Ce­a­rá é tes­te pa­ra co­o­pe­ra­ção en­tre Bol­so­na­ro e PT

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Nos úl­ti­mos três di­as, o ce­a­rá vi­ve um cli­ma de ter­ror, com mais de 40 ata­ques su­pos­ta­men­te pra­ti­ca­dos por fac­ções cri­mi­no­sas que do­mi­nam o cri­me no es­ta­do e em boa par­te do país. Vá­ri­os ôni­bus, além de pré­di­os pú­bli­cos e pri­va­dos, fo­ram in­cen­di­a­dos. Um vi­a­du­to che­gou a ser di­na­mi­ta­do e ou­tro te­ve ex­plo­si­vos de­sa­ti­va­dos pe­las au­to­ri­da­des. até o iní­cio da tar­de des­ta sex­ta­fei­ra, ha­vi­am si­do re­gis­tra­dos ata­ques em pe­lo me­nos 13 mu­ni­cí­pi­os ce­a­ren­ses e 45 sus­pei­tos ha­vi­am si­do de­ti­dos, a mai­o­ria de­les em For­ta­le­za. es­ta é a pri­mei­ra gran­de cri­se de se­gu­ran­ça pú­bli­ca a eclo­dir no Go­ver­no Bol­so­na­ro, que não tem o de­ver cons­ti­tu­ci­o­nal de atu­ar nes­ta área, mas a usou co­mo uma de su­as prin­ci­pais ban­dei­ras de cam­pa­nha. a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção no ce­a­rá le­vou o go­ver­na­dor ca­mi­lo san­ta­na (Pt) a so­li­ci­tar apoio fe­de­ral pa­ra con­tor­nar a si­tu­a­ção. a cri­se im­põe, já na pri­mei­ra se­ma­na des­te man­da­to, o de­sa­fio de uma atu­a­ção con­jun­ta en­tre os dois go­ver­nan­tes opo­si­to­res.

ca­mi­lo san­ta­na es­tá em cons­tan­te diá­lo­go com o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e da se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, sér­gio Mo­ro, e com o ge­ne­ral Fer­nan­do aze­ve­do, da De­fe­sa. o pe­tis­ta so­li­ci­tou 1.500 mi­li­ta­res do exér­ci­to, 500 da For­ça Na­ci­o­nal, além de 80 agen­tes pe­ni­ten­ciá­ri­os à União pa­ra li­dar com a cri­se. até o mo­men­to, Mo­ro au­to­ri­zou o en­vio de 300 ho­mens da For­ça Na­ci­o­nal ao es­ta­do e mais 30 vi­a­tu­ras, além de dis­po­ni­bi­li­zar o apa­ra­to da Po­lí­cia Fe­de­ral, da Po­lí­cia ro­do­viá­ria Fe­de­ral e do sis­te­ma Pe­ni­ten­ciá­rio Na­ci­o­nal. tam­bém su­ge­riu ao go­ver­na­dor am­pli­ar o ga­bi­ne­te de si­tu­a­ção, que ge­ren­cia a cri­se, com a par­ti­ci­pa­ção di­re­ta de ór­gãos fe­de­rais. ca­mi­lo san­ta­na aca­tou a su­ges­tão.

