BLACK fri­day 2018

VE­JA CO­MO SE PRO­TE­GER DE GOL­PES DU­RAN­TE AS COM­PRAS NA WEB

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Com­prar na in­ter­net sem­pre me­re­ce aten­ção, mas du­ran­te a Black Fri­day, quan­do mi­lha­res de con­su­mi­do­res bus­cam as pro­mo­ções, au­men­tan­do o trá­fe­go dos si­tes e lo­jas vir­tu­ais, os cui­da­dos de­vem ser re­do­bra­dos, pois po­dem ocor­rer di­vul­ga­ção de pro­mo­ções fal­sas, in­clu­si­ve atra­vés de re­des so­ci­ais e e-mail, gol­pes e rou­bo de da­dos. a da­ta de pro­mo­ções se­rá nes­ta sex­ta-fei­ra (23).

Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta em in­fra­es­tru­tu­ra de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção da it Li­ne te­ch­no­logy, syl­via Bel­lio, os hac­kers es­tão sem­pre em bus­ca de opor­tu­ni­da­des pa­ra rou­bar da­dos ou en­vi­a­rem ví­rus e, nes­se pe­río­do, apro­vei­tam o mai­or aces­so às lo­jas vir­tu­ais pa­ra ata­car. Por is­so, an­tes de com­prar on­li­ne, a es­pe­ci­a­lis­ta aler­ta pa­ra a im­por­tân­cia de man­ter o equi­pa­men­to sem­pre atu­a­li­za­do, con­for­me re­co­men­da­ção do fa­bri­can­te.

“As atu­a­li­za­ções ser­vem, en­tre ou­tras coi­sas, pa­ra cor­ri­gir fa­lhas no sis­te­ma que po­dem evi­tar pos­sí­veis ata­ques e ví­rus”, ex­pli­ca. se­gun­do ela, além da atu­a­li­za­ção, é pre­ci­so pro­te­ger o com­pu­ta­dor com um an­ti­ví­rus de qua­li­da­de.

Ori­en­ta­ções dos es­pe­ci­a­lis­tas: 1. Cui­da­do com as re­des aber­tas

É pre­ci­so to­mar mui­to cui­da­do ao aces­sar re­des gra­tui­tas de in­ter­net em lo­cais pú­bli­cos, por­que não há ga­ran­tia de que são pro­te­gi­das. o Pro­con aler­ta a ja­mais fa­zer tran­sa­ções on­li­ne em com­pu­ta­do­res des­co­nhe­ci­dos (lan hou­ses, cy­ber ca­fés, má­qui­nas ou re­des pú­bli­cas), pois eles po­dem não es­tar ade­qua­da­men­te pro­te­gi­dos. se en­trar, lem­bre-se de sair do si­te da lo­ja fa­zen­do o log off pa­ra evi­tar que o aces­so e os da­dos se­jam uti­li­za­dos por ter­cei­ros.

Ri­chard Ben­to, superintendente de se­gu­ran­ça cor­po­ra­ti­va do itaú Uni­ban­co, aler­ta que sem­pre ao re­a­li­zar tran­sa­ções on­li­ne, é ne­ces­sá­rio uti­li­zar uma má­qui­na com an­ti­ví­rus, na­ve­ga­dor e sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal atu­a­li­za­dos e fi­rewall ati­va­do, em re­des sem fio co­nhe­ci­das, com se­nha ou co­ne­xão par­ti­cu­lar (3G ou 4G).

2. Ve­ja se o si­te é se­gu­ro

Ao es­co­lher o si­te da pro­mo­ção, é pre­ci­so cer­ti­fi­car-se de que es­tá em uma pá­gi­na se­gu­ra. o sím­bo­lo de um ca­de­a­do na bar­ra de en­de­re­ço, do la­do es­quer­do, é um dos prin­ci­pais in­dí­ci­os de que o si­te é ofi­ci­al. Pa­ra cer­ti­fi­car-se de que o se­lo é ver­da­dei­ro, cli­que so­bre ele e aguar­de ser re­di­re­ci­o­na­do pa­ra a pá­gi­na ori­gi­nal da em­pre­sa que dis­po­ni­bi­li­za o cer­ti­fi­ca­do, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta em e-com­mer­ce Bru­no de oli­vei­ra. Luiz Pa­vão, di­re­tor de es­tra­té­gia e mar­ke­ting da in­fra­com­mer­ce, em­pre­sa em full ser­vi­ce pa­ra e-com­mer­ce, re­co­men­da ve­ri­fi­car se o en­de­re­ço co­me­ça com https://. is­so aju­da a evi­tar que os da­dos do cli­en­te se­jam rou­ba­dos ou que o car­tão de cré­di­to se­ja clo­na­do, por exem­plo. syl­via res­sal­ta a lei que exi­ge que as lo­jas vir­tu­ais dei­xem bem vi­sí­veis in­for­ma­ções da em­pre­sa co­mo en­de­re­ço fí­si­co, nú­me­ro de te­le­fo­ne e o CNPJ.

