Fu­ad Mu­rad

IDE­A­LI­ZA­DA PA­RA SER O PRO­JE­TO DE PRAIA DOS PRO­PRI­E­TÁ­RI­OS, A RE­SI­DÊN­CIA SE TRANS­FOR­MOU EM UMA DAS MAIS SOFISTICAD­AS HOSPEDAGEN­S DE ILHABELA, NO LI­TO­RAL NOR­TE PAU­LIS­TA

Casas Rústicas - - ÍNDICE -

A HIS­TÓ­RIA DES­TA CONS­TRU­ÇÃO re­me­te há pou­co mais de 10 anos, quan­do o ar­qui­te­to Fu­ad Mu­rad e o ami­go es­pe­ci­a­li­za­do em gas­tro­no­mia Edu­ar­do Duó, am­bos de São Pau­lo, SP, bus­ca­vam um ter­re­no ide­al pa­ra cons­truir uma ca­sa de praia pa­ra reu­nir as du­as fa­mí­li­as aos fi­nais de se­ma­na.

Ao pes­qui­sa­rem na praia do Cur­ral, em Ilhabela, SP, en­con­tra­ram um ex­ten­so lo­te com am­pla ve­ge­ta­ção nativa da Ma­ta Atlân­ti­ca, ca­cho­ei­ra e o ali­cer­ce de um an­ti­go alam­bi­que.

Mu­rad con­ta que, após ad­qui­ri­rem o ter­re­no, o pri­mei­ro pas­so foi re­cons­truir o ali­cer­ce exis­ten­te e fa­zer um gran­de rancho de praia.

Es­pe­ci­a­li­za­do em cons­tru­ções com ar­qui­te­tu­ra rús­ti­ca, Mu­rad, ao mes­mo tem­po que ide­a­li­za­va o pro­je­to da ca­sa de praia, pes­qui­sa­va lo­cais on­de con­se­guis­se ad­qui­rir ma­te­ri­ais de cons­tru­ção que pu­des­sem ser re­a­pro­vei­ta­dos na obra. “Achei uma fa­zen­da em Ba­na­nal, RJ, que es­ta­va à ven­da. De­mo­li a ca­sa se­de e ga­rim­pei os ma­te­ri­ais”, re­ve­la Mu­rad. Se­gun­do ele, ou­tra pri­o­ri­da­de do pro­je­to, além de re­a­pro­vei­tar ma­te­ri­ais an­ti­gos, foi pre­ser­var 100% a ma­ta nativa exis­ten­te no ter­re­no. “Até mes­mo uma das suí­tes foi con­ce­bi­da com um exem­plar de ipê ro­sa em seu in­te­ri­or”, com­ple­ta o pro­fis­si­o­nal.

NAS­CI­MEN­TO DA POU­SA­DA

Cin­co anos após a com­pra do ter­re­no, os pro­pri­e­tá­ri­os já ti­nham a ca­sa de praia pron­ta pa­ra apro­vei­tar os di­as de fol­ga e fé­ri­as. “Nes­sa épo­ca, um ami­go di­plo­ma­ta veio pas­sar 15 di­as de fé­ri­as co­nos­co e per­gun­tou se era pos­sí­vel que al­guns es­tran­gei­ros fi­cas­sem hos­pe­da­dos na re­si­dên­cia pa­ra co­nhe­cer a re­gião. Dois me­ses de­pois, es­se gru­po fi­cou no lo­cal por 20 di­as e gos­ta­ram tan­to que co­me­ça­ram a in­di­cá-lo a ou­tros tu­ris­tas”, co­men­ta Mu­rad.

As­sim, nas­ceu a Pou­sa­da Ba­ru­lho d´Água, e os pro­pri­e­tá­ri­os co­me­ça­ram a pla­ne­jar uma es­tru­tu­ra mais co­mer­ci­al pa­ra o lo­cal. “O rancho foi trans­for­ma­do em res­tau­ran­te, e Duó, por ser che­fe de co­zi­nha, cui­dou de to­da a gas­tro­no­mia. Tam­bém pas­sa­mos a vi­a­jar por um cer­to pe­río­do pa­ra ana­li­sar ou­tras pou­sa­das a fim de ano­tar itens que não gos­tá­va­mos nas hospedagen­s”, diz Mu­rad.

De acor­do com ele, em me­nos de um ano, a pou­sa­da já con­ta­va com seis es­pa­ços pa­ra hós­pe­des e, lo­go de­pois, foi cons­truí­do mais um, sen­do que ca­da um de­les va­ria de 40 a 150 m2.

