Ro­ge­ri­nho Cos­ta gra­va DVD em Goi­â­nia

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ves­tin­do uma cal­ça jus­ta com bo­li­nhas bran­cas, uma ca­mi­sa je­ans azul e um ter­ço pen­du­ra­do, pe­ga o vi­o­lão com a se­gu­ran­ça de um adul­to, aper­ta o len­ço ver­de no pes­co­ço, ajei­ta o ca­be­lo e to­ca os pri­mei­ros acor­des. com ape­nas 14 anos, ao pi­sar do pal­co o ga­ro­ti­nho ro­ge­ri­nho cos­ta se agi­gan­ta e le­va os fãs a lou­cu­ra.

De­pois do su­ces­so do seu pri­mei­ro dis­co, ro­ge­ri­nho se pre­pa­ra pa­ra al­çar no­vos vo­os e so­be ao pal­co ho­je, às 20hs pa­ra gra­var seu pri­mei­ro DVD no es­tú­dio LKS Mu­sic (an­ti­go su­maú­ma), se­tor sul. Vá­ri­os ami­gos do uni­ver­so ser­ta­ne­jo e apoi­a­do­res da car­rei­ra do ga­ro­tão fi­ze­ram ques­tão de con­fir­mar par­ti­ci­pa­ção nes­te mo­men­to his­tó­ri­co co­mo a du­pla Um­ber­to & ro­nal­do.

Foi tu­do mui­to rá­pi­do: com oi­to anos, in­flu­en­ci­a­do pe­lo seu avô — que can­ta e to­ca vi­o­la — e in­cen­ti­va­do pe­lo pai ro­gé­rio a bus­car uma ocu­pa­ção fo­ra da es­co­la que no fu­tu­ro tam­bém lhe pu­des­se ser­vir de pro­fis­são, ro­ge­ri­nho pe­diu pa­ra to­car um ins­tru­men­to. “en­trei na au­la de vi­o­la, mas du­ran­te mais de um ano só sa­bia to­car mo­dão [mú­si­ca ser­ta­ne­ja de raiz]. e eu que­ria apren­der Jor­ge e Ma­teus!”, con­ta. Fi­nal­men­te co­me­çou a ter au­la par­ti­cu­lar, a to­car as mú­si­cas que que­ria, a fa­zer pe­que­nas par­ti­ci­pa­ções em bar­zi­nhos, a ter pe­que­nos com­pro­mis­sos... Quan­do per­ce­beu, es­ta­va par­ti­ci­pan­do do pro­je­to iti­ne­ran­te Goiás Gi­ra ar­te (do Go­ver­no do es­ta­do), fa­zen­do par­ti­ci­pa­ções em vá- ri­os shows e fes­ti­vais do in­te­ri­or. Ho­je, sonha em ser co­mo seu ído­lo cris­ti­a­no araú­jo, que in­fe­liz­men­te não es­tá mais en­tre nós. o ga­ro­ti­nho in­clu­si­ve che­gou a re­ce­ber o ape­li- do de mi­ni cris­ti­a­no araú­jo!

ele tam­bém já de­mos­trou que tem ta­len­to pa­ra a te­le­dra­ma­tur­gia e fez uma pe­que­na par­ti­ci­pa­ção na no­ve­la glo­bal das 21hs Ve­lho chi­co em 2016, quan­do in­ter­pre­tou san­to na in­fân­cia, per­so­na­gem de Do­min­gos Mon­tag­ner, que mor­reu afo­ga­do nu­ma vi­a­gem ao nor­des­te pa­ra gra­va­ções do fo­lhe­tim. “a mú­si­ca de­le é um es­tou­ro!”, diz o pai to­do or­gu­lho­so. Quan­do viu que ro­ge­ri­nho gos­ta­va do que es­ta­va fa­zen­do, pas­sou a con­ci­li­ar o tra­ba­lho em sua em­pre­sa com o ge­ren­ci­a­men­to da car­rei­ra do fi­lho. “De­pois des­sas par­ti­ci­pa­ções, re­sol­vi mon­tar uma ban­da pa­ra ele, com dois vi­o­lo­nis­tas, um bai­xis­ta, um ba­te­ris­ta e um te­cla­dis­ta e ho­je te­mos cer­te­za que va­leu a pe­na”, des­cre­ve.

ro­ge­ri­nho cur­sa o pri­mei­ro ano do en­si­no mé­dio e ao mes­mo tem­po que faz shows e par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais em Goi­â­nia gra­va seu pri­mei­ro DVD. ad­mi­te que é di­fí­cil con­ci­li­ar as du­as ati­vi­da­des, mas as­se­gu­ra que os pro­fes­so­res são bas­tan­te com­pre­en­si­vos. “Quan­do te­nho show à noi­te, pos­so fal­tar à au­la de ma­nhã e re­por à tar­de, ou fa­zer a pro­va em ou­tro dia”, con­ta. “Por en­quan­to não atra­pa­lha os es­tu­dos de­le, é o se­gun­do me­lhor alu­no da sé­rie”, con­ta o pai, mais uma vez to­do or­gu­lho­so. aos pou­cos o ga­ro­ti­nho vai co­me­çan­do a se acos­tu­mar com o su­ces­so e o ca­ri­nho dos fãs. “Já te­ve gen­te me aper­tan­do, be­lis­can­do mi­nha bo­che­cha até do­er”, brin­ca ro­ge­ri­nho. Pe­lo que se de­se­nha em seu fu­tu­ro, com cer­te­za o ca­ri­nho vai au­men­tar ca­da vez mais.

As­ses­so­ria De im­pren­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.