DETOX e po­de­ro­sos

Den­tro ou fo­ra dos su­cos, es­ses são os prin­ci­pais alimentos pa­ra eli­mi­nar as to­xi­nas do cor­po e per­der pe­so com saú­de!

Coleção Almanaque da Saúde - - NEWS -

COU­VE, PEPINO, MELANCIA, MELÃO, BERINJELA E ABACAXI SÃO EXEMPLOS DE INGREDIENTES COM PO­DER DETOX, CAPAZES DE BENEFICIAR TODO O OR­GA­NIS­MO. Des­sa for­ma, in­ves­tir em uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da e in­cluir no car­dá­pio fru­tas, le­gu­mes e ver­du­ras é es­sen­ci­al pa­ra que o or­ga­nis­mo se de­sin­to­xi­que. “Os alimentos detox são aque­les que dão o su­por­te ne­ces­sá­rio aos sis­te­mas de de­to­xi­fi­ca­ção na­tu­rais do or­ga­nis­mo. Nes­se pro­ces­so, tais subs­tân­ci­as, que não são pas­sí­veis de ex­cre­ção, so­frem al­te­ra­ções em sua es­tru­tu­ra quí­mi­ca, o que pos­si­bi­li­ta a sua eli­mi­na­ção por meio das fe­zes ou da uri­na”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Ka­ro­lin­ne Har­tung Min­go­ti. Pen­san­do nis­so, ela­bo­ra­mos uma lis­ta com as me­lho­res op­ções pa­ra vo­cê adi­ci­o­nar à sua ro­ti­na ali­men­tar e aos su­cos e co­lher todas as van­ta­gens dis­po­ní­veis!

INVISTA EM VER­DU­RAS E LE­GU­MES

Es­se gru­po com­pre­en­de inú­me­ros alimentos, dos mais va­ri­a­dos sa­bo­res e tex­tu­ras. Exa­ta­men­te por es­sa va­ri­e­da­de, é pos­sí­vel ino­var no preparo dos su­cos, além de e apos­tar em pra­tos quen­tes ou fri­os, des­de sa­la­das até so­pas e re­fo­ga­dos. En­tão, co­nhe­ça as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas de al­guns le­gu­mes e ver­du­ras com po­der detox!

Cou­ve: cheia de fi­bras, a ver­du­ra é ex­ce­len­te pa­ra eli­mi­nar as to­xi­nas do cor­po. “A cou­ve é fon­te de um fi­toquí­mi­co cha­ma­do gli­co­si­no­la­to, que es­ti­mu­la a lim­pe­za do or­ga­nis­mo, eli­mi­nan­do subs­tân­ci­as que po­dem cau­sar do­en­ças e to­xi­nas que fi­cam nas cé­lu­las de gor­du­ra”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta He­loi­sa Te­ves Scat­ti­ni. Além dis­so, pos­sui sul­fo­ra­fa­no, um agen­te que pre­vi­ne tu­mo­res.

Agrião: ele é um ve­ge­tal de bai­xo te­or ca­ló­ri­co. For­ne­ce 22 ca­lo­ri­as em ca­da 100 gra­mas. É con­si­de­ra­do uma das prin­ci­pais fon­tes de vi­ta­mi­na A, es­sen­ci­al pa­ra a imu­ni­da­de. Apre­sen­ta ain­da vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B (res­pon­sá­veis pe­lo cres­ci­men­to e pe­lo hu­mor e con­cen­tra­ção), além de gran­de quan­ti­da­de de vi­ta­mi­na C. Tem bo­as quan­ti­da­des de sais mi­ne­rais co­mo io­do, en­xo­fre, fós­fo­ro e fer­ro, os quais im­por­tan­tes pa­ra o fun­ci­o­na­men­to da glân­du­la ti­reói­de, aju­dam na for­ma­ção de os­sos e den­tes, evi­tam a fa­di­ga men­tal e es­tão li­ga­dos à pro­du­ção de gló­bu­los ver­me­lhos do san­gue. O agrião tem pro­pri­e­da­des ads­trin­gen­tes, an­ti-in­fla­ma­tó­ria, ci­ca­tri­zan­te e diu­ré­ti­ca. Além dis­so, o agrião é in­di­ca­do pa­ra pes­so­as que so­frem de pro­ble­mas de via res­pi­ra­tó­ria, pois tem ação des­con­ges­ti­o­nan­te, ex­pec­to­ran­te e flui­di­fi­can­te.

