Cri­a­do os pri­mei­ros be­bês ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­dos

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Um ci­en­tis­ta da Uni­ver­si­da­de de shenzhen (sul da chi­na), He Ji­an­kui, e sua equi­pe, afir­mam ter cri­a­do os pri­mei­ros be­bês ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­dos. os be­bês, lu­lu e Nana, du­as me­ni­nas nas­ci­das há “vá­ri­as se­ma­nas”, es­tão em per­fei­to es­ta­do de saúde, diz o ge­ne­ti­cis­ta, He Ji­an­kui, que usou a téc­ni­ca de edi­ção de ge­nes co­nhe­ci­da co­mo crisPr pa­ra mo­di­fi­car um ge­ne e tor­nar as gê­me­as re­sis­ten­tes con­tra o ví­rus que cau­sa a aids. a polêmica afir­ma­ção de He não pô­de ser com­pro­va­da. a pes­qui­sa não foi pu­bli­ca­da em ne­nhu­ma re­vis­ta científica es­pe­ci­a­li­za­da, onde de­ve­ria ter si­do sub­me­ti­da à aná­li­se de ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas.

em um ví­deo pos­ta­do no Youtu­be, um sor­ri­den­te He ex­pli­ca em um laboratório que “du­as en­can­ta­do­ras gê­me­as chi­ne­ses, lu­lu e Nana, nas­ce­ram nas últimas se­ma­nas em ex­ce­len­te es­ta­do de saúde, pa­ra a ale­gria da mãe, Gra­ce, e do pai, mark”. o pai, ex­pli­ca He, é por­ta­dor do ví­rus da imu­no­de­fi­ci­ên­cia hu­ma­na (HIV), cau­sa­dor da aids, e nun­ca pen­sou que po­de­ria pro­cri­ar.

se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, que es­tá em Hong Kong nes­ta se­ma­na pa­ra participar de um even­to so­bre éti­ca da ma­ni­pu­la­ção ge­né­ti­ca, as me­ni­nas foram con­ce­bi­das por in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al. De­pois da fe­cun­da­ção, a equi­pe científica in­je­tou os re­a­gen­tes crispr no em­brião pa­ra ini­bir o ge­ne ccr5. o ob­je­ti­vo era mo­di­fi­car o ge­ne que o ví­rus usa co­mo por­ta pa­ra entrar no sis­te­ma imu­no­ló­gi­co hu­ma­no.

ao lon­go do de­sen­vol­vi­men­to de em­briões, pri­mei­ro em laboratório e de­pois im­plan­ta­dos no úte­ro da mãe, os es­pe­ci­a­lis­tas ve­ri­fi­ca­ram vá­ri­as ve­zes, se­quen­ci­an­do o có­di­go ge­né­ti­co dos fe­tos, que tu­do es­ta­va se de­sen­vol­ven­do co­mo de­ve­ria e as me­ni­nas não apre­sen­ta­vam mais mu­ta­ções além da pre­vis­ta. “Ne­nhum ou­tro ge­ne apre­sen­tou mu­dan­ças”, diz He. a com­pro­va­ção foi re­pe­ti­da de­pois do nascimento, anun­ci­a­do ori­gi­nal­men­te em uma en­tre­vis­ta exclusiva à agên­cia ap e em um ar­ti­go na mit te­ch­no­logy re­vi­ew. De acor­do com a ap, os pais de lu­lu e Nana não são os úni­cos que se sub­me­te­ram aos seus tes­tes. seis ou­tros ca­sais, nos quais o ho­mem é so­ro­po­si­ti­vo, tam­bém acei­ta­ram o pro­gra­ma, o que abre a pos­si­bi­li­da­de de que as du­as me­ni­nas não se­jam as úni­cas ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­das.

o ge­ne­ti­cis­ta, for­ma­do nos es­ta­dos Uni­dos e que re­tor­nou à chi­na gra­ças a um pro­gra­ma pa­ra atrair ta­len­tos edu­ca­dos no ex­te­ri­or, diz es­tar ci­en­te da polêmica que sua ini­ci­a­ti­va vai des­per­tar. mas, diz, não lhe pa­re­ce que is­so apre­sen­te pro­ble­mas éti­cos. tu­do o que fez, afir­ma, foi “abrir uma igual­da­de de opor­tu­ni­da­des pa­ra ter fa­mí­li­as sau­dá­veis”.

e as crí­ti­cas já co­me­ça­ram a cho­ver. o tes­te te­ria si­do im­pos­sí­vel sob a lei nor­te-ame­ri­ca­na e ilegal sob as nor­mas eu­ro­pei­as. mas na chi­na as re­gu­la­ções não são tão ri­go­ro­sas. o país foi o pri­mei­ro a mo­di­fi­car ge­nes de em­briões hu­ma­nos (não viá­veis) e de ma­ca­cos com a crispr.