“o mo­men­to é de união de to­das as for­ças pa­ra a ga­ran­tia da or­dem e pro­te­ção de to­dos os ir­mãos e ir­mãs ce­a­ren­ses”, afir­mou o go­ver­na­dor no Fa­ce­bo­ok. o gru­po con­ta com di­ver­sos ór­gãos mu­ni­ci­pais, es­ta­du­ais e fe­de­rais e coin­ci­de em “não bai­xar a guar­da” pa­ra as fac­ções. o pre­si­den­te Bol­so­na­ro tam­bém co­men­tou a ação con­jun­ta pa­ra con­tro­lar a cri­se no ce­a­rá: “Mo­ro foi mui­to há­bil, mui­to rá­pi­do e efi­caz pa­ra aten­der in­clu­si­ve o es­ta­do cu­jo go­ver­na­dor re­e­lei­to tem uma po­si­ção ra­di­cal a nós”. Pre­o­cu­pa­do em ga­ran­tir a in­ter­lo­cu­ção com o no­vo pre­si­den­te, o go­ver­na­dor pe­tis­ta cri­ou nos úl­ti­mos um car­go de as­ses­sor es­pe­ci­al de as­sun­tos fe­de­ra­ti­vos, com sta­tus de se­cre­tá­rio, pa­ra fa­ci­li­tar o diá­lo­go com o Go­ver­no fe­de­ral so­bre te­mas de in­te­res­se do es­ta­do, mas ain­da não de­fi­niu quem ocu­pa­rá o pos­to. Há for­tes si­na­li- za­ções de que os ata­ques no ce­a­rá são uma resposta do cri­me or­ga­ni­za­do à ini­ci­a­ti­va do Go­ver­no em en­du­re­cer as re­gras de se­gu­ran­ça nos pre­sí­di­os. os pri­mei­ros in­cên­di­os a veí­cu­los fo­ram pra­ti­ca­dos na noi­te da úl­ti­ma quar­ta­fei­ra, um dia após o ti­tu­lar da re­cém-cri­a­da se­cre­ta­ria da ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ciá­ria, Luís Mau­ro al­bu­quer­que, di­zer que não re­co­nhe­cia fac­ções no es­ta­do e que não se­pa­ra­ria mais os pre­sos de acor­do com a li­ga­ção de­les com es­sas or­ga­ni­za­ções nos pre­sí­di­os. Um re­la­tó­rio da se­cre­ta­ria da Jus­ti­ça do ce­a­rá (se­jus) pu­bli­ca­do pe­lo jor­nal Diá­rio do Nor­des­te em ou­tu­bro pas­sa­do apon­ta que as três fac­ções mais for­tes no es­ta­do pre­do­mi­nam em mais da me­ta­de dos pre­sí­di­os e ca­dei­as ce­a­ren­ses. o co­man­do Ver­me­lho pre­do­mi­na em 26 des­ses equi­pa­men­tos, a Gu­ar­diões Do es­ta­do em 23, e o Pri­mei­ro co­man­do da ca­pi­tal em 20. ape­nas 61 ca­dei­as não têm uma pre­do­mi­nân­cia.

Uma car­ta dei­xa­da pró­xi­mo a um vi­a­du­to on­de os cri­mi­no­sos de­to­na­ram di­na­mi­tes nes­ta se­ma­na, as­si­na­da ge­ne­ri­ca­men­te pe­lo “cri­me or­ga­ni­za­do”, diz que os ata­ques dos úl­ti­mos di­as são uma “amos­tra” do que po­de acon­te­cer ca­so as au-