Abó­bo­ra: pos­sui quan­ti­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va de vi­ta­mi­na A e ni­a­ci­na. Por con­ter bas­tan­te água, es­ti­mu­la o tra­ba­lho dos rins e a for­ma­ção da uri­na, di­mi­nuin­do o in­cha­ço do cor­po. O ide­al é con­su­mir 2 co­lhe­res (so­pa) por dia, sen­do que 100g con­tém 40 ca­lo­ri­as.

Al­fa­ce: co­mo as mai­o­ria dos ve­ge­tais, a al­fa­ce pos­sui pou­ca quan­ti­da­de de car­boi­dra­to, de pro­teí­na e de gor­du­ra. No en­tan­to, é ri­ca em vi­ta­mi­nas e mi­ne­rais. “A fo­lha da al­fa­ce con­tém quan­ti­da­de ra­zoá­veis de vi­ta­mi­nas A e C e mi­ne­rais co­mo po­tás­sio, fós­fo­ro, cál­cio, só­dio, mag­né­sio e fer­ro. O po­tás­sio tem pa­pel im­por­tan­te na for­ma­ção e na trans­mis­são do im­pul­so ner­vo­so e pa­ra a ati­vi­da­de mus­cu­lar. Além dis­so, ele tam­bém é um diu­ré­ti­co na­tu­ral que aju­da a eli­mi­nar lí­qui­dos, evi­tan­do in­cha­ço de pés, per­nas e mãos”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Lu­a­na Vas­con­ce­los. Já o mag­né­sio, ou­tro mi­ne­ral pre­sen­te na al­fa­ce e de imen­sa im­por­tân­cia pa­ra a saú­de, tam­bém au­xi­lia a evi­tar câim­bras nos mús­cu­los, já que é um re­la­xan­te mus­cu­lar, evi­tan­do tam­bém tre­mo­res no or­ga­nis­mo. “É um ve­ge­tal com pouquís­si­mas ca­lo­ri­as, sen­do que ca­da 100g de al­fa­ce con­tém cer­ca de 15 ca­lo­ri­as. A al­fa­ce é con­si­de­ra­da cal­man­te e se­da­ti­va, pois o seu ta­lo apre­sen­ta um lá­tex ri­co em lac­tu­ci­na, com pro­pri­e­da­des anes­té­si­ca e so­ní­fe­ra”, acres­cen­ta a pro­fis­si­o­nal.

Pepino: con­tém sí­li­ca e flúor em sua com­po­si­ção, além de ser diu­ré­ti­co, ads­trin­gen­te e tô­ni­co. Uma das su­as van­ta­gens é ser ver­sá­til, po­den­do ser con­su­mi­do em sa­la­das, so­pas e vi­ta­mi­nas. E o me­lhor: ca­da 100g pos­sui ape­nas 10 ca­lo­ri­as - lem­bran­do que a quan­ti­da­de re­co­men­da­da por dia é de 3 co­lhe­res (so­pa).

“Óti­ma fon­te de fi­bras, vi­ta­mi­nas e mi­ne­rais, os le­gu­mes de­vem ser con­su­mi­dos pe­lo me­nos du­as ve­zes ao dia”, Ân­ge­la Car­do­so, nu­tri­ci­o­nis­ta

Berinjela: pos­sui fi­bras que au­xi­li­am na di­ges­tão e na me­lho­ra da mi­cro­flo­ra in­tes­ti­nal, aju­dan­do na for­ma­ção do bo­lo fe­cal e na pre­ven­ção de do­en­ças. Tam­bém é fon­te con­si­de­rá­vel de vi­ta­mi­nas A, B1 , B2 e C e de im­por­tan­tes sais mi­ne­rais, co­mo, co­bre, mag­né­sio, zin­co, po­tás­sio, cál­cio, fer­ro e fós­fo­ro, que aju­dam no equi­lí­brio or­gâ­ni­co. “Além dis­so, a berinjela se des­ta­ca por apre­sen­tar uma gran­de quan­ti­da­de de água, es­sen­ci­al pa­ra man­ter o cor­po hi­dra­ta­do e fa­vo­re­cer as re­a­ções quí­mi­cas nas cé­lu­las cor­po­rais, sen­do fun­da­men­tal pa­ra man­ter o cor­po sau­dá­vel”, jus­ti­fi­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ro­be­na Mo­li­na­ri.