3. te­nha um an­ti­ví­rus

Se­gun­do Jú­lio Men­des, ter um bom an­ti­ví­rus ins­ta­la­do no com­pu­ta­dor ou dis­po­si­ti­vo mó­vel por on­de as com­pras se­rão fei­tas aju­da a de­tec­tar si­tes que con­te­nham ar­qui­vos ma­li­ci­o­sos, ví­rus, malwa­res ou in­di­ca­ção de ris­cos de ata­ques de hac­kers. “Por is­so, é im­por­tan­te sem­pre man­tê- lo atu­a­li­za­do. Ho­je há no mer­ca­do di­ver­sos pro­gra­mas com ver­sões de tes­tes gra­tui­tas e de as­si­na­tu­ra”, diz.

4. Se­nhas

Ri­chard Ben­to acon­se­lha cri­ar uma se­nha ex­clu­si­va pa­ra ca­da ca­das­tro, evi­tan­do que ne­le es­te­jam da­dos pes­so­ais. “Ja­mais use a mes­ma se­nha de aces­so ao seu ban­co ou e-mail pa­ra ca­das­tro em lo­jas”, diz.

5. Pro­te­ja seu

Car­tão de cré­di­to o car­tão é um dos prin­ci­pais al­vos dos hac­kers, por is­so, é pre­ci­so fi­car aten­to. ao pre­en­cher os da­dos do car­tão, mui­tas lo­jas têm um dis­po­si­ti­vo que sal­va au­to­ma­ti­ca­men­te as in­for­ma­ções de­le, ve­ri­fi­que sem­pre e de­sa­bi­li­te es­sa op­ção. as­sim, vo­cê im­pe­de que su­as in­for­ma­ções pes- so­ais fi­quem ar­ma­ze­na­das e pos­sam ir pa­rar em mãos er­ra­das ca­so o si­te da lo­ja so­fra um ata­que vir­tu­al. “Uma boa al­ter­na­ti­va é con­sul­tar se seu ban­co já pos­sui a tec­no­lo­gia do car­tão vir­tu­al, que ofe­re­ce um có­di­go di­fe­ren­te pa­ra ca­da com­pra on­li­ne”, in­di­ca syl­via.

ri­chard Ben­to ex­pli­ca que o car­tão vir­tu­al é ge­ra­do a par­tir de um apli­ca­ti­vo. o nú­me­ro se­rá vá­li­do pa­ra uma úni­ca tran­sa­ção e por tem­po de­ter­mi­na­do, evi­tan­do que cri­mi­no­sos o uti­li­zem ca­so te­nham aces­so aos da­dos guar­da­dos pe­lo si­te.

6. for­mas de pa­ga­men­to

A for­ma de pa­ga­men­to que o si­te acei­ta tam­bém po­de ser um si­nal de aler­ta pa­ra iden­ti­fi­car si­tes sus­pei­tos. “Lo­jas que acei­tam ape­nas trans­fe­rên­cia ban­cá­ria ou bo­le­to tor­nam-se sus­pei­tas po­ten­ci­ais, pois es­sas mo­da­li­da­des não ofe­re­cem uma pos­si­bi­li­da­de de es­tor­no pos­te­ri­or. ao usar o car­tão de cré­di­to, as ope­ra­do­ras pos­su­em mai­or po­der de ação”, afir­ma o ad­vo­ga­do Pau­lo cruz, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to do con­su­mi­dor.

7. Pro­mo­ções por e-mail

Luiz Pa­vão diz que mui­tas ten­ta­ti­vas de fraude che­gam atra­vés de e-mails fal­sos com links se­me­lhan­tes aos si­tes ver­da­dei­ros

e que imi­tam até mes­mo a in­ter­fa­ce. “É im­por­tan­te se aten­tar ao ca­mi­nho que le­vou até o e-com­mer­ce e, quan­do bus­car o no­me da lo­ja em si­tes de bus­ca”, ex­pli­ca. além dis­so, ao re­ce­ber um e-mail com pro­mo­ções, a pri­mei­ra coi­sa a ve­ri­fi­car é o re­me­ten­te. É im­por­tan­te que no email do re­me­ten­te cons­te, após o “@“, o do­mí­nio da em­pre­sa que es­tá en­vi­an­do a pro­mo­ção.

Jú­lio Men­des, di­re­tor co­mer­ci­al da so­lu­ti, cha­ma aten­ção pa­ra o au­men­to de e-mails spam com ofer­tas e des­con­tos. Por is­so, ele acon­se­lha a aces­sar o si­te di­re­ta­men­te, di­gi­tan­do o en­de­re­ço no na­ve­ga­dor.

