PO­DER DETOX

Pa­ra eli­mi­nar as to­xi­nas do or­ga­nis­mo, apos­te na ação be­né­fi­ca das folhas da ver­du­ra

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMÁRIO -

Des­cu­bra co­mo a cou­ve atua na eli­mi­na­ção das to­xi­nas do or­ga­nis­mo

OORGANISMO POR SI SÓ É CA­PAZ DE ELI­MI­NAR AS TO­XI­NAS ARMAZENADAS APÓS OS PRO­CES­SOS RESPIRATÓRIOS E DIGESTIVOS. Mas não cus­ta dar uma mão­zi­nha! Mui­tas ve­zes, a in­ges­tão de mui­ta co­mi­da in­dus­tri­a­li­za­da, o con­ta­to com a po­lui­ção, o ci­gar­ro e as be­bi­das al­coó­li­cas so­bre­car­re­gam as cé­lu­las de re­sí­du­os tó­xi­cos, que po­dem cau­sar can­sa­ço, in­cha­ço, pe­le e ca­be­lo sem vi­da. Pa­ra eli­mi­nar o ex­ces­so mais ra­pi­da­men­te, apos­te no po­der de­to­xi­fi­can­te da cou­ve. Ao pro­mo­ver a de­to­xi­fi­ca­ção do cor­po, é pos­sí­vel agi­li­zar o pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to. Is­so por­que o or­ga­nis­mo fi­ca li­vre de mui­tas im­pu­re­zas e fun­ci­o­na me­lhor, ace­le­ran­do o me­ta­bo­lis­mo e ab­sor­ven­do de ma­nei­ra sa­tis­fa­tó­ria os nu­tri­en­tes dos ali­men­tos.

A cou­ve é ri­ca em clo­ro­fi­la e fi­bras, o que aju­da a var­rer pa­ra fo­ra do cor­po os ra­di­cais li­vres. “Os ali­men­tos detox apre­sen­tam pro­pri­e­da­des que es­ti­mu­lam as vi­as na­tu­rais de de­to­xi­fi­ca­ção, que con­sis­te no pro­ces­so re­a­li­za­do pe­lo or­ga­nis­mo vi­san­do a eli­mi­na­ção de de­ter­mi­na­das to­xi­nas, tam­bém co­nhe­ci­das co­mo xe­no­bió­ti­cos. Nes­se pro­ces­so, tais subs­tân­ci­as, que não são pas­sí­veis de ex­cre­ção, so­frem al­te­ra­ções na sua es­tru­tu­ra quí­mi­ca, que pos­si­bi­li­tam a sua eli­mi­na­ção do or­ga­nis­mo por meio das fe­zes ou da uri­na”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ka­ro­lin­ne Har­tung Min­go­ti.

IN­TES­TI­NO ATIVO

Quan­do o in­tes­ti­no fun­ci­o­na bem, fi­ca mui­to mais fá­cil eli­mi­nar as to­xi­nas. E, pa­ra que o ór­gão cum­pra seu pa­pel com sa­tis­fa­ção, o con­su­mo de fi­bras é es­sen­ci­al. Elas es­tão pre­sen­tes em ce­re­ais in­te­grais, fru­tas e ver­du­ras. A cou­ve é ri­ca nes­sa subs­tân­cia e pos­sui tan­to as so­lú­veis qu­an­to as in­so­lú­veis. Em 100g da ver­du­ra re­fo­ga­da é pos­sí­vel en­con­trar cer­ca de 5,7g de fi­bras. “Por ser ri­ca em fi­bras e mag­né­sio, a ver­du­ra con­tri­bui pa­ra um me­lhor fun­ci­o­na­men­to in­tes­ti­nal e seu ele­va­do te­or de ferro atua na pre­ven­ção e tra­ta­men­to da ane­mia. Além dis­so, o con­su­mo re­gu­lar da cou­ve re­duz o ris­co de câncer e do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, con­tro­la a pres­são ar­te­ri­al, con­tri­bui pa­ra a ma­nu­ten­ção da gli­ce­mia e da saú­de ós­sea”, des­ta­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ana­lui­za No­guei­ra dos San­tos.

DO JEI­TO CER­TO!

Pa­ra pro­mo­ver o pro­ces­so detox no or­ga­nis­mo, va­le a pe­na se­guir es­sas dicas: O me­lhor ho­rá­rio pa­ra to­mar o suco de cou­ve pa­ra lim­par o or­ga­nis­mo é em je­jum pe­la ma­nhã. É nes­se mo­men­to que o cor­po ab­sor­ve me­lhor os nu­tri­en­tes. So­zi­nha, a cou­ve não faz mi­la­gre! Si­ga uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da to­dos os di­as, in­ves­tin­do no con­su­mo de ali­men­tos na­tu­rais co­mo fru­tas, ver­du­ras e le­gu­mes. Evi­te o fast fo­od! Se pu­der li­mi­tar o con­su­mo des­se ti­po de lan­che pa­ra uma vez por mês vo­cê vai con­tri­buir pa­ra uma vi­da mais sau­dá­vel Pa­ra ob­ter o me­lhor efei­to detox, o ide­al é con­su­mir a cou­ve crua. Ba­ta no li­qui­di­ca­dor com água de co­co e gen­gi­bre e pron­to: vo­cê te­rá um óti­mo suco detox.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.