Ai­po: quem pre­ci­sa ema­gre­cer, tem nas su­as fo­lhas um gran­de ali­a­do. Com pou­cas ca­lo­ri­as e mui­tas fi­bras, o ai­po aju­da a re­gu­lar a di­ges­tão e ain­da dá a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de. Is­so acon­te­ce por­que o ve­ge­tal es­ti­mu­la a pro­du­ção de sa­li­va e de su­co gás­tri­co que, com as fi­bras, com­ba­tem os ma­les di­ges­ti­vos.

Es­ca­ro­la: es­sa hor­ta­li­ça é im­por­tan­te fon­te de fi­bras, be­ta­ca­ro­te­no, vi­ta­mi­nas C e E, fo­la­to, cál­cio e se­lê­nio. Com pou­cas ca­lo­ri­as, a es­ca­ro­la aju­da a re­gu­lar o or­ga­nis­mo, por­que, ao che­gar ao in­tes­ti­no, a inu­li­na pre­sen­te no ali­men­to so­fre a ação das bac­té­ri­as be­né­fi­cas, fa­ci­li­tan­do o fun­ci­o­na­men­to do ór­gão.

Acel­ga: além da gran­de quan­ti­da­de de fi­bras pre­sen­te na acel­ga, as quais fa­ci­li­tam o bom fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no, a hor­ta­li­ça tam­bém apre­sen­ta gran­de quan­ti­da­de de vi­ta­mi­nas A, C e Ni­a­ci­na (tam­bém cha­ma­da de vi­ta­mi­na B3). “A vi­ta­mi­na A é in­dis­pen­sá­vel pa­ra a nor­ma­li­da­de da vi­são, con­ser­va a saú­de da pe­le e das mu­co­sas, au­xi­lia no cres­ci­men­to e faz par­te da for­ma­ção do es­mal­te dos den­tes. Já a vi­ta­mi­na C dá re­sis­tên­cia aos va­sos san­guí­ne­os, age con­tra in­fec­ções e evi­ta pro­ble­mas da pe­le, he­mor­ra­gi­as e fra­gi­li­da­de dos os­sos e den­tes. A ni­a­ci­na, as­sim co­mo todas as ou­tras vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B, pre­vi­ne pro­ble­mas do apa­re­lho di­ges­ti­vo e do sis­te­ma ner­vo­so”, en­si­na Lu­a­na.

HORA DAS FRU­TAS!

Sa­bo­ro­sas e sau­dá­veis, elas são mui­to ver­sá­teis, po­den­do ser uti­li­za­das nas mais di­fe­ren­tes pre­pa­ra­ções. Po­dem fa­zer par­te de do­ces, se­rem ba­ti­das com lei­te ou com água, fa­ze­rem par­te de sa­la­das e até mes­mo se­rem con­su­mi­das in na­tu­ra, co­mo uma óti­ma op­ção pa­ra a so­bre­me­sa. E o me­lhor é que os be­ne­fí­ci­os das fru­tas são mui­tos, uma vez que elas pro­te­gem o or­ga­nis­mo con­tra do­en­ças e até aju­dam a eli­mi­nar o in­cha­ço e o pe­so ex­tra, sa­bia?

Abacaxi: ele é ri­co em di­ver­sos nu­tri­en­tes, tais co­mo po­tás­sio, mag­né­sio, cál­cio e vi­ta­mi­nas A, C, B1 e D. Um de seus prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os é au­xi­li­ar na di­ges­tão, de­vi­do à pre­sen­ça de bro­me­li­na em sua com­po­si­ção (uma mis­tu­ra de en­zi­mas que des­do­bram pro­teí­nas, fa­ci­li­tan­do es­se pro­ces­so). Ou se­ja, de­pois de exa­ge­rar nas re­fei­ções, apos­te sem me­do no abacaxi.