8. Men­sa­gens

De ‘phishing’ Le­o­nar­do ca­ris­si­mi, di­re­tor de so­lu­ções de se­gu­ran­ça da Unisys pa­ra amé­ri­ca La­ti­na, aler­ta que as men­sa­gens re­ce­bi­das, co­nhe­ci­das co­mo phishing, an­ti­ga­men­te res­tri­tas aos e-mails, ago­ra são tam­bém co­muns nos dis­po­si­ti­vos mó­veis e são en­vi­a­das por meio de men­sa­gens sms e de What­sapp.

Se­gun­do ele, es­sas men­sa­gens vêm com links pa­ra cli­car e ofe­re­cem pro­mo­ções ten­ta­do­ras. Ve­ri­fi­que-os an­tes de cli­car, pas­san­do o mouse por ci­ma do link, as­sim se­rá pos­sí­vel vi­su­a­li­zar o link re­al e re­vi­sar se pa­re­ce le­gí­ti­mo ou não. No smartpho­ne, men­sa­gens sms e de What­sapp de nú­me­ros des­co­nhe­ci­dos são um im­por­tan­te si­nal de aler­ta, mas tam­bém te­nha aten­ção com men­sa­gens de cor­ren­tes en­vi­a­das por ami­gos ou gru­pos.

9. Pro­mo­ções em re­des so­ci­ais

Se­gun­do ri­chard Ben­to, é pre­ci­so fi­car aten­to ain­da a links di­vul­ga­dos em re­des so­ci­ais ou pe­lo What­sapp – eles po­dem di­re­ci­o­nar pa­ra pá­gi­nas fal­sas, com a in­ten­ção de rou­bar da­dos do con­su­mi­dor.

“Anún­ci­os di­ri­gi­dos que nos per­se­guem em re­des so­ci­ais ou quais­quer ou­tros si­tes que vi­si­ta­mos tam­bém po­dem es­con­der ar­ma­di­lhas. Posts com pro­mo­ções de pro­du­tos de lo­jas des­co­nhe­ci­das, com links fal­sos ou van­ta­gens ab­sur­das de­vem ser ob­je­to de mai­or des­con­fi­an­ça”, aler­ta Le­o­nar­do ca­ris­si­mi.

10. aten­ção em ca­da eta­pa da com­pra

Fran­cis­co can­tão, fun­da­dor do si­te Black Fri­day de Ver­da­de e só­cio-di­re­tor da Proxy Media Mar­ke­ting Di­gi­tal, aler­ta que co­mo o vo­lu­me de in­for­ma­ções e tran­sa­ções du­ran­te as 24 ho­ras da pro­mo­ção é enor­me, mui­tos si­tes não con­se­guem pro­ces­sar to­das as mo­vi­men­ta­ções, per­den­do pe­di­dos pe­lo ca­mi­nho. es­se pro­ces­so fa­ci­li­ta a ação de cri­mi­no­sos que de­se­jam rou­bar da­dos ban­cá­ri­os.

Ele re­co­men­da ter mui­to cui­da­do em ca­da eta­pa da com­pra, fa­zen­do prints de ca­da te­la que na­ve­gar pa­ra pro­var que o pe­di­do foi con­fir­ma­do e pa­go. No chec­kout, ve­ri­fi­que se o bo­le­to ge­ra­do cor­res­pon­de à em­pre­sa e se o pre­en­chi­men­to de car­tão es­tá em um am­bi­en­te se­gu­ro.

11. Lo­jas me­no­res

Se­gun­do o con­sul­tor de pla­ne­ja­men­to e es­tra­té­gia, Mar­cos Freitas, ao com­prar em lo­jas me­no­res, o con­su­mi­dor de­ve dar pre­fe­rên­cia a aque­las que pos­su­em um ti­po de sis­te­ma de pa­ga­men­to co­mo Pagse­gu­ro, Paypal ou Mer­ca­do­pa­go, pois des­sa for­ma exis­te um in­ter­me­diá­rio no pro­ces­so da com­pra que tem co­mo ga­ran­tir tan­to a se­gu­ran­ça dos da­dos do cli­en­te co­mo in­ter­fe­rir a fa­vor do cli­en­te ca­so dê al­gum pro­ble­ma.

12. Lo­jas con­fiá­veis

Se­gun­do syl­via, exis­tem si­tes on­de os con­su­mi­do­res ava­li­am as lo­jas, que são uma boa fon­te pa­ra sa­ber se é con­fiá­vel com­prar pro­du­tos de uma de­ter­mi­na­da em­pre­sa, além de ór­gãos de pro­te­ção ao con­su­mi­dor, co­mo o Pro­con.

