O se­xo pós-par­to pro­vo­ca mui­tos ques­ti­o­na­men­tos pa­ra as mu­lhe­res

CARAS (Brazil) - - Saúde - Por Eri­ca Man­tel­li*

A vi­da se­xu­al após o par­to é ca­paz de ge­rar mui­tas dú­vi­das nas mu­lhe­res. Se­rá que é pos­sí­vel ter uma vi­da se­xu­al ple­na e sa­tis­fa­tó­ria nes­te pe­río­do? São di­ver­sas as in­cer­te­zas: se­rá que vai do­er? A va­gi­na re­al­men­te se mo­di­fi­ca de­pois do par­to nor­mal? Du­ran­te a ama­men­ta­ção a li­bi­do di­mi­nui? É nor­mal per­der a lu­bri­fi­ca­ção? To­das es­sas ques­tões têm res­pos­tas, con­fi­ra...

Du­ran­te os no­ve me­ses, o cor­po da mu­lher so­fre in­ten­sas mo­di­fi­ca­ções pa­ra ge­rar o be­bê. Após o par­to, es­tas mo­di­fi­ca­ções per­sis­tem pa­ra que a ma­mãe pos­sa pro­du­zir leite, ama­men­tar e cui­dar do seu fi­lho. A re­vo­lu­ção hor­mo­nal, que ocor­re com a saí­da da pla­cen­ta e com a pro­du­ção de leite, mo­di­fi­ca tam­bém os hormô­ni­os se­xu­ais. Com is­so, a mu­lher po­de mo­men­ta­ne­a­men­te per­der o in­te­res­se pe­lo se­xo, já que ela fi­ca fo­ca­da nos cui­da­dos com o be­bê. Seu cor­po ain­da es­tá ten­tan­do vol­tar às con­di­ções pré-gra­vi­dez. E, em meio à tro­ca de fral­das, ma­mas chei­as de leite, so­no in­ten­so, can­sa­ço pe­la ro­ti­na que ain­da não se es­ta­be­le­ceu, exis­te uma mu­lher que es­tá se (re)des­co­brin­do e apren­den­do a se re­la­ci­o­nar com ela mes­ma.

Se­xo é re­la­ção, e pa­ra se re­la­ci­o­nar bem com al­guém, a mu­lher pre­ci­sa se re­la­ci­o­nar bem com ela pri­mei­ro, is­to é, se acei­tar, não se co­brar e não bus­car uma per­fei­ção que não exis­te.

O ide­al é re­tor­nar à re­la­ção se­xu­al com pe­ne­tra­ção va­gi­nal cer­ca de 40-45 di­as após o nas­ci­men­to, in­de­pen­den­te­men­te do ti­po de par­to. Es­se pe­río­do é im­por­tan­te pa­ra que o úte­ro re­tor­ne ao ta­ma­nho nor­mal, além de fe­char o co­lo do úte­ro e ocor­rer a lim­pe­za do con­teú­do ute­ri­no com a saí­da da lo­qui­a­ção (san­gra­men­to va­gi­nal após o par­to) e não ter ris­co de in­fec­ção va­gi­nal.

Par­to nor­mal não cau­sa alar­ga­men­to da

va­gi­na. A na­tu­re­za é per­fei­ta e, independen­te da via de par­to, tu­do ten­de a vol­tar a fun­ci­o­nar ade­qua­da­men­te de­pois.

As pri­mei­ras re­la­ções após o par­to po­dem ser des­con­for­tá­veis pa­ra al­gu­mas mu­lhe­res por con­ta do res­se­ca­men­to va­gi­nal e da fal­ta de li­bi­do. Des­te mo­do, o or­gas­mo fi­ca mais di­fí­cil de ser atin­gi­do. De­pen­den­do das al­te­ra­ções en­con­tra­das, a re­la­ção se­xu­al po­de­rá ser um tor­men­to, ge­rar so­fri­men­to. E se­xo não é pra ser do­lo­ro­so, é pa­ra ser gos­to­so! Por es­te mo­ti­vo, a mu­lher nun­ca de­ve pre­su­mir que is­so se­ja nor­mal e, as­sim, pro­cu­rar aju­da mé­di­ca es­pe­ci­a­li­za­da. Em al­guns ca­sos, po­de­rá ser in­di­ca­do o uso de al­gum lu­bri­fi­can­te e hi­dran­te va­gi­nal. A fi­si­o­te­ra­pia pél­vi­ca po­de aju­dar mui­to nes­ta fa­se, com exer­cí­ci­os bem in­di­ca­dos pa­ra ati­va­ção pe­ri­ne­al. O la­ser ín­ti­mo tam­bém apre­sen­ta re­sul­ta­dos pro­mis­so­res, uma vez que me­lho­ra a vas­cu­la­ri­za­ção da mu­co­sa, au­men­ta a pro­du­ção de co­lá­ge­no, a elas­ti­ci­da­de e a lu­bri­fi­ca­ção va­gi­nal na­tu­ral. O im­por­tan­te é man­ter ní­veis ade­qua­dos de vi­ta­mi­nas, além de uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel.

A mu­lher nun­ca de­ve ter ver­go­nha de con­ver­sar com seu par­cei­ro e di­zer co­mo se sen­te. Mui­tas ve­zes, o ca­sal pre­ci­sa vol­tar a na­mo­rar com cal­ma após o par­to, já que o me­do é o mai­or ini­mi­go e faz a mu­lher “tra­var”, além de atra­pa­lhar to­do o ci­clo de res­pos­ta se­xu­al. A par­ce­ria do ca­sal é fun­da­men­tal no cui­da­do com os fi­lhos e nos cui­da­dos um com o ou­tro, res­pei­tan­do os li­mi­tes de ca­da um. E lem­bran­do que, an­tes de se­rem pais, ha­via um ca­sal e é to­tal­men­te pos­sí­vel ter uma vi­da se­xu­al fe­liz após o par­to!

As mu­lhe­res de­vem sem­pre pro­cu­rar aju­da e não acei­tar na­da me­nos do que o má­xi­mo pa­ra a vi­da! Mu­lher que se ama, se cui­da!

* Eri­ca Man­tel­li Gi­ne­co­lo­gis­ta, obs­te­tra e es­pe­ci­a­lis­ta em saú­de se­xu­al gra­du­a­da pe­la Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de San­to Ama­ro, pós-gra­du­a­ção em Me­di­ci­na Le­gal e Pe­rí­ci­as Mé­di­cas e Se­xu­a­li­da­de Hu­ma­na pe­la USP. For­ma­da tam­bém em Pro­gra­ma­ção Neu­ro­lin­guís­ti­ca no El­se­ver Ins­ti­tu­te. Ma­mãe da Giu­lia e da Isa­bel­la. CRM-SP 124.315, RQE 36685. www.eri­ca­man­tel­li.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.