Por que não ema­gre­ço?

Al­gu­mas ati­tu­des po­dem pre­ju­di­car o pro­ces­so de per­da de pe­so. Apren­da a fu­gir de­las!

Coleção Almanaque da Saúde - - RECITAS - CONSULTORIA Ana Cláu­dia Flo­re­si, psi­qui­a­tra; Ce­cí­lia Zyl­bers­tajn, psi­có­lo­ga; Grei­ce Ca­ro­li­ne Bag­gio e Pau­la dos San­tos Ri­bei­ro, nu­tri­ci­o­nis­tas; Ro­ber­ta Hen­ri­ques, en­do­cri­no­lo­gis­ta; Shi­gueo Yo­ne­ku­ra, neu­ro­lo­gis­ta es­pe­ci­a­lis­ta em so­no; Xan­de Ne­gão, per­so­nal

FAÇO DIETA E MES­MO AS­SIM NÃO CONSIGO EMA­GRE­CER”. Es­se re­la­to é fic­tí­cio, mas po­de re­fle­tir o pro­ble­ma de mui­tas pes­so­as que, ape­sar da for­ça de von­ta­de, não ve­em o pon­tei­ro da ba­lan­ça cair. As ten­ta­ti­vas frus­tra­das pa­ra per­der pe­so ain­da po­dem fa­zer com que elas de­sis­tam do ob­je­ti­vo no meio do pro­ces­so, pre­ju­di­can­do tanto a saú­de qu­an­to a pró­pria au­to­es­ti­ma. Pa­ra evi­tar que is­so acon­te­ça, é ne­ces­sá­rio bus­car a raiz no pro­ble­ma e tra­tá-la, pa­ra que os es­for­ços não se­jam em vão. A se­guir, con­fi­ra al­guns fa­to­res que po­dem in­ter­fe­rir na sua re­e­du­ca­ção ali­men­tar.

AN­SI­E­DA­DE

Ro­ti­na cor­ri­da, es­tu­dos, pro­ble­mas fi­nan­cei­ros...Tu­do is­so faz com que vo­cê se sin­ta es­tres­sa­do e an­si­o­so? Es­ses si­nais ten­dem a ser co­muns no dia a dia, con­tu­do, se os sin­to­mas per­sis­ti­rem, é im­por­tan­te ave­ri­guar se a pes­soa es­tá so­fren­do de an­si­e­da­de. Is­so mes­mo: es­se dis­túr­bio po­de es­tar re­la­ci­o­na­do com à di­fi­cul­da­de de eli­mi­nar os qui­li­nhos ex­tras, já que, pa­ra mui­tos, a vál­vu­la de es­ca­pe aca­ba sen­do a co­mi­da. “Co­me-se por an­si­e­da­de pa­ra não en­trar em con­ta­to com os sen­ti­men­tos e tam­bém pa­ra se acal­mar. Co­mer acal­ma e cau­sa uma sen­sa­ção de bem-es­tar mo­men­tâ­nea”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Ce­cí­lia Zyl­bers­tajn. Pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma, é pre­ci­so con­sul­tar um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra que ele, jun­ta­men­te com o pa­ci­en­te, de­ter­mi­ne as cau­sas do trans­tor­no e pro­po­nha o me­lhor tra­ta­men­to. Te­ra­pi­as al­ter­na­ti­vas co­mo acu­pun­tu­ra, flo­rais, a re­a­li­za­ção de um hobby, en­tre ou­tras ati­vi­da­des tam­bém po­dem aju­dar nes­se pro­ces­so.

NOITES MAL DORMIDAS

Mui­tos não sa­bem, mas dor­mir pou­co re­fle­te di­re­ta­men­te na ba­lan­ça, po­den­do in­clu­si­ve fa­ci­li­tar a obe­si­da­de. “A fal­ta de so­no au­men­ta o ris­co de a pes­soa se tor­nar obe­sa. Pro­du­zi­da du­ran­te o so­no, a lep­ti­na é um hormô­nio que re­gu­la o ape­ti­te. Quan­do se dor­me me­nos do que o ne­ces­sá­rio, a subs­tân­cia é pro­du­zi­da em me­nor quan­ti­da­de, fa­zen­do com que a pes­soa co­ma mais. Quem não dor­me bem, ten­de a cri­ar gor­du­ra e não mas­sa mus­cu­lar”, re­ve­la o neu­ro­lo­gis­ta es­pe­ci­a­lis­ta em so­no Shi­gueo Yo­ne­ku­ra. Pa­ra aca­bar com as insô­ni­as, é ne­ces­sá­rio con­sul­tar um es­pe­ci­a­lis­ta, que irá in­di­car o me­lhor tra­ta­men­to — que po­de ser tanto me­di­ca­men­to­so qu­an­to a re­a­va­li­a­ção de al­guns há­bi­tos, co­mo a ado­ção de uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da jun­ta­men­te a prática re­gu­lar de exer­cí­ci­os fí­si­cos. In­ves­tir em al­guns alimentos co­mo camomila, ma­ra­cu­já, en­tre ou­tros, tam­bém po­de ser uma boa op­ção.

