Enem: bom uso do por­tu­guês se­rá di­fe­ren­ci­al na re­da­ção

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

A pro­va de re­da­ção do exa­me Na­ci­o­nal do en­si­no Mé­dio (enem) de­ve­rá ser mais exi­gen­te es­te ano, e os es­tu­dan­tes de­ve­rão es­tar aten­tos, so­bre­tu­do ao uso da lín­gua por­tu­gue­sa, se­gun­do o co­or­de­na­dor pe­da­gó­gi­co do Ve­tor Ves­ti­bu­la­res, ru­bens cé­sar car­ne­va­le, que foi cor­re­tor da re­da­ção do enem por três anos se­gui­dos, de 2014 a 2016.

“o que apa­re­ce na cor­re­ção do enem é a gra­má­ti­ca ins­tru­men­tal. o alu­no tem que ser usuá­rio do idi­o­ma. Não pre­ci­sa ser es­pe­ci­a­lis­ta, não tem que sa­ber no­men­cla­tu­ra, mas tem que sa­ber usar”, diz.

Nes­te do­min­go (4), os 5,5 mi­lhões ins­cri­tos no enem fa­rão as pro­vas de lin­gua­gem, ci­ên­ci­as hu­ma­nas e re­da­ção. te­rão pa­ra is­so, o tem­po de 5 ho­ras e 30 mi­nu­tos. o enem con­ti­nua no dia 11 de no­vem­bro, com as pro­vas de ci­ên­ci­as da na­tu­re­za e ma­te­má­ti­ca.

o ri­gor da cor­re­ção, se­gun­do o pro­fes­sor, tem au­men­ta­do a ca­da ano. em 2018, a pre­vi­são é que os cor­re­to­res es­te­jam mais exi­gen­tes, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção ao uso da lín­gua por­tu­gue­sa. Pe­lo me­nos du­as com­pe­tên­ci­as das cin­co ava­li­a­das no enem co­bram ex­pli­ci­ta­men­te o idi­o­ma.

“o enem tem aper­fei­ço­a­do o mé­to­do de cor­re­ção. Não tem mais a ex­pec­ta­ti­va de que acon­te­ça o que ocor­reu há qua­tro anos, qu­an­do alu­nos co­lo­ca­vam re­cei­tas ou hi­nos e ti­ra­vam no­ta. a ex­pec­ta­ti­va não é mais es­sa. o trei­na­men­to dos cor­re­to­res es­tá mais ri­go­ro­so. Vai ter trei­na­men­to de­pois da pro­va. is­so é fei­to em to­das as ban­cas de ves­ti­bu­lar”, afir­mou.

Pa­ra ir bem na pro­va, o pro­fes­sor dá al­gu­mas di­cas, co­mo fa­zer um ras­cu­nho com os prin­ci­pais tó­pi­cos que pre­ten­de abor­dar no tex­to. além dis­so, dar aten­ção ao pri­mei­ro pa­rá­gra­fo por­que ele vai de­fi­nir o es­ti­lo e a li­nha de dis­cur­so: “o me­lhor é já cau­sar uma boa pri­mei­ra im­pres­são”.

se o te­ma for po­lê­mi­co, car­ne­va­le re­co­men­da que os es­tu­dan­tes co­lo­quem a vi­são con­trá­ria pa­ra que o ava­li­a­dor en­ten­da que o au­tor da dis­ser­ta­ção com­pre­en­de o pa­no­ra­ma com­ple­to. ape­sar dis­so, res­sal­ta: “o tex­to de­ve ter uma con­clu­são cla­ra e, em­bo­ra se­ja pos­sí­vel lis­tar ou­tros pon­tos de vis­ta na re­da­ção, não de­ve ha­ver dú­vi­da so­bre a men­sa­gem que o au­tor do tex­to pre­ten­de pas­sar”.

Na pro­pos­ta de in­ter­ven­ção, exi­gi­da no tex­to, o es­tu­dan­te de­ve dei­xar cla­ro al­guns ele­men­tos, pri­mei­ro, o agen­te, que é quem vai to­mar a me­di­da; a ação ne- ces­sá­ria; de­pois o meio pa­ra que se­ja exe­cu­ta­da e a fi­na­li­da­de da in­ter­ven­ção. Des­de o ano pas­sa­do, des­res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos não é mais mo­ti­vo pa­ra ze­rar a re­da­ção in­tei­ra, mas, ain­da po­de­rá ze­rar uma das com­pe­tên­ci­as, re­sul­tan­do em per­da de 200 pon­tos.

Ca­pa­ci­ta­ção

em 2018, a cor­re­ção se­rá de res­pon­sa­bi­li­da­de da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV). o pre­pa­ro dos cor­re­to­res co­me­çou em agos­to. se­gun­do a FGV, to­dos os su­per­vi­so­res e ava­li­a­do­res de re­da­ção do enem pas­sa­ram por uma ca­pa­ci­ta­ção a dis­tân­cia por cer­ca de um mês. a se­le­ção dos me­lho­res foi ba­se­a­da em uma sé­rie de ava­li­a­ções re­a­li­za­das ao lon­go des­se cur­so.

além da ca­pa­ci­ta­ção a dis­tân­cia, os ava­li­a­do­res tam­bém par­ti­ci­pa­rão, nos di­as 24 e 25 de no­vem­bro, de uma ca­pa­ci­ta­ção pre­sen­ci­al. an­tes do iní­cio da cor­re­ção efe­ti­va, eles pas­sam ain­da por um pré-tes­te.

