For­te da Ve­ra Cruz

Cidade e Cultura - - Histórico -

Ter­cei­ra for­ti­fi­ca­ção cons­truí­da na Ilha de San­to Ama­ro, o For­te

Ita­pe­ma, da me­ta­de do sé­cu­lo XVI, pri­mei­ra­men­te cha­ma­do For­te do

Pi­nhão da Ve­ra Cruz, te­ve co­mo pri­mei­ro ca­pi­tão o pri­mo de Brás

Cu­bas, Fran­cis­co Nu­nes Cu­bas.

“Es­sa ba­te­ria de­ve­ria ser ape­nas uma ‘ca­sa for­te’ ou re­du­to, ar­ma­do com pri­mi­ti­vas bo­cas de fo­go cons­ti­tuí­das de bom­bar­das, fal­cões e fal­co­ne­tes. A in­va­são de

Tho­mas Ca­ven­dish em 1591, que en­trou pe­la Bar­ra Gran­de de San­tos, mos­trou a ine­fi­ci­ên­cia des­ses dois pon­tos for­ti­fi­ca­dos iso­la­dos na Ilha de San­to Ama­ro.” Trans­for­mou- se em uma das prin­ci­pais for­ti­fi­ca­ções do li­to­ral bra­si­lei­ro, com ma­pas da­ta­dos de 1670 em des­ta­que, que po­de­mos en­con­trar na ma­po­te­ca do Ita­ma­ra­ti. Sob a in­fluên­cia di­re­ta de Tor­qua­to Tei­xei­ra de Car­va­lho, sar­gen­to- mor da For­ta­le­za, em 1723, foi fei­ta uma re­for­ma pro­fun­da na edi­fi­ca­ção e tam­bém nas pro­vi­sões bé­li­cas. Já em 1830, o Ma­re­chal Da­ni­el Pe­dro Mul­ler des­cre­veu as pro­vi­sões da for­ta­le­za da se­guin­te ma­nei­ra: em tem­po de guer­ra, uma guar­ni­ção com­pos­ta de 1 ofi­ci­al su­pe­ri­or, 2 in­fe­ri­o­res, 8 artilheiro­s, 24 ser­ven­tes- artilheiro­s e 20 sol­da­dos de in­fan­ta­ria. Após es­sa da­ta o que ve­mos é, aos pou­cos, o seu de­su­so e, em 1883, a edi­fi­ca­ção so­freu um in­cên­dio. “A plan­ta se­mi­cir­cu­lar pri­mi­ti­va, de­fi­ni­da pe­la ro­cha ar­re­don­da­da na­tu­ral que ser­via de em­ba­sa­men­to ( ita­pe­ma), foi in­cor­po­ra­da ao no­vo pro­je­to de Sil­va Pa­es, que pro­cu­rou trans­for­mar o an­ti­go re­du­to em ba­lu­ar­te cir­cu­lar úni­co.” No ano de 1905, por meio da In­ten­dên­cia Ge­ral da Guer­ra, a for­ta­le­za pas­sou ao do­mí­nio da Al­fân­de­ga, que cons­truiu uma tor­re de 14 me­tros de al­tu­ra pa­ra a ins­ta­la­ção de ho­lo­fo­tes co­mo pos­to de ob­ser­va­ção pa­ra com­ba­ter o con­tra­ban­do. [Fon­te: Ar­qui­te­tu­ra Mi­li­tar – UmPa­no­ra­maHis­tó­ri­co­aPar­tir­doPor­to­deSan­tos, Vic­tor Hu­go Mo­ri, Car­los A. Cer­quei­ra Le­mos e Adler H. Fon­se­ca de Cas­tro.]

Por mui­tos anos, o Gu­a­ru­já foi um po­vo­a­do vol­ta­do pa­ra a pes­ca e a agri­cul­tu­ra, com sua ge­o­gra­fia com­pos­ta de mui­tos mor­ros di­fi­cul­tan­do a co­lo­ni­za­ção. Fo­ram cons­truí­dos en­ge­nhos de ca­na de açú­car em vas­tos sí­ti­os co­mo o da Gló­ria, de pro­pri­e­da­de do Sr. Mi­guel Fran­cis­co Bu­e­no; no sí­tio da fa­mí­lia Bo­te­lho de Car­va­lho; no da fa­mí­lia An­dra­da; na fa­zen­da Pe­requê de pro­pri­e­da­de do es­cra­va­gis­ta Va­lên­cio Au­gus­to Tei­xei­ra Le­o­mil, en­tre ou­tros. Foi ape­nas no fi­nal do sé­cu­lo XIX, com a ins­ta­la­ção do trans­por­te que li­ga­va San­tos à ci­da­de, que o tu­ris­mo foi sur­gin­do.

For­ta­le­za de Ve­ra Cruz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.