IN­CÊN­DIO DEI­XOU 29 MOR­TOS e Mais De 200 DE­SA­PA­RE­CI­DOS

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Oin­cên­dio que ar­ra­sou a lo­ca­li­da­de de Pa­ra­di­se, no nor­te de ca­li­fór­nia, na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra e sá­ba­do es­tá a ca­mi­nho de se tor­nar o mais le­tal da his­tó­ria do es­ta­do. o cha­ma­do camp Fi­re des­truiu 6.700 es­tru­tu­ras, a mai­o­ria de­las ca­sas. Mais seis ca­dá­ve­res fo­ram acha­dos nes­te do­min­go en­tre os es­com­bros, ele­van­do o to­tal a 29. É o mes­mo nú­me­ro re­gis­tra­do no in­cên­dio mais mor­tal até ho­je, que acon­te­ceu em 1933. a bus­ca ain­da não ter­mi­nou. o fo­go já ar­ra­sou 45.000 hec­ta­res e des­truiu 6.700 cons­tru­ções, a gran­de mai­o­ria mo­ra­di­as. a ci­da­de de Pa­ra­di­se (26.000 ha­bi­tan­tes) fi­cou ar­ra­sa­da. Na se­gun­da-fei­ra pe­la ma­nhã, mais de 200 pes­so­as con­ti­nu­a­vam sen­do pro­cu­ra­das por seus fa­mi­li­a­res e cons­ta­vam co­mo de­sa­pa­re­ci­das. De­ze­nas de mi­lha­res de mo­ra­do­res per­ma­ne­cem sob or­dem de de­so­cu­par su­as re­si­dên­ci­as. o camp Fi­re é o in­cên­dio mais des­tru­ti­vo da his­tó­ria de ca­li­fór­nia.

Na ma­nhã des­ta se­gun­da, as úl­ti­mas ci­fras dos bom­bei­ros in­di­ca­vam que ele es­tá con­tro­la­do em 25% de­pois de qua­tro di­as ar­den­do. os tra­ba­lhos ocor­rem sob um cli­ma de pes­si­mis­mo ge­ral, por­que o prin­ci­pal fa­tor cau­sa­dor des­ses in­cên­di­os, os ven­tos for­tes e se­cos vin­dos do de­ser­to, se re­a­vi­va­ram no do­min­go e po­dem du­rar até ter­ça. es­ses ven­tos são um fenô­me­no na­tu­ral ha­bi­tu­al em ou­tu­bro e no­vem­bro na ca­li­fór­nia. cha­mam-se ven­tos de san­ta ana no sul do es­ta­do, e ven­tos do di­a­bo no nor­te. se­cam tu­do à sua pas­sa­gem e fa­zem as faís­cas vo­a­rem quilô­me­tros, es­pa­lhan­do o fo­go a to­da ve­lo­ci­da­de. Dos mor­tos em Pa­ra­di­se, cin­co fo­ram en­con­tra­dos cal­ci­na­dos em seus car­ros.

a ci­fra to­tal de mor­tos atri­buí­veis aos atu­ais in­cên­di­os na ca­li­fór­nia já che­ga em 31 pes­so­as, sen­do 29 de­las pe­lo camp Fi­re. as au­to­ri­da­des con­fir­ma­ram no do­min­go que dois ca­dá­ve­res fo­ram en­con­tra­dos em um canyon a oes­te de Los an­ge­les, ví­ti­mas do cha­ma­do Wo­ol­sey Fi­re, que con­so­me as mon­ta­nhas de san­ta Mó­ni­ca e obri­gou a de­so­cu­par com­ple­ta­men­te al­guns dos po­vo­a­dos mais ri­cos dos es­ta­dos Uni­dos, co­mo Ma­li­bu e ca­la­ba­sas. os ca­dá­ve­res fo­ram acha­dos cal­ci­na­dos den­tro de um car­ro apa­nha­do pe­las cha­mas em uma pi­to­res­ca es­tra­da da cos­ta.

os ven­tos de­ram uma pau­sa no sá­ba­do, o que per­mi­tiu às equi­pes de emer­gên­cia as­per­gir re­tar­dan­tes em zo­nas cru­ci­ais no pe­rí-

me­tro do in­cên­dio, pre­ven­do que as con­di­ções iri­am pi­o­rar em ques­tão de ho­ras. as­sim foi. o ven­to vol­tou no do­min­go, e na se­gun­da­fei­ra eram es­pe­ra­das ra­ja­das de até 100 quilô­me­tros por ho­ra. até es­ta se­gun­da, o fo­go ti­nha con­su­mi­do 36.000 hec­ta­res de mon­ta­nhas e canyons chei­os de man­sões e ran­chos.