Melancia: por ser cons­ti­tuí­da por cer­ca de 90% de água, é um ex­ce­len­te diu­ré­ti­co, atu­an­do no com­ba­te à re­ten­ção de lí­qui­dos e eli­mi­nan­do im­pu­re­zas pe­la uri­na.

Maçã: a fru­ta tem ati­vos an­ti­o­xi­dan­tes que aju­dam a eli­mi­nar al­gu­mas subs­tân­ci­as pre­ju­di­ci­ais. Além dis­so, sua cas­ca é ri­ca em pec­ti­na, uma fi­bra so­lú­vel que, no estô­ma­go, em con­ta­to com água, se trans­for­ma em um gel que blo­queia a ab­sor­ção de par­te da gor­du­ra dos alimentos. Des­sa for­ma, a maçã se tor­na uma óti­ma op­ção pa­ra os lan­ches in­ter­me­diá­ri­os.

Melão: com gran­de quan­ti­da­de de fi­bras, o melão tem al­to te­or de água. Com­bi­na­do com a ação do po­tás­sio e le­ve­men­te la­xan­te do mag­né­sio, con­tri­bui pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to in­tes­ti­nal.

La­ran­ja: o ide­al é apro­vei­tar até o ba­ga­ço des­sa fru­ta, já que é ne­le que se con­cen­tra a mai­or fon­te de fi­bras, que aju­dam o in­tes­ti­no a fun­ci­o­nar re­gu­lar­men­te e a eli­mi­nar as im­pu­re­zas. “A la­ran­ja é mais do que fon­te de vi­ta­mi­na C. Quan­do con­su­mi­da com o ba­ga­ço, tam­bém au­xi­lia no bom fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no e no con­tro­le da glicemia e do co­les­te­rol”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Bar­ba­ra Res­cal­li San­ches. Além dis­so, o po­tás­sio pre­sen­te nes­sa fru­ta é res­pon­sá­vel pe­la con­tra­ção mus­cu­lar, o que fa­vo­re­ce a ma­nu­ten­ção da pres­são ar­te­ri­al.

Li­mão: é ri­co em vi­ta­mi­na C, que be­ne­fi­cia o fun­ci­o­na­men­to do fí­ga­do. Atua na pre­ven­ção de al­guns tu­mo­res, na eli­mi­na­ção de to­xi­nas e tem ati­vi­da­de an­ti­o­xi­dan­te. Além dis­se, aju­da na eli­mi­na­ção de gor­du­ras.

Ma­mão: além de sa­bo­ro­sa, es­sa fru­ta pos­sui uma subs­tân­cia cha­ma­da pa­paí­na, que atua co­mo a pep­si­na, en­zi­ma do estô­ma­go, trans­for­man­do as pro­teí­nas dos alimentos em ami­noá­ci­dos, o que me­lho­ra o fun­ci­o­na­men­to do ór­gão. Pa­ra não in­ge­rir o ma­mão sem­pre da mes­ma for­ma, que tal in­cluir fa­ri­nha de ba­na­na ver­de sal­pi­ca­da so­bre ele ou ba­tê-lo com lei­te no li­qui­di­fi­ca­dor?

PEQUENOS NOTÁVEIS

Qu­er fa­zer as pa­zes com os pon­tei­ros da ba­lan­ça, mas sem dei­xar de la­do alimentos sa­bo­ro­sos e que se­jam, ao mes­mo tem­po, sau­dá­veis? En­tão, apos­te em se­men­tes, grãos e diversas ole­a­gi­no­sas! Es­ses ingredientes são capazes de con­fe­rir inú­me­ros be­ne­fí­ci­os ao or­ga­nis­mo, co­mo pre­ve­nir o sur­gi­men­to de do­en­ças, dar sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de, me­lho­rar o trân­si­to in­tes­ti­nal e, de que­bra, au­xi­li­ar no ema­gre­ci­men­to. Co­nhe­ça bo­as op­ções e as in­clua no seu car­dá­pio diá­rio!

