Po­pu­la­ção car­ce­rá­ria fe­mi­ni­na au­men­tou 567%

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

OB­ra­sil tem uma das mai­o­res po­pu­la­ções car­ce­rá­ri­as fe­mi­ni­nas do mun­do, e as pri­sões re­la­ci­o­na­das ao trá­fi­co de dro­gas cor­res­pon­dem à mai­or par­te de­las. em um es­tu­do di­vul­ga­do na se­ma­na pas­sa­da, a Di­re­to­ria de aná­li­se de Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas da fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (Dapp/ FGV) le­van­tou da­dos so­bre es­sas pri­sões e mos­trou que, en­tre 2000 e 2016, a po­pu­la­ção car­ce­rá­ria fe­mi­ni­na au­men­tou 567%. se con­si­de­ra­dos da­dos atu­a­li­za­dos até 2018, o au­men­to se apro­xi­ma de 700%.

em 2016, as pri­sões bra­si­lei­ras abri­ga­vam 42.355 mu­lhe­res. Qu­an­do ana­li­sa­da a in­ci­dên­cia de pri­sões pa­ra ca­da 100 mil mu­lhe­res, o Bra­sil che­ga a 40,6, re­la­ção que per­de ape­nas pa­ra es­ta­dos Uni­dos (65,7) e tai­lân­dia (60,1). a chi­na tem mais mu­lhe­res en­car­ce­ra­das que o Bra­sil, mas, pro­por­ci­o­nal­men­te, sua ta­xa é me­nor.

en­tre os cin­co es­ta­dos com mai­or en­car­ce­ra­men­to fe­mi­ni­no, qua­tro es­tão na re­gião Nor­te: ama­zo­nas (9,2%), rondô­nia (8,2%), acre (7,1%) e ro­rai­ma (6,7%). o ma­to Gros­so do sul é o que tem mai­or per­cen­tu­al de mu­lhe­res em re­la­ção ao to­tal da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria: 11,3%.

se­gun­do a pes­qui­sa, 62% das pri­sões de mu­lhe­res no Bra­sil es­tão re­la­ci­o­na­das ao trá­fi­co de dro­gas, en­quan­to, no ca­so dos ho­mens, o per­cen­tu­al cai pa­ra 26%. a pes­qui­sa­do­ra Da­ni­el­le san­ches, res­pon­sá­vel pe­lo le­van­ta­men­to, em en­tre­vis­ta à rá­dio Na­ci­o­nal do rio de Ja­nei­ro con­si­de­rou que pe­nas al­ter­na­ti­vas po­de­ri­am ser op­ção em mui­tos ca­sos.

“Gran­de par­te das mu­lhe­res en­car­ce­ra­das tra­ba­lha na bai­xa hi­e­rar­quia do trá­fi­co. Não são gran­des ge­ren­tes e com al­ta pe­ri­cu­lo­si­da­de. Pe­nas al­ter­na­ti­vas po­de­ri­am ser pen­sa­das”.

o en­car­ce­ra­men­to das mu­lhe­res se dá mui­tas ve­zes em pre­sí­di­os mis­tos, em que há pre­sos e pre­sas. se­gun­do a pes­qui­sa, en­tre as pe­ni­ten­ciá­ri­as bra­si­lei­ras, 17% são mis­tas e 7% são ex­clu­si­va­men­te fe­mi­ni­nas.

o es­tu­do cha­ma aten­ção pa­ra as con­clu­sões do re­la­tó­rio in­fo­pen mu­lhe­res, pro­du­zi­do pe­lo De­par­ta­men­to Pe­ni­ten­ciá­rio Na­ci­o­nal em 2014. se­gun­do o do­cu­men­to, 90% das uni­da­des mis­tas e 49% das ex­clu­si­va­men­te fe­mi­ni­nas fo­ram con­si­de­ra­das ina­de­qua­das pa­ra ges­tan­tes en­car­ce­ra­das. as pri­sões mis­tas tam­bém pos­su­em me­nos ber­çá­ri­os e/ou cen­tros de re­fe­rên­ci­as pa­ra mu­lhe­res (3%) que as as es­pe­cí­fi­cas (32%).

Qu­an­do ava­li­a­da a exis­tên­cia de cre­che, as pri­sões mis­tas de­cla­ra­ram não ter, e as fe­mi­ni­nas ti­nham em 5% dos ca­sos. o per­cen­tu­al é con­si­de­ra­do bai­xo, uma vez que 64% das mu­lhe­res en­car­ce­ra­das pos­su­em ao me­nos um fi­lho.

a pes­qui­sa re­co­men­da que se­jam ado­ta­das po­lí­ti­cas pú­bli­cas no sen­ti­do de am­pli­ar as uni­da­des pri­si­o­nais ma­ter­no-in­fan­tis e re­es­tru­tu­rar pre­sí­di­os ex­clu­si­vos pa­ra mu­lhe­res. o es­tu­do con­si­de­ra re­co­men­dá­vel in­ves­tir em ações fo­ca­das pa­ra pri­mei­ra in­fân­cia fo­ca­das em fi­lhos de mu­lhe­res en­car­ce­ra­das.

além dis­so, as pes­qui­sa­do­ras apon­tam que é pre­ci­so ace­le­rar o jul­ga­men­to das mu­lhe­res em pri­são pro­vi­só­ria e pro­mo­ver ações que di­mi­nu­am a in­ser­ção de mu­lhe­res jo­vens no trá­fi­co de dro­gas.

Luiz sil­vei­ra/agên­cia CNJ/ Di­rei­tos re­ser­va­dos/agên­cia Bra­sil

A po­pu­la­ção car­ce­rá­ria fe­mi­ni­na au­men­tou 567%. Se con­si­de­ra­dos da­dos atu­a­li­za­dos até 2018, o au­men­to se apro­xi­ma de 700%

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.