‘PO­DER PO­PU­LAR NÃO Pre­ci­sa Mais De in­ter­me­di­a­ção’

DIZ BOL­SO­NA­RO ao ser DI­PLO­MA­DO

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

De­pois de con­du­zir uma das cam­pa­nhas mais po­la­ri­za­do­ras da his­tó­ria re­cen­te do Bra­sil, o pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro fez nes­ta se­gun­da­fei­ra um cha­ma­do à uni­da­de na­ci­o­nal, afir­man­do que se­rá o pre­si­den­te de to­dos e que go­ver­na­rá pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros. “Agra­de­ço mui­to es­pe­ci­al­men­te aos mais de 57 milhões de bra­si­lei­ros que me hon­ra­ram com o seu vo­to. Aos que não me apoi­a­ram, pe­ço a con­fi­an­ça pa­ra cons­truir­mos jun­tos um fu­tu­ro me­lhor pa­ra o nos­so país. A par­tir de 1º ja­nei­ro, se­rei o pre­si­den­te de to­dos os 210 milhões de bra­si­lei­ros e go­ver­na­rei em be­ne­fí­cio de to­dos, sem dis­tin­ção de ori­gem so­ci­al, ra­ça, se­xo, cor, ida­de ou re­li­gião”, de­cla­rou Bol­so­na­ro, du­ran­te a ce­rimô­nia em que re­ce­beu o di­plo­ma de pre­si­den­te elei­to no Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), um dos pas­sos bu­ro­crá­ti­cos pa­ra que ele to­me pos­se no pró­xi­mo no iní­cio de ja­nei­ro.

