63 mi­lhões de bra­si­lei­ros po­de­ri­am com­prar ar­mas

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Pro­mes­sa de cam­pa­nha do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, a re­vo­ga­ção do es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to de­ve ga­nhar for­ça com a pos­se dos no­vos par­la­men­ta­res, em fe­ve­rei­ro. a me­di­da, uma das mais po­lê­mi­cas em de­ba­te na vi­da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal e na so­ci­e­da­de, co­lo­ca em jo­go as es­tra­té­gi­as de se­gu­ran­ça pú­bli­ca e po­de lan­çar o Bra­sil num ca­mi­nho in­cer­to no en­fren­ta­men­to da vi­o­lên­cia. es­pe­ci­a­lis­tas cri­ti­cam a ini­ci­a­ti­va, apon­tan­do que as es­tra­té­gi­as pa­ra com­ba­ter o cri­me de­vem pas­sar por me­lho­ri­as no sis­te­ma de in­ves­ti­ga­ção, pe­lo au­men­to do efe­ti­vo po­li­ci­al e pe­lo avan­ço nas po­lí­ti­cas so­ci­ais. Nos bas­ti­do­res, de­pu­ta­dos e se­na­do­res des­ta e da pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra se ar­ti­cu­lam pa­ra fa­zer a pro­pos­ta avan­çar.

Um cru­za­men­to de da­dos, re­a­li­za­do pe­lo cor­reio, com ba­se no ca­das­tro na­ci­o­nal de ha­bi­li­ta­dos e em in­for­ma­ções le­van­ta­das pe­lo con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ), mos­tra que se o pro­je­to de lei que tra­ta do as­sun­to for apro­va­do no con­gres­so, pe­lo me­nos 63 mi­lhões de bra­si­lei­ros es­ta­rão ap­tos a com­prar uma ar­ma de fo­go. atu­al­men­te, a mais avan­ça­da pro­pos­ta que pre­ten­de re­vo­gar as leis que en­du­re­cem a ob­ten­ção de por­te de ar­mas é o pro­je­to de lei 3.722/2012, de au­to­ria do de­pu­ta­do ro­gé­rio Pe­ni­nha men­don­ça (mdb-sc). o tex­to es­tá pron­to pa­ra ser vo­ta­do em ple­ná­rio. Há mais 97 pro­pos­tas so­bre o as­sun­to.

Pe­lo pro­je­to, pa­ra con­se­guir pos­se de ar­ma de fo­go é ne- ces­sá­rio ter 21 anos com­ple­tos e re­a­li­zar tes­te de ap­ti­dão psi­co­ló­gi­ca. ou­tro re­qui­si­to é não ser al­vo de acu­sa­ção na Jus­ti­ça ou in­ves­ti­ga­ção por cri­me do­lo­so. es­ses pon­tos po­dem ser al­te­ra­dos du­ran­te a votação no ple­ná­rio. De acor­do com o De­par­ta­men­to Na­ci­o­nal de trân­si­to (De­na­tran), o Bra­sil tem mais de 66 mi­lhões de pes­so­as com mais de 21 anos au­to­ri­za­das a di­ri­gir.

Pa­ra ob­ter a car­tei­ra Na­ci­o­nal de Ha­bi­li­ta­ção, é ne­ces­sá­rio que o mo­to­ris­ta re­a­li­ze tes­te de ap­ti­dão psi­co­ló­gi­ca, se­me­lhan­te ao que se­ria apli­ca­do pa­ra ob­ter a pos­se de ar­ma, ca­so ocor­ra a fle­xi­bi­li­za­ção das re­gras. o mo­to­ris­ta de­ve re­pe­tir o exa­me a ca­da cin­co anos pa­ra re­no­va­ção da au­to­ri­za­ção pa­ra di­ri­gir.

De acor­do com da­dos do “re­la­tó­rio Jus­ti­ça em Nú­me­ros”, em 2016, 3 mi­lhões de no­vos ca­sos cri­mi­nais in­gres­sa­ram na Jus­ti­ça, sen­do que 1,4 mi­lhão de exe­cu­ções pe­nais es­ta­vam pen­den­tes de cum­pri­men­to ao fim do mes­mo ano.

Pe­lo twit­ter, ro­gé­rio Pe­ni­nha men­don­ça dis­se que foi pro­cu­ra­do por Jair Bol­so­na­ro, que pe­diu que a apre­ci­a­ção da pro­pos­ta fos­se adi­a­da até que de­pu­ta­dos e se­na­do­res elei­tos to­mem pos­se. “aca­bo de re­ce­ber li­ga­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. ele con­cor­dou em dei­xar­mos pa­ra o ano que vem a votação do pro­je­to de mi­nha au­to­ria que re­vo­ga o es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to”, es­cre­veu. Na pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra, que as­su­me em fe­ve­rei­ro, o par­ti­do de Bol­so­na­ro, o Psl, se­rá a se­gun- da mai­or ban­ca­da da câ­ma­ra, com 52 de­pu­ta­dos, fi­can­do atrás ape­nas do Pt, que tem 56 ca­dei­ras.

