa­ra es­se te­ma, o professor ex­pli­ca: “É uma ques­tão cen­tral quan­do se fa­la em re­des so­ci­ais. Ape­sar de ser um te­ma an­ti­go, ele ga­nhou re­le­vân­cia. Ho­je es­sa dis­cus­são to­ca no de­ba­te so­bre a li­ber­da­de de ex­pres­são. O hu­mor é in­te­res­san­te e im­por­tan­te pa­ra a crí­ti­ca so­ci­al, mas ele tam­bém po­de ser um me­ca­nis­mo de di­mi­nui­ção dos ou­tros, prin­ci­pal­men­te mi­no­ri­as e gru­pos já me­nos­pre­za­dos so­ci­al­men­te. É bas­tan­te im­por­tan­te e atu­al es­sa dis­cus­são.”

4) fa­ke news na so­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra

“Es­sa é a gran­de aposta. Um te­ma im­por­tan­te em ano de elei­ção, prin­ci­pal­men­te de­pois das elei­ções pre­si­den­ci­ais nos Es­ta­dos Uni­dos, for­ja­das por no­tí­ci­as fal­sas. Ho­je te­mos uma sé­rie de com­por­ta­men­tos so­ci­ais que são di­re­ta­men­te in­flu­en­ci­a­dos por fa­ke news, co­mo o mo­vi­men­to de vacina. Outro pon­to in­te­res­san­te pa­ra abor­dar são os as­pec­tos po­lí­ti­cos do te­ma. O aluno tam­bém po­de fa­lar so­bre a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de de quem pro­duz as fa­ke news e es­sa in­ge­nui­da­de na po­pu­la­ção bra­si­lei­ra”, su­ge­re Thi­a­go.

5) Perm­nên­cia do des­ma­ta­men­to na amazô­nia

“Es­se é um te­ma clás­si­co e um te­ma ver­de sem­pre tem que es­tar na lis­ta. A flo­res­ta con­ti­nua sen­do des­ma­ta­da e es­sa é uma dis­cus­são im­por­tan­te por­que mostra que não há consciência am­bi­en­tal no Bra­sil, tan­to no go­ver­no quan­to na po­pu­la­ção”.

6) au­men­to das dsts en­tre jo­vens Bra­si­lei­ros

“O nú­me­ro de DSTS au­men­tou no mun­do e no Bra­sil. Tra­zer es­sa dis­cus­são se­ria im­por­tan­te por­que mui­tos jo­vens acham que a ques­tão de usar pre­ser­va­ti­vo ser­ve pa­ra evi­tar gra­vi­dez e não pa­ra pre­ve­nir do­en­ças que são al­ta­men­te pro­ble­má­ti­cas. Al­guns pon­tos im­por­tan­tes pa­ra le­van­tar são: o fa­to das es­co­las não te­rem edu­ca­ção se­xu­al, a si­tu­a­ção dos pais que se cons­tran­gem ao fa­lar do te­ma, ou o ce­ná­rio dos pró­pri­os jo­vens que não con­ver­sam so­bre o as­sun­to com os pais”, diz.

7) sis­te­ma Car­ce­rá­rio no Bra­sil

“É um te­ma que é uma ver­go­nha pa­ra o Bra­sil. Te­mos a ter­cei­ra mai­or po­pu­la­ção car­ce­rá­ria do mun­do, a gen­te não con­se­gue me­lho­rar os pre­sí­di­os. Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, di­vul­ga­dos em 2016, o nú­me­ro de pre­sos do­brou em 11 anos. Além dis­so, as pri­sões aca­bam fun­ci­o­nan­do co­mo uni­ver­si­da­des do cri­me. É de­su­ma­no, não tem es­pa­ço, não tem tra­ba­lhos ou es­tu­dos den­tro da pri­são. Te­mos al­guns pre­sí­di­os es­pe­cí­fi­cos que fa­zem is­so, mas não é um sis­te­ma in­te­gra­do. Co­mo o Enem fa­la mui­to so­bre te­mas dos di­rei­tos humanos, é uma dis­cus­são bas­tan­te per­ti­nen­te.”

8) mo­bi­li­da­de ur­ba­na no Bra­sil

“Ain­da exis­te uma cul­tu­ra do car­ro e uma in­di­vi­du­a­li­za­ção do trans­por­te em de­tri­men­to do trans­por­te pú­bli­co que é mui­to pre­cá­rio. Pou­co se investe em po­lí­ti­cas de des­lo­ca­men­to no país. As pes­so­as per­dem tem­po de vi­da den­tro do trans­por­te. A ci­da­de não é de­mo­crá­ti­ca por con­ta des­sa mo­bi­li­da­de que tam­bém não é de­mo­crá­ti­ca”.

9) o aces­so a Bens Cul­tu­rais no Bra­sil

“Al­guns bens cul­tu­rais são eli­ti­za­dos, é uma dis­cus­são im­por­tan­te por­que te­mos uma pro­du­ção cul­tu­ral no Bra­sil que é pa­ra gran­des cen­tros ur­ba­nos, ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te, e mui­to cen­tra­li­za­da nes­ses cen­tros ur­ba­nos. Exis­tem al­gu­mas ini­ci­a­ti­vas que le­vam cul­tu­ra pa­ra a pe­ri­fe­ria, mas mu­si­cais, ci­ne­ma, bi­bli­o­te­cas ain­da es­tão fo­ca­dos em áre­as mais no­bres ou mais centrais e com um pre­ço bas­tan­te sal­ga­do pa­ra quem ga­nha sa­lá­rio mí­ni­mo, por exem­plo.”

10) a ques­tão do in­dí­ge­na no Bra­sil

Thi­a­go afir­ma: “É um clás­si­co que o Enem nun­ca trabalhou, te­mos vá­ri­as ques­tões de de­mar­ca­ção de ter­ras no Bra­sil. Pa­ra o aluno é um di­fe­ren­ci­al nes­se te­ma ci­tar a re­la­ção que o in­dí­ge­na tem com a ter­ra e a re­la­ção que nós te­mos com a ter­ra. Por­que pa­ra nós a ter­ra é um pe­da­ço que tem um va­lor fi­nan­cei­ro e pa­ra eles é um va­lor es­pi­ri­tu­al, an­ces­tral.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.