JOÃO de deus É acu­sa­do de abu­so se­xu­al POR Mais de 12 Mu­lhe­res

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Omi­nis­té­rio Pú­bli­co de Goiás ins­ti­tuiu uma for­ça-ta­re­fa na­ci­o­nal pa­ra apu­rar as de­nún­ci­as de cri­mes se­xu­ais con­tra o mé­dium João teixeira de fa­ria, 76, co­nhe­ci­do co­mo João de Deus. Qua­tro pro­mo­to­res do es­ta­do es­tão à fren­te da in­ves­ti­ga­ção so­bre as su­pos­tas ocor­rên­ci­as, re­ve­la­das pe­lo Pro­gra­ma do Bi­al, da tv Glo­bo, na sex­ta-fei­ra. Pa­ra co­le­tar de­poi­men­tos que pos­sam sur­gir de fo­ra de Goiás, es­ta­do on­de o mé­dium vi­ve e tra­ba­lha, o mp anun­ci­ou uma co­or­de­na­ção na­ci­o­nal en­tre os pro­mo­to­res de ou­tros es­ta­dos. “sa­be­mos que há ví­ti­mas no país in­tei­ro e fo­ra do país”, afir­mou lu­ci­a­no mi­ran­da mei­re­les, co­or­de­na­dor do cen­tro de apoio ope­ra­ci­o­nal cri­mi­nal (cao) do mp-go, du­ran­te en­tre­vis­ta co­le­ti­va na ma­nhã des­ta se­gun­da-fei­ra. “Não se­rá ne­ces­sá­rio que elas ve­nham até aqui. elas po­dem pres­tar de­poi­men­to no mi­nis­té­rio Pú­bli­co lo­cal”.

as de­nún­ci­as tor­na­ram­se pú­bli­cas na ma­dru­ga­da do sá­ba­do pa­ra o do­min­go, qu­an­do ao me­nos 13 mu­lhe­res re­la­ta­ram ao Pro­gra­ma do Bi­al te­rem si­do ví­ti­mas de cri­mes se­xu­ais pro­mo­vi­dos por João de Deus. o mé­dium se tor­nou fa­mo­so in­ter­na­ci­o­nal­men­te por tratar ce­le­bri­da­des e po­lí­ti­cos, co­mo o ex-pre­si­den­te lu­la, e já foi en­tre­vis­ta­do por oprah Win­frey. Nes­ta se­gun­da, a pro­mo­to­ria pon­tu­ou que ain­da não é pos­sí­vel pre­ci­sar o nú­me­ro de ví­ti­mas, já que ne­nhum de­poi­men­to foi pres­ta­do e os re­la­tos fo­ram fei­tos so­men­te à im­pren­sa, o que di­fi­cul­ta a in­ves­ti­ga­ção. “Pa­ra que o acu­sa­do se­ja ou­vi­do, se­rá pre­ci­so ter al­go de ma­te­ri­al, de con­cre­to”, afir­mou mei­re­les. “até o mo­men­to, nós te­mos uma re­por­ta­gem de um pro­gra­ma de te­le­vi­são”. ele afir­mou que há dois de­poi­men­tos agen­da­dos pa­ra a ter­ça-fei­ra, um em são Pau­lo e ou­tro em minas Ge­rais. “es­pe­ra­mos que is­so sir­va pa­ra que as ví­ti­mas pro­cu­rem o mi­nis­té­rio Pú­bli­co, pa­ra que elas sai­bam que elas são as ví­ti­mas. elas não são as cul­pa­das”.

De acor­do com os re­la­tos fei­tos pe­las mu­lhe­res ao pro­gra­ma, os ca­sos ocor­re­ram en­tre 2010 e fe­ve­rei­ro de 2018. “sa­be­mos que mui­tas ve­zes as ví­ti­mas que so­frem es­se ti­po de vi­o­lên­cia de­mo­ram um tem­po até de­nun­ci­ar”, afir­mou a pro­cu­ra­do­ra Pa­trí­cia oto­ni, co­or­de­na­do­ra do cao de Direitos Humanos do mp de Goiás, que tam­bém faz par­te da for­ça-ta­re­fa. ela clas­si­fi­cou as acu­sa­ções co­mo “gra­vís­si­mas”. Pa­ra fa­ci­li­tar o pro­ces­so de co­le­ta das even­tu­ais de­nún­ci­as, foi cri­a­do um e-mail pa­ra re­ce­ber os re­la­tos: de­nun­ci­[email protected]­go.mp.br. a pro­mo­to­ria afir­mou ga­ran­tir o si­gi­lo dos de­poi­men­tos, não ex­por a ví­ti­ma e, se ne­ces­sá­rio, pro­vi­den­ci­ar se­gu­ran­ça pa­ra elas. “sa­be­mos da in­fluên­cia que a pes­soa que es­tá sen­do de­nun­ci­a­da pos­sui na lo­ca­li­da­de. tal­vez a ví­ti­ma que mo­re aqui te­nha me­nos co­ra­gem de de­nun­ci­ar”, re­co­nhe­ceu a pro­mo­to­ra.

