Cai­a­do: “Cri­a­rei uma se­cre­ta­ria do En­tor­no ”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

em en­tre­vis­ta ao cor­reio, cai­a­do adi­an­ta que o nú­me­ro de se­cre­ta­ri­as de­ve fi­car en­tre 18 e 19, e ga­ran­te que uma de­las se­rá pa­ra tra­tar de as­sun­tos do en­tor­no, em par­ce­ria com o go­ver­na­dor elei­to do DF, iba­neis ro­cha (MDB). tam­bém não ne­ga apoio ao pre­si­den­te elei­to, Jair Bolsonaro. “No que de­pen­der do meu go­ver­no, ele te­rá um bom man­da­to”, pon­de­ra. con­fi­ra a se­guir os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

após 20 anos de goiás sob o con­tro­le do Psdb, o se­nhor co­lo­cou fim à era Mar­co­ni Pe­ril­lo. O que is­so sig­ni­fi­ca?

a pa­la­vra mais fre­quen­te na cam­pa­nha foi o ape­lo pe­la mu­dan­ça. É im­pres­si­o­nan­te o qua­dro de es­ta­fa do goi­a­no. sei da mi­nha res­pon­sa­bi­li­da­de. Não se re­sol­ve os pro­ble­mas de um es­ta­do do ta­ma­nho de Goiás de uma ho­ra pa­ra ou­tra, mas vou me de­di­car com to­da ex­pe­ri­ên­cia e re­la­ci­o­na­men­tos que te­nho e bus­car par­ce­ri­as, se­ja na ini­ci­a­ti­va pri­va­da, no sis­te­ma s, se­ja nas ins­ti­tui­ções sem fins lu­cra­ti­vos e com go­ver­na­do­res pa­ra aca­bar com es­sa vi­vên­cia in­qui­e­ta que as pes­so­as têm ti­do gra­ças à omis­são dos go­ver­nos.

Co­mo tem si­do a tran­si­ção en­tre o se­nhor e Pe­ril­lo?

es­tá in­do de for­ma mui­to len­ta. a com­ple­xi­da­de de Goiás é que nun­ca hou­ve uma tran­si­ção. o go­ver­no atu­al fi­cou 20 anos no po­der e fi­cou pas­san­do pa­ra seus ali­a­dos. É um pro­ces­so iné­di­to. es­tou ten­tan­do fa­zer di­ag­nós­ti­cos, apro­fun­dar in­for­ma­ções e, ao mes­mo tem­po, pla­ne­jar ações e de­fi­nir me­tas. Uma pre­o­cu­pa­ção é que pre­ci­sa­mos en­con­trar uma for­ma rá­pi­da pa­ra qui­tar a fo­lha de pa­ga­men­to de de­zem­bro. Não po­de­mos dei­xar de pri­o­ri­zar o pa­ga­men­to dos sa­lá­ri­os.

Co­mo se­rá a sua re­la­ção com o pre­si­den­te elei­to Jair Bolsonaro?

a me­lhor pos­sí­vel. Já es­ti­ve com ele vá­ri­as ve­zes, ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de con­ver­sar so­bre se­gu­ran­ça pú­bli­ca, so­bre pre­sí­di­os, so­bre os pro­ble­mas fis­cais, so­bre edu­ca­ção, on­de foi co­lo­ca­da uma pes­soa ex­tre­ma­men­te qua­li­fi­ca­da. es­ti­ve com o pre­si­den­te no dia da in­di­ca­ção do (fu­tu­ro mi­nis­tro da saú­de) Luiz Hen­ri­que Man­det­ta. te­nho um bom re­la­ci­o­na­men­to com ele e vou tra­ba­lhar o má­xi­mo pos­sí­vel apoi­an­do o go­ver­no de­le pa­ra que te­nha ex­ce­len­tes re­sul­ta­dos.

O par­ti­do do se­nhor, o dem, ga­nhou três mi­nis­té­ri­os na no­va ges­tão. Po­de ser um fa­ci­li­ta­dor pa­ra o es­ta­do de goiás?