to­ri­da­des de­ci­dam “opri­mir os ir­mãos que es­tão pri­va­dos de li­ber­da­de”. Há sus­pei­ta de um pac­to en­tre as três prin­ci­pais fac­ções que atu­am no es­ta­do pa­ra ata­car a ges­tão por con­ta das me­di­das anun­ci­a­das. es­tas nves­ti­das pa­ra mos­trar as for­ças das fac­ções têm si­do co­muns nos úl­ti­mos anos no ce­a­rá. re­e­lei­to com qua­se 80% dos vo­tos, ca­mi­lo san­ta­na sa­bia que se­gui­ria o no­vo man­da­to com o mes­mo de­sa­fio do pri­mei­ro: a se­gu­ran­ça pú­bli­ca e o com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do. Nos úl­ti­mos anos, os in­ter­nos vi­nham sen­do dis­tri­buí­dos con­for­me fac­ções. No no­vo man­da­to, o go­ver­na­dor re­sol­veu ir na di- re­ção opos­ta. a on­da de vi­o­lên­cia nos úl­ti­mos di­as tem afe­ta­do a po­pu­la­ção ce­a­ren­se. os su­ces­si­vos ata­ques a ôni­bus le­va­ram a Pre­fei­tu­ra de For­ta­le­za a re­du­zir a cir­cu­la­ção da fro­ta em um ter­ço e al­guns gran­des co­mér­ci­os de­ci­di­ram fe­char por se­gu­ran­ça nes­ta sex­ta-fei­ra. o se­cre­tá­rio de se­gu­ran­ça pú­bli­ca do ce­a­rá, an­dré cos­ta, diz que a ges­tão es­ta­du­al vem cum­prin­do seu pa­pel cons­ti­tu­ci­o­nal de de­sen­vol­ver ações pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça da po­pu­la­ção e pro­me­te uma resposta “enér­gi­ca” e “du­ra” aos ata­ques, ba­se­a­da no uso das for­ças de se­gu­ran­ça. “Não importa o que for fei­to nas ru­as, nós não va­mos re­cu­ar. Não va­mos dei­xar de avan­çar den­tro do sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio nem nas ru­as”, de­cla­ra. se­gun­do an­dré cos­ta, a cri­se an­te­ci­pou a pos­se de 373 no­vos po­li­ci­ais mi­li­ta­res e de 220 no­vos agen­tes pe­ni­ten­ciá­ri­os. Mas es­ses es­for­ços ain­da não são su­fi­ci­en­tes, ele diz, daí a im­por­tân­cia do apoio do Go­ver­no fe­de­ral. cos­ta diz que po­li­ci­ais es­ta­du­ais es­tão fa­zen­do ho­ra ex­tra e que equi­pes com de­le­ga­dos e es­cri­vães es­tão sen­do en­vi­a­das aos pre­sí­di­os pa­ra au­tu­a­ção por cri­mes pra­ti­ca­dos lá den­tro. “Mais de 250 in­ter­nos es­tão sen­do au­tu­a­dos. as au­tu­a­ções im­pac­ta­rão ne­ga­ti­va­men­te na pro­gres­são de re­gi­me dos in­di­ci­a­dos. to­da ação den­tro do sis­te­ma se­rá de­vi­da­men­te for­ma­li­za­da pe­la Po­lí­cia ci­vil, pa­ra que es­ses in­ter­nos res­pon­dam por no­vos cri­mes pra­ti­ca­dos”, afir­mou em en­tre­vis­ta co­le­ti­va.

em re­la­ção ao apoio da União aos es­ta­dos, o se­cre­tá­rio Na­ci­o­nal de se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, ge­ne­ral Gui­lher­me the­ophi­lo, de­fen­de pa­dro­ni­zar os pro­ce­di­men­tos pa­ra que se use “o mí­ni­mo pos­sí­vel a For­ça Na­ci­o­nal de se­gu­ran­ça pú­bli­ca”. Nos úl­ti­mos di­as, o Go­ver­no do Pa­rá tam­bém so­li­ci­tou tro­pas fe­de­rais de­pois que cin­co pes­so­as fo­ram as­sas­si­na­das em Be­lém em um in­ter­va­lo de 18 mi­nu­tos, no dia 1º de ja­nei­ro. “Ho­je nós es­ta­mos em 23 es­ta­dos, não es­ta­mos só em qua­tro. a For­ça Na­ci­o­nal é um amor­te­ce­dor en­tre os ór­gãos de se­gu­ran­ça pú­bli- ca e o em­pre­go das For­ças ar­ma­das, pa­ra que a gen­te não em­pre­gue es­tas for­ças de ma­nei­ra pre­ma­tu­ra”, de­fen­de the­ophi­lo.

a fal­ta de uma Po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de se­gu­ran­ça

