SUBMARINO AR­GEN­TI­NO DE­SA­PA­RE­CI­DO HÁ UM ANO COM 44 TRI­PU­LAN­TES A BOR­DO É EN­CON­TRA­DO

Submarino im­plo­diu, e Ar­gen­ti­na diz não ter tec­no­lo­gia pa­ra res­ga­te

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

abus­ca che­gou ao fim. Quan­do o des­ti­no dos 44 tri­pu­lan­tes do ara san Ju­an pa­re­cia per­di­do pa­ra sem­pre em al­gum pon­to re­mo­to do atlân­ti­co sul, uma em­pre­sa pri­va­da en­con­trou os res­tos da em­bar­ca­ção a 800 me­tros de pro­fun­di­da­de e 600 quilô­me­tros da costa de co­mo­do­ro ri­va­da­via, na Pa­tagô­nia ar­gen­ti­na. a des­co­ber­ta se deu um ano e um dia de­pois da úl­ti­ma comunicação do submarino ar­gen­ti­no com sua ba­se e ho­ras an­tes de a oce­an in­fi­nity de­cla­rar a mis­são abor­ta­da. o Go­ver­no de Mau­ri­cio Ma­cri de­ve ago­ra de­ci­dir se efe­tua o res­ga­te do cas­co, uma ope­ra­ção com­ple­xa que ain­da não foi se­quer ana­li­sa­da, ou dei­xar que os cor­pos dos ma­ri­nhei­ros des­can­sem pa­ra sem­pre no fun­do do mar. os pa­ren­tes da tripulação con­fron­ta­ram o pre­si­den­te na quin­ta-fei­ra em um ato re­a­li­za­do em Mar del Pla­ta, o des­ti­no fi­nal do submarino, já des­cren­tes de que fos­se possível a lo­ca­li­za­ção.

De acor­do com in­for­ma­ções pre­li­mi­na­res for­ne­ci­das pe­la Ma­ri­nha, o ara san Ju­an es­tá na Zo­na 1, que cor­res­pon­de ao lu­gar on­de há um ano as or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais res­pon­sá­veis pe­lo con­tro­le de tes­tes mi­li­ta­res sub­ma­ri­na não au­to­ri­za­dos de­tec­ta­ram uma “ano­ma­lia hi­dro­a­cús­ti­ca”, ou se­ja, uma ex­plo­são. a Zo­na 1 já ha­via si­do ras­tre­a­da na épo­ca, sem su­ces­so. o submarino es­tá apoi­a­do em um se­tor de for­tes cor­ren­tes sub­ma­ri­nas, co­nhe­ci­do co­mo caña­na­do­nes.

a Ma­ri­nha da ar­gen­ti­na con­fir­mou o êxi­to da mis­são de bus­ca em uma bre­ve men­sa­gem que pos­tou em sua con­ta no twit­ter e de­pois de se co­mu­ni­car com as fa­mí­li­as dos ma­ri­nhei­ros mor­tos. “o Mi­nis­té­rio da De­fe­sa e a Ma­ri­nha da ar­gen­ti­na in­for­mam que nes­ta da­ta, ten­do si­do in­ves­ti­ga­do o Poi 24 (Pon­to Da­do) re­por­ta­do pe­la em­pre­sa oce­an in­fi­nity com­pany, me­di­an­te ob­ser­va­ção fei­ta com um rov (veí­cu­lo de ob­ser­va­ção re­mo­ta) a 800 me­tros de pro­fun­di­da­de, foi efe­tu­a­da iden­ti­fi­ca­ção po­si­ti­va do submarino ara san Ju­an”, in­for­mou. em se­gui­da, o porta-voz da Ma­ri­nha, ro­dol­fo ra­mal­lo, dis­se que “ago­ra se ini­cia ou­tro ca­pí­tu­lo” na his­tó­ria do submarino. “te­mos de con­ti­nu­ar com a aná­li­se e ver o que re­al­men­te acon­te­ceu, é pre­ci­so ter cau­te­la, em res­pei­to às fa­mí­li­as”, dis­se ra­mal­lo ao ca­nal de notícias tn.

a pos­si­bi­li­da­de de en­con­trar o submarino au­men­tou na ma­nhã des­ta sex­ta-fei­ra, quan­do a em­pre­sa de­ci­diu en­vi­ar um veí­cu­lo pa­ra ana­li­sar um pon­to em que os so­na­res ha­vi­am de­tec­ta­do um ob­je­to de 60 me­tros de com­pri­men­to apoi­a­do so­bre o fun­do do mar. a ima­gem foi clas­si­fi­ca­da co­mo ca­te­go­ria c, de “for­te pro­ba­bi­li­da­de”. Por is­so re­tor­nou à área da des­co­ber­ta quan­do o tem­po per­mi­tiu e, de­pois de al- gu­mas ho­ras de bus­ca, as câ­me­ras de um veí­cu­lo não tri­pu­la­do con­fir­ma­ram que, de fa­to, a ima­gem re­gis­tra­da no dia an­te­ri­or cor­res­pon­dia ao ara san Ju­an. “Um 15 nos tirou de nós, e um 15 os trou­xe de vol­ta. te­mos tan­tos sen­ti­men­tos nes­te mo­men­to, pe­di­mos res­pei­to e hon­ra a eles, um pas­so mais per­to de vol­tar pa­ra ca­sa # 44-he­ro­es­pre­sen­tes #ara­san­ju­an”, es­cre­ve­ram os pa­ren­tes da tripulação em sua con­ta ofi­ci­al no twit­ter.