De ma­nei­ra al­gu­ma. as pes­so­as são fi­li­a­das ao DEM, mas são in­di­ca­das sem ne­nhu­ma in­fluên­cia par­ti­dá­ria. as in­di­ca­ções têm si­do fei­tas por uma es­co­lha pes­so­al do pre­si­den­te ou por elas con­gre­ga­rem idei­as com os se­to­res que vão ad­mi­nis­trar. Não há in­di­ca­ção par­ti­dá­ria.

ain­da não foi di­vul­ga­do o se­cre­ta­ri­a­do de sua ges­tão. Há di­fi­cul­da­des em en­con­trar no­mes?

ca­da go­ver­nan­te tem seu es­ti­lo. Pre­fi­ro fa­zer uma aná­li­se mais de­ta­lha­da, bus­car as in­for­ma­ções das pes­so­as, ava­li­ar o per­fil. is­so não é sim­ples. Qu­an­to mais se apro­fun­da na bus­ca, mais acer­ta­dos são a es­co­lha e os re­sul­ta­dos. Qu­e­ro ter um se­cre­ta­ri­a­do bem ar­ti­cu­la­do, com bons ges­to­res e me­tas, on­de fa­re­mos ava­li­a­ção de dois em dois me­ses pa­ra sa­ber o que es­tá fun­ci­o­nan­do e o que não es­tá.

Qu­an­tas se­cre­ta­ri­as o se­nhor pre­ten­de man­ter?

en­tre 18 e 19. es­tou ter­mi­nan­do es­se or­ga­no­gra­ma e re­cri­an­do as que são im­por­tan­tes.

es­se nú­me­ro é mai­or que as 13 exis­ten­tes ho­je…

o que acon­te­ceu foi a fu­são de se­cre­ta­ri­as, cri­an­do su­per­pas­tas que en­tra­ram em co­lap­so. as pes­so­as não cui­da­vam mais de su­as áre­as, não ti­nham co­nhe­ci­men­to das que fo­ram agre­ga­das, nin­guém se en­ten­dia. ti­ve­mos áre­as im­por­tan­tes den­tro de uma fu­são, acre­di­tan­do que is­so po­de­ria tra­zer re­sul­ta­dos de eco­no­mia, o que não acon­te­ceu. a ver­da­de é que di­mi­nuiu a efi­ci­ên­cia das se­cre­ta­ri­as. te­mos o ab­sur­do de ha­ver cin­co se­cre­ta­ri­as ex­tra­or­di­ná­ri­as pa­ra con­tro­lar ar­ti­cu­la­ções po­lí­ti­cas. is­so é er­ra­do. se­cre­ta­ria é pa­ra ter me­tas, não pa­ra vin­cu­lar pro­ble­mas po­lí­ti­cos.

seus in­di­ca­dos te­rão per­fis mais téc­ni­cos ou po­lí­ti­cos?

Pre­ten­do ter pes­so­as tec­ni­ca­men­te qua­li­fi­ca­das pa­ra que elas pos­sam dis­cu­tir com um mi­nis­tro da eco­no­mia, um se­cre­tá­rio do te­sou­ro, com boa ar­ti­cu­la­ção. to­da ação de go­ver­no é po­lí­ti­ca, mas as se­cre­ta­ri­as de­vem atu­ar pa­ra che­gar em for­ma de ações pa­ra a po­pu­la­ção. es­sas pes­so­as de­vem en­ten­der do te­ma que es­tão tra­tan­do.

al­gum no­me já es­co­lhi­do?

ain­da não foi ba­ti­do o mar­te­lo fi­nal.

