FOL­CLO­RE

Cidade e Cultura - - ÍNDICE -

A pre­ser­va­ção da mis­tu­ra de cul­tu­ra con­cre­ti­za­da na atu­a­li­da­de

Qu­an­do os pri­mei­ros na­vi­os ne­grei­ros de­sem­bar­ca­ram no Bra­sil, trou­xe­ram da Áfri­ca, não ape­nas os es­cra­vos pa­ra tra­ba­lhar co­mo mão­de-obra nas fa­zen­das e ca­sas de co­lo­nos, mas tam­bém ele­men­tos que fa­zi­am par­te de sua cul­tu­ra, co­mo cren­ças e gos­to pe­la mú­si­ca e dan­ça. A con­ga­da faz par­te des­sas tra­di­ções tra­zi­das com os es­cra­vos. Em Ilha­be­la, o ri­tu­al é man­ti­do há mais de dois sé­cu­los, sen­do fi­el às mú­si­cas, às far­das, às re­pre­sen­ta­ções, aos to­ques de ma­rim­ba e ata­ba­ques.

O ce­ná­rio acon­te­ce nas ru­as da Vi­la e tra­ta-se de uma apre­sen­ta­ção te­a­tral em que o en­re­do re­pre­sen­ta uma de­sa­ven­ça en­tre dois gru­pos que de­se­jam fes­te­jar em hon­ra de São Benedito. Os con­gos di­vi­dem-se em dois gru­pos: os con­gos de ci­ma que são os fi­dal­gos do rei ves­ti­dos de azul e con­si­de­ra­dos cris­tãos e os con­gos de bai­xo tam­bém de­no­mi­na­dos de con­guei­ros do em­bai­xa­dor, ves­ti­dos de ro­sa, con­si­de­ra­dos pa­gãos.

Acon­te­cem três bai­les ao som de ata­ba­ques e ma­rim­bas de ma­dei­ra. O pri­mei­ro cha­ma-se “Rol­dão” ou “Ma­cam­ba” e tra­ta-se de uma can­ti­ga dos con­gos de bai­xo no mo­men­to em que vão guer­re­ar. O segundo é “Al­vo­ro­ço”, “Jar­dim das flo­res” ou “Bai­le Gran­de”, on­de ocor­re uma guer­ra bas­tan­te vi­o­len­ta. O ter­cei­ro bai­le é o “São Matheus”, on­de o em­bai­xa­dor é pre­so du­as ve­zes. A guer­ra acon­te­ce por­que os con­guei­ros do em­bai­xa­dor lu­tam pa­ra que ele, fi­lho bas­tar­do do rei, con­quis­te o tro­no.

Em tem­pos re­mo­tos, a re­pre­sen­ta­ção ti­nha da­ta cer­ta pa­ra acon­te­cer: 3 de abril. Pos­te­ri­or­men­te, pas­sou a acon­te­cer em maio, épo­ca de lua cheia, qu­an­do os pes­ca­do­res não sai­am pa­ra pes­car, po­den­do en­tão par­ti­ci­par da fes­ta. A apre­sen­ta­ção acon­te­ce nas ru­as da Vi­la e a pro­gra­ma­ção acon­te­ce sem­pre em uma sex­ta-fei­ra, com o le­van­ta­men­to do Mas­tro, em fren­te à Igre­ja Ma­triz, se­gui­do pe­la re­a­li­za­ção de uma mis­sa em ho­me­na­gem a São Benedito. No sá­ba­do e no do­min­go, acon­te­cem os “bai­les de con­gos” e, por vol­ta do meio-dia, é re­a­li­za­da a Ucha­ria, pa­la­vra que sig­ni­fi­ca “des­pen­sa da ca­sa re­al” e de­sig­na o lu­gar on­de é ser­vi­do o al­mo­ço dos con­guei­ros e seus con­vi­da­dos.

Por trás do can­to e das dan­ças dra­má­ti­cas, es­con­de-se um cu­nho so­ci­al que re­me­te às lu­tas dos ne­gros con­tra os bran­cos que in­va­di­ram a Áfri­ca em bus­ca de es­cra­vos. No ca­so ilha­be­len­se, a Con­ga­da é con­si­de­ra­da uma das mais an­ti­gas do Bra­sil, man­ten­do uma fi­de­li­da­de que re­sis­tiu aos sé­cu­los de opres­são, in­clu­si­ve por par­te da Igre­ja.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.