Cu­ba dei­xa Mais Mé­di­cos por dis­cor­dar do go­ver­no

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

O go­ver­no de cu­ba in­for­mou ho­je (14) que dei­xa­rá de fa­zer par­te do pro­gra­ma mais mé­di­cos. a jus­ti­fi­ca­ti­va do mi­nis­té­rio da saú­de cu­ba­no é que as exi­gên­ci­as fei­tas pe­lo go­ver­no elei­to são “ina­cei­tá­veis” e “vi­o­lam” acor­dos an­te­ri­o­res. o pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro dis­se, na sua con­ta do twit­ter, que a per­ma­nên­cia dos cu­ba­nos es­tá con­di­ci­o­na­da à re­a­li­za­ção do re­va­li­da pe­los pro­fis­si­o­nais, que é o exa­me apli­ca­do aos mé­di­cos que se for­mam no ex­te­ri­or e que­rem atu­ar no Bra­sil.

“Con­di­ci­o­na­mos à con­ti­nui­da­de do pro­gra­ma mais mé­di­cos a apli­ca­ção de tes­te de ca­pa­ci­da­de, sa­lá­rio in­te­gral aos pro­fis­si­o­nais cu­ba­nos, ho­je mai­or par­te des­ti­na­dos à ditadura, e a li­ber­da­de pa­ra tra­ze­rem su­as fa­mí­li­as. in­fe­liz­men­te, cu­ba não acei­tou”, dis­se o pre­si­den­te elei­to, na re­de so­ci­al. “além de ex­plo­rar seus ci­da­dãos ao não pa­gar in­te­gral­men­te os sa­lá­ri­os dos pro­fis­si­o­nais, a ditadura cu­ba­na de­mons­tra gran­de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de ao des­con­si­de­rar os im­pac­tos ne­ga­ti­vos na vi­da e na saú­de dos bra­si­lei­ros e na in­te­gri­da­de dos cu­ba­nos”, pu­bli­cou mais tar­de.

Pa­ra as au­to­ri­da­des cu­ba­nas, o go­ver­no elei­to ques­ti­o­na a pre­pa­ra­ção dos mé­di­cos ao exi­gir que eles se sub­me­tam à re­va­li­da­ção do tí­tu­lo pa­ra se­rem con­tra­ta­dos. em do­cu­men­to en­vi­a­do pe­lo mi­nis­té­rio da saú­de de cu­ba, as au­to­ri­da­des cu­ba­nas res­sal­tam que o acor­do do mais mé­di­cos foi ra­ti­fi­ca­do em 2016. No co­mu­ni­ca­do, afir­mam que ques­ti­o­nar a ca­pa­ci­da­de dos pro­fis­si­o­nais do país é in­dig­no. “Não é acei­tá­vel ques­ti­o­nar a dig- ni­da­de, o pro­fis­si­o­na­lis­mo e o al­truís­mo dos co­la­bo­ra­do­res cu­ba­nos.”

No pe­río­do elei­to­ral, Bol­so­na­ro dis­se que pre­ten­dia man­ter o pro­gra­ma, mas sem viés ide­o­ló­gi­co e com­pro­van­do ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca pa­ra o tra­ba­lho a ser de­sem­pe­nha­do. se­gun­do ele, o con­cei­to do pro­gra­ma so­ci­al vai além da ques­tão de saú­de.

HIS­TÓ­RI­CO

O pro­gra­ma foi cri­a­do em 2013, na ges­tão da ex­pre­si­den­te Dil­ma rous­seff, pa­ra le­var mé­di­cos a re­giões dis­tan­tes e pe­ri­fe­ri­as do país. a vin­da dos mé­di­cos cu­ba­nos foi acer­ta­da por meio de con­vê­nio fir­ma­do en­tre os go­ver­nos bra­si­lei­ro e de cu­ba, por meio da or­ga­ni­za­ção Pan-ame­ri­ca­na de saú­de (opas), e que dis­pen­sa­va a va­li­da­ção do di­plo­ma dos pro­fis­si­o­nais. Na oca­sião, o acor­do foi ques­ti­o­na­do por en­ti­da­des mé­di­cas bra­si­lei­ras.

Em abril des­te ano, o mi­nis­té­rio da saú­de con­fir­mou a sus­pen­são do en­vio de 710 pro­fis­si­o­nais cu­ba­nos ao Bra­sil pa­ra tra­ba­lhar no pro­gra­ma mais mé­di­cos. Na oca­sião, o en­tão mi­nis­tro da saú­de, ri­car­do Bar­ros, dis­se que a ini­ci­a­ti­va não pre­ju­di­ca­ria o país. se­gun­do Bar­ros, o go­ver­no cu­ba­no ti­nha a pre­vi­são de re­du­zir de 11,4 mil pa­ra 7,4 mil mé­di­cos de cu­ba no pe­río­do de três anos. De acor­do com ele, as subs­ti­tui­ções se­rão fei­tas por mé­di­cos bra­si­lei­ros que es­tão no ca­das­tro an­te­ri­or. an­te­ri­or­men­te, a pre­vi­são era de o Bra­sil re­ce­ber de 3 mil a 4 mil pro­fis­si­o­nais cu­ba­nos es­te ano.

Atu­al­men­te, con­for­me da­dos do mi­nis­té­rio, o pro­gra­ma tem 18.240 mé­di- cos tra­ba­lhan­do em 4.058 mu­ni­cí­pi­os e 34 dis­tri­tos sa­ni­tá­ri­os es­pe­ci­ais in­dí­ge­nas. À agên­cia Bra­sil, a opas in­for­mou ape­nas que en­ca­mi­nhou o co­mu­ni­ca­do do go­ver­no cu­ba­no ao mi­nis­té­rio da saú­de do Bra­sil.

PAÍ­SES

O mi­nis­té­rio da saú­de de cu­ba in­for­mou que há mé­di­cos cu­ba­nos em atu­a­ção em 67 paí­ses. em 55 anos, o ór­gão des­ta­cou fo­ram 600 mil mis­sões in­ter­na­ci­o­nais, em 64 paí­ses, en­vol­ven­do mais de 400 mil pro­fis­si­o­nais de saú­de cu­ba­nos.

O ór­gão in­for­mou que os pro­fis­si­o­nais da área tra­ba­lha­ram no com­ba­te ao ebo­la na Áfri­ca, à có­le­ra no Hai­ti e em mis­sões de de­sas­tres e epi­de­mi­as no Pa­quis­tão, na in­do­né­sia, no mé­xi­co, equa­dor, Pe­ru, chi­le e na Ve­ne­zu­e­la.

Ka­ri­na Zam­bra­na /as­com/ms 27.09.2013

Mais Mé­di­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.