Co­mo sua ex­pe­ri­ên­cia no Con­gres­so vai pau­tar o go­ver­no de goiás?

ela me trou­xe um co­nhe­ci­men­to am­plo dos po­de­res. É pre­ci­so ter diá­lo­go pa­ra que se pos­sa cons­truir al­go. Vou usar da cre­di­bi­li­da­de dos meus pa­res na câ­ma­ra e no se­na­do, nos par­ti­dos de opo­si­ção, uti­li­zar o que eu cons­truí pa­ra tra­zer be­ne­fí­ci­os ao po­vo de Goiás. sa­be­rei man­ter o diá­lo­go com a as­sem­bleia Le­gis­la­ti­va. Nin­guém go­ver­na so­zi­nho.

goiás te­rá de­fi­cit or­ça­men­tá­rio es­ti­ma­do em r$ 7,4 bi­lhões em 2019. Co­mo equi­li­brar as con­tas pú­bli­cas?

eu de­fen­do a di­mi­nui­ção per­cen­tu­al de in­cen­ti­vos fis­cais pa­ra em­pre­sas. Fa­re­mos is­so den­tro de um es­tu­do, ava­li­a­da ca­da ca­deia pro­du­ti­va, sem ti­rar a ca­pa­ci­da­de com­pe­ti­ti­va do es­ta­do, mas ten­tan­do tra­zer uma ar­re­ca­da­ção a mais de icms.

is­so não es­pan­ta­ria o em­pre­sa­ri­a­do do es­ta­do?

com o pas­sar dos anos, o es­ta­do en­trou em co­lap­so por com­ple­to. es­tou ana­li­san­do ca­da ca­deia pro­du­ti­va pa­ra de­fi­nir as no­vas alí­quo­tas. Goiás con­ti­nu­a­rá com as me­lho­res con­di­ções de atra­ção de em­pre­sas no país. Na­da ti­ra is­so do es­ta­do. es­ta­mos ape­nas ca­li­bran­do.

O se­nhor pen­sa em au­men­to de im­pos­tos?

De ma­nei­ra al­gu­ma. o ci­da­dão não aguen­ta mais ou­vir fa­lar em im­pos­tos.

O en­tor­no vi­ve dé­ca­das de aban­do­no por di­ver­sos go­ver­nos. Co­mo fi­ca­rá a si­tu­a­ção da re­gião no seu go­ver­no?

Vou as­su­mir es­sa lu­ta. cri­a­rei uma se­cre­ta­ria do en­tor­no, com uma po­lí­ti­ca di­re­ci­o­na­da pa­ra a re­gião. en­fren­ta­re­mos a vi­o­lên­cia, o bai­xo ín­di­ce de es­co­la­ri­da­de e a fal­ta de saú­de. Vou bus­car uma par­ce­ria com o go­ver­na­dor elei­to do DF, iba­neis ro­cha, co­mo já te­mos con­ver­sa­do. Qu­e­re­mos atin­gir o mai­or nú­me­ro de re­sul­ta­dos sem cri­ar ne­nhu­ma que­da de bra­ço, mas sim um mo­vi­men­to de for­ta­le­ci­men­to das nos­sas ações pa­ra tra­zer re­sul­ta­dos rá­pi­dos. Vou de­pen­der de Bra­sí­lia. ele já se com­pro­me­teu a atu­ar no en­tor­no.

Qu­ais as atri­bui­ções da se­cre­ta­ria?

to­das as áre­as mais sen­sí­veis se­rão tra­ta­das de ma­nei­ra mais ob­je­ti­va. a atu­a­ção se­rá nas ci­da­des com al­to ín­di­ce de vi­o­lên­cia, com con­su­mo de dro­gas, com eva­são es­co­lar, fal­ta de em­pre­go. tam­bém o trans­por­te, que es­tá em co­lap­so, e as con­di­ções de saú­de.

es­sa par­ce­ria com o df se­rá tam­bém fi­nan­cei­ra?

sim. se­rá uma lu­ta con- jun­ta mi­nha com o iba­neis. com o nos­so pe­so po­lí­ti­co e ten­do sin­to­nia nas ações, os re­sul­ta­dos se­rão mais efi­ci­en­tes.

es­tá man­ti­da a cons­tru­ção de três pre­sí­di­os de se­gu­ran­ça má­xi­ma em goiás?