DEPRESSÃO

As­sim co­mo a an­si­e­da­de, a depressão tam­bém con­tri­bui no ga­nho de al­guns qui­li­nhos. Is­so por­que a pes­soa que so­fre do dis­túr­bio po­de de­sen­vol­ver uma com­pul­são ali­men­tar, con­tri­buin­do pa­ra a obe­si­da­de. “Ape­sar de o trans­tor­no ali­men­tar não aco­me­ter ex­clu­si­va­men­te a po­pu­la­ção obe­sa, sa­be-se que exis­te uma as­so­ci­a­ção en­tre es­se mal e a obe­si­da­de”, co­men­ta a psi­qui­a­tra Ana Cláu­dia Flo­re­si. Pa­ra tra­tar a do­en­ça, é pre­ci­so pro­cu­rar a aju­da em con­jun­to de um psi­qui­a­tra e um psi­có­lo­go. O pri­mei­ro é res­pon­sá­vel pe­lo tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so, já o se­gun­do po­de for­ne­cer todo o su­por­te pa­ra en­fren­tar o pro­ble­ma.

SEDENTARISMO

Uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da é pri­mor­di­al na lu­ta con­tra os qui­li­nhos ex­tras, con­tu­do, ela pre­ci­sa es­tar acom­pa­nha­da da prática fre­quen­te de ati­vi­da­des fí­si­cas. Co­lo­car o cor­po em mo­vi­men­to ain­da pro­mo­ve mais ga­nhos à saú­de. “Du­ran­te os exer­cí­ci­os, o cor­po li­be­ra uma subs­tân­cia cha­ma­da en­dor­fi­na, um neu­ro­trans­mis­sor que re­duz o es­tres­se e a an­si­e­da­de, pro­vo­can­do a sen­sa­ção de bem-es­tar. As ati­vi­da­des fí­si­cas ain­da me­lho­ram a saú­de car­di­o­vas­cu­lar, o que au­men­ta a ir­ri­ga­ção san­guí­nea do cérebro, re­du­zin­do as chan­ces de acon­te­cer al­gum aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC)”, des­ta­ca o per­so­nal trai­ner Xan­de Ne­gão. Por­tan­to, ca­mi­nhar, cor­rer, na­dar, dan­çar... Não im­por­ta o ti­po de ati­vi­da­de, o fun­da­men­tal é se me­xer!

RE­TEN­ÇÃO HÍDRICA

“Na re­ten­ção de lí­qui­dos ocor­rem mu­dan­ças na pres­são den­tro dos va­sos san­guí­ne­os. O ede­ma é uma con­di­ção que cau­sa o ex­ces­so de flui­dos, acu­mu­lan­do-se em cer­tas par­tes do cor­po, co­mo tor­no­ze­los, pés, per­nas e de­dos das mãos e na fa­ce. Co­mo re­sul­ta­do, es­sas par­tes do cor­po pa­re­cem in­cha­das”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Grei­ce Ca­ro­li­ne Bag­gio. Além de ser um obs­tá­cu­lo pa­ra quem qu­er ema­gre­cer, a re­ten­ção hídrica pre­ju­di­ca o or­ga­nis­mo co­mo um todo. Por is­so, é pre­ci­so com­ba­tê-la. A se­guir, con­fi­ra al­guns há­bi­tos que pre­ci­sam ser ado­ta­dos, de acor­do com Grei­ce. Es­co­lha alimentos sau­dá­veis. Con­ser­van­tes, ado­çan­tes ar­ti­fi­ci­ais, grãos re­fi­na­dos, ex­ces­so de açú­car, pro­du­tos quí­mi­cos e alimentos pro­ces­sa­dos man­têm to­da a ten­são co­lo­ca­da no sis­te­ma lin­fá­ti­co. Pre­fi­ra alimentos or­gâ­ni­cos e na­tu­rais. Pre­fi­ra as fru­tas e os ve­ge­tais. Es­ses alimentos abas­te­cem o sis­te­ma lin­fá­ti­co com im­por­tan­tes vi­ta­mi­nas, mi­ne­rais, an­ti­o­xi­dan­tes e fi­to­nu­tri­en­tes. A clo­ro­fi­la em ve­ge­tais ver­des é es­pe­ci­al­men­te be­né­fi­ca pa­ra es­sa fi­na­li­da­de. Con­su­ma áci­dos gra­xos es­sen­ci­ais. Gor­du­ras sau­dá­veis são ne­ces­sá­ri­as pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma lin­fá­ti­co. Se­men­tes de abó­bo­ra, li­nha­ça, no­zes, amên­do­as e abacate são bo­as op­ções.