O pre­si­den­te elei­to fez ques­tão de enal­te­cer o pa­pel das redes so­ci­ais em sua cam­pa­nha. “O po­der po­pu­lar não pre­ci­sa mais de in­ter­me­di­a­ção. As no­vas tec­no­lo­gi­as per­mi­ti­ram uma elei­ção di­re­ta en­tre o elei­tor e seus re­pre­sen­tan­tes. Es­se no­vo am­bi­en­te, a cren­ça na li­ber­da­de, é a me­lhor ga­ran­tia dos ide­ais que ba­li­zam a nos­sa Cons­ti­tui­ção”, se­guiu. Na con­tun­den­te vi­tó­ria elei­to­ral ob­ti­da por Bol­so­na­ro e seu PSL nas ur­nas, as redes so­ci­ais ti­ve­ram fa­tor de­ci­si­vo - e tam­bém con­tro­ver­so. O TSE tem in­ves­ti­ga­ção aber­ta so­bre o su­pos­to fi­nan­ci­a­men­to ir­re­gu­lar pa­ra o en­vio em mas­sa de men­sa­gens a elei­tor via Whatsapp pe­la cam­pa­nha de Bol­so­na­ro. Na ce­rimô­nia des­ta se­gun­da, Bol­so­na­ro cons­truiu o dis­cur­so no sen­ti­do de dis­ten­si­o­nar a re­la­ção com a Jus­ti­ça Elei­to­ral –du­ran­te a cam­pa­nha o ca­pi­tão re­for­ma­do do Exér­ci­to ques­ti­o­nou du­ra­men­te, até mes­mo na TV, o sis­te­ma ele­trô­ni­co de vo­ta­ção, su­per­vi­si­o­na­do pe­lo TSE. “A ca­da um de vo­cês, in­te­gran­tes do TSE, dos Tri­bu­nais Re­gi­o­nais Elei­to­rais, das For­ças Ar­ma­das, me­sá­ri­os, vo­lun­tá­ri­os e tan­tos ou­tros ci­da­dãos que tra­ba­lha­ram [nas elei­ções], ex­pres­so meu mui­to obri­ga­do e meu re­co­nhe­ci­men­to por es­sa de­mons­tra­ção de ci­vis­mo e amor ao Bra­sil”, dis­se Bol­so­na­ro, que pro­me­teu tra­ba­lhar dia e noi­te “com hu­mil­da­de, co­ra­gem e per­se­ve­ran­ça, e ten­do fé em Deus pa­ra ilu­mi­nar as mi­nhas de­ci­sões”. Usou o tom mais mo­de­ra­do que tem si­do co­mum nas ce­rimô­ni­as ofi­ci­ais e que di­fe­re da re­tó­ri­ca agres­si­va e po­la­ri­za­do­ra mar­cou a sua atu­a­ção tan­to no Con­gres­so Na­ci­o­nal quanto na cam­pa­nha pre­si­den­ci­al (mes­mo elei­to, Bol­so­na­ro vol­ta ao re­gis­tro mais be­li­ge­ran­te vez por ou­tra em en­tre­vis­tas ou quan­do ain­da fa­la di­re­ta­men­te com os usuá­ri­os pe­las redes). En­quan­to o ul­tra­di­rei­tis­ta Bol­so­na­ro de­ci­diu en­vi­ar uma men­sa­gem de mo­de­ra­ção, a pre­si­den­ta da Cor­te, mi­nis­tra Rosa We­ber, tam­bém pa­re­ceu ter re­ca­dos. “A de­mo­cra­cia é tam­bém exer­cí­cio cons­tan­te de diá­lo­go e de to­le­rân­cia”, dis­se We­ber, que fez em seu dis­cur­so uma lon­ga de­fe­sa das li­ber­da­des in­di­vi­du­ais e dos direitos humanos. Lem­bran­do que o mun­do es­tá co­me­mo­ran­do o 70º ani­ver­sá­rio da Declaração Universal dos Direitos Humanos e da Declaração Ame­ri­ca­na dos Direitos e De­ve­res do Ho­mem, We­ber afir­mou que “ca­da in­di­ví­duo é de­ten­tor de igual dig­ni­da­de e se­nhor de direitos e li­ber­da­des ina­li­e­ná­veis, en­tre os quais o di­rei­to à vi­da, o di­rei­to à li­ber­da­de, o di­rei­to à se­gu­ran­ça em sua pro­je­ção glo­bal, e o di­rei­to a ter direitos”. “Va­le in­sis­tir [...] na as­ser­ção de que o prin­cí­pio de­mo­crá­ti­co, ex­pres­são vi­tal de nos­sa cren­ça ina­ba­lá­vel na au­to­ri­da­de da Cons­ti­tui­ção da República, re­si­de não só na ob­ser­vân­cia in­con­di­ci­o­nal da su­pre­ma­cia da or­dem ju­rí­di­ca, mas tam­bém no res­pei­to às mi­no­ri­as, em es­pe­ci­al àque­las es­tig­ma­ti­za­das pe­la si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de a que se acham in­jus­ta­men­te ex­pos­tas”, pon­tu­ou a mi­nis­tra.

O pre­si­den­te elei­to, cu­jo pas­sa­do de lo­as à di­ta­du­ra mi­li­tar tam­bém le­van­tou dú­vi­das so­bre o seu com­pro­me­ti­men­to com o res­pei­to à de­mo­crá­ti­co, dis­se ain­da que o re­gi­me pau­ta­do pe­lo su­frá­gio universal é um “pro­ces­so ir­re­ver­sí­vel e [que] o com­pro­mis­so com o vo­to po­pu­lar é in­que­bran­tá­vel”. “Sem­pre no marco da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, nos­so de­ver é trans­for­mar es­ses an­sei­os em re­a­li­da­de. Nos­sa obri­ga­ção é ofe­re­cer um Es­ta­do efi­ci­en­te que fa­ça va­ler a pe­na os im­pos­tos dos con­tri­buin­tes”, con­cluiu o pre­si­den­te elei­to.

VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRA­SIL

VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRA­SIL

Jair Bol­so­na­ro e a pre­si­den­ta do TSE, Rosa We­ber, du­ran­te ce­rimô­nia de di­plo­ma­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.