RIS­COS

Di­ver­sos es­tu­dos pro­je­tam um ce­ná­rio pos­sí­vel, ca­so o nú­me­ro de ar­mas em cir­cu­la­ção au­men­te no país. atu­al­men­te, as for­ças de se­gu­ran­ça têm gran­de di­fi­cul­da­de de im­pe­dir a en­tra­da de ar­mas de fo­go pe­los 17 mil quilô­me­tros de fronteira ter­res­tre. o es­pe­ci­a­lis­ta Bru­no lan­ge­a­ni, ge­ren­te do ins­ti­tu­to sou da Paz, des­ta­ca que exis­te uma li­ga­ção cla­ra en­tre o au­men­to do nú­me­ro de ar­mas na so­ci­e­da­de e o cres­ci­men­to da vi­o­lên­cia. “es­sa cor­re­la­ção já foi com­pro­va­da ci­en­ti­fi­ca­men­te. Quan­to mais fa­ci­li­ta­da é a pos­se de ar­mas, mai­or a vi­o­lên­cia le­tal”, fri­sa. “es­tu­do re­a­li­za­do pe­lo ins­ti­tu­to apon­tou que 64% das ar­mas apre­en­di­das em 2011 e 2012 em são Pau­lo ti­nham si­do fa­bri­ca­das an­tes do es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to”, diz.

De acor­do com da­dos do ma­pa da Vi­o­lên­cia, em 1980 fo­ram re­gis­tra­das 6.104 mor­tes in­ten­ci­o­nais por ar­mas de fo­go. Na épo­ca, de acor­do com o ibge, o país ti­nha 120 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, fren­te os 208 mi­lhões atu­ais. em 2003, ano em que o es­ta­tu­to foi apro­va­do, es­se nú­me­ro fe­chou em 36.115. a ta­xa de cres­ci­men­to de as­sas­si­na­tos do ti­po du­ran­te o pe­río­do (1980-2003), foi de 8,1% ao ano. en­tre 2003 e 2014, o ín­di­ce su­biu 2,2%. os úl­ti­mos da­dos, do anuário Bra­si­lei­ro de se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, re­ve­lam que en­tre 2016 e 2017, o nú­me­ro de mor­tes in­ten­ci­o­nais por ar­ma de fo­go cres­ceu 2,9%. De fa­to, o es­ta­tu­to não pro­vo­cou que­da no nú­me­ro de mor­tes vi­o­len­tas, mas de­sa­ce­le­rou o cres­ci­men­to des­te ti­po de cri­me.

“IN­VA­SÃO” ES­TRAN­GEI­RA

a bi­li­o­ná­ria in­dús­tria do se­tor de ar­mas já se pre­pa­ra pa­ra avan­çar so­bre o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. atu­al­men­te, ape­nas pro­fis­si­o­nais de se­gu­ran­ça pú­bli­ca, pro­cu­ra­do­res, juí­zes, vi­gi­lan­tes em ser­vi­ço, guar­das mu­ni­ci­pais e ou­tros gru­pos me­no­res têm aces­so fa­ci­li­ta­do à pos­se e por­te de ar­mas. mas a aber­tu­ra de mer­ca­do, tan­to nas for­ças de se­gu­ran­ça quan­to no meio pri­va­do, atrai a cobiça de gran­des em­pre­sas ar­ma­men­tis­tas.

Uma au­di­ên­cia pú­bli­ca re­a­li­za­da pe­la Po­lí­cia ro­do­viá­ria fe­de­ral (Prf) em 18 de ou­tu­bro do ano pas­sa­do, na se­de da ins­ti­tui­ção, con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de no­ve em­pre­sas. Na ata da reu­nião es­ta­va o no­me de re­pre­sen­tan­tes de em­pre­sas de di­ver­sos paí­ses.

De acor­do com o do­cu­men­to, o en­con­tro te­ve co­mo ob­je­ti­vo ava­li­ar a ca­pa­ci­da­de na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal pa­ra o fornecimento de ar­mas vol­ta­das a ins­ti­tui­ções bra­si­lei­ras. No local, além de em­pre­sas bra­si­lei­ras, co­mo a tau­rus e a es­ta­tal im­bel, com­pa­re­ce­ram re­pre­sen­tan­tes de fa­bri­can­tes, co­mo Glock (Áus­tria), Be­ret­ta (itá­lia), smith & Wes­son (eua), sig sau­er (ale­ma­nha) e cz (tche­ca). atu­al­men­te, a tau­rus man­tém o mo­no­pó­lio da in­dús­tria de ar­mas no país, mas es­se ce­ná­rio po­de mu­dar, à me­di­da que in­ter­lo­cu­to­res de Bol­so­na­ro afir­mam que ele pre­ten­de abrir o mer­ca­do bra­si­lei­ro pa­ra o mun­do.

Re­pro­du­ção / Use­mi­li­tar.com.br

Pro­je­to que pre­vê fle­xi­bi­li­za­ção das re­gras pa­ra pos­se de ar­ma de fo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.