México ne­go­cia com Trump um ‘Plano Marshall’ pa­ra a migração da amé­ri­ca Cen­tral

Brasil em Folhas - - Mundo -

Di­an­te da ava­lan­che mi­gra­tó­ria que per­cor­re o país, o no­vo Go­ver­no do México ad­mi­te que uma po­lí­ti­ca de con­ten­ção não é viá­vel por en­quan­to. Pa­ra ten­tar en­con­trar uma saída pa­ra o fenô­me­no das ca­ra­va­nas que se di­ri­gem aos es­ta­dos Uni­dos, a ad­mi­nis­tra­ção de an­drés Ma­nu­el Ló­pez obra­dor, que to­ma­rá pos­se no próximo sá­ba­do, 1, ne­go­cia com os es­ta­dos Uni­dos uma es­pé­cie de plano Marshall pa­ra a amé­ri­ca cen­tral. Fon­tes do Mi­nis­té­rio das re­la­ções ex­te­ri­o­res a par das con­ver­sa­ções afir­mam que se tra­ta de al­can­çar uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma e o ob­je­ti­vo é apro­fun­dar o investimento no sul do país, com o apoio dos es­ta­dos Uni­dos, que tam­bém au­men­ta­ri­am as aju­das aos paí­ses do tri­ân­gu­lo Nor­te da amé­ri­ca cen­tral e tor­nar os pro­ce­di­men­tos mi­gra­tó­ri­os mais fle­xí­veis no México. a meta é que o acor­do se­ja fe­cha­do no mais tar­dar em maio, pa­ra que possa dar re­sul­ta­dos tan­gí­veis em 2020.

com um trump ca­da vez mais be­li­ge­ran­te em re­la­ção à migração que che­ga à fron­tei­ra nor­te do México, Ló­pez obra­dor propôs uma mu­dan­ça po­lí­ti­ca di­an­te da ex­plo­são de um fenô­me­no que não tem freio e que, se te­me, po­de se tor­nar um no­vo pro­ble­ma de se­gu­ran­ça in­ter­na. a fu­tu­ra ad­mi­nis­tra­ção ten­ta che­gar a um acor­do com os es­ta­dos Uni­dos, por meio do qual o México re­ce­be­ria em seu território os mi­gran­tes que qui­se­rem so­li­ci­tar asi­lo en­quan­to du­rar o pro­ces­so. as fon­tes con­sul­ta­das por es­te jor­nal afir­mam que ain­da não exis­te um pro­ce­di­men­to es­ta­be­le­ci­do e que se ra­ta de um plano que não afe­ta apenas a fron­tei­ra nor­te do México. as mes­mas fon­tes ar­gu­men­tam que, na prá­ti­ca, é al­go que já es­tá acon­te­cen­do. o go­ver­no de Ló­pez obra­dor estima que atu­al­men­te exis­tam cer­ca de 9.000 mi­gran­tes blo­que­a­dos na fron­tei­ra, um nú­me­ro que re­co­nhe­cem que au­men­ta­rá ao lon­go dos me­ses.

em tro­ca, o México pre­ten- de ob­ter um du­plo com­pro­mis­so do Go­ver­no de Do­nald trump. co­mo es­te jor­nal foi in­for­ma­do por fon­tes do Mi­nis­té­rio das re­la­ções ex­te­ri­o­res e por um dos go­ver­nos da amé­ri­ca cen­tral en­vol­vi­dos, o plano in­clui um acor­do de de­sen­vol­vi­men­to e investimento com os es­ta­dos Uni­dos no sul do México, a re­gião mais es­que­ci­da do país. o ob­je­ti­vo, se­gun­do es­sas fon­tes, é al­can­çar mais de 20 bi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 76 bi­lhões de re­ais) num pe­río­do de seis anos, prin­ci­pal­men­te de in­ves­ti­men­tos pri­va­dos, com o con­sen­ti­men­to ou a pro­mo­ção dos es­ta­dos Uni­dos. as fon­tes con­sul­ta­das acre­di­tam que trump não vê o plano com maus olhos, em­bo­ra es­te­jam cons­ci­en­tes que tam­bém te­rão de li­dar com a ala mais du­ra de sua ad­mi­nis­tra­ção, par­ti­dá­ria da cons­tru­ção do muro na fron­tei­ra, que con­si­de­ra que o pro­ble­ma da imi­gra­ção não uma ques­tão dos es­ta­dos Uni­dos. Nes­te do­min­go, trump co­lo­cou mais le­nha na fo­guei­ra, in­sis­tin­do que o México deve ser “in­te­li­gen­te” e de­ter as ca­ra­va­nas de mi­gran­tes.