13. Si­tes si­mi­la­res

Edu­ar­do Gany­me­des cos­ta, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to do con­su­mi­dor, re­co­men­da pres­tar aten­ção se o en­de­re­ço da lo­ja vir­tu­al es­tá cor­re­to, uma vez que cri­mi­no­sos di­gi­tais cri­am si­tes com en­de­re­ço si­mi­lar ao de lo­jas fa­mo­sas pa­ra en­ga­nar os com­pra­do­res.

14. Lo­jas fal­sas

Tom ca­na­bar­ro, co-fun­da­dor da Kon­du­to, em­pre­sa que ofe­re­ce so­lu­ções an­ti­frau­de pa­ra o e-com­mer­ce, res­sal­ta que o mai­or pe­ri­go pa­ra o con­su­mi­dor es­tá nas lo­jas fal­sas que cos­tu­mam apa­re­cer du­ran­te a Black Fri­day.

“Nos úl­ti­mos anos, vi­mos di­ver­sos ca­sos de fraudes que se­gui­ram um roteiro bas­tan­te co­nhe­ci­do: su­pos­tos e-com­mer­ces que ofe­re­ci­am pro­du­tos bas­tan­te co­bi­ça­dos, co­mo smartpho­nes, a um pre­ço mui­to van­ta­jo­so, me­di­an­te pa­ga­men­to no bo­le­to ou na trans­fe­rên­cia ban­cá­ria. se­ma­nas se pas­sa­vam e o pro­du­to não era en­vi­a­do, o si­te de­sa­pa­re­cia e o con­su­mi­dor fi­ca­va com o pre­juí­zo”, diz. se­gun­do ele, além des­ses in­dí­ci­os, ou­tro fa­tor que po­de aju­dar na iden­ti­fi­ca­ção de lo­jas fal­sas são os er­ros de por­tu­guês e a lin­gua­gem in­con­sis­ten­te.

15. Com­pra pe­lo ce­lu­lar

Nas com­pras usan­do ce­lu­la­res e ta­blets é re­co­men­da­do bai­xar ape­nas apli­ca­ti­vos de lo­jas ofi­ci­ais e des­con­fi­ar dos apli­ca­ti­vos que so­li­ci­tam per­mis­sões sus­pei­tas, co­mo aces­so a con­ta­tos, men­sa­gens de tex­to, re­cur­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos, se­nhas ar­ma­ze­na­das ou in­for­ma­ções do car­tão de cré­di­to.

O co­or­de­na­dor aca­dê­mi­co do MBA em mar­ke­ting di­gi­tal da Fun­da­ção Ge- tu­lio Var­gas (FGV), an­dré Mi­ce­li, aler­ta que os con­su­mi­do­res de­vem sem­pre con­fir­mar o pla­no de fun­do de um apli­ca­ti­vo an­tes de fa­zer o down­lo­ad. “Pes­qui­se o de­sen­vol­ve­dor. al­guns de­sen­vol­ve­do­res mal-in­ten­ci­o­na­dos escrevem o no­me er­ra­do das mar­cas pa­ra lu­di­bri­ar os usuá­ri­os”, ex­pli­ca. De acor­do com Le­o­nar­do ca­ris­si­mi, é re­co­men­da­do ha­bi­li­tar re­cur­sos de lo­ca­li­za­ção pa­ra aju­dar em ca­so de per­da e re­cur­so de apa­gar to­dos os da­dos pa­ra uma si­tu­a­ção de rou­bo do dis­po­si­ti­vo.

16. apli­ca­ti­vos fal­sos

Le­o­nar­do ca­ris­si­mi ad­ver­te pa­ra a mul­ti­pli­ca­ção de apli­ca­ti­vos fal­sos. ele acon­se­lha ve­ri­fi­car:

No­me do app e do de­sen­vol­ve­dor, pois os fal­sá­ri­os usam no­mes pa­re­ci­dos com os dos apps ofi­ci­ais;

Quan­ti­da­de de opi­niões que o apli­ca­ti­vo tem (apli­ca­ti­vos fal­sos te­rão pou­cos “re­vi­ews”)

A da­ta da pu­bli­ca­ção (e não de atu­a­li­za­ção) do app, pois apli­ca­ti­vos fal­sos ten­dem a ter a da­ta de pri­mei­ra pu­bli­ca­ção em um pe­río­do mais re­cen­te; e se há er­ros de di­gi­ta­ção no no­me ou des­cri­ção, em ca­so de dúvida, é in­di­ca­do ir ao web­si­te da lo­ja e bus­car por in­for­ma­ções so­bre o apli­ca­ti­vo mó­vel, in­cluin­do link pa­ra bai­xá-lo nas lo­jas de apli­ca­ti­vos ofi­ci­ais de ca­da sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal.

Ro­ve­na ro­sa/agên­cia Bra­sil

ro­ve­na ro­sa/agên­cia Bra­sil

Con­su­mi­do­res bus­cam as ofer­tas do Black Fri­day

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.