Li­nha­ça: em­bo­ra se­ja pe­que­na, es­sa se­men­te pos­sui van­ta­gens nu­tri­ci­o­nais enor­mes: é ali­a­da do co­ra­ção, com­ba­te o di­a­be­tes e fa­vo­re­ce as di­e­tas de ema­gre­ci­men­to. Den­tre os mui­tos be­ne­fí­ci­os ofe­re­ci­dos pe­la li­nha­ça, des­ta­cam-se o alí­vio dos sin­to­mas da co­nhe­ci­da TPM (ten­são pré-mens­tru­al), a re­du­ção do ape­ti­te e o com­ba­te aos ma­les di­ges­ti­vos. A ex­pli­ca­ção pa­ra es­se ingredientes ser ami­ga da boa for­ma é que su­as fi­bras atu­am na li­be­ra­ção da gli­co­se no san­gue e re­du­zem, por ta­be­la, o acú­mu­lo de gor­du­ra no cor­po.

O gran­de be­ne­fí­cio de um pro­gra­ma detox é que ele li­vra o cor­po de al­guns pro­ble­mas, co­mo de­se­qui­lí­brio hor­mo­nal, de­fi­ci­ên­cia nu­tri­ci­o­nal e, de que­bra, ain­da aju­da a ema­gre­cer

Ger­ge­lim: co­nhe­ci­da por ser uma ex­ce­len­te fon­te de cál­cio e vi­ta­mi­nas, es­pe­ci­al­men­te a E e as do com­ple­xo B, es­sa se­men­te co­la­bo­ra com o ema­gre­ci­men­to, já que as fi­bras in­so­lú­veis en­con­tra­das ne­la pro­por­ci­o­nam mai­or sa­ci­e­da­de. E o me­lhor: po­de ser acres­cen­ta­da a inú­me­ras pre­pa­ra­ções, uma vez que seu sa­bor é ame­no e não in­flu­en­cia no re­sul­ta­do das re­cei­tas.

Chia mui­to fa­mo­sa no mun­do nu­tri­ci­o­nal, es­se ali­men­to pos­sui fi­bras in­so­lú­veis, que têm a ca­pa­ci­da­de de ab­sor­ver água, ace­le­ran­do e es­ti­mu­lan­do o trân­si­to in­tes­ti­nal, o que fa­ci­li­ta a de­sin­to­xi­ca­ção do or­ga­nis­mo e dá sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de. Além de apre­sen­tar es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca, a chia tam­bém é ca­paz de pre­ve­nir do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res e con­tro­lar a glicemia – be­ne­fi­ci­an­do a saú­de dos di­a­bé­ti­cos.

Qui­noa: ge­ral­men­te ven­di­da em grãos moí­dos, co­mo uma es­pé­cie de fa­ri­nha, a qui­noa po­de ser en­con­tra­da no Bra­sil em lo­jas de pro­du­tos na­tu­rais e até mes­mo em su­per­mer­ca­dos. Es­se ali­men­to é riquís­si­mo em pro­teí­na, aju­dan­do no for­ta­le­ci­men­to mus­cu­lar. Su­as quan­ti­da­des de ôme­gas 3 e 6 tam­bém são sig­ni­fi­ca­ti­vas, im­por­tan­tes na pre­ven­ção de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res. E, pa­ra quem pro­cu­ra abai­xar os pon­tei­ros da ba­lan­ça, a qui­noa tam­bém é uma óti­ma apos­ta! Is­so por­que é uma im­por­tan­te fon­te de fi­bras, o que es­ti­mu­la a mas­ti­ga­ção e di­mi­nui o es­va­zi­a­men­to gás­tri­co, ge­ran­do mai­or sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de.

