Mar­co­ni “ser­vi­do­res per­ten­cem ao Es­ta­do”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Oex-go­ver­na­dor de Goiás, Mar­co­ni Pe­ril­lo, di­vul­gou nes­ta quar­ta-fei­ra (9/1) uma no­ta na qual fa­la so­bre o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co. “Sem­pre en­ten­de­mos que os ser­vi­do­res per­ten­cem ao Es­ta­do e não a go­ver­nos”, diz.

Na no­ta, que co­men­ta in­di­re­ta­men­te a si­tu­a­ção de atra­so da fo­lha de pa­ga­men­to, Mar­co­ni diz que já re­ce­beu, por du­as ve­zes, a ad­mi­nis­tra­ção de an­te­ces­so­res com fo­lhas e 13º sa­lá­rio atra­sa­dos. “Nas du­as oca­siões fo­mos à lu­ta e ao tra­ba­lho pa­ra re­gu­la­ri­zar os pa­ga­men­tos, por­que sem­pre en­ten­de­mos que os ser­vi­do­res per­ten­cem ao Es­ta­do e não a go­ver­nos”.

Con­fi­ra a ín­te­gra da no­ta:

O com­pro­mis­so de nos­sos go­ver­nos com o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co es­ta­du­al é par­te in­con­tes­tá­vel e in­se­pa­rá­vel do le­ga­do que en­tre­ga­mos a Goiás em qua­tro man­da­tos. Em 174 me­ses co­mo go­ver­na­dor, pa­guei 178 fo­lhas e 46 fo­lhas de 13º sa­lá­rio, sem­pre ri­go­ro­sa­men­te em dia, an­te­ci­pa­da­men­te du­ran­te qua­se to­do o tem­po em que fui go­ver­na­dor.

Re­ce­bi por du­as ve­zes a ad­mi­nis­tra­ção de an­te­ces­so­res com fo­lhas e 13º sa­lá­rio atra­sa­dos. Nas du­as oca­siões fo­mos à lu­ta e ao tra­ba­lho pa­ra re­gu­la­ri­zar os pa­ga­men­tos, por­que sem­pre en­ten­de­mos que os ser­vi­do­res per­ten­cem ao Es­ta­do e não a go­ver­nos.

O pa­ga­men­to em dia dos sa­lá­ri­os se deu jun­to a con­quis­tas im­por­tan­tís­si­mas, de­fen­di­das pe­los ser­vi­do­res, co­mo a ins­ti­tui­ção do pa­ga­men­to do 13.º sa­lá­rio no mês do aniversário dos ser­vi­do­res. Con­quis­tas re­co­nhe­ci­das e apro­va­das fun­ci­o­na­lis­mo e pe­lo con­jun­to dos goi­a­nos.

Na área fis­cal, tam­bém re­ce­bi a ad­mi­nis­tra­ção de an­te­ces­so­res com gran­des de­sa­fi­os a se­rem su­pe­ra­dos. Em 1999, o Go­ver­no de Goiás apre­sen­ta­va a pi­or re­la­ção dí­vi­da/receita do país. Eram ne­ces­sá­ri­os 3,6 or­ça­men­tos anu­ais pa­ra se pa­gar a dí­vi­da do Es­ta­do jun­to ao Te­sou­ro Na­ci­o­nal. En­tre­guei o go­ver­no em 7 de abril de 2018 com com­pro­me­ti­men­to de 0,93, ou se­ja, me­nos de uma receita anu­al. Es­ta é, com cer­te­za, uma das me­lho­res tra­je­tó­ri­as de re­du­ção de dí­vi­da con­so­li­da­da do País.

O Pro­gra­ma de Ajus­te Fis­cal de 2017 foi ri­go­ro­sa­men­te cum­pri­do, co­mo po­de se ve­ri­fi­car jun­to ao Te­sou­ro Na­ci­o­nal — to­das as me­tas do ajus­te anu­al fo­ram cum­pri­das. Is­so ga­ran­tiu a Goiás se­gun­do me­lhor de­sem­pe­nho fis­cal do País no ano pas­sa­do, per­den­do ape­nas pa­ra São Pau­lo. Tam­bém em 2017, o su­pe­rá­vit fis­cal do Go­ver­no de Goiás foi su­pe­ri­or a R$ 600 mi­lhões.