o de­pu­ta­do re­na­to ro­se­no (Psol-ce), que pre­si­de o co­mi­tê da vi­o­lên­cia na as­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, diz que es­se ti­po de ação do uso das for­ças de se­gu­ran­ças re­sol­ve cri­ses pon­tu­ais, mas não o pro­ble­ma es­tru­tu­ral do sis­te­ma car­ce­rá­rio, que tem am­pli­a­do a ca­pa­ci­da­de de or­ga­ni­za­ção des­ses gru­pos cri­mi­no­sos e ge­ra­do es­tes epi­só­di­os anu­ais no ce­a­rá e em ou­tros es­ta­dos do Nor­des­te. ele ex­pli­ca que, nos úl­ti­mos anos, o Nor­des­te se tor­nou um ter­re­no fér­til pa­ra a am­pli­a­ção de mer­ca­dos ilí­ci­tos des­ses gru­pos, an­tes con­cen­tra­dos no rio de Ja­nei­ro e em são Pau­lo. en­tre as mui­tas ou­tras va­riá­veis, apon­ta, es­tão a de­si­gual­da­de so­ci­al, o au­men­to bé­li­co des­ses gru­pos e po­si­ção ge­o­grá­fi­ca es­tra­té­gi­ca de aces­so à eu­ro­pa. ro­se­no tam­bém res­sal­ta que os pre­sí­di­os, ca­da vez mais lo­ta­dos pe­lo au­men­to do en­car­ce­ra­men­to, se tor­na­ram am­bi­en­tes de for­te re­cru­ta­men­to, o que tem tor­na­do es­ses gru­pos ain­da mais for­tes.

“o Bra­sil tem er­ra­do nos úl­ti­mos 30 anos, sem uma po­lí­ti­ca na­ci­o­nal uni­fi­ca­da. Quem mi­li­ta na área sa­be que o te­ma da se­gu­ran­ça pú­bli­ca sem­pre te­ve res­pos­tas mui­to su­per­fi­ci­ais e ime­di­a­tis­tas”, afir­ma. Pa­ra ele, a so­lu­ção pas­sa por al­go se­me­lhan­te ao que acon­te­ceu na colôm­bia: po­lí­ti­cas que atu­em nos ei­xos de pre­ven­ção, in­te­li­gên­cia e com­ba­te à cor­rup­ção. Mas os in­di­ca­ti­vos tan­to do Go­ver­no do ce­a­rá quan­to do Go­ver­no Fe­de­ral, res­sal­ta, apon­tam pa­ra um ou­tro ca­mi­nho, que em ge­ral cos­tu­ma ter o apoio da so­ci­e­da­de: o au­men­to do en­car­ce­ra­men­to. se­gun­do re­la­tó­rio da se­jus, as ca­dei­as pú­bli­cas e pe­ni­ten­ciá­ri­as ce­a­ren­ses têm ape­nas 13.830 va­gas, mas são ocu­pa­das por qua­se 30 mil pes­so­as.

ao to­mar pos­se co­mo Mi­nis­tro da Jus­ti­ça e da se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Mo­ro de­cla­rou que for­ta­le­ce­rá ações de com­ba­te às 70 fac­ções cri­mi­no­sas que atu­am ho­je no país. se­guiu em uma li­nha dis­tin­ta das de go­ver­nos es­ta­du­ais, que mui­tas ve­zes se ne­gam até a ci­tar a exis­tên­cia de­las. o mi­nis­tro afir­mou que quer in­cre­men­tar a qua­li­da­de das pe­ni­ten­ciá­ri­as fe­de­rais pa­ra di­fi­cul­tar as co­mu­ni­ca­ções de de­ten­tos com o mun­do ex­ter­no. em is­so ocor­ren­do, é pro­vá­vel que ha­ja uma resposta de fac­ções cri­mi­no­sas, co­mo es­tá acon­te­cen­do no ce­a­rá e cos­tu­ma ocor­rer em boa par­te do país quan­do su­as li­de­ran­ças se­guem pa­ra re­gi­mes de iso­la­men­to, in­for­ma afon­so Be­ni­tes, de Bra­sí­lia. se a pro­pos­ta for con­fir­ma­da, es­se se­rá um dos tes­tes de fo­go da no­va ges­tão. “Pre­ci­sa­mos com in­ves­ti­men­tos e in­te­li­gên­cia re­cu­pe­rar o con­tro­le do es­ta­do so­bre as pri­sões bra­si­lei­ras”, de­cla­rou o ex­ma­gis­tra­do.

For­ça Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça faz po­li­ci­a­men­to os­ten­si­vo em For­ta­le­za

Fo­to Jo­sé cruz/agên­cia Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.