MAS­TI­GA­ÇÃO ERRADA

Mui­ta gen­te não sa­be, mas a mas­ti­ga­ção, quan­do fei­ta da for­ma errada, po­de pre­ju­di­car o pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to. “Um dos prin­ci­pais pon­tos da re­e­du­ca­ção ali­men­tar es­tá na pri­mei­ra fa­se da di­ges­tão, ou se­ja, na mas­ti­ga­ção. É nes­se pro­ces­so que o me­ca­nis­mo de sa­ci­e­da­de é aci­o­na­do, ocor­ren­do uma in­ges­tão ca­ló­ri­ca mais equi­li­bra­da du­ran­te a ali­men­ta­ção. Se vo­cê se ali­men­ta com cal­ma, a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de é aci­o­na­da, fa­zen­do com que uma me­nor quan­ti­da­de de alimentos se­ja in­ge­ri­da, o que con­tri­bui pa­ra o pro­ces­so de per­da de pe­so”, fri­sa a nu­tri­ci­o­nis­ta Pau­la dos San­tos Ri­bei­ro.

PULAR RE­FEI­ÇÕES

Al­gu­mas pes­so­as acre­di­tam que dei­xar de se ali­men­tar em al­gu­ma re­fei­ção fa­vo­re­ce o ema­gre­ci­men­to. O pro­ble­ma é que acon­te­ce jus­ta­men­te o con­trá­rio. Quan­do vo­cê pu­la o ca­fé, por exem­plo, au­to­ma­ti­ca­men­te o or­ga­nis­mo en­tra­rá em si­nal de aler­ta pa­ra es­pe­rar o almoço, a fim de ab­sor­ver to­dos os nu­tri­en­tes pos­sí­veis, em es­pe­ci­al açú­car e gor­du­ras. Além dis­so, quan­do há um je­jum pro­lon­ga­do, con­se­quen­te­men­te, a pes­soa ten­de a com­pen­sar na pró­xi­ma re­fei­ção, co­men­do de­ma­si­a­da­men­te. Ou­tro pon­to é que o me­ta­bo­lis­mo fi­ca mais len­to, pre­ju­di­can­do a quei­ma de ca­lo­ri­as. To­dos es­ses fa­to­res di­fi­cul­tam a per­da de pe­so.

SEM VA­RI­E­DA­DE

Pa­ra ter uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da e, de que­bra, ema­gre­cer, é pre­ci­so va­ri­ar. Qu­an­to mais co­lo­ri­do o pra­to, mais nu­tri­ti­vo ele é. Quan­do se op­ta por uma re­fei­ção mo­nó­to­na, o or­ga­nis­mo po­de sen­tir fal­ta de al­gu­mas subs­tân­ci­as es­sen­ci­ais pa­ra o seu bom fun­ci­o­na­men­to. Es­sa ati­tu­de po­de im­pe­dir a eli­mi­na­ção dos qui­li­nhos ex­tras. Por is­so, invista em di­fe­ren­tes fru­tas, ver­du­ras e ve­ge­tais e pre­fi­ra alimentos in­te­grais em vez dos re­fi­na­dos. Eles con­têm gran­de quan­ti­da­de de fi­bras, que co­la­bo­ram pa­ra a per­da de pe­so.

TIREOIDE

No ca­so do hi­po­ti­re­oi­dis­mo, quan­do ocor­re um dé­fi­cit hor­mo­nal, o cor­po ten­de a tra­ba­lhar mais de­va­gar, ou se­ja, o co­ra­ção ba­te mais de­va­gar, o in­tes­ti­no pren­de e o cres­ci­men­to po­de fi­car com­pro­me­ti­do. Ocor­rem, tam­bém, di­mi­nui­ção da ca­pa­ci­da­de de me­mó­ria, can­sa­ço ex­ces­si­vo, do­res mus­cu­la­res e ar­ti­cu­la­res, so­no­lên­cia, pe­le se­ca, ga­nho de pe­so, au­men­to dos ní­veis de co­les­te­rol no san­gue e até depressão. Quan­do o tra­ta­men­to cor­re­to é em­pre­ga­do, es­ses sin­to­mas ten­dem a de­sa­pa­re­cer. “No tra­ta­men­to, pro­cu­ra-se nor­ma­li­zar a função ti­re­oi­o­di­a­na. As­sim, pa­ci­en­tes que ga­nha­ram ou per­de­ram pe­so de­vi­do ao dis­túr­bio na função da tireoide, ten­dem a re­cu­pe­rar seu pe­so ini­ci­al”, afir­ma a en­do­cri­no­lo­gis­ta Ro­ber­ta Hen­ri­ques.

SÓ CON­SU­MIR PRO­DU­TOS LIGHT E DI­ET

Ape­sar de es­ses pro­du­tos con­te­rem me­nor quan­ti­da­de de açú­car ou gor­du­ra, eles de­vem ser con­su­mi­dos com mo­de­ra­ção, já que, pa­ra com­pen­sar os ingredientes re­ti­ra­dos, a quan­ti­da­de de só­dio é au­men­ta­da sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, o que po­de co­la­bo­rar pa­ra a re­ten­ção de lí­qui­dos e, em ca­sos mais gra­ves, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de hi­per­ten­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.