Imu­ni­da­de em al­ta

En­ten­da por que o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co é tão im­por­tan­te pa­ra a saú­de e sai­ba co­mo ele funciona

Coleção Almanaque da Saúde - - NEWS -

ELE PROTEGE O COR­PO DOS MAIS DI­FE­REN­TES INVASORES que in­sis­tem em afe­tar a saú­de. Des­de ví­rus mais sim­ples, co­mo um res­fri­a­do, até os mais com­ple­xos, co­mo bac­té­ri­as e até mes­mo to­xi­nas: to­dos en­fren­tam uma forte bar­rei­ra, in­ti­tu­la­da sis­te­ma imu­no­ló­gi­co. “O sis­te­ma imu­no­ló­gi­co é um com­ple­xo de sis­te­mas di­fe­ren­tes que fun­ci­o­nam de ma­nei­ra co­or­de­na­da pa­ra de­fen­der o or­ga­nis­mo de in­fec­ções”, ex­pli­ca o imu­no­lo­gis­ta Jacyr Pas­ter­nak. Es­se me­ca­nis­mo de de­fe­sa é com­pos­to por inú­me­ros ór­gãos, co­mo com­ple­men­ta o es­pe­ci­a­lis­ta. “São múl­ti­plos ór­gãos: gân­gli­os lin­fá­ti­cos, me­du­la ós­sea on­de são pro­du­zi­dos os leu­có­ci­tos -, gló­bu­los bran­cos, fí­ga­do e ba­ço e ou­tros ór­gãos on­de exis­tem re­pre­sen­tan­tes lo­cais do sis­te­ma imu­ne, co­mo o cérebro. Em ca­da ór­gão exis­tem cé­lu­las com fun­ções diversas: umas re­co­nhe­cem que exis­tem pa­tó­ge­nos (bac­té­ri­as, fun­gos e ví­rus, por exem­plo), ou­tras fa­zem a res­pos­ta con­tra os mes­mos”.

CO­MO FUNCIONA O SIS­TE­MA IMU­NO­LÓ­GI­CO?

Ex­pli­can­do de uma for­ma sim­pli­fi­ca­da, o me­ca­nis­mo de de­fe­sa funciona co­mo uma ver­da­dei­ra bar­rei­ra, cu­jos ele­men­tos par­ti­ci­pan­tes (cé­lu­las, ór­gãos, en­tre ou­tros) en­tram em ação com a função de pro­te­ger o cor­po por meio do com­ba­te e ex­pul­são dos me­ca­nis­mos invasores que que­rem da­ni­fi­car al­gum te­ci­do ou função do cor­po. “O sis­te­ma é ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te com­ple­xo, e funciona com bar­rei­ras à pe­ne­tra­ção de or­ga­nis­mos es­tra­nhos, co­mo pe­le e mu­co­sas; pre­sen­ça de cé­lu­las capazes de en­go­lir e di­ge­rir ele­men­tos es­tra­nhos e fa­to­res de­ri­va­dos de ou­tras cé­lu­las e que cir­cu­lam pe­lo san­gue, co­mo os an­ti­cor­pos, pro­teí­nas que re­co­nhe­cem e se li­gam a mi­cro-or­ga­nis­mos. De­pois, um ou­tro sis­te­ma, de­no­mi­na­do com­ple­men­to, des­trói es­tes mi­cro-or­ga­nis­mos”, com­ple­ta Pas­ter­nak.

O PA­PEL DOS AN­TI­COR­POS

Co­mo o pró­prio no­me já su­ge­re, es­sas pro­teí­nas são pro­du­zi­das pe­lo or­ga­nis­mo com a função de com­ba­ter os “cor­pos es­tra­nhos” que ten­tam se ins­ta­lar, im­pe­din­do a sua mul­ti­pli­ca­ção e ação no or­ga­nis­mo. “An­ti­cor­pos são pro­teí­nas pro­du­zi­das em lin­fó­ci­tos e plas­mó­ci­tos, cé­lu­las da me­du­la ós­sea e do san­gue, capazes de re­co­nhe­cer e se li­gar a mi­cro-or­ga­nis­mos que nos in­va­dem. A função é exa­ta­men­te se li­gar a es­tes, so­zi­nhos ou com au­xí­lio de com­ple­men­to e cé­lu­las, ma­tar es­tes mi­cro-or­ga­nis­mos”, es­cla­re­ce o imu­no­lo­gis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.