além dis­so, o plano prevê que os es­ta­dos Uni­dos au­men­tem as aju­das aos paí­ses do tri­ân­gu­lo nor­te da amé­ri­ca cen­tral. até ago­ra, 600 mi­lhões foram des­ti­na­dos ao plano ali­an­ça pe­la Pros­pe­ri­da­de, que sur­giu com a cri­se das

cri­an­ças mi­gran­tes em 2014, mas na prá­ti­ca foram apor­ta­dos apenas 200. os ou­tros 400 ain­da não che­ga­ram, prin­ci­pal­men­te por cau­sa da forma com­ple­xa com que ope­ra a agên­cia dos es­ta­dos Uni­dos pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to in­ter­na­ci­o­nal (Usaid). De acor­do com o plano que o México apre­sen­tou aos es­ta­dos Uni­dos e do qual es­tão ci­en­tes os Go­ver­nos da amé­ri­ca cen­tral, a aju­da se­ria de 1,5 bi­lhão de dó­la­res. as con­ver­sa­ções, que acon­te­cem desde se­tem­bro e são li­de­ra­das pe­lo futuro mi­nis­tro das re­la­ções ex­te­ri­o­res, Mar­ce­lo ebrard, de­vem dar re­sul­ta­dos en­tre de­zem­bro e maio do próximo ano, ad­mi­tem as fon­tes con­sul­ta­das, pa­ra que os in­ves­ti­men­tos pos­sam co­me­çar a acon­te­cer en­tre 2019 e 2020. Do con­trá­rio, tu­do fra­cas­sa­ria.

o Go­ver­no de Ló­pez obra­dor es­pe­ra ab­sor­ver uma gran­de par­te dos qua­se 200.000 mi­gran­tes que atra­ves­sam o México a ca­da ano ru­mo aos es­ta­dos Uni­dos. o mo­de­lo te­ria du­as ver­ten­tes. a in­ter­na tem a ver com as cha­ma­das “cor­ti­nas de de­sen­vol­vi­men­to” que o no­vo Go­ver­no pre­ten­de le­van­tar de chi­a­pas, no sul do país e uma das áreas mais atra­sa­das, até a ca­pi­tal do país.

as “cor­ti­nas de de­sen­vol­vi­men­to” se­rão foco de uma enor­me con­cen­tra­ção de investimento pú­bli­co em obras pú­bli­cas. até ago­ra, Ló­pez obra­dor en­fa­ti­zou três pla­nos. Um em chi­a­pas, que tem a ver com o re­flo­res­ta­men­to sul do país, com o qual o Go­ver­no pre­ten­de plan­tar um mi­lhão de hec­ta­res de ár­vo­res fru­tí­fe­ras e cu­ja im­plan­ta­ção ge­ra­ria 400.000 em­pre­gos, se­gun­do o no­vo pre­si­den­te. o se­gun­do foco de con­cen­tra­ção é o su­des­te do México, onde se pre­ten­de cons­truir o cha­ma­do trem maia. Uma es­tra­da de fer­ro de 1.500 quilô­me­tros que atra­ves­sa­rá os es­ta­dos de ta­bas­co, chi­a­pas, cam­pe­che, Yu­ca­tán e Quin­ta­na roo. e o ter­cei­ro me­ga­pro­je­to se­rá ou­tro trem, o tran­sist­mi- co, uma li­nha fer­ro­viá­ria que li­ga­rá o Pa­cí­fi­co (oa­xa­ca) ao atlân­ti­co (Ve­ra­cruz).

o plano tam­bém in­clui uma ver­ten­te ex­ter­na, a fle­xi­bi­li­za­ção dos pro­ce­di­men­tos de imi­gra­ção pa­ra fa­ci­li­tar a ob­ten­ção de vis­tos por par­te dos cen­tro-ame­ri­ca­nos. o plano de vis­tos pa­ra tra­ba­lha­do­res es­tran­gei­ros se­rá ins­pi­ra­do no mo­de­lo apli­ca­do aos hai­ti­a­nos no Bra­sil. De acor­do com fon­tes do co­mi­tê de re­la­ções ex­te­ri­o­res do se­na­do, se­ri­am “vis­tos hu­ma­ni­tá­ri­os” de um ano, mas re­no­vá­veis. “ini­ci­al­men­te, os mi­gran­tes se­ri­am agru­pa­dos em abri­gos, mas quan­do co­me­ça­rem a ter um sa­lá­rio fi­xo se­ri­am pro­gres­si­va­men­te le- va­dos pa­ra mo­ra­di­as con­ven­ci­o­nais”, afir­mam as fon­tes.

os mais cé­ti­cos em re­la­ção ao plano o ve­em apenas co­mo uma ver­são me­lho­ra­da do Plano Pu­e­bla Pa­na­má, a zo­na de li­vre co­mér­cio do Pa­na­má aos es­ta­dos Uni­dos que o ex-pre­si­den­te Vi­cen­te Fox (2000-2006) ten­tou abrir, mas que foi aban­do­na­do por mui­tos pro­ble­mas. Pa­ra con­se­guir que os es­ta­dos Uni­dos par­ti­ci­pem do pro­je­to e au­men­tem os re­cur­sos pa­ra es­ta ru­bri­ca, o México tem uma carta na man­ga: con­ter a imi­gra­ção ilegal ou per­mi­tir que o país se tor­ne um cor­re­dor fá­cil pa­ra os mi­gran­tes e o pro­ble­ma se ins­ta­le na fron­tei­ra.

Fa­mí­lia fo­ge das bom­bas de gás la­cri­mo­gê­neo próximo o à fron­tei­ra en­tre os EUA e o México nes­te do­min­go, 25

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.