Pe­lo me­nos 370 ca­sas fo­ram des­truí­das. É uma es­ti­ma­ti­va pre­li­mi­nar, por­que os bom­bei­ros ain­da não pu­de­ram che­gar a al­gu­mas zo­nas. o fo­go só es­tá con- tro­la­do em 20%, e os for­tes ven­tos fa­zem que a pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta se­ja con­ter sua ex­pan­são e sal­var vi­das, por is­so ne­nhum dos mo­ra­do­res da área foi au­to­ri­za­do a vol­tar pa­ra su­as ca­sas por en­quan­to. os bom­bei­ros ad­ver­ti­ram no do­min­go que es­tas não são con­di­ções ha­bi­tu­ais pa­ra um in­cên­dio. ele po­de mu­dar a qual­quer mo­men­to. cal­cu­la-se que 5.700 ca­sas es­tão ame­a­ça­das pe­lo Wo­ol­sey Fi­re, en­tre elas as man­sões de mui­tos fa­mo­sos do mun­do do es­pe­tá­cu­lo. Na sex­ta-fei­ra, o fo­go des­truiu um ran­cho que des­de 1927 ser­ve de ce­ná­rio pa­ra fil­mes de fa­ro­es­te e re­cen­te­men­te foi uti­li­za­do pa­ra a sé­rie Westworld. Nos lu­ga­res aon­de as equi­pes de tvs lo­cais con­se­gui­ram che­gar, há man­sões ar­den­do uma atrás da ou­tra, a to­da ve­lo­ci­da­de. os mo­ra­do­res des­sas zo­nas vi­vem há qua­tro di­as a an­gus­ti­o­sa in­cer­te­za so­bre o da­no re­al que o fo­go pro­vo­cou nes­sas mon­ta­nhas.

Des­de o fi­nal de 2017, a ca­li­fór­nia per­ce­beu que os in­cên­di­os se tor­na­ram ca­da vez mai­o­res e mais des­tru­ti­vos, ba­ten­do su­ces­si­vos re­cor­des em pou­cos me­ses. o go­ver­na­dor do es­ta­do, Jer­ry Brown, des­cre­veu em de­zem­bro es­sa si­tu­a­ção co­mo “a no­va nor­ma­li­da­de”. No do­min­go, quis ma­ti­zar e dis­se que era “a no­va anor­ma­li­da­de”, que atri­bui aos ve­rões ca­da vez mais ca­lo­ro­sos e aos ou­to­nos com ven­tos ca­da vez mais for­tes.

Há con­sen­so ci­en­tí­fi­co de que a ca­li­fór­nia es­tá so­fren­do as con­sequên­ci­as da mu­dan­ça cli­má­ti­ca, mas mais em lon­go pra­zo. es­tes in­cên­di­os ocor­rem após cin­co anos de gra­ve se­ca, se­gui­dos por um ano mui­to úmi­do, que dei­xou o cam­po cheio de ma­to pa­ra quei­mar, além de mi­lha­res de ár­vo­res mor­tas. o cam­po da ca­li­fór­nia é uma pi­ra pron­ta pa­ra ar­der a qual­quer mo­men­to, ao que se so­ma a se­cu­ra ex­tre­ma e in­co­mum, mais a ati­vi­da­de hu­ma­na em zo­nas ru­rais, on­de as ur­ba­ni­za­ções se es­ten­dem pe­la na­tu­re­za e in­cre­men­tam o ris­co de ig­ni­ção por aci­den­te.

Ap Pho­to/no­ah Ber­ger

Ru­as em Pa­ra­di­se, na Ca­li­fór­nia, es­ta­va re­ple­ta de pos­tes de ser­vi­ço caí­dos e os cas­co os quei­ma­dos de car­ros aban­do­na­dos quan­do um in­cên­dio vi­o­len­to de­vas­tou a ci­da­de.

Cre­dit­cre­dit­jim Wil­son/the NEW York ti­mes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.