É er­ran­do que se APREN­DE!

O di­ta­do é au­to­ex­pli­ca­ti­vo: cometer er­ros aju­da vo­cê a se tor­nar al­guém me­lhor e con­quis­tar sa­be­do­ria

Ciencia em foco - - JORNADA - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Ra­fa­el Na­ka­o­ka

“AÚNICA MA­NEI­RA DE NÃO COMETER ER­ROS É FA­ZEN­DO NA­DA. Es­te, no en­tan­to, é cer­ta­men­te um dos mai­o­res er­ros que se po­de­ria cometer em to­da uma exis­tên­cia”. A fra­se do fi­ló­so­fo chi­nês Con­fú­cio re­fle­te um dos mai­o­res me­dos do ser hu­ma­no: er­rar. Po­de pa­re­cer cli­chê, mas fa­lhar re­al­men­te é pre­ci­so, faz par­te da vi­da. To­dos os di­as so­mos co­lo­ca­dos em si­tu­a­ções que nos per­mi­tem acer­tar ou er­rar, con­ser­tar ou mu­dar de ru­mo, apren­der com os er­ros ou se la­men­tar.

Quem nun­ca ou­viu es­ses di­ta­dos po­pu­la­res em mo­men­tos de con­so­lo: “há ma­les que vêm pa­ra o bem”, “não adi­an­ta cho­rar pe­lo lei­te der­ra­ma­do”, “é er­ran­do que se apren­de” e “Deus es­cre­ve cer­to por li­nhas tor­tas”? To­da es­sa sa­be­do­ria po­pu­lar po­de ser ver­da­dei­ra, só de­pen­de de vo­cê. Vo­cê é a úni­ca pes­soa que po­de com­pre­en­der que os se­res hu­ma­nos não são per­fei­tos, que er­rar traz per­das, con­sequên­ci­as, lá­gri­mas, mas que é ne­ces­sá­rio “le­van­tar, sa­cu­dir a po­ei­ra e dar a vol­ta por ci­ma”.

APREN­DER COM O ER­RO

“O er­ro é par­te cons­ti­tuin­te do pro­ces­so de apren­di­za­do, sen­do as­sim, a sua im­por­tân­cia é per­mi­tir al­can­çar no­vos co­nhe­ci­men­tos. Em con­tex­tos cri­a­ti­vos, o er­ro no­vo é um acer­to”, des­cre­ve o con­sul­tor de car­rei­ra An­dré Luiz Da­met­to. Uma fa­lha po­de – e de­ve – ser vis­ta co­mo uma opor­tu­ni­da­de pa­ra to­mar de­ci­sões me­lho­res no fu­tu­ro, mu­dar al­gu­ma ati­tu­de ou re­pen­sar su­as es­co­lhas e me­tas. Pa­ra a li­fe co­a­ch Vi­vi­an Wolff, an­tes de al­can­çar­mos nos­so ob­je­ti­vo, é nor­mal que exis­tam ten­ta­ti­vas que re­sul­tem em fa­lhas. “O la­do po­si­ti­vo que er­rar nos traz é a re­fle­xão e os ajus­tes ne­ces­sá­ri­os so­bre o que não deu cer­to pa­ra pos­te­ri­or­men­te al­can­çar­mos o su­ces­so de­se­ja­do”, elu­ci­da.

UMA AR­TE PA­RA POU­COS

Ape­sar de sem­pre ou­vir­mos que er­rar é ruim, a ma­nei­ra com que olha­mos pa­ra es­sa si­tu­a­ção po­de mu­dar tu­do. “Apren­der a li­dar com nos­sos er­ros e en­con­trar ma­nei­ras pa­ra su­pe­rá-los é o que vai nos fa­zer se­guir adi­an­te”, ilus­tra Wolff.

O ser hu­ma­no er­ra pa­ra apren­der, pa­ra ten­tar de no­vo, pa­ra me­lho­rar a for­ma co­mo faz as coi­sas. A vi­da po­de ser vis­ta co­mo uma bor­ra­cha, por exem­plo. Es­se ob­je­to tem o sig­ni­fi­ca­do de re­fa­zer, de apa­gar uma pa­la­vra ou uma fra­se es­cri­ta de ma­nei­ra er­ra­da ou equi­vo­ca­da. Dá a chan­ce de re­es­cre­vê-la da ma­nei­ra que a con­si­de­ra cor­re­ta ou mais co­e­ren­te. É um pro­ces­so na­tu­ral de er­ros e acer­tos, que le­va ao apren­di­za­do na vi­da. Wolff con­si­de­ra que o fra­cas­so e o su­ces­so es­tão na mes­ma ro­ta, a di­fe­ren­ça é que, du­ran­te o tra­je­to, vo­cê en­con­tra­rá mais ve­zes com o fra­cas­so. O su­ces­so fi­ca mais no fim da es­tra­da e pa­ra vi­ven­ciá-lo de­ve­mos es­tar dis­pos­tos a acei­tar que po­de­mos cometer er­ros du­ran­te o ca­mi­nho.