Du­ran­te meus man­da­tos, to­das obri­ga­ções fis­cais e fi­nan­cei­ras fo­ram cum­pri­das. O PIB sal­tou de R$ 17 bi­lhões pa­ra pre­vi­são su­pe­ri­or a R$ 200 bi­lhões pa­ra es­te ano.

Na Edu­ca­ção, Goiás con­quis­tou o 1º lu­gar na Pro­va Bra­sil e o 1º lu­gar no IDEB. A Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Goiás (UEG), cri­a­da em nos­sos go­ver­nos, for­mou 100 mil bra­si­lei­ros e a Bol­sa Uni­ver­si­tá­ria ga­ran­tiu o aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or pa­ra 200 mil goi­a­nos. Se­gun­do es­tu­do do Ins­ti­tu­to Ins­per, os in­ves­ti­men­tos em saú­de, edu­ca­ção e na área so­ci­al fo­ram fun­da­men­tais pa­ra que o Es­ta­do ex­pe­ri­men­tas­se, en­tre 2001 e 2010, a mai­or re­du­ção pro­por­cio- nal do país da de­si­gual­da­de en­tre os mais ri­cos e os mais po­bres.

Fi­ze­mos go­ver­nos aces­sí­veis e trans­pa­ren­tes, mar­ca­dos pe­la qua­li­da­de do aten­di­men­to. A Re­de Vapt Vupt re­vo­lu­ci­o­nou a pres­ta­ção de ser­vi­ços pú­bli­cos e a ci­da­da­nia, reu­nin­do e sim­pli­fi­can­do a ofer­ta de ser­vi­ços. Os avan­ços de Goiás na pro­mo­ção da trans­pa­rên­cia são cris­ta­li­nos e re­co­nhe­ci­dos pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) e pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU), que cre­den­ci­a­ram o Es­ta­do com o 1º e 2º lu­ga­res no ran­king na­ci­o­nal de efi­ci­ên­cia na apli­ca­ção da Lei de Aces­so à In­for­ma­ção (LAI).

Fi­ze­mos es­se con­jun­to de in­ves­ti­men­tos em sin­to­nia com me­di­das per­ma­nen­tes de aus­te­ri­da­de que man­ti­ve­ram o Es­ta­do em equi­lí­brio fis­cal. A qua­li­da­de das con­tas pú­bli­cas é um de­sa­fio na­ci­o­nal, que te­rá de ser en­fren­ta­do pe­lo Bra­sil com mu­dan­ças es­tru­tu­rais du­ras, definitivas e an­ti­po­pu­lis­tas.

Por fim, rei­te­ro o aler­ta de que o gra­vís­si­mo pro­ble­ma a ser en­fren­ta­do pe­lo Go­ver­no Fe­de­ral e pe­los Go­ver­nos Es­ta­du­ais é o cres­cen­te dé­fi­cit pre­vi­den­ciá­rio. Em Goiás, ape­sar das me­di­das que ado­ta­mos, tais co­mo a cri­a­ção da Pre­vi­dên­cia Com­ple­men­tar e a ins­ti­tui­ção de co­bran­ça de 14,25% da co­ta pa­trão e ser­vi­do­res, o dé­fi­cit pre­vi­den­ciá­rio em 2018 se­rá de apro­xi­ma­da­men­te R$ 2,5 bi­lhões.

Sem uma re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria que re­sul­te em ajus­tes in­dis­pen­sá­veis e ime­di­a­tos, te­re­mos de­se­qui­lí­bri­os fis­cais in­sa­ná­veis no cur­tís­si­mo pra­zo.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Ex-go­ver­na­dor fa­la so­bre fo­lha de pa­ga­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.