É um com­pro­mis­so meu. Já avan­cei mui­to nas con­ver­sas com a pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da re­pú­bli­ca, ra­quel Dod­ge, e com o pre­si­den­te elei­to, Jair Bolsonaro. Le­vei o as­sun­to ao fu­tu­ro mi­nis­tro da se­gu­ran­ça, sér­gio Mo­ro, e ao ge­ne­ral au­gus­to He­le­no (que as­su­mi­rá o Ga­bi­ne­te de se­gu­ran­ça ins­ti­tu­ci­o­nal). a mi­nha pre­o­cu­pa­ção é não dei­xar que os nos­sos jo­vens, prin­ci­pal­men­te nas re­giões mais ca­ren­tes, se­jam co­op­ta­dos por fac­ções cri­mi­no­sas. te­mos que de­vol­ver à so­ci­e­da­de a li­ber­da­de. e, aos cri­mi­no­sos, a cer­te­za de que eles te­rão a mão for­te do go­ver­no e a pre­sen­ça do es­ta­do em ca­da re­gião.

es­sas obras cus­ta­ri­am qu­an­to?

No mo­men­to, não te­nho co­mo de­fi­nir os cus­tos, mas ações pa­ra a im­plan­ta­ção já es­tão sen­do tra­ta­das. es­tou tra­ba­lhan­do pa­ra que pe­lo me­nos uma se­ja cons­truí­da ra­pi­da­men­te.

a saú­de do es­ta­do es­tá bas­tan­te com­pro­me­ti­da. O que é pos­sí­vel fa­zer?

a saú­de do goi­a­no es­tá em co­lap­so to­tal, com­ple­to. a po­pu­la­ção es­tá de­sas­sis­ti­da. Ho­je, não se tem in­su­mos bá­si­cos. É im­pres­si­o­nan­te. os go­ver­nos não fi­ze­ram a re­gi­o­na­li­za­ção da saú­de e im­plan­ta­ram a “am­bu­lân­cia-te­ra­pia”, que é le­var os pa­ci­en­tes pe­lo es­ta­do. as pes­so­as do nor­te do es­ta­do, no oes­te Goi­a­no, no Va­le do ara­guaia, por exem­plo, têm que se des­lo­car até Goi­â­nia, Bra­sí­lia, pa­ra con­se­guir aten­di­men­to. sa­be­mos que exis­tem si­tu­a­ções que não per­mi­tem is­so. Mi­nha ideia é ins­ta­lar po­li­clí­ni­cas, num pri­mei­ro mo­men­to, de­pois hos­pi­tais re­gi­o­nais.

se­gun­do o Tri­bu­nal de Con­tas do es­ta­do, a pre­vi­dên­cia goi­a­na tem rom­bo de mais de r$ 2 bi­lhões. Co­mo re­sol­ver es­se pro­ble­ma?

te­mos que en­con­trar al­ter­na­ti­vas. is­so é uma re­ti­ra­da di­re­ta de re­cur­sos. acre­di­to que não há co­mo, as­sim co­mo na União, per­ma­ne­cer sus­ten­tá­vel sem uma re­for­ma. a pre­vi­dên­cia es­ta­du­al es­tá no li­mi­te de ar­re­ca­da­ção, não tem co­mo fi­car co­mo es­tá. Pre­ci­sa­mos al­te­rar as re­gras pa­ra mu­dar a si­tu­a­ção.

em ar­ti­go pu­bli­ca­do na fo­lha de s. Pau­lo em 2017, o se­nhor cha­mou de “mi­lí­cia” o MST.

co­mo go­ver­na­dor, qual se­rá sua re­la­ção com o gru­po?

se­rá den­tro do que a le­gis­la­ção de­ter­mi­na. as re­gras de­ve­rão ser cum­pri­das por to­dos os ci­da­dãos, in­de­pen­den­te­men­te de su­as li­ga­ções com mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos, par­ti­dos, sin­di­ca­tos.

Em en­tre­vis­ta ao Cor­reio, o go­ver­na­dor elei­to de Goiás, se­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do (DEM), fa­la em im­ple­men­tar uma se­cre­ta­ria pa­ra tra­tar da re­gião

Jo­sé cruz/agên­cia Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.