Fo­mos edu­ca­dos pa­ra acer­tar, mas quem dis­se que na vi­da con­se­gui­mos sem­pre es­sa fa­ça­nha? Mui­tos gê­ni­os er­ra­ram. E foi a par­tir des­sas fa­lhas que en­con­tra­ram o acer­to. Tal­vez se ti­ves­sem pu­ni­do a si mes­mos, caís­sem em de­pres­são ou não se per­do­as­sem por er­rar, não te­ri­am che­ga­do on­de che­ga­ram!

O LA­DO CIENTÍFICO

Um ar­ti­go pu­bli­ca­do na re­vis­ta Psy­cho­lo­gi­cal Sci­en­ce, em 2011, afir­ma que a ati­tu­de de uma pes­soa fren­te a um er­ro po­de di­zer co­mo es­se in­flu­en­ci­a­rá em ten­ta­ti­vas fu­tu­ras. Ci­en­tis­tas da Mi­chi­gan Sta­te Uni­ver­sity re­a­li­za­ram tes­tes sim­ples – e re­pe­ti­ti­vos – de aten­ção com al­guns vo­lun­tá­ri­os.

Os pes­qui­sa­do­res che­ga­ram à con­clu­são de que a in­te­li­gên­cia po­de­ria ser de­sen­vol­vi­da me­lhor com quem pen­sa­va e acre­di­ta­va no apren­di­za­do ex­traí­do dos er­ros – ou se­ja, de ime­di­a­to bus­ca­va ma­nei­ras de co­mo cor­ri­gi-los –, ti­nha mai­or fa­ci­li­da­de nos pró­xi­mos tes­tes e, as­sim, apre­sen­ta­va um ín­di­ce de acer­tos bem mai­or.

DE­POIS DA CHU­VA,VEM O AR­CO ÍRIS

É cla­ro que cometer um er­ro e não se co­brar é mui­to di­fí­cil, mas não se po­de dei­xar acre­di­tar que nun­ca mais se­rá ca­paz de avan­çar, acer­tar ou con­se­guir o que quer. Pen­sa­men­tos co­mo es­ses po­dem le­var o in­di­ví­duo à de­pres­são. “O blo­queio che­ga a ser to­tal, a au­to­crí­ti­ca to­ma con­ta de seus pen­sa­men­tos e a pes­soa não con­se­gue en­xer­gar na­da além do fa­to de se con­si­de­rar um com­ple­to fra­cas­so”, ob­ser­va Vi­vi­an Wolff.

É pre­ci­so, en­tão, en­ten­der que er­rar é um dos com­po­nen­tes fun­da­men­tais no pro­ces­so de cons­tru­ção do co­nhe­ci­men­to. A fa­lha im­pul­si­o­na a pes­soa a pro­cu­rar no­vos ca­mi­nhos pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas. Ao re­pa­rar um er­ro, a sen­sa­ção de “eu pos­so”, “eu sou ca­paz”, “pos­so con­se­guir mais ve­zes” e “qu­e­ro con­ti­nu­ar cres­cen­do” fi­ca na me­mó­ria e im­pul­si­o­na pa­ra no­vas con­quis­tas, em no­vos obs­tá­cu­los. “A ener­gia gas­ta na co­bran­ça pe­lo er­ro po­de ser usa­da no apren­di­za­do de li­ções pa­ra evi­tar o mes­mo no fu­tu­ro”, lem­bra o con­sul­tor de car­rei­ra An­dré Da­met­to.

CON­SUL­TO­RI­AS

An­dré Luiz Da­met­to, con­sul­tor de car­rei­ras e ges­tão e pro­fes­sor de pós-gra­du­a­ção em ges­tão es­tra­té­gi­ca de pes­so­as na es­co­la de en­ge­nha­ria da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (UFRJ); Vi­vi­an Wolff, li­fe co­a­ch for­ma­da pe­lo ICI (In­te­gra­ted Co­a­ching Ins­ti­tu­te) – per­so­nal and exe­cu­ti­ve co­a­ch de São Pau­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.