Du­ran­te a cor­re­ção efe­ti­va, que co­me­ça­rá no dia 28 de no­vem­bro, os su­per­vi­so­res e co­or­de­na­do­res acom­pa­nham di­a­ri­a­men­te o de­sem­pe­nho dos ava­li­a­do­res por meio de re­la­tó­ri­os ge­ra­dos pe­lo soft­ware de cor­re­ção, com nú­me­ros em tem­po re­al, pa­ra que os ali­nha­men­tos ocor­ram de for­ma rá­pi­da, sem pre­juí­zos aos par­ti­ci­pan­tes.

Cor­re­ção

os tex­tos se­rão ava­li­a­dos por, pe­lo me­nos, dois pro­fes­so­res, sem que um co­nhe­ça a no­ta atri­buí­da pe­lo ou­tro. a re­da­ção se­rá ava­li­a­da con­si­de­ran­do-se cin­co com­pe­tên­ci­as. Pa­ra ca­da uma de­las, os ava­li­a­do­res da­rão uma no­ta de 0 a 200. a so­ma des-

ses pon­tos com­po­rá a no­ta to­tal de ca­da ava­li­a­dor, que po­de che­gar a 1 mil pon­tos.

a no­ta fi­nal do par­ti­ci­pan­te se­rá a mé­dia arit­mé­ti­ca das no­tas to­tais atri­buí­das pe­los dois ava­li­a­do­res.

ca­so as no­tas atri­buí­das in­di­vi­du­al­men­te pe­los ava­li­a­do­res ti­ve­rem uma di­fe­ren­ça de mais de 100 pon­tos, ou a no­ta de qual­quer uma das com­pe­tên­ci­as ti­ver uma di­fe­ren­ça de mais de 80 pon­tos, a re­da­ção pas­sa­rá por um ter­cei­ro ava­li­a­dor. Nes­se ca­so, a no­ta fi­nal se­rá a mé­dia arit­mé­ti­ca das du­as no­tas to­tais que mais se apro­xi­ma­rem.

se a di­fe­ren­ça con­ti­nu­ar de­pois da ter­cei­ra ava­li­a­ção, a re­da­ção se­rá ava­li­a­da por uma ban­ca pre­sen­ci­al com­pos­ta por três pro­fes­so­res, que atri­bui­rá a no­ta fi­nal do par­ti­ci­pan­te.

Com­pe­tên­ci­as

as com­pe­tên­ci­as ava­li­a­das nas re­da­ções são:

com­pe­tên­cia 1: De­mons­trar do­mí­nio da mo­da­li­da­de es­cri­ta for­mal da lín­gua por­tu­gue­sa. com­pe­tên­cia 2: com­pre­en­der a pro­pos­ta de re­da­ção e apli­car con­cei­tos das vá­ri­as áre­as de co­nhe­ci­men­to pa­ra de­sen­vol­ver o te­ma, den­tro dos li­mi­tes es­tru­tu­rais do tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo em pro­sa.

com­pe­tên­cia 3: se­le­ci­o­nar, re­la­ci­o­nar, or­ga­ni­zar e in­ter­pre­tar in­for­ma­ções, fa­tos, opi­niões e ar­gu­men­tos em de­fe­sa de um pon­to de vis­ta.

com­pe­tên­cia 4: De­mons­trar co­nhe­ci­men­to dos me­ca­nis­mos lin­guís­ti­cos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a cons­tru­ção da ar­gu­men­ta­ção.

com­pe­tên­cia 5: ela­bo­rar pro­pos­ta de in­ter­ven­ção pa­ra o pro­ble­ma abor­da­do que res­pei­te os di­rei­tos hu­ma­nos.

re­da­ção no­ta ze­ro

as re­da­ções do enem re­ce­be­rão a no­ta ze­ro nos se­guin­tes ca­sos:

fu­ga to­tal ao te­ma;

Não obe­di­ên­cia à es­tru­tu­ra dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­va;

ca­so te­nham até se­te li­nhas, ta­ma­nho con­si­de­ra­do in­su­fi­ci­en­te;

có­pia in­te­gral de um ou mais tex­tos mo­ti­va­do­res da Pro­pos­ta de re­da­ção e/ou de tex­tos mo­ti­va­do­res apre­sen­ta­dos no ca­der­no de Ques­tões;

im­pro­pé­ri­os, de­se­nhos e ou­tras for­mas pro­po­si­tais de anu­la­ção, tais co­mo nú­me­ros ou si­nais grá­fi­cos fo­ra do tex­to;

Par­te de­li­be­ra­da­men­te des­co­nec­ta­da do te­ma pro­pos­to;

as­si­na­tu­ra, no­me, ape­li­do ou ru­bri­ca fo­ra do lo­cal de­vi­da­men­te de­sig­na­do pa­ra a as­si­na­tu­ra do par­ti­ci­pan­te;

tex­to pre­do­mi­nan­te­men­te em lín­gua es­tran­gei­ra;

Fo­lha de re­da­ção em bran­co, mes­mo que ha­ja tex­to es­cri­to na fo­lha de ras­cu­nho.

Mais de­ta­lhes e exem­plos de re­da­ções de edi­ções an­te­ri­o­res po­dem ser aces­sa­das na car­ti­lha do Par­ti­ci­pan­te.

Wil­son Di­as/ar­qui­vo agên­cia Bra­sil

Es­tu­dan­tes fa­zem a pro­va do Enem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.