MA­TE­RI­AIS E DE­CO­RA­ÇÃO

O pi­so e as ja­ne­las de ma­dei­ra, pi­nho de ri­ga, os ti­jo­los an­ti­gos e o la­dri­lho hi­dráu­li­co são al­guns dos ma­te­ri­ais ga­rim­pa­dos da ca­sa da fa­zen­da que os pro­pri­e­tá­ri­os ad­qui­ri­ram e que des­ta­cam a ar­qui­te­tu­ra do con­jun­to. “Cer­ca de 80% dos ma­te­ri­ais da fa­zen­da fo­ram re­a­pro­vei­ta­dos em nos­sa cons­tru­ção. O res­tan­te ad­qui­ri­mos de for­ma avul­sa em di­ver­sas lo­jas ou ca­sas que es­ta­vam sen­do de­mo­li­das”, res­sal­ta Mu­rad.

En­tre ou­tros ma­te­ri­ais que con­fe­rem um es­ti­lo mais rús­ti­co pa­ra a obra es­tão o ci­men­to quei­ma­do, as te­lhas ce­râ­mi­cas e a es­tru­tu­ra de ma­dei­ra.

“A nos­sa mai­or pre­o­cu­pa­ção é que o hós­pe­de te­nha to­tal pri­va­ci­da­de e apre­cie a es­ta­dia co­nos­co. Por is­so, pro­je­tei as suí­tes com es­pa­ços pa­ra o es­tar e o des­can­so pa­ra que se­jam apro­vei­ta­das as aco­mo­da­ções até mes­mo nos di­as chu­vo­sos, sem a sen­sa­ção de que es­tão ape­nas em um dor­mi­tó­rio”, ex­pli­ca o ar­qui­te­to, que tam­bém fez as am­bi­en­ta­ções e de­co­ra­ção de to­dos os es­pa­ços.

“Os prin­ci­pais mó­veis fo­ram ad­qui­ri­dos em lo­jas rús­ti­cas de Mi­nas Ge­rais. Pa­ra a de­co­ra­ção de meus pro­je­tos, pen­so sem­pre nos mó­veis rús­ti­cos ori­gi­nais e não nas có­pi­as”, com­ple­men­ta Mu­rad.

LOFT

É sem dú­vi­da um dos prin­ci­pais des­ta­ques da pou­sa­da. Pos­sui 150 m2 de área cons­truí­da e é for­ma­do por suí­te, sa­la e co­zi­nha in­te­gra­das, suí­te de hós­pe­des e de­que com vis­ta pa­ra o mar. O pi­so dos am­bi­en­tes, as ja­ne­las e a por­ta de en­tra­da são de ma­dei­ra pi­nho de ri­ga. Al­gu­mas pa­re­des re­ce­be­ram pe­que­nos de­ta­lhes de pas­ti­lhas de vi­dro, en­quan­to nos ba­nhei­ros al­gu­mas das pa­re­des fo­ram in­tei­ra­men­te re­ves­ti­das com pas­ti­lhas ce­râ­mi­cas.

FLAT

Com 68 m2 de área cons­truí­da, pos­sui am­pla vis­ta da ma­ta nativa e um pá­tio ex­ter­no ex­clu­si­vo. A par­te in­ter­na é for­ma­da pe­lo hall de en­tra­da, dor­mi­tó­rio e ba­nhei­ro. En­tre os ma­te­ri­ais que re­ves­tem o pi­so es­tão o ci­men­to quei­ma­do, o la­dri­lho hi­dráu­li­co e o as­so­a­lho de pi­nho de ri­ga. As pa­re­des re­ce­be­ram em al­guns tre­chos uma pa­gi­na­ção es­pe­ci­al com ti­jo­los de bar­ro, além de pin­tu­ra e pas­ti­lhas ce­râ­mi­cas no ba­nhei­ro. As ja­ne­las são de pi­nho de ri­ga.

SUÍ­TE 1

Bas­tan­te char­mo­sa, ide­al pa­ra um ca­sal, pos­sui 40 m2 de área cons­truí­da. For­ma­da por um am­plo dor­mi­tó­rio e um ba­nhei­ro, con­ta com uma pa­gi­na­ção es­pe­ci­al de ti­jo­los apa­ren­tes nas pa­re­des. O pi­so, em pra­ti­ca­men­te to­dos os lo­cais, é em as­so­a­lho de pi­nho de ri­ga. A ex­ce­ção é a área de ba­nho, que foi re­ves­ti­da em ce­râ­mi­ca bran­ca. As ja­ne­las são de pi­nho de ri­ga. As pa­re­des do ba­nhei­ro re­ce­be­ram pas­ti­lhas ce­râ­mi­cas bran­cas na área do box, sen­do que em al­guns tre­chos as pas­ti­lhas são no ta­ma­nho 2 x 2 cm. Pa­ra re­al­çar o lo­cal, al­gu­mas par­tes fo­ram re­ves­ti­das com pas­ti­lhas na cor azul.

PRO­JE­TO: FU­AD MU­RAD ÁREA CONS­TRUÍ­DA: 800 M2 LO­CA­LI­ZA­ÇÃO: ILHABELA/SP POU­SA­DA BA­RU­LHO D’ÁGUA

Tex­to Mar­cos Gu­a­ral­do Fo­tos Pa­trí­cia Car­do­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.