o pro­fes­sor Ju­li­an sa­vu­les­cu, di­re­tor do cen­tro Uehi­ro de Éti­ca Prá­ti­ca da Uni­ver­si­da­de de ox­ford, dis­se à agên­cia sci­en­ce me­dia cen­tre que “se for ver­da­de, es­ta ex­pe­ri­ên­cia é mons­tru­o­sa”. “os em­briões eram sau­dá­veis, sem do­en­ças co­nhe­ci­das. a edi­ção ge­né­ti­ca em si é ex­pe­ri­men­tal e ain­da es­tá as­so­ci­a­da a mu­ta­ções in­de­se­ja­das, ca­pa­zes de cau­sar pro­ble­mas ge­né­ti­cos em eta­pas ini­ci­ais e pos­te­ri­o­res da vi­da, in­clu­si­ve o de­sen­vol­vi­men­to de cân­cer.” o es­pe­ci­a­lis­ta tam­bém lem­bra que já exis­tem for­mas mui­to mais efi­ca­zes de pre­ve­nir a aids, in­clu­si­ve o se­xo pro­te­gi­do, e mes­mo que a sín­dro­me se­ja con­traí­da, hoje exis­tem tra­ta­men­tos efi­ca­zes. “es­ta ex­pe­ri­ên­cia ex­põe cri­an­ças nor­mais e sau­dá­veis aos ris­cos da edi­ção ge­né­ti­ca em tro­ca de ne­nhum be­ne­fí­cio ne­ces­sá­rio re­al.”

De acor­do com sa­vu­les­cu, a ex­pe­ri­ên­cia “con­tra­diz dé­ca­das de con­sen­so éti­co e di­re­tri­zes so­bre a pro­te­ção dos par­ti­ci­pan­tes hu­ma­nos em tes­tes de pes­qui­sa”. os be­bês re­sul­tan­tes dos tes­tes de He “es­tão sen­do usa­dos co­mo co­bai­as ge­né­ti­cas. is­so é uma roleta russa ge­né­ti­ca”.

Por seu la­do, He lem­bra as crí­ti­cas que cho­ve­ram em tor­no do nascimento de loui­se Brown, a pri­mei­ra cri­an­ça con­ce­bi­da atra­vés da fer­ti­li­za­ção in vi­tro (fiv). sua téc­ni­ca, ar­gu­men­ta, é “ou­tro avan­ço da fiv” que se­rá apli­ca­da apenas a um pe­que­no nú­me­ro de fa­mí­li­as afe­ta­das por uma do­en­ça.

“Não se tra­ta de cri­ar be­bês pro­je­ta­dos, apenas uma cri­an­ça sau­dá­vel”, afir­ma. Não procura “me­lho­rar a in­te­li­gên­cia, mudar a cor dos olhos, a apa­rên­cia ou al­go si­mi­lar. Não se tra­ta dis­so”. seu mé­to­do “po­de ser a úni­ca ma­nei­ra de cu­rar al­gu­ma do­en­ça”.

“en­ten­do que meu trabalho é con­tro­ver­ti­do, mas acho que as fa­mí­li­as pre­ci­sam des­ta tec­no­lo­gia e es­tou dis­pos­to a acei­tar as crí­ti­cas”, diz He, que destaca que é pai de du­as filhas. “Não con­si­go pen­sar em um pre­sen­te mais sau­dá­vel nem mais bo­ni­to pa­ra a so­ci­e­da­de do que dar a um ca­sal a opor­tu­ni­da­de de co­me­çar uma fa­mí­lia cheia de amor.”

“Não usa­mos a edi­ção ge­né­ti­ca pa­ra eli­mi­nar do­en­ças em hu­ma­nos por­que ain­da não sa­be­mos fa­zê-lo bem o suficiente”, ex­pli­cou re­cen­te­men­te em um ar­ti­go pu­bli­ca­do pe­lo el País a pes­qui­sa­do­ra su­sa­na Bal­cells. “Pa­ra fa­zer es­sas mo­di­fi­ca­ções ge­né­ti­cas, ou se­ja, que as pes­so­as pos­sam ir pa­ra a sua con­sul­ta de re­pro­du­ção as­sis­ti­da e pe­dir que lhes fa­çam uma pes­qui­sa ge­né­ti­ca pa­ra ter fi­lhos sem do­en­ças, ain­da não te­mos os co­nhe­ci­men­tos que per­mi­tam que is­so se­ja fei­to de forma su­fi­ci­en­te­men­te efi­caz e se­gu­ra” acres­cen­tou.

in­te­res­ses Co­mer­ci­ais

“De­ve­mos man­ter o ce­ti­cis­mo e as­su­mir que ain­da não sa­be­mos se is­so que nos di­zem acon­te­ceu”, diz, por seu la­do, lluís mon­to­liu, pes­qui­sa­dor do cen­tro Na­ci­o­nal de Bi­o­tec­no­lo­gia, que usa a téc­ni­ca crispr pa­ra cri­ar ca­mun­don­gos com do­en­ças ra­ras se­me­lhan­tes às hu­ma­nas. “Pa­re­ce mais um anún­cio de al­gu­mas das em­pre­sas des­se pes­qui­sa­dor, que tem em­pre­sas e, por­tan­to, tem in­te­res­ses a es­se res­pei­to, do que uma co­mu­ni­ca­ção científica”, aponta, se­gun­do in­for­ma ma­nu­el an­se­de.

Mark schi­e­fel­bein (ap)

Dois pes­qui­sa­do­res do laboratório de Te­nho Ji­an­kui, no laboratório

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.