Se­men­tes de gi­ras­sol: por se­rem ri­cas em fi­bras, as se­men­tes de gi­ras­sol são ex­ce­len­tes pa­ra es­ti­mu­lar o bom fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no. O ór­gão li­vra-se das to­xi­nas ar­ma­ze­na­das

Fa­ri­nhas po­de­ro­sas

Uma óti­ma op­ção pa­ra acres­cen­tar ingredientes co­mo li­nha­ça, qui­noa ou ama­ran­to na re­fei­ção é uti­li­zá-los em for­ma de fa­ri­nha, pois as­sim é pos­sí­vel dar mais ver­sa­ti­li­da­de à for­ma de con­su­mo e apro­vei­tar dos mes­mos be­ne­fí­ci­os que a se­men­te ofe­re­ce. As fa­ri­nhas po­dem ser adi­ci­o­na­das em so­pas, io­gur­te, sa­la­da, fei­jão, pães, e, prin­ci­pal­men­te, nos su­cos!

pe­lo or­ga­nis­mo, di­mi­nuin­do a re­ten­ção de lí­qui­dos e fa­vo­re­cen­do o ema­gre­ci­men­to. Es­sa se­men­te é ide­al pa­ra ser in­cluí­da em sa­la­das.

Se­men­tes de pa­pou­la: “con­têm quan­ti­da­des sig­ni­fi­ca­ti­vas de gor­du­ras mo­no e po­li-in­sa­tu­ra­das, pro­teí­nas e mi­ne­rais co­mo mag­né­sio e po­tás­sio. Pos­sui pro­pri­e­da­de an­ti-in­fla­ma­tó­ria, au­xi­lia no pro­ces­so di­ges­ti­vo e no sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio”, des­ta­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Grei­ce Ca­ro­li­ne Bag­gio. Cer­ca de 1/4 de co­lher (so­pa) acres­cen­ta­do às pre­pa­ra­ções já é su­fi­ci­en­te pa­ra usu­fruir de to­dos os seus be­ne­fí­ci­os.

Len­ti­lha: mui­to co­mum du­ran­te as fes­tas de fi­nal de ano (co­mo Na­tal e Ano No­vo), es­se in­gre­di­en­te é bas­tan­te be­né­fi­co! Ele fa­vo­re­ce a for­ma­ção de mas­sa mus­cu­lar, que, por sua vez, ele­va a quei­ma de ener­gia – con­tri­buin­do com a per­da de pe­so sau­dá­vel. Su­as fi­bras tam­bém con­tri­bu­em pa­ra di­mi­nuir a fo­me, já que in­cham co­mo uma es­pon­ja no estô­ma­go, con­fe­rin­do sa­ci­e­da­de por mais tem­po (fa­tor pri­mor­di­al pa­ra o ema­gre­ci­men­to).

Ama­ran­to: em­bo­ra não se­ja tão uti­li­za­do na me­sa dos bra­si­lei­ros, es­se ali­men­to tam­bém traz van­ta­gens à saú­de. As fi­bras pre­sen­tes nes­se grão têm du­pla ação: além de re­gu­la­rem o in­tes­ti­no, aju­dam a ema­gre­cer, já que man­têm a fo­me lon­ge por mais tem­po. Ou se­ja, me­nos qui­los na ba­lan­ça e mais pro­te­ção ao or­ga­nis­mo.

Aveia: é ri­ca em pro­teí­nas e com con­cen­tra­ção li­pí­di­ca de áci­do olei­co e li­no­lei­co (gor­du­ras be­né­fi­cas). O al­to con­teú­do de vi­ta­mi­nas tam­bém lhe con­fe­re pro­pri­e­da­des an­ti­o­xi­dan­tes. Gran­de par­te dos be­ne­fí­ci­os da aveia ao or­ga­nis­mo se de­ve à pre­sen­ça de be­ta­glu­ca­na, um ti­po de fi­bra so­lú­vel de al­ta qua­li­da­de que re­tar­da o es­va­zi­a­men­to gás­tri­co, pro­mo­ven­do sa­ci­e­da­de, au­xi­li­an­do no con­tro­le da fo­me e do pe­so, me­lho­ran­do o fun­ci­o­na­men­to in­tes­ti­nal e re­du­zin­do as chan­ces de cân­cer de có­lon. Tam­bém atua na cir­cu­la­ção san­guí­nea e no con­tro­le da glicemia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.