ab­sol­vi­do em 2012

os qua­tro pro­mo­to­res à fren­te do ca­so tam­bém con­ta­rão com o apoio de du­as psi­có­lo­gas pa­ra dar su­por­te às even­tu­ais ví­ti­mas. mei­re­les ex­pli­cou que os de­poi­men­tos po­dem ser su­fi­ci­en­tes pa­ra uma even­tu­al con­de­na­ção, já que se tra­ta de um cri­me que mui­tas ve­zes não en­con­tra provas ma­te­ri­ais. “É cla­ro que não va­mos en­con­trar ves­tí­gi­os do cri­me, nem le­são cor­po­ral, ou al­gum ti­po de fe­ri­men­to na mulher. Prin­ci­pal­men­te se já pas­sou al­gum tem­po”, diz. “en­tão, o de­poi­men­to da ví­ti­ma em al­gu­mas si­tu­a­ções po­de sim ser o úni­co meio a le­var a uma con­de­na­ção. e não há por que du­vi­dar de uma mulher que ve­nha até o mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que corre o ris­co de se ex­por, a tro­co de na­da”.

a pro­mo­to­ria ex­pli­ca que, a par­tir dos de­poi­men­tos, se­rá pos­sí­vel de­fi­nir os ru­mos do pro­ces­so e as even­tu­ais me- di­das cau­te­la­res a se­rem to­ma­das, co­mo in­ti­mar o acu­sa­do a de­por ou até mes­mo in­ter­di­tar o tem­plo do mé­dium, man­ti­do em aba­di­â­nia (Go). “se for ve­ri­fi­ca­do que aque­le am­bi­en­te era um am­bi­en­te vol­ta­do pa­ra a prá­ti­ca do cri­me, a in­ter­di­ção do es­ta­be­le­ci­men­to vai ser uma di­nâ­mi­ca ne­ces­sá­ria”, afir­mou mei­re­les.

ao por­tal G1, o ad­vo­ga­do al­ber­to to­ron, que de­fen­de o mé­dium, afir­mou que seu cli­en­te ne­ga as acu­sa­ções “en­fa­ti­ca­men­te”, e que ele es­tá à dis­po­si­ção da Justiça pa­ra pres­tar es­cla­re­ci­men­tos. to­ron tam­bém dis­se que o “pa­drão” de aten­di­men­to de João de Deus é em gru­po e não in­di­vi­du­al­men­te, ao con­trá­rio do que as su­pos­tas ví­ti­mas apon­ta­ram nos re­la­tos. o ad­vo­ga­do afir­mou, por fim, que nes­ta se­gun­da-fei­ra ele e seu cli­en­te iri­am até as au­to­ri­da­des ju­di­ciá­ri­as de aba­di­â­nia pa­ra se co­lo­car à dis­po­si­ção dos in­ves­ti­ga­do­res. até o fe­cha­men­to des­ta re­por­ta­gem, o mé­dium ain­da não ha­via se apre­sen­ta­do à Justiça.

ca­so um inqué­ri­to se­ja aber­to, es­se não se­rá o pri­mei­ro en­vol­ven­do de­nún­ci­as por abu­sos se­xu­ais con­tra João de Deus. em 2012, o mé­dium che­gou a ser de­nun­ci­a­do por as­sé­dio se­xu­al, mas foi ab­sol­vi­do na sequên­cia, por fal­ta de provas. ago­ra, se vi­rar réu, ele po­de res­pon­der por es­tu­pro, vi­o­la­ção se­xu­al me­di­an­te frau­de e es­tu­pro de vul­ne­rá­vel.

No­ti­ci­a­sa­o­mi­nu­to.com.br

Reprodução tv/glo­bo

Mé­dium foi acu­sa­do por 13 mu­lhe­res em pro­gra­ma da TV Glo­bo nes­te sá­ba­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.