Di­a­be­tes sob con­tro­le

Pa­ra aju­dar no equi­lí­brio en­tre gli­co­se e in­su­li­na, con­te com o po­der va­li­o­so des­sa ver­du­ra

Coleção Almanaque da Saúde - - NEWS -

ACOUVE TAM­BÉM PO­DE SER UMA ÓTI­MA ALI­A­DA NA PRE­VEN­ÇÃO AO DI­A­BE­TES TI­PO 2.

do­en­ça, ca­rac­te­ri­za­da pe­la re­sis­tên­cia do cor­po à in­su­li­na, é ho­je uma epi­de­mia mun­di­al, afe­tan­do cer­ca de 420 mi­lhões de pes­so­as, se­gun­do a Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal de Di­a­be­tes. Ri­ca em fi­bras, vi­ta­mi­nas e sais mi­ne­rais, a ver­du­ra aju­da a con­tro­lar a gli­ce­mia no sangue, quan­do as­so­ci­a­da a uma di­e­ta ba­lan­ce­a­da.

“A fo­lha da cou­ve é ri­ca em mag­né­sio, que faz par­te da clo­ro­fi­la que dá a cor ver­de à fo­lha. Tra­ta-se de um mi­ne­ral im­por­tan­te pa­ra a saú­de do cé­re­bro, re­no­va­ção das cé­lu­las (pre­ve­nin­do o en­ve­lhe­ci­men­to) e re­gu­la­ção dos hormô­ni­os co­mo a in­su­li­na, além de par­ti­ci­par de con­tra­ções mus­cu­la­res, ali­vi­an­do có­li­cas mens­tru­ais, cãi­bras e en­xa­que­ca”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta He­loi­sa Te­ves Scat­ti­ni. Vá­ri­as pes­qui­sas in­di­cam que o con­su­mo de cou­ve e ou­tras ver­du­ras es­tá as­so­ci­a­do com um me­nor ris­co de di­a­be­tes ti­po 2. No Bri­tish Jour­nal of Nu­tri­ti­on, por exem­plo, uma re­vi­são sis­te­má­ti­ca e me­ta-aná­li­se de seis es­tu­dos re­ve­la­ram que a in­ges­tão de ve­ge­tais de folhas mais ver­des em par­ti­cu­lar foi as­so­ci­a­da com um ris­co re­du­zi­do (14%) de con­trair di­a­be­tes. Um es­tu­do da Uni­ver­si­da­de de Tu­la­ne ava­li­ou o im­pac­to de co­mer ve­ge­tais de folhas ver­des, fru­tas e suco de fru­tas pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de di­a­be­tes ti­po 2 en­tre mais de 71 mil mu­lhe­res. Os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que a in­ges­tão de ve­ge­tais de folhas ver­des e fru­tas foi as­so­ci­a­da com um me­nor ris­co de di­a­be­tes.

POR QUE IS­SO OCOR­RE?

As fi­bras con­ti­das nes­ses ve­ge­tais re­tar­dam a ab­sor­ção de gli­co­se pe­lo or­ga­nis­mo, dei­xan­do es­se pro­ces­so mais len­to, o que equi­li­bra o tra­ba­lho da in­su­li­na. Ver­du­ras, ce­re­ais e le­gu­mi­no­sas co­mo a cou­ve, a aveia e o fei­jão, são im­por­tan­tes por pos­suir uma gran­de quan­ti­da­de das fi­bras alimentares so­lú­veis, que pro­mo­vem be­ne­fí­ci­os me­ta­bó­li­cos no con­tro­le do pe­so cor­po­ral e da gli­co­se. O efei­to pro­te­tor des­sas fi­bras é bem co­nhe­ci­do pe­los pes­qui­sa­do­res. Es­tu­dos já mos­tra­ram que ani­mais ali­men­ta­dos com uma di­e­ta ri­ca em fi­bras en­gor­da­ram me­nos e fi­ca­ram me­nos pro­pen­sos a de­sen­vol­ver o di­a­be­tes, quan­do com­pa­ra­dos com ani­mais em di­e­ta sem fi­bras. Mes­mo os que ti­ve­ram uma di­e­ta ri­ca em gor­du­ra e açú­car, mas fo­ram su­ple­men­ta­dos com fi­bras, en­gor­da­ram me­nos e tam­bém fo­ram pro­te­gi­dos con­tra o de­sen­vol­vi­men­to de di­a­be­tes, gra­ças a um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo da sen­si­bi­li­da­de à in­su­li­na. As fi­bras so­lú­veis pre­sen­tes na cou­ve aju­dam o or­ga­nis­mo a pre­ve­nir e tra­tar o di­a­be­tes, já que con­tro­lam a gli­co­se no sangue. “Elas re­têm a gor­du­ra e o açú­car da di­e­ta, re­du­zin­do a ab­sor­ção de­les e fa­ci­li­tan­do sua eli­mi­na­ção”, ex­pli­ca He­loi­sa.Ela des­ta­ca tam­bém que a ver­du­ra aju­da a acelerar o me­ta­bo­lis­mo. “A ação do suco de cou­ve no ema­gre­ci­men­to é au­xi­li­ar no me­ta­bo­lis­mo do car­boi­dra­to, ou se­ja, me­lho­rar a uti­li­za­ção do açú­car pe­las cé­lu­las, evi­tan­do seu acú­mu­lo ex­ces­si­vo”, fri­sa a nu­tri­ci­o­nis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.