a em­pre­sa ha­via es­ta­be­le­ci­do es­ta sex­ta-fei­ra co­mo o pra­zo má­xi­mo pa­ra a bus­ca. ago­ra, re­ce­be­rá 7,5 mi­lhões de dó­la­res (28 mi­lhões de re­ais), quan­tia que de­pen­dia do su­ces­so da ope­ra­ção, que co­me--

çou no iní­cio de se­tem­bro. Qua­ren­ta tri­pu­lan­tes tra­ba­lha­ram por dois me­ses a bor­do do na­vio se­a­bed cons­truc­tor, de ban­dei­ra no­ru­e­gue­sa, e ras­tre­a­ram 7.000 quilô­me­tros qua­dra­dos de lei­to ma­ri­nho.

oi­to ho­ras an­tes da des­co­ber­ta, a Ma­ri­nha re­la­tou que o na­vio ha­via avan­ça­do “pa­ra o Lo­cal 1, área 15a-4, pa­ra in­ves­ti­gar com rov o pon­to de in­te­res­se nº 24. com a me­lho­ra da me­te­o­ro­lo­gia a che­ga­da se­rá apro­xi­ma­da­men­te às 22 ho­ras”. era qua­se meia-noi­te quan­do con­fir­mou a des­co­ber­ta. Foi uma gran­de fa­ça­nha, cum­pri­da no li­mi­te e quan­do o Go­ver­no ar­gen­ti­no e os pa­ren­tes já da­vam o ara san Ju­an por per­di­do.

Na ho­me­na­gem re­a­li­za­da na quin­ta-fei­ra em Mar del Pla­ta, Ma­cri es­cu­tou a re­cla­ma­ção das fa­mí­li­as dos ma­ri­nhei­ros de­sa­pa­re­ci­dos, que se con­si­de­ra­vam mal­tra­ta­das e es­que­ci­das pe­lo Go­ver­no. o pre­si­den­te te­ve que pro­me­ter que a bus­ca con­ti­nu­a­ria, mas um fra­cas­so da em­pre­sa oce­an in­fi­nity dei­xa­ria a ca­sa ro­sa­da sem mui­tas op­ções. “Quan­to eu la­men­to que na­da que di­ga pos­sa acal­mar a dor!”, dis­se Ma­cri a eles, sem sa­ber ain­da que ho­ras de­pois uma ima­gem de so­nar da­ria pis­tas pre­ci­sas so­bre o cas­co.

Uma bus­ca mun­di­al

Du­ran­te o primeiro mês após o de­sa­pa­re­ci­men­to do ara san Ju­an, dez paí- ses em­pres­ta­ram na­vi­os e aviões pa­ra as ope­ra­ções de bus­ca. em de­ter­mi­na­do mo­men­to, 27 na­vi­os ras­tre­a­ram as pos­sí­veis zo­nas ao mes­mo tem­po, lo­ca­li­za­das na ro­ta que li­ga Ushu­aia, o porto de partida do submarino, com seu des­ti­no em Mar del Pla­ta. Mas nem mes­mo as equi­pes mais mo­der­nas dos es­ta­dos Uni­dos e da rús­sia con­se­gui­ram en­con­trar o cas­co.

o ara san Ju­an se co­mu­ni­cou pe­la úl­ti­ma vez com sua ba­se de ope­ra­ções em Mar del Pla­ta du­ran­te a ma­nhã de 15 de no­vem­bro do ano pas­sa­do. seu ca­pi­tão re­la­tou en­tão que uma en­tra­da de água ha­via pro­vo­ca­do cur­to-cir­cui­to em um dos ban­cos de ba­te- ri­as, o que pro­vo­cou um in­cên­dio. Mas is­so foi tu­do. o submarino es­ta­va em bo­as con­di­ções e in­do pa­ra Mar del Pla­ta, con­for­me es­ta­be­le­ci­do no ro­tei­ro.

Ho­ras de­pois da­que­la comunicação ofi­ci­al, um sis­te­ma de aler­ta de tes­tes mi­li­ta­res de­tec­tou uma ex­plo­são no atlân­ti­co sul e tan­to o Go­ver­no ar­gen­ti­no quan­to as fa­mí­li­as sou­be­ram que se tra­ta­va do ara san Ju­an. as cau­sas do co­lap­so do na­vio ain­da são mo­ti­vo de es­pe­cu­la­ção. Um gru­po de es­pe­ci­a­lis­tas de­ter­mi­nou que o mais pro­vá­vel se­ria uma fa­lha no snor­kel, que per­mi­tiu a en­tra­da de água du­ran­te uma ma­no­bra de re­cu­pe­ra­ção de oxi­gê­nio re­a­li­za­da com mar agi­ta­do. De­pois de uma noi­te de tra­ba­lho pa­ra controlar o fo­go, em meio a uma at­mos­fe­ra ir­res­pi­rá­vel pe­lo ar con­ta­mi­na­do pe­la com­bus­tão, o na­vio sub­mer­giu no­va­men­te e con­ti­nu­ou sua ro­ta.

Mas um se­gun­do in­cên­dio te­ria aca­ba­do em de­sas­tre. a tripulação, exaus­ta, pou­co po­dia fa­zer. se­gun­do os pe­ri­tos, a ex­plo­são de­tec­ta­da foi uma im­plo­são, pro­du­zi­da pe­la pressão de fo­ra pa­ra den­tro do cas­co, que fi­cou re­du­zi­do a uma mas­sa com­pac­ta de ferro. a lo­ca­li­za­ção do ara san Ju­an po­de ago­ra aju­dar a re­cons­truir o que re­al­men­te acon­te­ceu há um ano no fun­do do mar.

Lucas Figueiredo/cbf

O ara san JU­AN, em UMA ima­gem De ar­qui­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.