A IM­POR­TÂN­CIA DE UM SOR­RI­SO

Ape­sar de ser um ato co­mum, sor­rir nem sem­pre é um há­bi­to va­lo­ri­za­do

Ciencia em foco - - CONTENT - TEX­TO E ENTREVISTA Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do/Co­la­bo­ra­do­ra

Vo­cê já sor­riu ho­je? Nun­ca su­bes­ti­me um sor­ri­so, ele é sim­ples­men­te a fa­cha­da da ca­sa, uma es­pé­cie de car­tão de vi­si­ta. E não pa­ra por aí, são tan­tos os seus be­ne­fí­ci­os ao cor­po hu­ma­no...

SE­JA POR AMOR, POR FE­LI­CI­DA­DE, POR AL­GU­MA CON­QUIS­TA E ATÉ MES­MO NOS MO­MEN­TOS DE TRISTEZA É IM­POR­TAN­TE SOR­RIR. Rir é o me­lhor re­mé­dio, já di­zia o di­ta­do po­pu­lar. Mui­tas pes­so­as não le­vam o en­si­na­men­to a sé­rio, mas de­ve­ri­am! Es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos vêm de­mons­tran­do que o sor­ri­so é, sim, um an­tí­do­to pa­ra di­ver­sos ma­les e in­ter­fe­re di­re­ta­men­te na saú­de e qua­li­da­de de vi­da das pes­so­as.

Sem­pre é ho­ra de re­cu­pe­rar o tem­po per­di­do. Se qui­ser, já po­de ir abrin­do um sor­ri­so en­quan­to se pre­pa­ra pa­ra ler e en­ten­der co­mo aque­la ri­sa­da dis­traí­da, no meio do ex­pe­di­en­te, de uma con­ver­sa ou pa­ra al­guém na rua, po­de aju­dar no seu bem-es­tar!

SORRI (SOU REI)

Quan­do vo­cê sorri, seu cé­re­bro en­ten­de que es­tá fe­liz e, con­se­quen­te­men­te, é pro­vo­ca­da em vo­cê uma re­a­ção que di­mi­nui a li­be­ra­ção de hormô­ni­os de es­tres­se. Além dis­so, ao abrir um sor­ri­so, o in­di­ví­duo faz uso de 28 mús­cu­los fa­ci­ais, o que ati­va e au­men­ta no cé­re­bro a pro­du­ção de se­ro­to­ni­nas e en­dor­fi­nas, que se dis­se­mi­nam pe­lo cor­po e dão a sen­sa­ção de bem-es­tar e pra­zer. “Pa­ra o as­pec­to emo­ci­o­nal da pes­soa que sorri, acres­cen­ta-se ale­gria e en­tu­si­as­mo à vi­da, reduz a an­si­e­da­de e o me­do, ali­via o es­tres­se e me­lho­ra o hu­mor”, res­sal­ta a psi­có­lo­ga Vi­vi­an Di Cro­ce.

O ri­so é con­ta­gi­an­te, en­can­ta. É o pon­to de par­ti­da pa­ra quem quer ele­var a au­to­es­ti­ma. O sor­ri­so atrai ou­tros mi­lhões de sor­ri­sos – atrai o que vo­cê trans­mi­te –, pois, ao sor­rir pa­ra al­guém, vo­cê pas­sa a ideia de acei­ta­ção, sim­pa­tia. Vi­vi­an com­ple­ta: “Sor­rir for­ta­le­ce re­la­ci­o­na­men­tos no­vos e já exis­ten­tes, além de aju­dar no am­bi­en­te de tra­ba­lho, me­lho­ran­do as re­la­ções e pro­mo­ven­do a sua união, tam­bém po­de au­xi­li­ar na re­so­lu­ção de si­tu­a­ções con­fli­tan­tes do in­di­ví­duo com o meio”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.